Jogamos

Análise: Frederic: Resurrection of Music (Wii U) ressuscita Chopin com bom humor

Readaptando um jogo mobile, Frederic diverte mas apresenta tanto fortes acertos, quanto fortes erros.


Às vezes eu fico tentando imaginar o que passa na cabeça de um desenvolvedor de jogos. Quero dizer, quem em sã consciência pensaria um dia que um jogo musical que gira em torno da ressurreição de um dos mais famosos compositores clássicos poderia dar certo? E por mais absurdo que pareça, a melhor parte de Frederic: Resurrection of Music é justamente seu conceito e enredo.

Humor nonsense em sua melhor forma


Frederic Chopin, um pianista e compositor do começo do século XIX, acorda de seu sono (não tão) eterno quase dois séculos depois de sua morte. Sem entender por que voltou à vida, o que está acontecendo a sua volta ou as tecnologias do século XXI, Chopin se encontra principalmente aborrecido com a péssima qualidade da atual música popular francesa, e acaba travando um duelo contra um dos mais famosos DJs do local.



O que se segue é Chopin dando uma volta ao mundo tentando descobrir o responsável por arruinar a música contemporânea e por lhe ter revivido. Equipado com um piano e carruagens mágicos e portáteis, Chopin se depara com as mais diversas situações - seja num ônibus de imitadores do Elvis nos Estados Unidos, discutindo com um indivíduo claramente, err, “exaltado” na Jamaica ou até mesmo sendo reconhecido e realizando shows no Japão.

Tudo isso se dá através de divertidíssimas animações em estilo história em quadrinho. Embora um tanto longas para o estilo do jogo (lembrando que pode pulá-las desde a primeira visualização), elas são tão engraçadas que nem percebemos o tempo passar. As únicas ressalvas, entretanto, são a questão do voice acting, que deixa muito a desejar, principalmente na parte do protagonista, que fala em um só tom a aventura inteira, e a falta de legenda, pois o sotaque dos personagens às vezes complica a captação do que estão dizendo.


Testando as habilidades do pianista de um só dedo


Quanto à parte “jogável” em si, o conceito é bem simples: com o GamePad agindo como o teclado de um piano, o jogador deve apertar as notas que descem pela tela na hora certa, às vezes segurando-as ou deslizando sobre as teclas. Eventualmente, após realizar diversos combos, uma nota dourada começará a subir e, caso consiga clicar nela, o jogador adquire pontos bônus. As mecânicas, embora simples em teoria, certas vezes são confusas de realizar e o jogo não oferece explicação ou tutorial algum. Em dados momentos, por exemplo, ele sugere que chacoalhe o GamePad, mas até hoje não entendi qual a função ou resultado disso.


A organização das notas ao longo da música também deixa um pouco a desejar, visto que os mesmos quatro ou cinco padrões são repetidos incessantemente durante as composições de Chopin. Dito isso, para um jogo de música, a setlist é uma das coisas mais importantes e, embora ela venha de um gênero não muito popular (música clássica), as composições de Chopin são facilmente reconhecíveis e os novos arranjos, para se adequar a ritmos e estilos musicais dos diversos países que o pianista visita, são super interessantes e bem originais.



No geral, Frederic: the Resurrection of Music se torna uma experiência mais gratificante pela história bem singular que ele contém do que pelo seu gameplay em si. Embora não seja propriamente ruim, apenas pouco diverso, ele também apresenta algumas falhas da conversão de Mobile para o GamePad, como a tela da TV completamente descartável e o fato de que certas ações (como pegar as notas bônus) seriam muito mais simples se o controle do Wii U fosse multi-touch (como a maioria das telas dos celulares atuais). Por módicos seis dólares (e em eventuais promoções, sai por apenas um), Frederic diverte pelo preço pago, mas, fora a sua história, não tem nada de marcante ou que realmente justifique sua compra.

Prós


  • Excelente e engraçada história;
  • Personagens carismáticos (com exceção do protagonista);
  • Ótimas adaptações das obras de Chopin para outros estilos musicais.


Contras


  • Voice acting fraco e ausência de legendas;
  • Clara adaptação apressada de um jogo mobile;
  • Disposição de notas repetitiva ao longo das músicas.



Frederic: the Resurrection of Music - Wii U (eShop) - Nota: 6.5


Revisão: Catarine Aurora
Capa: Stefano Genachi
Hugo H. Pereira cursa artes conceituais nos EUA e atua como ilustrador e redator no Blast. Quando não está colocando seus desenhos no Facebook, está gritando "Objection" por ai ou resolvendo enigmas com o Professor Layton.

Comentários

Fórum
Google+
Facebook


Últimas do Fórum

Ver mais

No Facebook

Ver mais