Satoru Iwata fala sobre situação atual e planos para o futuro da Nintendo

O presidente da Nintendo fala sobre a situação atual de seus consoles, sobre planos para smartphones e sobre previsões para o futuro da empresa.


O presidente global da Nintendo, Satoru Iwata, deu uma entrevista à Nikkei sobre o estado atual da empresa e sobre planos e previsões para o futuro, na qual ele comentou sobre os resultados deste ano fiscal, sobre a situação do Wii U e do 3DS, planos para smartphones e tablets e sobre suas previsões para o futuro da empresa.


Ao ser questionado sobre a atual perspectiva para o ano fiscal japonês de 2014 (abril de 2014/março de 2015), já que em janeiro do ano passado as previsões para este foram cortadas pela metade, ele disse o seguinte:
"O New 3DS não teve seu lançamento nos EUA e na Europa antes do fim do ano (civil), e assim a demanda (por aparelhos da família 3DS) não aumentou tanto quanto gostaríamos. Isso não significa que os negócios com o 3DS tiveram alguma queda significante.

A estimativa revisada já leva em conta fatores de publicidade, incluindo despesas com os novos modelos do 3DS, então não esperamos que os resultados melhorem muito."
Sobre o fato das vendas do Wii U não terem aumentado:
"Eu acredito que os negócios com o Wii U ainda têm uma margem considerável para crescimento, assim como o número de títulos compatíveis com o console com lançamento em 2015.

O jeito que os jogadores japoneses jogam é diferente dos jogadores ocidentais. Cada vez mais jogadores japoneses jogam em smartphones e em aparelhos da família 3DS, enquanto a maioria dos jogadores europeus e americanos preferem jogar em seus consoles com uma tela bem maior. No mercado global de videogames, jogos para consoles ainda dominam, e o mercado é muito maior."
Sobre os planos para aumentar o lucro do ramo de consoles da empresa:
"O Wii U foi equipado com uma função para processar pagamentos usando cartões Suica no Japão, e o uso desses cartões para comprar jogos digitalmente se tornou bastante popular.

Outra coisa é incentivar empresas de jogos para smartphones a portarem seus jogos para o 3DS, já que eles podem ser vendidos por um preço razoavelmente baixo. Nós pretendemos seguir várias opções. Somente produtos e serviços que recebem um grande suporte dos clientes sobrevivem."
Quanto sua posição em relação ao crescente mercado de jogos para smartphones e tablets, Iwata disse:
"No passado eu me opus em fazer versões de smartphones e tablets de títulos da Nintendo, já que os preços considerados aceitáveis de conteúdo destinado a smartphones e tablets são muito baixos. Eu ainda estou bastante cauteloso com a categoria, mas nós pretendemos desenvolver produtos que permitirão aos consumidores se identificar com produtos da Nintendo e prestarem atenção aos jogos da Nintendo.

Por exemplo, os consoles atuais da Nintendo incorporam o uso dos Mii. Seria divertido se houvesse uma forma fácil de usá-los como ícones em redes sociais, e nós estamos desenvolvendo um aplicativo para fazer isso. O aplicativo será detalhado em uma data próxima do anúncio do nosso resultado anual."


Por fim, ele comentou sobre o que esperar do futuro da empresa:
"Nós acreditamos numa performance bem melhor no próximo ano, contando que não sejamos afetados negativamente por flutuações cambiais. Eu tenho dito que devemos voltar a ter um lucro mais adequado a uma empresa como a Nintendo tão logo quanto o ano fiscal de 2016. O que considero como um nível de lucro operacional aceitável pelo mercado e pelos acionistas é algo em torno de 100 bilhões de ienes (cerca de R$2,4 bilhões)."
Jefferson Boldrin Cardozo é graduando em Eng. de Computação na USP. Passou a amar video games quando ganhou seu primeiro SNES com Donkey Kong Country e não parou desde então. Quando não está jogando ou em aula, pode ser encontrado no Facebook.

Comentários

Fórum
Google+
Facebook


Últimas do Fórum

Ver mais

No Facebook

Ver mais