Pokémon Blast

Top 5 pré-evoluções competitivas para seu time Pokémon

Algumas pré-evoluções são muito mais do que um rostinho bonito, conheça as melhores para não passar sufoco na hora da batalha.


Oi pessoal, e aí, também pegos de surpresa pela aparição do Dark Mega Mewtwo X? Sinistro, hein? Mas hoje o assunto é bem o oposto, vamos falar de estágios iniciais ao invés de estágios finais ou melhorados, então vamos lá:
Evolução, o ciclo natural das coisas. Formas primitivas são substituídas e aqueles que não se adaptam são deixados para trás. É uma pena porque algumas pré-evoluções são muito mais do que um rostinho bonito e oferecem opções viáveis de estratégias competitivas, até melhores do que as próprias evoluções.

O objetivo desta lista é revelar aquele monstro de estágio inicial ou intermediário que tem um lendário dentro de si, com alternativas para o combate e que fujam da mesmice. Vamos relembrar também das gerações passadas e as marcas que estes pequenos (mas nem um pouco inofensivos) monstrinhos deixaram.

5º Vigoroth


A 3ª geração introduziu as bem-vindas habilidades Pokémon, algo parecido com os Poké-Powers das cartas do TCG. Muitas influenciaram o cenário competitivo por uma geração inteira, como a Arena Trap do Dugtrio. Outras ajudaram os jogadores dentro do jogo e mudaram a forma de fazer tarefas chatas como chocar os ovos, reduzindo-as pela metade do tempo (Flame Body, estou falando de você). E outras realmente só pioraram as coisas, como a terrível habilidade do Slaking, Truant, que significa “preguiçoso”, em tradução literal.

Essa preguiça gigante tem praticamente todos os base stats razoáveis, senão altos. Mas ela ataca uma vez a cada dois turnos! Quer dizer, é impossível usar nada que não seja ofensivo e além disso você vira setup bait do oponente.

Faz sentido uma habilidade assim como Truant em um Pokémon preguiça, mas ainda não deixa de ser a pior habilidade de todas, o que deixa o hiperativo Vigoroth com a 5ª colocação. Mesmo com metade do ataque, este babuíno pode causar estrago se buffando com Bulk Up na frente de atacantes físicos e curando os danos depois com Slack Off. Ah, e ele ainda pode ter um Sucker Punch na manga, então cuidado.

4º F.E.A.R. (Focus Sash, Endeavor, (Quick) Attack, Ratatta)

Essa estratégia de 2007 é mais batida que a creepy pasta do Ash em coma, mas se for usada no momento certo (ou seja, nos últimos turnos da batalha), pode causar muito pavor e derrubar um Pokémon do time inimigo fácil, fácil. Para isso você deve seguir estes passos com um Pokémon de nível um ou próximo disso (para que ele seja lento o bastante para sempre atacar depois), equipado com o item Focus Sash e que tenha os golpes Endeavor e Quick Attack.
  • Use Endeavor: Como seu Pokémon tem um nível baixo e, proporcionalmente, uma velocidade baixa, você sempre ataca depois - levando em conta que os Pokémon do oponente vão estar sempre no nível 50, no caso de você jogar VCG, ou nível 100, caso você dispute o Smogon. O Focus Sash será ativado e, em vez de ser derrotado, seu Pokémon vai ter um ponto de HP sobrando. O ataque que você escolheu vai igualar o seu HP com o do inimigo.
  • Use Quick Attack: você terá prioridade e um belo sorriso ao derrubar o Arceus com 1 de HP do seu amigo com um Ratatta novato.
Aqui jaz um pokémon nível 100
Claro que ela tem suas falhas, não acerta tipo fantasma; golpes de múltiplos hits como Rock Blast cancelam o efeito do Focus Sash e te nocauteiam; danos residuais de condições climáticas e as entry hazards também; e tem mais, outros Pokémon com golpes de prioridade vão poder atacar antes pela diferença de velocidade, mas ainda ficam com 1 ponto de HP, o que é muito útil ainda.

Mas como você pode ver, são casos específicos e você ainda pode cobrir o dano de granizo e areia com o Swinub, que resiste aos dois graças ao seu tipo. O Pikachu com Feint que vinha de brinde no 12º filme elimina o problema de prioridade pois esse movimento tem prioridade +2, ultrapassando Ice Shard e os demais +1. Enfim, não custa nada montar o seu Pokémon com estratégia F.E.A.R. — é bem rapidinho também. E o resultado é certamente recompensador.

3º Aron

Se a estratégia F.E.A.R. já deixa seu oponente com dor de cabeça, imagina a deste pequeno notável que brilhou na 5ª geração, um tempo em que condições climáticas não duravam cinco turnos, mas eram eternas até alguém cancelar, algo parecido com as cartas Estádio do TCG.

Aron tem um tipo excelente, imune a veneno e aos danos da Sandstorm. Então depois de ativar ela com um Tyranitar ou um Hippowdon, o esquema será o mesmo: ficar com um de HP e usar Endeavor, mas tem um detalhe: a habilidade Sturdy do Aron tem o mesmo efeito do Focus Sash, então você fica com o slot de item livre pra equipar o pouco convencional Shell Bell.

Quando você atacar, o seu Endeavor não só vai deixar o oponente no limiar da morte como, logo depois de atacar, todo o HP do seu Aron nv. 1 vai ser curado, resetando Sturdy para a próxima vitima. E tem mais, a Sandstorm vai tirar esse 1 ponto de HP do oponente e terminar a luta. Uma boa dica de fantasia pro próximo Halloween.

2º Riolu

Antes do Lucario Mega Evoluir e surpreender todo mundo com um novo jeito de usar o velho Pokémon de sempre, uma geração antes, o Riolu já mandava muito no cenário competitivo com uma estratégia única e que, quando começava, era difícil parar.

Com sua habilidade oculta, Prankster, Riolu é capaz de ganhar bônus na prioridade dos seus ataques de status, que não causem dano. Isso significa que todo golpe seu funciona no mesmo tempo do Quick Attack.

Como ele aprende Copycat e Roar também, já viu não é. Algum companheiro da equipe sujava o campo com entry hazards e o Riolu usava Roar para forçar a troca e fazer o Pokémon que entrasse se estraçalhar nas pedras e espinhos. 
Em breve nos cinemas

Rugido pra Katy Perry nenhuma pôr defeito
Mas Roar é um golpe super-lento na tabela de prioridades, então mesmo que o Riolu até seja mais rápido que o desafiante, ele atacaria depois. É aí que entra Copycat, que copia o último ataque usado mas ignora sua prioridade. Com o bônus da habilidade, Riolu sempre pode atacar antes, condenando os Pokémon inimigos a muitas trocas e dano residual. Muitas vezes Riolu usava Copycat até acabar o PP, quer dizer, por 20 longos turnos o dano continuava enquanto o oponente tomava o maior chá de cadeira da vida, sem poder fazer nada.

A única alternativa do oponente para quebrar a corrente Roar+Copycat são golpes de prioridade (em um Pokémon mais rápido que Riolu, para poder atacar primeiro) ou uma habilidade que imunize contra danos residuais, como o Magic Guard do Alakazam. Mas são casos isolados também, provando a efetividade do Pokémon raposa e também seu baixo número de predadores.

Como voce pode ver, o primeiro Roar dispara um caminho sem volta, então cuidado da próxima vez que ver um desses treinando o rugido.

1º Murkrow


O que é aquilo? É um Trapper? Não, é um Stallbreaker. Não, não, é um SubSwagger. E que tal um atacante? Físico, especial, mixed, você escolhe. Capaz de se encaixar em vários nichos, o primeiro lugar do Top 5 é o versátil Murkrow.

"Nevermore"
Num tempo em que não existia o tipo fada, Murkrow podia voar livremente atirando Thunder Waves para atrapalhar o oponente, neblina pra resetar todos os seus buffs e Taunt para obrigar o rival a desistir dos ataques neutros. E ele pode fazer tudo isso atacando primeiro graças à sua nova habilidade Prankster. Caso seu HP baixasse, era só usar Roost e começar novamente.

Com base stats altos para uma pré-evolução, o corvo podia usar Calm Mind e disparar Dark Pulses com STAB ou abusar do Brave Bird e ceifar uma boa quantidade de vida caso o seu time precisasse de uma força.


Aliás, em várias culturas, os corvos são associados à morte, magia ou mistério. Murkrow é a prova disso. Uma Pokémon com um movepool imenso, que abrange 13 dos 18 tipos do jogo, que fica ótimo com Eviolite e que por essas e outras irrita muita gente. Algo bem surpreendente para uma criatura sem polegares opositores.
Veste um Focus Sash pra segurar essas calças, meu chapa

E aí, o que acharam? Faltou alguma pré-evolução que você acha que deveria estar na lista? Comente e vamos conversar. Qualquer dúvida leiam os ótimos Competitivos 101 para se inteirar no universo competitivo. Bom feriado e até a semana que vem.

Capa: Marco Monteiro
Revisão: Luigi Santana
Rafael Buffon é formado em Jornalismo pela UPF e redator no Nintendo Blast. Além de videogames portáteis curte literatura, jazz e é apaixonado pela banda Velvet Underground.

Comentários

Fórum
Google+
Facebook


Últimas do Fórum

Ver mais

No Facebook

Ver mais