Vem aí

Prévia: Monster Hunter Generations (3DS) quer inovar sem abrir mão da tradição

O novo jogo da série Monster Hunter traz novas mecânicas e promete arrebatar novos fãs.


Eu fiquei bastante surpreso quando soube a respeito do anúncio de Monster Hunter Stories (3DS), não sei se fiquei decepcionado ou aliviado com a notícia. Decepcionado pois este jogo é um mero spin-off da série, aparentemente voltado para o público infantil. Aliviado porque, recentemente, Monster Hunter 4 Ultimate (3DS) havia chegado ao ocidente e anunciar um novo game da série principal em um espaço tão curto de tempo poderia desgastar a franquia. Algumas semanas depois, entretanto, foi revelado Monster Hunter Generations (3DS), que estaria disponível para o público japonês ainda em 2015.


Pensando por outro lado, no Japão é lançado um jogo ou uma expansão relacionada à série todos os anos e nem por isso as vendas de MH (Monster Hunter) estão diminuindo, muito pelo contrário. MH4U (Monster Hunter 4 Ultimate) foi um dos jogos mais vendidos para o portátil da Nintendo no ano passado, fato que deve ter influenciado e acelerado a localização de MHG (Monster Hunter Generations) para o ocidente.

A demo do jogo já foi disponibilizada para alguns proprietários dos títulos anteriores da franquia, o que contribuiu para a compreensão das novas mecânicas e nos dá um gostinho do que está por vir.

Como nos jogos anteriores, caso você não possua um New Nintendo 3DS, o jogo garante a compatibilidade com o Circle Pad Pro, acessório que melhora muito a sua experiência de jogo, pois ele adiciona um segundo circle pad. Este circle pad adicional exerce a mesma função de um analógico direito, permitindo que você movimente a câmera, o que é essencial para um jogo com visão e movimentação em 3D. Mas, se você também não possui esse acessório, fique tranquilo, pois o jogo te dá a possibilidade de customizar a segunda tela e acrescentar um segundo D-pad, só que virtual. Esse conjunto de botões virtuais obviamente não possuem tanta sensibilidade como as teclas físicas, mas oferecem a mesma função, sendo de grande ajuda.

Meus companheiros felinos 

Um dos grandes destaques desta nova versão é a possibilidade de jogar com os personagens mais queridos da série e um dos que melhor representam o lado cômico da mesma: os Prowlers. Esses felinos, até então, eram utilizados principalmente como ajudantes durante a caçada ou eram enviados em missões secundárias para a aquisição de itens.  Agora, você poderá não apenas controlá-los, como também contará com um leque de missões exclusivas com o objetivo de incentivar o uso dessa nova classe de personagem.

Palico

O Prowler (ou Felyne ou ainda Palico) é uma espécie de felino inteligente e muito carismático que lembra muito o gato doméstico. Essas criaturas são essenciais em suas missões, principalmente quando você está caçando sozinho, e possuem a função deatrair a atenção dos monstros, curar o jogador e às vezes até encarar de frente as criaturas do jogo. No último título da série, até dois palicos poderiam te acompanhar simultaneamente.

Sua caçada, agora com estilo

Outra novidade é a estreia de novas mecânicas, como os Hunting Styles. Agora, além das armas, você poderá escolher dentre quatro variações de estilos que alteram os movimentos do personagem e, consequentemente, como próprio nome diz, o seu estilo de jogo. Além disso, a opção de estilo também muda o número de Hunter Arts que estarão disponíveis para você. Por exemplo, o Striker Style é um modo de luta relativamente simples, porém agressivo. Este estilo facilita o carregamento das barras de Arts e permite ao jogador equipar até três habilidades.

Os Hunting Styles, com certeza, trarão muito mais dinamismo às partidas, principalmente em partidas multiplayer. A partir de agora, mesmo os usuários que utilizam o mesmo tipo de arma poderão se distinguir não apenas pelo equipamento que vestem, mas pelo seu modo de lutar, ou seja, eles se distinguirão tanto esteticamente quanto pelo modo como eles reagem aos adversários durante o combate.

A extinção chega a Monster Hunter  

Algo que talvez não agrade aos fãs é o fim das subespécies de monstros, contando com a participação apenas das criaturas originais e suas variantes. O motivo alegado pelos desenvolvedores é o desejo de adicionar uma quantidade maior de animais regulares. Em contrapartida, teremos 17 novas feras no jogo, além do retorno dos monstros do tipo Leviathan, que não estavam presentes em MH4U.

Subespécies

Para quem não conhece a franquia, a subespécie é uma forma alternativa de um determinado monstro, geralmente com cores diferentes e pequenas alterações na anatomia.  As subespécies podem tanto habitar o mesmo ambiente que a espécie do qual é derivado, como podem ser encontrados em lugares com um clima totalmente distinto. Há também a possibilidade destas criaturas serem muito mais fortes e mais raras do que as originais.

Muito mais do que um crossover 

Como é tradição nos últimos jogos da série, nós teremos os chamados ‘fatos’, que é a colaboração de outras propriedades intelectuais, geralmente outros games, em Monster Hunter. Essa colaboração se dá principalmente através de armas e armaduras temáticas conquistadas através da realização de Events Quests, missões especiais que são disponibilizadas gratuitamente no formato de pequenos DLCs. Já foram confirmados diversos ‘fatos’ para MHG, entre eles: Strider, Okami, Ghosts n’ Goblins e Street Fighter.

A presença destes novos ‘fatos’, sem dúvida, irá atrair a atenção dos fãs dessas IPs para o novo MH, atiçando o interesse e incentivando a compra do jogo até mesmo por aqueles que nunca tiveram contato com a franquia. Afinal de contas, quem não gostaria de jogar novamente com o Arthur de Ghosts n’ Goblins, mesmo que isso signifique ser um felino vestido como o herói

Que as caçadas comecem 

Por fim, vale ressaltar que, aparentemente, não haverão grandes inovações gráficas neste novo título, uma vez que ele utiliza a mesma engine de MH4U. Isso pode tranquilizar um pouco os jogadores do console, pois o jogo anterior já abusava bastante do hardware do portátil. Um grande salto poderia acarretar problemas de desempenho, como carregamento mais demorado e quedas de fps durante as partidas.

Apesar de se tratar de um spin-off, MHG parece manter todas as mecânicas da série principal, além de adicionar outras novas. Aliado a isto, a adição do Prowler foi uma grande e agradável surpresa. Junta-se a isso os “fatos” e o jogo tem potencial para atrair um novo público sem desagradar aos fãs da série. Afinal de contas, com exceção das subespécie, quase tudo foi mantido.  E você, meu caro leitor, está ansioso para mais um Monster Hunter?
Monster Hunter Generations – 3DS
Desenvolvedora: Capcom
Gênero: Hack n’ slash/RPG
Lançamento: 15 de julho de 2016 
Expectativa: 5/5
Revisão: Érika Mitie Honda
Capa: Peterson Barros

Manoel Siqueira Silva é formado em Análise de Sistema e Filosofia pela UFSCar. Aprecia games de todos os gêneros, mas confessa ter uma queda por RPG e jogos de mundo aberto. Está sempre em busca de games de qualidade que foram subestimados ou são desconhecidos. Este ser pode ser encontrado no Twitter e no Facebook.

Comentários

Fórum
Google+
Facebook


Últimas do Fórum

Ver mais

No Facebook

Ver mais