Jogamos

Análise: Paper Mario Color Splash (Wii U) é uma aventura divertida e colorida

Hora de pintar o sete no mundo fantástico de papel do nosso encanador preferido.


A última vez que a versão em papel do encanador mais famoso do mundo dos games apareceu foi no 3DS, com Paper Mario Sitcker Star. Apesar do game ainda não recuperar a essência dos primeiros títulos da série, ele retomou bem o estilo RPG que se perdeu com Super Paper Mario (Wii), além de arrancar umas boas risadas. E foi assim que, pegando carona no carisma que Sticker Star consagrou, que a série retorna ao Wii U para trazer um mundo mais vivo, engraçado e cheio de cores.

Caleidoscópio de mágico


A história do jogoe é tão simples e encantadora quanto qualquer game do Mario conseguiria fazer. Ao receber uma carta vinda direto da belíssima Prism Island - um telegrama que na verdade se trata de um Toad descolorido - Mario, Peach e Toad partem para a ilha a fim de descobrirem o que está acontecendo. Ao chegar no local eles ficam sabendo que a ilha foi atacada e que suas cores foram roubadas! Obviamente, cabe ao nosso herói Mario e sua nova companheira, a latinha de tinta Huey, devolverem as cores a esse paraíso e descobrir quem quer deixar o mundo somente em preto e branco.

A Intelligent Systems, responsável pelo desenvolvimento do game, fez um trabalho fantástico com o visual de Color Splash. Os efeitos aplicados ao mundo feito de papel, cartolina e papelão deixam os cenários mais reais e vivos do que nunca. Além disso, o elemento da tinta torna a aventura ainda mais bonita, já que usando apenas a marreta de Mario você pode pintar pontos brancos do ambiente, deixando o mundo mais colorido e liberando segredos escondidos. Não é algo imprenscindível, mas o game tem um sistema de porcentagem que você pode acompanhar para verificar o quanto de cada estágio já conseguiu colorir. O pessoal que gosta de ter 100% do game completo vai precisar vasculhar cada canto do mundo em busca de pontos brancos para pintar.
Além de um mundo colorido e vibrante, prepare-se para encontrar todo tipo de situação maluca.

A trilha sonora também merece destaque, já que as músicas combinam perfeitamente com cada ambiente, seguindo aquele estilo musical mais simples já conhecido da série. O único tema musical que se repete é a música dos combates com inimigos simples, mas, como é uma melodia divertida de se ouvir, não é cansativa, mesmo quando se entra em combate pela milésima vez. Também temos as músicas dos combates contra os chefões, que se tratam de temas mais fortes e épicos, como quando lutamos contra Iggy Koopa dentro de uma espécie de coliseu e a música casa com o momento.
Mario, o gladiador de papel!






 No mesmo estilo de Sticker Star, Color Splash joga o nosso encanador favorito em uma aventura em que ele precisa coletar as preciosas Paint Stars ao final de cada estágio para poder prosseguir através do Mapa do Mundo. Felizmente, dessa vez, existe muito menos backtracking e você não irá precisar voltar muitas vezes em uma parte específica para coletar um cartão especial para vencer um inimigo específico. A aventura é mais direta e o máximo que precisará fazer será visitar um estágio novamente para descobrir uma saída alternativa. Somente fique atento para retornar ao porto da ilha caso precise comprar mais itens quando estiver com seu bolso vazio.
O mapa do mundo é simples e todos os estágios normalmente possuem duas Paint Stars escondidas para você encontrar.

Tinta neles!

Quem já jogou Sticker Star vai se sentir muito à vontade com o sistema de combate em Color Splash. Ao invés de adesivos, agora Mario precisa de cartões que podem ser encontrados em blocos, em partes do cenário quando são pintadas ou mesmo comprados em lojas de Toads. Mas somente eles não bastam para derrotar os inimigos. É preciso colorir os cartões com a tinta que você possuir e a intensidade do seu ataque, assim como o poder do item, irá variar dependendo da quantidade de tinta que você utilizar. Resumindo, o processo de combate é super simples: selecione o cartão, pinte ele o quanto quiser, jogue-o e fique atento para saber o momento certo em que precisa apertar o botão para acertar o inimigo com um golpe ainda mais poderoso
Toda a seleção dos cartões é feita na tela do Gamepad e, com o recurso de jogar Off-tv, você ainda pode fazer tudo através da telinha.

É aqui que o único elemento mais forte do gênero RPG faz sua presença no game. Como a tinta é essencial para suas batalhas, você precisa controlar o uso dela, já que cada tipo de cartão usa uma cor específica (seja vermelho, azul, amarelo ou uma combinação delas). Por exemplo, para pintar o cartão da "Bota Simples", você vai precisar gastar muita tinta vermelha e um pouco de amarela. Além disso, é bom que colecionar adesivos de marreta ao longo dos combates, pois com eles você pode aumentar o máximo de tinta que carrega, o que pode ser a diferença na hora da vitória ou derrota. E não se preocupe em como terá que repor seu estoque de tinta. Se você bater em árvores ou flores (assim como em boa parte dos elementos do cenário), alguns globos de tinta devem aparecer para serem coletados. Além disso, depois de vencer um inimigo, ele sempre irá derrubar um pouco de tinta. Portanto, você nunca ficará "descolorido".
Além da quantidade de tinta, timming é um elemento crucial em qualquer combate.

A falta de mais características de RPG no game, como leveling e customização, são compensadas pelo humor e irreverência, marcas registradas da série, e que atingem seu ápice em Color Splash. Desde o começo da aventura, fique atento a cada diálogo para não deixar nenhuma piada ou menção a outros games da série escapar. Com um humor simples, mas divertido e inteligente, Color Splash mostra que a Nintendo consegue até rir de si mesma. Você ouvirá coisas como a mania de Mario por ficar pulando nos inimigos até comentários bizarros que os Toads podem fazer entre um combate e outro. Dei boas gargalhadas com um Toad justiceiro (que se auto-denominava "Justice Toad") que jurava combater o crime e maldade com seus super-poderes, enquanto Huey olhava para ele com um olhar zombeteiro dizendo "Esse cara realmente tá falando sério?".
Entre as ótimas piadas do game, temos de tudo um pouco, até um Toad surfista!

Além disso, se você já achava um tanto inusitado a presença de objetos reais como tesouras e ventiladores em Sticker Star, prepare-se pois essas “coisas” voltam em grande estilo em Color Splash. Apesar de bizarros, acredite, usar um limão para despachar um grupo de inimigos irritantes é mais útil do que se pode imaginar (além de muito hilário). Mas é importante lembrar que o uso deles deve ser feito com cuidado, já que você pode precisar deles para enfrentar um boss ou escapar de alguma situação caso ela fique complicada demais. E lembre-se sempre de explorar cada canto de um estágio, pois, às vezes uma dessas "coisas" pode estar escondida em um lugar que você nem imagina.
Ataque de limões! (Acredite, é um dos mais poderosos do game)

 Ao contrário de Sticker Star, quando o uso da habilidade de mudar as dimensões do game inseria um elemento de puzzle em que o jogador precisava imaginar onde colar um adesivo ou que porção do cenário puxar, em Color Splash o recurso ainda está presente, mas muito mais simples. Como o foco do game permanece mais em seu combate, os únicos momentos em que você precisará “paperizar” o mundo será quando precisar criar um atalho, cortando partes do cenário para alcançar pontos distantes ou para revelar itens escondidos, tudo feito com a stylus na tela do Gamepad.
Hmmmm.... O que será que se esconde por detrás dessa cerca?

Para alguém que jogou pouco Paper Mario (N64), torceu o nariz bastante para Super Paper Mario (Wii) e amou completamente Paper Mario Sticker Star (3DS), Color Splash me passou a sensação de uma bela homenagem à franquia. Além das várias risadas que as situações e diálogos conseguiram arrancar de mim, a mecânica dos combates é feita na medida certa: nem muito simples e nem muito complexa. Isso permite que você aproveite a experiência do game de uma forma mais descontraída, sem ficar se preocupando demais em planejar como irá derrotar um inimigo.
Além das gargalhadas, Color Splash fez meu coração gamer chorar forte de nostalgia com uma bela homenagem à Super Mario Bros. 3.

Uma lembrança colorida

Paper Mario Color Splash é definitivamente um dos games mais divertidos (e talvez um dos últimos) do Wii U. O título é uma ótima pedida mesmo para aqueles que não conhecem a franquia mas que buscam um game com Mario e que seja diferente das experiências do encanador no gênero plataforma. Com um combate descomplicado e um humor criativo, o título traz uma aventura hilária que não tenta ser uma continuação de Sticker Star, mas sim um passo adiante na franquia. Tenha a certeza de que você irá passar horas colorindo um mundo de papel e nem vai sentir o tempo passar.

Prós

  • Visual belo e detalhado;
  • Engraçado e irreverente;
  • Sistema de combate simples e divertido.

Contras

  • Poucos elementos de RPG.
Paper Mario Color Splash - Wii U - Nota: 9.0
Revisão: Jaime Ninice
Luís Antônio Costa é graudado em Ciência da Computação pela UFRGS. Apaixonado por games desde que ganhou seu primeiro Master System e conheceu Sonic, também é amante da ciência e um devorador de livros. Além do Nintendo Blast, também faz alguns textos para o Medium e pode ser encontrado no Facebook e Twitter.

Comentários

Fórum
Google+
Facebook


Últimas do Fórum

Ver mais

No Facebook

Ver mais