Blast Log

Pokémon Sun/Moon (3DS): Um resgate no paraíso

Depois de todos os Trials que fiz em Ula’ula, agora tenho salvar esse povo que precisa ser salvo de cinco em cinco minutos!

Retrospectiva do último episódio (Leia isso com a voz do narrador de Yu-Gi-Oh!): Fiz toda a firula da Ilha de Ula’ula. Destruí o líder do Team Skull e pra quê? Pra nada! Ainda levaram a guria sem sal, que eu nem gosto tanto assim, mas como sou a Maria Benfeitora desse continente, vou atrás de resgatar a infeliz.

Bem, depois de ganhar do Kahuna Nanu (que veio até mim), parti em busca de Lillie que foi levada para o Aether Paradise. Se você não lembra do que se trata esse paraíso, o que é totalmente compreensível pois já tem um tempo que passei por ele, vou te lembrar. Se trata de uma ilha artificial comandada por uma moça muito bondosa, chamada Lusamine. Os Pokémon que se encontram no “paraíso” são cuidados pelos membros da Aether Foundation. Vou colocar uma foto da Lusamine, quero que todos tenham uma noção da bondosa moça que salva Pokémon.
Filma a cara dessa demônia!
Agora já me encontro na ilha artificial. Viemos eu, Hau e Gladion no barco dele. O moço não tem dinheiro pra cortar o cabelo decentemente, mas tem um fucking barco! Andando um pouco pelo lugar, acabo lutando com um empregado da fundação. Ele tem um Dugtrio de nível 37 e um Sligoo de mesmo nível. O capanguinha tem Pokémon desse naipe e o meu mais forte é nível 44, que no caso é a minha Ninetales Shirlayne e ela se mostrou nada impressionante. Estou sentindo que vou me lascar nesse lugar, talvez devesse treinar mais… Nah! Tá de boa.

Como eu sabia que não estava no nível certo para o local, resolvi lutar com todos os treinadores disponíveis (coisa que nunca faço). Alguns níveis subiram e metade do meu time morreu. Mas não tem problema, é só voltar na ilha e recuperar meus Pokémon, certo? Errado! A anta aqui sem querer passou pelo elevador e a história prosseguiu. Agora estou subindo de andar e me deparo com Faba, Branch Chief da Aether Foundation e acabo tendo de batalhar com ele. Inês Brasil conseguiu dar um jeito no Hypno de Faba tranquilamente, até desviou da Hypnosis dele! Depois de derrotado, o cara libera nosso acesso aos andares inferiores, onde os experimentos ocorrem.

Engraçado, as pessoas perdem batalhas para crianças e depois simplesmente aceitam. Ninguém pensa em dar um peteleco na cabeça delas e resolver o problema? Eles não são bandidos? Mas okay, vamos para os andares inferiores.

Depois de descer, Hau e Gladion tem um conflito da profundidade de um copo d’água. Algo como: “Como você sabe de tudo isso?”; “Concentre-se temos que prestar atenção, Faba já deve ter dito sobre nós para metade da Aether Foundation!”; “Tá bom”. Agora vou entrar no Laboratório Secreto B, pois é assim que vilões nomeiam seus espaços. Se fosse eu nomeando seria algo diferente, tenho o dom para nomear coisas. Se eu quisesse ficar escondido, colocaria algo como “Depósito de fermentação da latrina coletiva para o adubo da hortinha de Lusamine Ltda.”, ninguém ia querer entrar.

Dentro do “Laboratório Secreto” que todo mundo sabe da existência, encontro três trabalhadores da Aether Foundation só que esses usam capacetes, em um estilo bem futurista brega. Depois de derrotar os três pesquisadores, só me sobraram uma Inês Brasil debilitada e a Shirlayne. Pois ninguém recupera meus Pokémon nessa bagaça!
Todo mundo aqui com umas roupinhas bem futuristas
Entrei em uma sala do Laboratório Secreto e, após derrotar os empregados do lugar, invadi o computador deles e li que Cosmog é uma Ultra Beast e possui o poder para criar Ultra Wormholes. Hau sai correndo para contar o que eu descobri para Gladion. Antes de tudo, é muito feio invadir o computador dos outros, só faça se for para salvar o mundo. Segunda coisa e a mais importante, se seu amigo descobrir algo, deixe que ele conte, não seja o babacão que sai correndo na frente para contar (sim, essa foi pra você Hau bocudo! X9!).

De volta ao andar superior, novos capangas estão nos esperando. Faba realmente está empenhado em empatar minha vida e eu com apenas dois Pokémon. Se estou tranquilo com a situação? Não! Mas, Hau pediu para batalhar junto com ele. Ainda bem que quando a batalha começou todo o meu time estava recuperado! Não vi quando isso aconteceu, mas não vou reclamar.

Depois das batalhas e de um momento sentimental entre Hau e Gladion, Wicke (amadinha) aparece chamando o moço estranho de jovem mestre, bem ao estilo japonês mesmo. Depois do momento de choque, a moça recupera todos os nossos Pokémon e nos informa que Lillie deve estar com Lusamine, e é pra lá que vou.
Não tem como odiar essa mulher!
No meio do caminho, me deparo com Faba de novo. Algumas lutas depois, o Branch Chief derrotado nos entrega a chave para onde Lusamine se encontra. Após abrir o portão, nos deparamos com um monte de grunt do Team Skull. Gladion passa correndo direto por eles e encontra Guzma. BOOM! Plot Twist, Aether Foundation trabalha junto com o Team Skull! Que safadeza Dona Lusamine, tsc tsc tsc tsc.

Depois de derrotar alguns grunt, encontro Gladion derrotado por Guzma. E é claro, sobra pra mim lutar com o chefe do Team Skull. A Kangaskhan começou o serviço, mas quem realmente brilhou contra Guzma foi Esmerendeolinda: dos quatro Pokémon do “vilão”, três foram derrotados por ela. Shirlayne apenas apareceu para derrotar o Ariados e concretizar minha vitória. Após derrotá-lo, eu adentro a mansão.
Nada demais no saguão, apenas uma porta é “entrável”. Lá dentro encontro Lillie e Lusamine. Apenas um diálogo… A presidente da Aether Foundation mostra sua verdadeira personalidade e… Ela é mãe da Lillie? Depois da nossa conversinha nada prazerosa, Lusamine entra em teletransporte atrás de seu espelho. Lillie (que é uma frouxa) pede para que eu mais uma vez a ajude, e como não tem a opção de cuidar da minha própria vida, lá vou eu me meter.

No meio da tensão do momento em que estou de frente com o capeta em pessoa, Gladion e Hau surgem como se estivéssemos num passeio na feira. Agora é o momento de descobrir que Gladion também é filho de Lusamine, todos eles são loiros… Nessa altura do campeonato nem me surpreendo mais.

Lusamine faz a maldade do século: usa o poder de Cosmog e abre vários Ultra Wormholes por toda Alola, mas uma Ultra Beast surge dentro da sala em que nos encontramos. Uma cinemática mostra uma besta que parece uma barata albina atacando o Kahuna Hala e Tapu Koko intervêm. De volta em Aether Paradise, Guzma entra na sala comemorando o sucesso do experimento. Por algum motivo, Gladion decide que ele irá lutar com a besta na sala, Hau irá tomar conta de Guzma e eu vou lutar com Lusamine (claro!). Não me lembro de ter votado nele para líder do nosso grupinho do Cúmplices de um Resgate.
Comprei essa bolsinha na 25 de Março por R$19,90
O que eu mais gosto nesse jogo é que o mundo pode estar acabando, mas minha personagem está sempre sorrindo (acho que ela é a personificação do Slowpoke), o mundo sendo invadidos por criaturas de outra dimensão, mas ela se abate com isso? Não! Sorriso no rosto e vamos batalhar a Lady Gaga maníaca. A luta com Lusamine não foi difícil, alguns Pokémon meus foram derrotados, mas por pura falta de atenção. Pouco tempo depois, eu já estava vitorioso e mais uma vez um adulto que podia me dar uma chinelada na bunda (igual mamãe já fez) simplesmente aceita a derrota.

Como se não bastasse, o Ultra Wormhole está fechando e a besta irá com ele. Lusamine e Guzma resolvem ir para a outra dimensão! Eles nem sabem se lá tem oxigênio! O Cosmog que agora está fora do receptáculo que a presidente maníaca tinha enfiado ele, mas ele mudou de forma e não se move mais (um momento bem Simba e Mufasa).
Falou, valeu!
Agora que tudo terminou, resolvemos dormir no quartel general da fundação que queria nos tirar de circulação, pois isso parece uma ótima ideia! De manhã, todo mundo de rosto lavado e dentinhos escovados. Gladion encontra a Sun Flute que supostamente vai chamar um Pokémon lendário de Alola. Além disso, ele me entrega uma Master Ball (pena que nunca vou usar, mas tudo bem). Agora só me resta seguir para a próxima Ilha, a Poni Island. Mas isso já fica para o próximo Log!


 Revisor: Ana Krishna Peixoto
Henrique Albuquerque escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook