Jogamos

Análise: Urban Trial Freestyle 2 (3DS) manobra a física e salta para a diversão

Jogo mescla edição de fases, gameplay desafiante e mecânicas baseadas no portátil da Nintendo para criar uma experiência divertida.

Jogos menores também têm um espaço importante nos consoles, principalmente na era atual dos videogames, na qual os títulos disponíveis somente em plataforma digital estão se popularizando cada vez mais. Com a chegada de novos títulos ainda para o nosso velho amigo 3DS, é impossível não falar de Urban Trial Freestyle 2 (3DS), o sucessor do título de motocross de mesmo nome que tem um jeito bem peculiar de ser.

Fúria sobre duas rodas

Entre equilibrar-se sobre uma roda após cair de uma plataforma consideravelmente alta, saltar telhados de casas muito idênticas e jogar fases aleatórias criadas por outros usuários, temos o mais novo jogo de corrida sobre duas rodas da equipe de desenvolvimento de jogos digitais Teyon. Publicado pela Tate Multimedia, Urban Trial Freestyle 2 é uma aventura energética que desafia a física e consiste em alcançar pontuações altas em cada fase realizando os famosos stunt jumps

Para aqueles que desconhecem, estes são pulos de ação que geralmente envolvem percorrer, com um veículo, um trajeto no ar durante um salto. Esses pulos ocorrem em alta velocidade e visam à chegada a um outro ponto de interesse, seja este uma plataforma ou o próprio terreno de onde o veículo partiu. Sendo assim, já podemos perceber que, apesar das altas velocidades atingidas, o principal objetivo do jogo não é fazer o jogador correr com sua moto e bater recordes de tempo, mas sim fazer com que sinta a adrenalina de cada manobra radical enquanto escuta a uma trilha sonora hardcore, que esbanja guitarras pesadas e, infelizmente, muita repetição.






O jogo apresenta ambientes distintos do título anterior, porém não inova na temática e ambientação. O cenário urbano é pouco variado em seus obstáculos, saltos e localidades, entregando apenas seis diferentes ambientes no modo campanha. Cada uma das fases possui específicos objetivos a serem concluídos, atribuindo uma nota de uma a cinco estrelas ao jogador, relativa ao desempenho deste durante o percurso. A busca pela perfeição das cinco estrelas ou até mesmo do nome estampado nos placares de pontuação mundiais faz o fator replay ser discutido no título.

Se, por um lado, podemos repetir a fase após concluída para almejar um placar de prestígio, por outro temos que, por muitas vezes, regressar ao começo da fase ou aos checkpoints a fim de completar um trecho, pois muitos são os limitadores das manobras de sucesso. Ficar travado sem explicação entre objetos, ser levado a rotas não muito intuitivas e até sofrer por conta de falta de velocidade antes de rampas muito íngremes são, às vezes, mais irritantes que os próprios obstáculos físicos presentes nas fases.

Emoção em cada salto radical

Há locais específicos dentro de cada fase que exigem do jogador certa perícia para executar os saltos com sucesso, e os pontos são obtidos baseados no desempenho de cada salto, que aparecem em cinco diferentes categorias. Highest Jump é uma medida vertical, que pontua saltos por altura; Longest Jump, por sua vez, atribui uma pontuação mais alta a cada jarda percorrida horizontalmente após o salto; Flip Meter exige que o jogador realize um salto seguido de pirueta, inclinando, assim, a motocicleta para frente ou para trás e completando uma volta (pelo menos) com sucesso; Precise Aim posiciona uma linha logo após uma rampa ou precipício, pontuando as “aterrissagens” que ocorrem mais perto da marca; e Speed Check é o recompensador de velocidade, baseando os pontos na velocidade em que a motocicleta se encontra ao cruzar a linha.

É importante relembrar, mais uma vez, que o foco principal do jogo não é a velocidade e tempo de percurso, apesar da opção de Time Trial posteriormente desbloqueada. Porém, a velocidade, assim como o equilíbrio, aceleração e — por incrível que pareça — a sorte, são cruciais para obter as cinco estrelas, que representam o sucesso no aproveitamento durante as fases.



Além disso, a busca por essas conquistas traz um bônus: os desafios, que são desbloqueados após a obtenção das cinco estrelas em cada bloco de fases da campanha. Estes são extremamente difíceis e exigem ainda mais do que foi citado acima, com um toque de coordenação motora, graças à mecânica que depende do giroscópio do 3DS para funções como mudança de sentido da gravidade.

Customização, criação e compartilhamento

No menu do jogo, é possível acessar opções de personalização de roupas, modelos de motocicletas e upgrades para a “magrela”, que podem ser adquiridos com o dinheiro encontrado nas fases da campanha. Essas opções são bem limitadas e pouco diferem das disponíveis em seu antecessor. A modificação da motocicleta ou a troca de modelo implica na mudança dos parâmetros de corrida, que são velocidade, aceleração e manuseio do veículo.


O editor de fases, presente apenas na versão de 3DS de seu antecessor, permite que níveis personalizados sejam criados, editados e até compartilhados online. O editor, que possui templates de fases com os cenários temáticos da campanha, oferece uma boa gama de objetos a serem colocados nas fases. Como o poder de processamento do 3DS é questionável e o jogo também não tem como objetivo ser um sandbox dos esportes radicais, o número de objetos que podem ser colocados em cada fase é limitado a 200.

Um ponto extremamente decepcionante do compartilhamento de fases online é a necessidade de um código secreto para encontrá-las, dificultando (e muito) o acesso ao conteúdo criado por outros jogadores. No momento atual, quando o jogo acabou de ser lançado, é praticamente impossível encontrar outras fases jogáveis; não fosse pelo advento do YouTube e Reddit, as fases compartilhadas por outros usuários não seriam experimentadas tão cedo.

Adrenalina a todo momento

Urban Trial Freestyle 2 é um título no qual o divertimento parece ser o maior motivador. É fazer você perder minutos ou até horas naquela fase que tanto quer finalizar com honras, ou até mesmo nos desafiadores cenários e obstáculos propostos por outros jogadores. O investimento vale a pena, já que você só precisará, atualmente, desembolsar US$ 6.99 ou o equivalente em reais para finalmente sentir a adrenalina de cada pista desse curioso título de corrida. Além do mais, é um privilégio poder jogar esse título em um portátil tão versátil quanto o 3DS. E aí, vai cair de cabeça nessa aventura radical?

Prós

  • Sensação de liberdade durante os saltos, com bônus nas sequências criativas e radicais de saltos;
  • Rejogar cada fase é recompensador e divertido;
  • Personalização e compartilhamento de fases online.

Contras

  • Obstáculos mal posicionados em algumas fases impedem que prossigamos no trajeto escolhido;
  • Sistema de customização pobre;
  • Acesso às fases customizadas não é nem intuitivo e nem amigável.

Urban Trial Freestyle 2 — 3DS — Nota: 7.5
Revisão: Ana Krishna Peixoto

Arthur Maia escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook