Metroid: Samus Returns (3DS): das críticas de Other M (Wii) ao aclamado retorno às raízes 2D

Yoshio Sakamoto, pai da série Metroid, explica a demora por um jogo 2D e a escolha pelo 3DS ao invés do Switch.


Após um hiato de 13 anos, Samus, enfim, retornará para o universo 2D. Metroid: Samus Returns, anunciado na semana passada durante o Nintendo Treehouse na E3, é um remake de Metroid II: Return of Samus, lançado originalmente para o Game Boy em 1991, mas que também traz novas mecânicas e habilidades para nossa caçadora de recompensas favorita.


Em recente entrevista ao Kotaku, Yoshio Sakamoto, produtor da série Metroid, comentou a respeito das decisões de retornar às origens, a escolha da plataforma e até das críticas que recebeu após Metroid: Other M (Wii).

Metroid: Samus Returns será lançado para o 3DS e não para o Switch. E essa foi uma escolha do próprio produtor para aproveitar os recursos do portátil. "Essa foi minha decisão", revelou Sakamoto. "Uma das principais razões é que a família 2DS/3DS possui duas telas. A segunda tela em si representa muito bem a funcionalidade de tela do mapa e queria colocar isso no jogo, pois não tínhamos visto a habilidade de ter o mapa sempre visível. Então foi uma escolha muito óbvia. Queria ter essa mecânica de mira livre e o direcional analógico nos permitiu fazer isso. E a série Metroid, a construção do mundo, o sentimento de onde você está... o design das fases, todos esses elementos combinados realmente fazem um grande uso da funcionalidade 3D estereoscópica", completou.

O último jogo 2D da série foi Metroid: Zero Mission, lançado para GBA em 2004, mas já fazia algum tempo que os fãs clamavam por um jogo side-scrolling. Sakamoto explicou porque demorou tanto tempo para Samus voltar às raízes. "Eu estou trabalhando em outros títulos além de Metroid, é claro. Estive bastante ocupado com muitas coisas. Há muito tempo envolvido quando todas as peças se encaixam e temos a capacidade de fazer algumas dessas coisas que pensamos há tempos. Acho que, para nós, o tempo foi dois anos atrás."

Metroid Other M dividiu opiniões ao mostrar um aspecto mais intrínseco e sentimental de Samus, um lado pouco explorado anteriormente, além de apresentar certa linearidade e foi duramente criticado. O produtor explicou o quanto a desaprovação de Other M afetou a representação da heroína. "Para ser honesto, quando desejei mudar essa representação da Samus, fiz o que queria fazer. Isso me deu uma força, eu acho, a capacidade de olhar para Samus de um novo ponto de vista e talvez reconsiderar o que eu queria mostrar sobre ela", disse.

Por fim, Sakamoto revelou que não existe uma comunicação próxima entre as equipes responsáveis pelos jogos 2D e 3D da série Metroid. "Não há proximidade entre essas coisas. Nós realmente não estamos em comunicação. Obviamente, falamos coisas como 'ei, o que vocês estão fazendo', 'isso é o que estamos fazendo', 'não vamos lançar esses jogos ao mesmo tempo' ou 'ei, talvez devêssemos lançá-los simultaneamente'. Esse é nível da comunicaçãoMas é claro que [Kensuke] Tanabe, que trabalhou na série Metroid Prime, vem e nos diz: 'ei, isso é o que vamos fazer', e nos informa sobre o que está acontecendo [com sua equipe]", explicou o produtor.

Metroid: Samus Returns será lançado para 3DS em 15 de setembro.

Alex Sandro de Mattos é formado em Gestão de TI. Entre se aventurar por Hyrule e se perder em Silent Hill, gosta de publicar fatos interessantes e bobagens no Nintendo Blast. Pode ser encontrado jogando games 2D e também no Facebook.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook