Punch-Out!! 30 anos: a trajetória de Little Mac e suas lutas icônicas

Sucesso nas eras 8 e 16-bits, série de boxe da Nintendo marcou gerações e renovou sua jogabilidade no Wii.




Senhoras e senhores! Chegou o momento da grande decisão! A luta do século! No lado direito, usando calção e luvas verdes, ele, o protagonista vencedor, Little Mac! No lado esquerdo, com calção escuro e luvas vermelhas, um dos maiores pugilistas de todos os tempos, Mike Kid Dynamite Tyson! Não é difícil retratar o contexto da luta de boxe mais icônica dos videogames na imaginação das crianças e jovens que puderam curtir de perto o incrível Punch-Out!! de NES, título que comemora em 2017 seus 30 anos de lançamento.


Figurando agora entre os trintões dos games, a franquia alcançou grande sucesso nas eras 8 e 16-bits e ajudou a estabelecer os jogos de boxe entre os títulos esportivos da Nintendo. Entre a fama e o hiato de gerações até retornar triunfante no Wii, vamos acompanhar a trajetória de Little Mac e suas lutas marcantes, bem como a jogabilidade característica da série. Afinal, já dizia Rocky Balboa: “Vencer é se levantar cada vez que a vida lhe der um golpe que te faça cair”.

Quem jogou a versão de NES deve se lembrar muito bem desses camaradas

Dos ringues ao NES

Em 1987, o boxe vivia grandes momentos nos ringues e no cinema. Estrelada por Sylvester Stallone, a série de filmes Rocky (1976-2015) ajudou a popularizar a modalidade, além de torná-la um símbolo de força e superação. Se nos filmes víamos essas virtudes refletidas em Rocky Balboa, a realidade também nos mostrava representantes à altura. E quem estava no topo naquele momento era ninguém menos que Mike Tyson, até hoje considerado um dos maiores e mais conhecidos pugilistas de todos os tempos.

Tyson manteve, entre 1986 e 1990, o cinturão de campeão mundial dos pesos pesados e sua fama espalhou-se em diversos países. Nessa época, a Nintendo já contava com dois títulos de boxe lançados em 1983 e 1984 para os arcades. Tratavam-se de Punch-Out!! e Super Punch-Out!!, além de Punch-Out!! Boxing, desenvolvido para o Game & Watch também em 1984.

Antes de migrar para os consoles, Punch-Out!! figurou em duas versões de arcade
Todas essas versões seguiam a mesma fórmula de jogabilidade: controlávamos um boxeador de tamanho reduzido em comparação aos oponentes, chamado Little Mac, e devíamos enfrentar uma sequência de rivais em busca do título de campeão mundial de boxe. Era possível atacar com socos direcionados na cabeça ou no corpo, além de uma mecânica de bloqueios e esquivas para a esquerda e a direita. A câmera ficava às costas de Little Mac, com o oponente sempre à frente do jogador. Super Punch-Out!! também introduziu o famoso agachamento (duck) como parte da movimentação de esquiva.

Ao decidir levar a franquia ao Famicom, a Nintendo originalmente lançou Punch-Out!! (1987) no Japão como parte de um prêmio oferecido aos vencedores do evento denominado Golf U.S. Course Famicom Tournament. Unindo conceitos dos títulos anteriores, o diferencial estava na aplicação de um enredo para as disputas, com a aparição de Little Mac em notícias de jornais e diálogos com seu treinador, Doc Louis. Com o papel de mentor do protagonista, Louis inscreve Little Mac na World Video Boxing Association (WVBA) para as disputas do circuito mundial.

A jogabilidade era fluida e intuitiva no NES, com uma acentuada curva de dificuldade
Na versão de Famicom, o jogador deve triunfar em 22 lutas divididas em quatro circuitos com dificuldades variadas. Em três deles, no caso de derrota, é possível recomeçar a luta no confronto anterior àquele em que foi derrotado, num total de três chances antes da tela de game over. Já no circuito mundial, o mais difícil, qualquer derrota faz com que Little Mac tenha que passar por todas as lutas desde o início. O oponente final e portador do cinturão é o vilão Super Macho Man, personagem que carrega o estereótipo de um aficionado por exercícios físicos. Ele também foi o último desafio nos arcades de 1984 em Super Punch-Out!!.

O confronto final contra Super Macho Man
No ano seguinte, outros dois títulos foram lançados: Arm Wrestling (Arcade) e Frank Bruno’s Boxing, este exclusivo na Europa para Commodore 64, ZX Spectrum e Amstrad CPC, porém ambos considerados spin-offs de Punch-Out!!, O primeiro contou com o desenvolvimento da própria Nintendo e com a participação de Bald Bull, um dos lutadores da série principal, enquanto o segundo teve Frank Bruno, pugilista britânico, retratado como protagonista do jogo.

Tyson vs Little Mac

A abordagem dada ao port americano do Punch-Out!! de Famicom seguiu um caminho mais badalado. Lançado nos EUA no mesmo ano que a versão japonesa, contou com um contrato assinado entre a Nintendo e Mike Tyson, o que permitiu a inclusão do pugilista no rol de personagens que enfrentariam Little Mac. A nova versão, Mike Tyson’s Punch-Out!!, ampliou a repercussão do título na América e tornou-se rapidamente um dos mais populares do NES.

Mac não parece surpreso com o histórico de vitórias de Mike Tyson, mas olhem só a cara do Doc Louis
Tyson surgia no ringue como o oponente final da tão esperada Dream Fight, confronto que daria ao vencedor o cinturão de campeão mundial após o jogador derrubar Super Macho Man na última luta do circuito. A base visual de Tyson era o mesmo sprite utilizado para o lutador japonês Piston Honda, que aparecia no mesmo jogo como campeão do circuito menor e primeiro desafio no circuito mundial.

Encarar Tyson era uma tarefa árdua e qualquer vacilo rendia um knock-out (KO), fazendo Little Mac não conseguir se levantar após os dez segundos de contagem do árbitro. Nos primeiros 90 segundos de luta, Tyson aplicava seus poderosos ganchos que eliminavam quase toda a barra de estamina do jogador, mesmo com o uso dos bloqueios. Outra técnica difícil de lidar eram os imprevisíveis ligthning jabs, ataques bem rápidos que feriam Mac antes mesmo do jogador perceber o golpe. Uma das poucas chances de acertar o campeão era quando Tyson aplicava golpes menos potentes e piscava com os dois olhos.

O embate mais aguardado dos jogos de boxe dos anos 1980. Pra cima dele, Mac!
Sem dúvidas, a versão de Punch-Out!! com a inclusão de Mike Tyson tornou-se a mais conhecida da série. O pugilista não aparece em nenhum outro título devido ao encerramento do contrato com a Nintendo no início da década de 1990, quando Tyson deixou de ser o campeão mundial dos pesos pesados. Mesmo assim, a Nintendo relançou o jogo para NES naquele ano, intitulado Punch-Out!! featuring Mr. Dream, personagem que ocupou o lugar de Tyson na Dream Fight.

Mr. Dream também foi criado com o mesmo sprite de Piston Honda e possuía técnicas de luta semelhantes às de Mike Tyson, porém com agilidade e tempo de reação maiores. Em sua biografia, consta que sua terra natal é a Dreamland, o que poderia ser uma ligação com a localidade onde se passam as aventuras de Kirby’s Dream Land, lançado para o Game Boy em 1992. Em alguns jogos da série, Kirby inclusive pode transformar-se em um lutador de boxe. Seria isso uma referência ao pugilista? Quem sabe.

Substituindo Tyson na versão de 1990, Mr. Dream tornou-se o campeão a ser batido
Outra característica marcante nas versões de NES foi a participação de Mario como árbitro. O bigodudo aparece em mais um “bico” de sua carreira profissional vestindo uma camisa longa branca, calças pretas e seu icônico boné vermelho. Don Flamenco, um dos oponentes do jogo, menciona o cabelo de Mario durante um dos diálogos com Little Mac.

Em Super Smash Bros. for Wii U (2014), uma divertida referência ocorre em uma das partidas de evento, na qual o jogador deve controlar Mario para apaziguar uma luta entre dois Little Mac. No lugar do traje de árbitro, ele veste a roupa branca característica da Fire Flower.

"E o vencedor é Little Mac, mamamia!"

Sequências

Com o sucesso de Mike Tyson’s Punch-Out!!, uma sequência começou a ser desenvolvida com o título provisório de Mike Tyson’s Intergalactic Power Punch, desta vez trazendo o ex-campeão como personagem principal em sua busca para recuperar o título mundial. No entanto, Tyson foi condenado, em 1991, a quatro anos de prisão por crime de violência sexual, fato que fez a Nintendo cortar definitivamente as relações contratuais com o pugilista. Mesmo assim, o jogo acabou sendo lançado em 1992 para NES sob o nome Power Punch II. No lugar de Tyson, foi utilizado como protagonista um personagem semelhante chamado Mark Tyler. Em 2014, Tyson teve a oportunidade de jogar contra si mesmo em uma partida de Mike Tyson’s Punch-Out!! no programa americano The Tonight Show.

         


Apesar dos acontecimentos, a franquia seguiu um ótimo caminho na era 16-bits com o popular Super Punch-Out!! (SNES, 1994), que trouxe melhorias significativas nos aspectos gráficos, sonoros e nas animações. Mantendo a perspectiva em terceira pessoa dos títulos de NES, agora o protagonista era visto de forma translúcida na tela, de modo a permitir uma observação mais atenta dos movimentos dos oponentes.

Já presentes nas duas primeiras versões para arcade, a barra de poder, localizada no canto inferior da tela, retornou. Ao preenchê-la por completo através de golpes certeiros e sem levar pancadas, o jogador podia liberar os knockout punches e rapid punches, ataques mais poderosos e que ajudavam muito a derrubar os pugilistas mais complicados. Uma adição interessante foi o progresso da performance durante as lutas, indicado pela cor de fundo localizada atrás do rosto dos personagens no canto superior da tela. Com variações entre azul, verde, amarelo e vermelho, os movimentos se tornavam mais rápidos e poderosos a cada evolução de cor, vantagem que podia ser quebrada ao derrubar o oponente ou ser derrubado na lona.

No SNES, Punch-Out!! recebeu melhorias em gráficos e animações, bem como uma jogabilidade mais precisa
Super Punch-Out!! para SNES foi muito bem recebido pela crítica por sua jogabilidade precisa e alterações significativas no modo de luta de cada oponente encontrado no jogo, o que aumentava ainda mais o desafio de alcançar o título de campeão mundial. O que ninguém esperava era que nas gerações seguintes (N64 e GC) a Nintendo não desenvolveu novos títulos para a série, mantendo um longo hiato de 15 anos.

Uma aparição interessante ocorreu em 2005, em Fight Night Round 2 (EA, Multi), cuja versão para GC trazia Super Punch-Out!! na memória e, caso o jogador terminasse o game, podia desbloquear Little Mac como personagem no jogo principal. O crossover fazia parte de um acordo assinado na época para a inclusão de personagens da Nintendo em títulos esportivos lançados pela EA.

Com visual diferente, Mac fez uma ponta em Fight Night Round 2 para GC como parte de um acordo entre EA e Nintendo

Até o último round

Somente em 2009 pudemos ver o quinto título da série principal ganhar vida. Punch-Out!! (Wii) focou-se na nostalgia dos jogos originais, trazendo uma série de personagens icônicos de volta. Também incluiu novos lutadores, entre eles Donkey Kong, personagem solicitado por um dos funcionários da Nintendo of America aos desenvolvedores da Next Level Games, estúdio responsável pelo título.

Depois de socar K. Rool em Donkey Kong 64, o gorilão decidiu investir nos ringues do Wii contra Little Mac
O novo Punch-Out!! aproveitou-se da grande popularidade do Wii e seus controles por movimento. Era possível jogar com o Wiimote e Nunchuk ou tornar a experiência mais realista com o uso conjunto da Wii Balance Board para movimentos de esquiva. Também havia como jogar de uma maneira mais tradicional, apenas com o Wiimote na horizontal simulando um controle de NES. Pela primeira vez na franquia, foi introduzido o multiplayer local com tela dividida.

Ao todo, eram oferecidos três modos principais de jogo. O primeiro deles, Career, trazia as disputas por circuito já conhecidas dos outros jogos, em uma campanha pela evolução de Little Mac rumo ao título mundial. O segundo, Title Defense, colocava o jogador para defender seu cinturão contra oponentes mais difíceis e que conseguiam proteger suas fraquezas.

A jogabilidade no Wii ficou bem intuitiva com os controles de movimento, que combinaram perfeitamente com a proposta de Punch-Out!!
Já o modo Mac’s Last Stand oferecia o maior desafio do jogo. Ele consiste em encarar uma série de lutadores em sequência. Caso o jogador seja derrotado três vezes, Little Mac se aposenta dos ringues e desativa seu progresso no modo carreira, sendo preciso jogá-lo novamente. Contudo, ao conseguir vencer dez oponentes, é desbloqueado o Champions Mode, experiência adicional na qual um único golpe recebido faz Mac cair na lona.

Após 15 anos, a repercussão de Punch-Out!! para uma nova geração de jogadores foi positiva e conseguiu reunir de forma satisfatória elementos nostálgicos e inéditos. Os fãs dos títulos originais também tiveram a chance de rejogar as versões antigas com os lançamentos de Punch-Out!! (NES) para os serviços Virtual Console do Wii e 3DS e de Super Punch-Out!! (SNES) para o Virtual Console do Wii U.

Em 30 anos de trajetória, Little Mac precisou treinar muito para manter a forma de campeão
O serviço WiiWare ainda disponibilizou, em 2009, o spin-off Doc Louis’s Punch Out!! como uma das recompensas aos membros do Club Nintendo. No jogo, considerado uma prequel da série principal, haviam três lutas com dificuldade progressiva contra o treinador de Little Mac.

Lançado apenas no Japão, Captain Rainbow (Wii, 2008), também apresentou Little Mac como um dos personagens que ajudam o protagonista a recuperar a forma física para reaver seu título de campeão. Em Super Smash Bros. Brawl (Wii, 2008), o pugilista é referenciado em um dos troféus adquiridos. Anos mais tarde, tornou-se personagem jogável em Super Smash Bros. for Nintendo 3DS and Wii U (2014).

Mesmo sem jogos novos, Mac mantém o ritmo de treino aplicando sopapos em Smash Bros. for Wii U
Embora não tenha recebido novas sequências após a versão de Wii, Punch-Out!! virou notícia no ano passado após um jogador descobrir um easter egg que passou despercebido por 29 anos em Mike Tyson’s Punch-Out!! de NES. Nas duas primeiras lutas do circuito mundial, contra Piston Honda e Bald Bull, era possível vencer o combate com apenas um soco. O momento correto para aplicá-lo era quando um espectador barbudo sentado na primeira fila abaixava a cabeça.

Em entrevista concedida em 2009, o ex-presidente da Nintendo, Satoru Iwata, revelou que também podíamos derrotar Bald Bull com apenas um soco no momento em que uma câmera disparava o flash no lado direito da primeira fila de espectadores.

Passados 30 anos de sua trajetória nos consoles, Punch-Out!! demonstra bastante potencial para seguir adiante, principalmente no Switch. A proposta de jogabilidade oferecida em Arms (Switch, 2017), por exemplo, pode servir de inspiração para levar Little Mac ao console híbrido. Uma das ideias da equipe de desenvolvimento de Punch-Out!!, anos atrás, era justamente incluir maior liberdade de movimentação nas lutas, mecânica muito bem executada em Arms.



E você, tem alguma lembrança de Punch-Out!! que queira compartilhar? O que acha de uma versão do jogo para Switch? Não deixe de comentar e prestar sua homenagem a uma das franquias esportivas mais icônicas da Nintendo.

Revisão: Vitor Tibério
Renan Rossi é jornalista formado pela USC e aficionado pela história dos videogames e como cada pequeno acontecimento culminou nessa cultura incrível que vivemos hoje. Quando não escreve, viaja por Hyrule, toca umas ocarinas com a galera, procura adversários em Mario Kart, defende o Charizard nas rodas de conversa e acredita que já está na hora de Bowser, o melhor vilão de todos os tempos, ter o seu próprio jogo.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook