Pokémon Blast

Equipe Galactic - A recriação do Universo Pokémon sem emoções

Em busca de uma realidade aos olhos de seu líder, a Equipe Galactic não faz ideia das consequências que isso pode trazer.



Chegamos à região de Sinnoh, que aparenta ser o ponto de origem do Universo Pokémon devido ao Arceus, Deus Pokémon, ter sido a base para a criação de tudo o que conhecemos. Embora ele tenha um papel importante nessa região, outros Pokémon são o foco nas versões Diamond/Pearl/Platinum. Assim como as equipes Aqua e Magma fizeram em Ruby e Sapphire, a equipe vilã que opera nessa região está diretamente ligada aos mascotes e possui um objetivo que vai além de dominar o mundo. Acompanhe nas próximas linhas um dos temas mais complexos da franquia, que é a criação, ou melhor, a recriação do Universo. Apresento-lhes a Equipe Galactic. Boa leitura!

O que é a Equipe Galactic

Equipe Galactic em Pokémon Generations
O Team Galactic surgiu com apenas um objetivo: realizar o sonho de seu líder. Os membros vestem roupas similares às de um astronauta e, em função disso, algumas pessoas que não conhecem a organização ou seus integrantes os chamam de "homens espaciais". Por ter uma temática de universo, os comandantes têm os nomes baseados em planetas: Saturn (Saturno), Mars (Marte), Jupiter (Júpiter) e Charon (Satélite de Plutão). Os tipos dominantes desta equipe são  e  para seu líder,  para os comandantes e  para os demais. Para que o objetivo da equipe seja concluído, os membros utilizam de meios ilícitos para obter os recursos necessários, como invadir as usinas de energia espalhadas por Sinnoh ou até mesmo explodir bombas nos lagos espalhados pela região. Tudo para buscar os Pokémon Lendários que ali habitam.

O líder - Cyrus

Cyrus em Pokémon Platinum
Cyrus sempre foi um dos melhores alunos em sua escola, na cidade Sunyshore. Durante a infância, por mais que fosse sempre aquele que mais se destacava, para seus pais nunca foi o bastante. Com o tempo, percebeu que as emoções são a causa das diferenças entre as pessoas e apenas eliminando-as seria possível acabar com estes conflitos. Seu principal objetivo é criar um novo mundo a partir de sua visão pessoal, ou seja, sem emoções e com isso, não haverá discussões entre as pessoas por conta dos seus sentimentos.

Dialga e Palkia sendo controlados por Cyrus
Este conceito encaixa perfeitamente com os nomes de seus principais comandantes: Saturn, Mars, Jupiter e Charon, reforçando a ideia de que ele está no centro de seu novo universo, até por conta da origem de seu nome: Cyrus vem de Kuros, que no idioma persa significa "Sol". Assim que o protagonista derrota/captura o Giratina do Distortion World, Cyrus decide ficar nessa realidade pois se assemelha com aquela imaginada por ele como a ideal. Na animação de Pokémon Generations sobre a Equipe Galactic a criação do novo universo, vemos que Cyrus se importa com o futuro da equipe e ainda nomeia Saturn como o novo comandante, ou seja, ele o vê como uma pessoa próxima, ainda que não revele nada sobre o que sente por Saturn.

Um mundo distorcido

Cyrus e Giratina no Spear Pillar
Para que o objetivo principal da Equipe Galactic seja concluído, Cyrus e seus comandados necessitam de um item chamado Red Chain, que é um poderoso artefato criado a partir das jóias presentes nos guardiões dos lagos da região de Sinnoh: Azelf, Uxie e Mesprit, a fim de controlar os poderes de Dialga e Palkia, para a criação de seu novo mundo tendo Charon, um cientista que se juntou a pouco tempo à equipe, como responsável por essa parte. Nos jogos Diamond e Pearl, esta ideia parece não encaixar muito bem, pois para criar um mundo novo, é necessário controlar Dialga e Palkia ao mesmo tempo, contudo, somente um guardião está presente em cada uma das versões dos jogos (que mancada hein Game Freak?), diferente do que acontece em Platinum, onde temos o verdadeiro "mundo sem emoções" com Giratina e o Distortion World.

O céu não foi o limite

Mesmo ser ter recriado o mundo à sua visão, Cyrus agora vive na mesma dimensão habitada por Giratina, que como dissemos acima, está livre de emoções. Entretanto, a que preço? Mesmo estando em uma realidade que foi seu objetivo por tanto tempo, ele está sozinho, sem seus Pokémon e colegas de equipe. Se ele gostava tanto de um mundo sem emoções, porque reuniu tantas pessoas e elegeu algumas para que fossem seus sucessores?  Em nosso próximo encontro, falaremos sobre o quão fácil pode ser enganar uma pessoa cheia de bondade e que pensa apenas no bem estar dos Pokémon, independente se estão em sua vida selvagem ou dentro de Pokébolas. Até mais!


Referências: Bulbapedia

Victor Hugo Carreta escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook