Top 10

Nintendo Labo: inovações que gostaríamos que se tornassem realidade

União entre papelão e Switch abre uma gama gigantesca de possibilidades divertidas e educativas para o futuro.


A Nintendo surpreendeu a todos no início do ano com o anúncio do Nintendo Labo, linha de jogos voltados ao público infantil que farão o Switch interagir das mais variadas formas com objetos feitos de papelão. Mesmo com dois kits oficiais já confirmados para lançamento em 20 de abril (Variety e Robot), discussões e especulações não faltam sobre novas ideias que poderiam se adaptar ao produto no futuro.


Em seu vídeo de lançamento vimos o grande trabalho criativo por trás do Labo, com uma série de objetos que irão unir a experiência física e virtual numa única brincadeira, a exemplo de um piano, uma vara de pescar, um manche de avião e até mesmo a adaptação de uma mochila de papelão com barbantes que a ligam aos braços e permitem a reprodução de movimentos na tela da TV, como se realmente fôssemos um robô.

A “magia” está na capacidade de detecção de movimentos e demais funcionalidades dos Joy-Con, utilizadas de modo a trazer a interatividade do Switch aos objetos montáveis. Parte da diversão se encontra justamente na construção desses objetos, fator que tem potencial para unir pais e filhos em todas as fases do processo. Pensando em mais possibilidades, separamos uma lista com dez sugestões que a Nintendo poderia trazer em futuros kits do Labo.

O Nintendo Labo abriu as portas para as mais variadas possibilidades de diversão e aprendizado

10. Franquias da Nintendo

Uma ideia interessante seria o desenvolvimento de pequenos jogos casuais que interagissem com uma linha de objetos alusivos às franquias da Nintendo. Algo como a montagem de um canhão similar ao utilizado por Samus para jogos de tiro em primeira pessoa, ao estilo on-rail (sobre trilhos).

O diferencial estaria no próprio canhão em si, acoplado ao braço com os Joy-Con. Ao girá-lo, os controles poderiam identificar a movimentação e alterar o tipo de tiro do jogador (normal, gelo, plasma e raio, por exemplo). Cada inimigo da série Metroid que aparecesse na tela poderia ter fraquezas a determinados tipos de tiro (minha criança interior adoraria ver isso colocado em prática). Outra sugestão muito bem-vinda seriam brincadeiras envolvendo a franquia WarioWare.

Já imaginou um canhão interativo da Samus que pudesse ser colocado no braço?

09. Kits de mágica

Lembram-se dos kits de mágica vendidos nos anos 1990 e que faziam a alegria das crianças? O tempo passou, mas muitas delas hoje em dia ainda vislumbram-se quando um parente ou amigo realiza o clássico ato do desaparecimento de algum objeto, ilusões de óptica ou as conhecidas mágicas de baralho.

Adaptar essa ideia ao Nintendo Labo poderia resultar em experiências bem interessantes, desde a montagem dos objetos a serem usados até nas explicações de como as mágicas funcionam através da tela do Switch.

Queremos ver tudo isso funcionando em conjunto com o Switch
Mesmo uma cartola de papelão interativa poderia utilizar a tecnologia dos Joy-Con para números de mágica que envolvessem o desaparecimento de objetos. Ou ainda uma verdadeira ilusão que transportasse objetos da telinha do console para dentro da cartola. E falando em chapéus, aí está uma oportunidade para envolver o personagem Cappy com os coelhos de Super Mario Odyssey (Switch, 2017).

08. Teatro de bonecos

Sejam bonecos controlados por cordas ou com o uso de fantoches, o Nintendo Labo teria potencial para se transformar em uma verdadeira oficina de teatro. Ideias já divulgadas, como o carrinho de papelão que anda conforme a vibração dos Joy-Con, poderiam ser facilmente adaptadas a bonecos manipulados à distância com a tela do Switch.

Ao mesclar personagens controlados pelos Joy-Con com outros bonecos controlados manualmente, podemos vislumbrar um grande trabalho teatral em equipe envolvendo histórias do universo Nintendo ou adaptações de contos de fada e lendas populares. Algo do tipo: “Era uma vez um encanador bigodudo de papelão que vivia salvando sua princesa do castelo de um terrível monstro espinhoso”. Facilmente eu sentaria na primeira fila para assistir!

A história de Chapeuzinho Vermelho, os Joy-Con e o Lobo Mau

07. Jogos que estimulem o aprendizado

Revistas que traziam réplicas ou peças de objetos montáveis relacionados a assuntos escolares fizeram muito sucesso no passado. O Nintendo Labo teria uma ótima oportunidade nesse sentido para oferecer conteúdos que auxiliassem no aprendizado de diferentes disciplinas.

Um dinossauro de papelão com tutoriais na tela do Switch que não apenas ensinassem como montá-lo, mas também oferecendo informações sobre o período em que viveram e até mesmo sendo utilizados em pequenos jogos interativos que reproduzissem a realidade da época.

Aguardando ansiosamente pelo Nintendo Labo Tyrannosaurus Kit
O mesmo valeria para réplicas de objetos ou estruturas históricas, como a Esfinge, a Torre Eiffel e também estruturas que simbolizassem conceitos, como fórmulas moleculares montáveis e que apresentassem seus efeitos químicos na tela do console conforme o constituído pelo jogador na estrutura de papelão. Para as disciplinas de exatas ou exercícios de memória, algo ao estilo Brain Age (DS, 2005) seria incrível. As possibilidades são praticamente infinitas.

06. Máquina de escrever/ computador

Utilizando uma premissa semelhante à mostrada pela Nintendo com o piano de papelão, seria possível criar caixas que representassem máquinas de escrever ou pequenos computadores totalmente interativos graças aos Joy-Con. No caso da máquina de escrever, a tela do Switch poderia se movimentar lentamente para representar o clássico vai e vem do aparelho, bem como ser adaptada a pequenos jogos já idealizados pela Nintendo no passado.

Em 1991, a empresa lançou Mario Teaches Typing para computadores pessoais como uma forma divertida de ensinar digitação às crianças. O próprio Mario Paint (SNES, 1992) poderia fazer um retorno triunfal num computador de papelão com jogos voltados à edição de imagens e vídeos, por exemplo.

Jogos educativos da Nintendo no passado poderiam voltar em grande estilo em um kit especial para o Labo

05. Kits musicais

Depois de fazer um piano de papelão tornar-se funcional, o Nintendo Labo tem carta branca para oferecer um kit exclusivo de instrumentos musicais. Todos os tipos deles (cordas, sopro ou percussão) poderiam ser adaptados em instrumentos de papelão, não apenas visando à reprodução de temas de jogos ou canções específicas, mas também com pequenas aulas sobre notas, escalas, acordes e partituras.

Novos conteúdos e aulas seriam disponibilizados periodicamente para baixar no Switch, mantendo um ciclo duradouro. E só de pensar em ver esses instrumentos funcionando, crianças e adultos já ficariam bastante empolgados com os sensores dos Joy-Con simulando baterias e movimentos em trompetes e trombones. Um violão de papelão seria um sonho realizado.

Você está preparado para isso? My body is ready!

04. Ambientação para jogos de tiro

Entre os objetos mais interessantes já mostrados nos vídeos promocionais do Nintendo Labo, podemos identificar uma espécie de arma. Com essa premissa, temos duas sugestões: uma envolvendo a TV e outra o ambiente como um todo.

Desenvolver jogos de tiro em conjunto com a tela da TV remete-nos a clássicos da Nintendo como Duck Hunt (NES, 1984). Com os Joy-Con acoplados a uma arma de papelão, seria possível reviver essa experiência em vários tipos de jogos de ação. Que tal um Wild Guns (SNES, 1994) com direito a arma e chapéu de cowboy de papelão?

Brincadeiras de tiro ao alvo interativas com as funcionalidades do Switch
Outra opção plausível seria a criação de verdadeiros campos de tiro reais com alvos de papelão espalhados em uma determinada área e com as armas (devidamente acopladas aos Joy-Con) que pudessem disparar projéteis. Seria uma espécie de tiro ao alvo com armas ou arco e flecha. Os sensores dos controles do Switch poderiam calcular aspectos como velocidade e angulação, dando mais realismo à brincadeira.

03. Livros interativos

Em Yoshi’s Story (N64, 1997), a seleção de fases e o avanço da história eram retratados num tipo de livro interativo. A cada página virada, um mundo novo se formava na tela, semelhante aos livros infantis que moldavam cenários de papel em três dimensões. Com o Nintendo Labo, seria mais que interessante levar esse conceito para ser trabalhado junto ao Switch.

As peças montáveis de papelão simbolizariam os cenários, que mudariam de ambiente a cada página virada. Já os Joy-Con assumiriam o papel de criar efeitos especiais. Fixados numa estrutura acima do livro, eles interpretariam os movimentos da criança com as mãos para interagir com a história na tela do Switch.

Enquanto a criança interage com o livro real, efeitos especiais são simulados no livro virtual na tela do Switch
As gesticulações iriam inserir efeitos de chuva, vento e neve que seriam reconhecidos na versão virtual, esta também com possibilidade de ser exibida na tela da TV e podendo ser admirada por uma pequena plateia. Olha aí uma chance incrível para vermos Paper Mario em ação.

02. Jogos de tabuleiro

Alguém mais pensou em Mario Party? Imaginem um jogo de tabuleiro, primeiramente montado com peças de papelão, e que proporcionasse experiência semelhante à dos títulos lançados para console, só que dessa vez na vida real.

Cenários de tabuleiros existentes na franquia poderiam ser projetados em kits específicos. Os Joy-Con teriam a capacidade de saber a posição exata de cada pino usado pelos jogadores e reproduzir uma versão virtual do jogo na tela do Switch. Ao cair na casa do Bowser, por exemplo, a tela do console (que também poderia ser ligada à TV para melhorar a visibilidade) mostraria a interação com o personagem e seus desafios, além de manter um placar do jogo.

Tabuleiros reais de Mario Party e as interações mais criativas possíveis com os Joy-Con. Que alguém na Nintendo esteja pensando nisso
A linha criativa por trás da coleção dos minigames desenvolvidos em 1-2 Switch (2017) poderia adaptar-se a minigames característicos da série Mario Party, com ou sem a exigência de estarmos olhando para a TV. E por que não utilizar os Amiibo como os pinos controlados pelo jogador? As reuniões com os amigos e família ganhariam um atrativo e tanto.

01. Troca de experiências em comunidade

Mais que trazer kits com brincadeiras para o Labo, a Nintendo tem a chance de abrir essa possibilidade para qualquer pessoa. Com a criação de uma comunidade on-line, todas as ideias e projetos desenvolvidos ao redor do mundo ganhariam mais abrangência, gerando uma grande troca de experiências que alimentaria a vida do Labo por anos a fio.

Conforme já divulgado pela própria Nintendo, o Labo permitirá o avanço da criatividade e a elaboração de qualquer projeto envolvendo o Switch e as placas de papelão, não se resumindo apenas ao oferecido pela companhia. Uma premissa que popularizará ainda mais o D.I.Y. (faça você mesmo) com a possibilidade dos usuários enviarem vídeos de tutoriais que ensinem a montar cada ideia e mostrar como ela funciona.

Através de um possível Nintendo Toy Channel, os usuários poderiam trocar experiências sobre as suas próprias criações
E você, gostou das sugestões apresentadas ou tem alguma ideia de inovação que o Nintendo Labo poderia oferecer ao público? Não deixe de participar e deixar a sua opinião sobre como o novo projeto da Nintendo pode influenciar o processo de criatividade de crianças e também dos adultos com coração de criança.

Revisão: João Paulo Benevides
Renan Rossi é jornalista formado pela USC e aficionado pela história dos videogames e como cada pequeno acontecimento culminou nessa cultura incrível que vivemos hoje. Quando não escreve, viaja por Hyrule, toca umas ocarinas com a galera, procura adversários em Mario Kart, defende o Charizard nas rodas de conversa e acredita que já está na hora de Bowser, o melhor vilão de todos os tempos, ter o seu próprio jogo.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook