Jogamos

Análise: Radiant Historia: Perfect Chronology (3DS) traz boas novidades à jornada de viagens no tempo

O título da Atlus mantém a estrutura com boa história e gameplay, além de trazer melhorias e inclusões interessantes.




A informação mais imediata que se tem sobre Radiant Historia: Perfect Chronology é de que o título é uma versão incrementada de um clássico do finalzinho da vida do Nintendo DS para o seu sucessor dotado da funcionalidade de 3D estereoscópico. Já adiantando o assunto, deve ser dito que o efeito tridimensional não foi implementado na nova versão.


O que será então que Perfect Chronology traz de novo, já que a possível melhoria mais óbvia não está presente? Bom, a resposta é: várias coisas, desde retoques gráficos, passando por dublagem de diálogos e incrementos no sistema de combates até um ramo do enredo inédito. O interessante é perceber os novos elementos e a coesão deles com as características originais da obra e quanto eles contribuem para melhorar a experiência.

Viajando pelas linhas do tempo

O jogo conta a história de Stocke, um guerreiro envolvido em uma guerra entre dois reinos que já dura um bom tempo. Certo dia, antes de uma missão, nosso herói recebe de seu superior um livro em branco chamado White Chronicle. Após um resultado trágico, ele descobre que esse livro é um artefato que o permite viajar no tempo e alterar sua ações de forma a corrigir as coisas que deram errado.

A trama original tinha duas linhas do tempo principais entre as quais o protagonista deve viajar e modificar o passado para gerar um futuro positivo. Esta é a mecânica principal da obra, lembra de certa forma a ideia viagem do tempo de um outro grande clássico que é Chrono Trigger, contudo se difere através do fato de que são linhas paralelas de um tempo recente, mas que ainda assim os acontecimentos em uma delas gera repercussão na outra e vice-e-versa.

Em Perfect Chronology, a grande novidade na história é uma espécie de “terceira linha temporal”, que é conduzida pela misteriosa nova personagem Nemesia — que busca o auxílio de Stocke em sua própria jornada. Embora não seja um ramo completo da trama propriamente dita, essa nova parte alternativa complementa o enredo original amarrando algumas pontas de acontecimentos possíveis dadas as determinadas escolhas do herói em momentos decisivos. É uma adição muito bem-vinda.


Deve-se ainda ressaltar que Radiant Historia é uma obra muito bem escrita, com personagens ricos e dramas particulares interessantes. Os acréscimos da nova versão foram inseridos muito adequadamente, mantendo a coesão de trama juntamente com os novos elementos de gameplay.

Tácticas, habilidades e combos (ou não)

O jogo segue de forma geral a estrutura de um JRPG clássico, com longos diálogos e batalhas em turno. Este último aspecto é um dos pontos altos do título, bem elaborado e recheado de elementos táticos. Nele, o seu time é composto por três personagens — geralmente Stocke e mais dois que o acompanham dependendo do momento da história em que estivermos — e os inimigos que são dispostos num grid 3x3. O posicionamento dos adversários é relevante, pois quanto mais próximos de sua party, mais danos eles causam; mas também é a chave para combos iniciados por golpes que os deslocam de suas posições e causam efeitos devastadores no time oponente.

Uma adição bem-vinda aos combates são as support skills, habilidades que os personagens do grupo que não estão ativamente na batalha podem executar de forma aleatória gerando dano adicional, infligindo envenenamento aos inimigos ou utilizando técnicas de aumento de defesa e ataque do time dos heróis, por exemplo.

Embora o sistema de combates seja bem construído e interessante, pode ser que fique um pouco repetitivo enfrentar os mesmos inimigos diversas vezes. Uma solução pensada para isso foi o modo de dificuldade friendly. Nele, ao controlarmos Stocke pelos cenários de exploração, podemos derrotar os inimigos com um mero golpe de espada e recebemos a mesma quantidade de experiência, itens e dinheiro que obteríamos em uma batalha propriamente dita. É como se o estilo do jogo mudasse para um visual novel com leves elementos de um RPG de ação. Uma opção bastante interessante, pois a obra se adapta aos diferentes perfis de jogadores, mas mantendo seu charme.

Mudando para melhor

No 3DS houve uma inversão dos papéis de cada tela: enquanto no original a tela principal era a inferior e a de cima a auxiliar, agora a ação ocorre na parte de cima — dando a impressão de um mundo mais amplo por causa do tamanho maior— enquanto a touchscreen mostra informações e mapas. Essa mudança não ocorreu só de forma cosmética, e a tela auxiliar está muito mais informativa, ajudando bastante tanto no combate como na exploração.

Não podemos dizer que houve uma melhora gráfica substancial, já que o que fizeram no geral foi aumentar a resolução e mudar algumas texturas. Mas isso não faz com que o jogo perca em charme na mistura de polígonos dos cenários com os sprites pixelados dos personagens. As mudanças mais perceptíveis nos visuais foram a inserção de animações em momentos importantes da trama e a polêmica alteração das ilustrações dos personagens. Esta última chegou a desagradar muitos dos fãs quando screenshots da nova versão foram divulgados por mudar significativamente a forma como alguns dos heróis e aliados são retratados. A Atlus, para contornar a questão, lançou um DLC com as artes originais, e seria uma boa solução caso o conteúdo não fosse pago.

Na parte sonora, deve-se destacar o ótimo trabalho de dublagem quase que integral de todos os diálogos, o que contribui para a imersão do jogador e dá mais vida aos personagens. As músicas são agradáveis e adequadas a cada momento em que são executadas. Algumas delas são novas e se relacionam com o ramo de Nemesia.

Radiant Historia: Perfect Chronology pega uma obra já bastante interessante e faz uma melhora geral em vários de seus aspectos, sendo indicado para novatos e fãs do original. Por um lado, traz mais informações, opções no menu e o modo friendly fazendo deste um jogo bem mais acessível. Por outro, traz mais desafio com os modos hard e deadly (o último em forma de DLC gratuito), dublagem, novas artes e novos trechos de história que complementam a trama que é bastante rica e bem escrita.

Prós


  • Personagens interessantes e únicos; 
  • Enredo rico e bem construído; 
  • Ótimo trabalho de atuação vocal; 
  • Sistema de combates bem elaborado; 
  • Mais acessibilidade ao mesmo tempo que se mantém atrativo para os veteranos.

Contras

  • Batalhas um pouco repetitivas para certos jogadores — pelas idas e voltas pelo tempo; 
  • As artes originais dos personagens só estarem disponíveis através de DLC pago.
Radiant Historia: Perfect Chronology - 3DS - Nota: 9.0


Revisão: Arthur Maia
Análise produzida com cópia digital cedida pela Atlus
Luiz Filipe Cremonezi do Valle é formado em Direito pela UFJF. Adora videogames desde que se entende por gente. Gosta de jogos antigos, mas está sempre ligado nos novos games e tecnologias. Pode ser encontrado no Facebook e no Twitter.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook