Vem aí

Prévia: Captain Toad: Treasure Tracker (3DS/Switch) promete cativar novos jogadores

Toad ganhará, nesta semana, mais duas chances de destaque nos consoles da Big N.

Em 2014, Captain Toad estreou sua aventura inédita, aliada exclusivamente ao Wii U, e ganhou o coração dos fãs de jogos de puzzles com sua maneira peculiar de utilizar o gamepad e de desvendar os mistérios das fases minimalistas e cheias de detalhes. Porém, como sabemos que esse console não chegou a atingir um alto grau de popularidade, a Nintendo, desta vez, decidiu relançar mais um de seus grandes feitos para o Nintendo 3DS e o Nintendo Switch – em duas versões totalmente remodeladas para cada plataforma.

Ele nasceu há quase 4 anos atrás

Lançado pela primeira vez em dezembro de 2014 para o Wii U, Captain Toad: Treasure Tracker contou com o carisma de Toad e Toadette em uma ramificação de Super Mario 3D World totalmente focada na resolução de puzzles. Para tanto, o jogo recebeu 81% de aprovação no Metacritic, baseado em 78 críticas, e se tornou um novo atrativo de vendas do console na época natalina desse mesmo ano.

Tudo começa com Toad e Toadette subindo uma torre para agarrar uma Power Star. Entretanto, um grande corvo, Wingo, aparece e rouba a estrela, levando Toadette com ele. Para isso, o jogador deverá guiar Toad até encontrar o pássaro e resgatar sua parceira. Durante a trajetória das 70 fases do jogo, reviravoltas acontecem em cenas divertidas que se desenvolvem em histórias temáticas cativantes.


Por ser um jogo inteligente e desafiador, caso o jogador opte por encontrar todos os segredos escondidos, o charme das personagens não é o suficiente para definir a profundidade do jogo. Com isso, o fator replay entra em cena e garante, para os mais curiosos, muitas horas de desafios que trabalham com a rotação de mapas e com a constante procura das três gemas normalmente escondidas em casa fase.

Na maioria das vezes, o Captain Toad se move em um ritmo lento, o que permite que você leve o seu tempo navegando por cada nível. Você está sempre no controle total da câmera e, embora pareça muito simples, o cuidado em esconder as três gemas de cada nível é notável. Além disso, é importante mencionar que mesmo sem uma única palavra de texto, o par de personagens carismáticos consegue demonstrar o quão únicos eles são.

As mecânicas de gameplay são simples: o jogador tem todo o controle da câmera e deve, com isso, guiar Toad ou Toadette até a estrela final de cada fase. Mesmo assim, nenhum dos dois conseguem pular, o que é um ponto curioso e característico desta aventura que os dá a oportunidade de desenvolver controles únicos e diferentes daqueles que já estamos acostumados em jogos de plataforma.
A ideia de exploração oferecida promete ser um dos grandes destaques.
Mesmo com o cuidado dos desenvolvedores para entregar um bom jogo aos consumidores, a versão para o Wii U vendeu, nos primeiros meses nos Estados Unidos, cerca de 250 mil cópias e no Japão, até o final de junho de 2015, alcançou, com muito esforço, 155 mil cópias vendidas. Dessa forma, nada mais justo a tentativa da empresa de divulgar o jogo em mais duas plataformas em 2018, buscando, assim, alcançar números além de satisfatórios e popularizar a nova ramificação da franquia Super Mario.

Por que só ter um se podemos ter três?

Ainda por se tratar de um relançamento com versões para 3DS e Switch, é garantido esperar o mesmo nível de qualidade anteriormente lançado. Confirmado por uma análise técnica, a qualidade dos dois ports é admirável. Além de cravar uma resolução de 1080p e 60 FPS no modo dock e de 720p e 60 FPS no modo portátil do Switch, a versão para 3DS é o que mais surpreende.

Mesmo com uma diminuição drástica de efeitos e textura, o 3DS tem a missão de renderizar o jogo duas vezes simultaneamente. Isso ocorre porque o jogo comporta a mesma imagem nas duas telas do portátil, mas com a função touch funcionando na tela inferior para que o jogador interaja com o mapa através desse contato direto com a stylus. Assim, levar Captain Toad para qualquer lugar terá, agora, duas opções curiosamente diferentes para o mesmo jogo.
A formatação do jogo para duas plataformas bem diferentes é apreciável.
Porém, a falta do gamepad ou de uma função touch para o Switch quando conectado no dock pode fazer falta. Para resolver esse problema, os desenvolvedores exploraram os sensores de movimento e de mira na tela para que o jogador selecione as interações com o mapa, mas tal solução aparenta ser a interação menos eficaz se comparada às outras.

Uma visão diferenciada

A proposta da Big N a respeito de Captain Toad: Treasure Tracker para 3DS e Switch é de oferecer o jogo a um preço menor, US$ 40, e incentivar principalmente os jogadores que não jogaram a versão de Wii U. Para que isso funcione, a disponibilização de demos para as duas plataformas foi um bom começo, sempre procurando cativar novos consumidores através de uma experiência curta, mas gratuita e de qualidade.

Além disso, a ideia original de se inspirar nos mundos de Super Mario World precisavam de um upgrade. Assim, a Nintendo pegou as estruturas caricatas de Super Mario Odyssey, lançado no final de 2017, para desenvolver novos níveis com uma visão atualizada e atrativa para os fãs da franquia. Com isso, New Donk City é um dos destaques para essa nova versão de Treasure Tracker.


De todo modo, é importante ressaltar que para quem adquiriu e completou a versão para Wii U, as novas versões podem não saciar a sede por novidades – justamente por serem poucas. Similar a Donkey Kong Country: Tropical Freeze para o Switch, poucas adições foram feitas e, com o que foi divulgado pela própria Nintendo, é possível inferir que o port tem foco nos jogadores novatos ou decididos a jogar, mais uma vez, o mesmo Captain Toad, só que dessa vez com um pouco mais de conteúdo e em aparelhos que podem ser usados em qualquer lugar.

Em síntese, uma das apostas da Big N para as férias de julho é deixar os pequenos Toad e Toadette com a importante missão de entreter os fãs de jogos de puzzle com dezenas de horas a fim de encontrarem todos os tesouros escondidos em mais de 70 níveis. Para sabermos se tal estratégia dará certo, teremos de aguardar a recepção do público, tanto para o Switch quanto para o 3DS, a respeito dos carismáticos cogumelinhos incapazes de pular, mas dignos de um pouco mais de atenção sob os olhos dos desenvolvedores.
Captain Toad: Treasure Tracker - Switch
Desenvolvimento: Nintendo
Gênero: Action Puzzle
Lançamento: 13 de julho de 2018
Expectativa: 3/5
Revisão: Vinícius Rutes
Paulo Vinícius escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook