Jogamos

Análise: Mario & Luigi: Bowser’s Inside Story (DS)

Assim que eu comecei a jogar Mario & Luigi: Bowser’s Inside Story, o mínimo que eu esperav... (por Ricardo em 29/10/09, via Nintendo Blast)

500x_bowsers_inside_story_review

Assim que eu comecei a jogar Mario & Luigi: Bowser’s Inside Story, o mínimo que eu esperava era um jogo decente com boas doses de humor. Mas ao que as horas de jogo passavam, eu me surpreendia em muitos aspectos. Bowser’s Inside Story é o terceiro game da série, depois de Superstar Saga para o GBA e Partners in Time para o DS. Gráficos incríveis, diálogos divertidos e criativos, e uma excelente fusão do RPG com as características de plataforma formam uma bagagem de valor respeitável para a franquia. Prepare-se para se envolver com um dos melhores jogos do ano.

mario_and_luigi_2Bowser’s Inside Story começa com uma fórmula típica dos games de Mario: Bowser roubava a cena para sequestrar Peach. Mas uma situação inusitada pegara o Reino do Cogumelo de surpresa. Uma misteriosa doença chamada The Blorbs fazia com que os habitantes do Reino do Cogumelo ficassem enormes, e rolassem como se fossem verdadeiras bolas. A história fica mais profunda quando, depois de experenciar mais uma derrota nas mãos de Mario, Bowser consome um vacuum mushroom, que o faz sugar tudo o que vê pela frente, como se fosse um aspirador. Nisso, Mario, Luigi e Peach vão parar dentro do corpo de Bowser. Tudo não passava de um plano maligno tramado por Fawful, vilão do qual você deve se lembrar de Mario & Luigi: Superstar Saga, o primeiro jogo da série, lançado para o GBA. E assim, mais uma aventura começa, onde os irmãos Mario têm de sobreviver em meio às vísceras de Bowser e trabalhar juntos para salvar o Reino do Cogumelo da cólera de Fawful.

Ainda que as histórias dos jogos da série Mario & Luigi nunca fossem muito complexas ou tivessem uma profundidade muito ampla, elas sempre se destacavam pelo quê de comédia acrescentado. Os personagens icônicos garantiam a diversão, especialmente o Bowser, que agora aparece num dos papéis principais do enredo. Você vai se deparar com cenários lindos e diálogos muito engraçados. Um ponto que me agradou muito foi a maneira com que os textos foram bem trabalhados. Algumas passagens são a maior comédia! E se você prestar bastante atenção, vai conseguir identificar diversas referências a jogos clássicos da Nintendo.

mario_and_luigi_7 A uma primeira vista, Bowser’s Inside Story pode parecer com os mesmos jogos da série que o antecedem, mas há várias novidades que tornaram a jogabilidade muito mais imersiva. O sistema de batalha coloca Bowser contra muitos tipos de inimigos diferentes na supefície, ao mesmo tempo em que Mario e Luigi atravessam o maravilhoso “mundo” que há dentro de Bowser. Algumas batalhas vão exigir que Bowser sugue seus adversários, ou pedaços deles, com Mario e Luigi aproveitando destas oportunidades para ganhar alguma experiência. As batalhas funcionam no clássico sistema de turnos, com alguns comandos a mais que permitem bloquear alguns danos ou mesmo aumentar o dano causado ao inimigo. Bowser tem alguns controles exclusivos, tais como cuspir fogo, ao passo que Mario e Luigi podem usar os seus martelos e ataques de pulo. Há diversos tipos de batalha que vão além do clássico em turnos, como quando o Bowser encara situações que colocam a sua vida em risco. Batalhas desse tipo podem exigir que o jogador gire o seu DS, deixando a tela na vertical, e faça uso da stylus e do sistema de microfone. Pessoalmente, eu achei essas adições muito interessantes e criativas, e realmente não espero que algumas pessoas se sintam perturbadas em ter que soprar no microfone, por exemplo.

mario_and_luigi_9

Num todo, o jogo não apresenta uma dificuldade muito grande, mas alguns jogadores poderão se sentir desafiados nas batalhas especialmente por causa dos muitos aspectos de sincronização que você encontra ao redor do game. A maioria dos adversários segue uma estratégia que exige uma resposta muito rápida durante as batalhas. Mas isso é compensado um pouco pelo grande número de pontos onde você pode salvar o jogo, e a maioria dos ambientes tem um cubo que permite recuperar a vida dos personagens. Além disso, relógios pode ser encontrados que, quando usados no começo de uma batalha, recuperam toda a HP e SP. Mas se o jogador não tomar muito cuidado, poderá ficar sem esses relógios quando mais precisar (por exemplo, nas batalhas de chefes), forçando-o a ter que voltar para o último ponto salvo do jogo e refazer todo o caminho.

954368_20090903_790screen024 954368_20090903_790screen001 954368_20090903_790screen002 954368_20090903_790screen006

Uma vez que a história se passa, ao mesmo tempo, dentro e fora do corpo do Bowser, há dois níveis de exploração. A aventura de Mario e Luigi acontece dentro do corpo de Bowser. Lá, eles exploram as vísceras do nosso vilão à procura de seus amigos do Reino do Cogumelo, adversários de batalha, e resolvem alguns puzzles. Já Bowser explora o Reino do Cogumelo na busca para derrotar Fawful. Uma grande sacada é que os três personagens podem interagir um com o outro para destrancar novas áreas ou derrotar inimigos. Por exemplo, quando Bowser bebe água, o cenário onde Mario e Luigi estão muda completamente, permitindo-os nadar e explorar melhor a área. Com esse tipo de interação, novas passagens podem ser abertas, ao passo que outras podem ser bloqueadas, dependendo da situação.

ml3_03 É perceptível também que uma grande atenção foi dada ao visual do jogo. Os gráficos são simplesmente maravilhosos, com um grande apelo de cores e brilhos e um cuidado especial no detalhamento dos personagens e em suas expressões. A trilha-sonora ficou a cargo da excelente compositora Yoko Shimomura (que também cuidou da trilha de Kingdom Hearts) e a gente não poderia esperar menos dela do que um trabalho de altíssima qualidade. Há muitas canções novas, e alguns remixes de trilhas dos jogos anteriores. As músicas durante as batalhas são épicas e realçam a individualidade de cada batalha. Além disso, dependendo se você controla Bowser ou Mario e Luigi, as mudanças na trilha são bem apropriadas. Ao mesmo tempo que foi muito bom voltar a escutar algumas faixas familiares no jogo, as novas composições definitivamente são a melhor parte. Os efeitos sonoros, que vão dos golpes de martelo aos punhos e socos, foram todos muito bem trabalhados e agregam um grande valor.

Há tantas surpresas em Bowser’s Inside Story que seria inviável eu ficar aqui listando tudo. De fato, o jogo faz um excelente uso da tecnologia do DS, e possui minigames que servem de um rico adicional à sua bagagem. A jogabilidade é bem equilibrada: você pode levar de 15 a 20 horas para zerar o jogo, mas se você tentar descobrir tudo o que game tem a oferecer certamente levará mais tempo. Existe o desafio, mas não há nada que seja impossível de realizar; cada inimigo pode ser derrotado se você estudar bem os seus padrões de ataque. Certamente, esse é um título que chamará a atenção tanto de fãs de RPG quanto de fãs dos jogos do Mario.

954368_20090903_790screen017 954368_20090903_790screen020 954368_20090903_790screen023

Fãs da série não devem pensar duas vezes antes de adquirir Bowser’s Inside Story, que sem sombra de dúvidas é o melhor da franquia até o momento e se mostra facilmente como um dos melhores jogos do ano para o DS. Tudo de mais legal na franquia está presente, caracterizando um engenhoso projeto, digno de qualquer game Nintendo.

Mario & Luigi: Bowser’s Inside Story – DS – Nota final: 9.5

Gráficos: 9.5 – Som: 9.5 – Jogabilidade: 9.5 – Diversão: 10.0

Ricardo escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.
Este texto não representa a opinião do Nintendo Blast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Facebook


Curta no Facebook

Social Blast