Jogamos

Análise: Super Smash Bros. for Wii U eleva a pancadaria nintendista ao seu patamar máximo

Após muita espera, Super Smash Bros. for Wii U chega prometendo fazer todas as suas versões anteriores comerem poeira. Será mesmo tão bom assim? Confira!

O lançamento de um novo Super Smash Bros. é sempre um acontecimento ímpar no universo dos games, uma cerimônia de dias e noites para os nintendistas e, para os fãs da série, o motivo, enfim, de comprar o novo console da Nintendo. Com Super Smash Bros. for Wii U, não foi diferente: um hype engrandecido pela versão de 3DS e muita expectativa quanto ao primeiro Smash Bros. em alta definição. Será que essa batalha frenética entre Mario, Kirby, Robin, Shulk, Bowser Jr., Ness, Sheik, Mr. Game & Watch e outros é realmente a versão definitiva da série e a esperança do Wii U?

Definitivamente...


…SIM! Incomum começar uma análise quase com um veredicto, mas é preciso frisar, do início ao fim do texto, que Super Smash Bros. for Wii U é incrível e, quer seja para os fãs de carteirinha quer seja para os mais céticos, é o motivo perfeito para comprar o console da oitava geração (sim, oitava!) da Nintendo. Há grandes igualdades entre as versões para 3DS e a de Wii U desse novo Smash Bros., assim como diferenças qualitativas (como os estágios), mas, em termos de diferenças quantitativas, a versão de Wii U é incrivelmente superior. Músicas, modos, ringues, funcionalidades, gráficos, tudo foi expandido nessa versão em alta definição.

As porradas vão aumentando sua porcentagem de dano...
E, para os que ainda não conhecem a franquia, trata-se de um jogo de luta com um forte aspecto party, no qual quatro (agora, oito) lutadores oriundos de diversas séries da Nintendo e convidadas se digladiam não para reduzir a barra de vida do adversário, mas para lançá-lo para fora do ringue. Receba um golpe e sua porcentagem de dano irá aumentar, fazendo com que você voe mais nos próximos ataques sofridos e tenha menos chance de retornar à arena. Essa incomum mecânica e controle intuitivos funcionam brilhantemente mais uma vez, fazendo das lutas eventos grupais cômicos e aleatórios. Com o tempo, você vai entendendo a física e a mecânica do jogo ao limite e passa a disputar, até a última gota de suor, batalhas que antes pareciam apenas um caos colorido.

...até que o menor dos tapas já lhe manda para fora do ringue!
Estruturalmente, a versão de Wii U de Smash Bros. não traz alterações para série. Ainda assim, há novidades o suficiente para revigorar o espírito de qualquer lutador, apresentar um conteúdo ainda mais refinado para novatos e dar sim motivos para quem já tem a versão de 3DS adquirir esta também.

Vastidão

Super Smash Bros. for Wii U é absolutamente vasto em conteúdo. Troféus, músicas, personagens, estágios, itens, Pokémon, Assist Trophy… Tudo isso se apresenta com uma riqueza de detalhes incrível em cada animação, em cada efeito sonoro, em cada descrição em texto. Se Super Smash Bros. Brawl (Wii) conseguiu realizar a melhor homenagem até então à Nintendo, essa versão de Wii U supera o irmão mais velho e ainda apresenta uma física de jogo mais rápida e sólida para lutas competitivas, algo que sentimos falta desde Super Smash Bros. Melee (GC).

É esse o tipo de surpresa que lhe aguarda num (acredite) jogo de luta
Se formos falar da seleção de lutadores, os elogios são muitos. A lista de veteranos é incrível, com alguns cortes em relação a Brawl perfeitamente compreensíveis. Os novatos são um show de experimentação de novos tipos de jogabilidade: Rosalina controla a Luma à distância, Duck Hunt é o rei dos truques e fintas, Little Mac troca todas as qualidades aéreas de um lutador por velocidade e força absurdas, Robin precisa o tempo todo racionalizar seus ataques físicos e mágicos e por aí vai. Os mesmos elogios podem ser feitos à seleção de convidados: Sonic retorna já consagrando-se como obrigatório na lista de lutadores, Mega Man dá um show de referências a seus games 8-bits e Pac-Man é uma grande homenagem jogável à Bandai Namco.

Por outro lado, a escolha de clones é inegavelmente desnecessária, ainda mais considerando que a lista de lutadores já é extensa e que alguns antigos clones (como Lucas e Wolf) não tiveram vez. Lucina e Dark Pit acabam ficando relegados a versões alternativas de Marth e Pit, enquanto que o retorno de Dr. Mario nos faz pensar em porque Mewtwo precisou ser um DLC. A inclusão da customização dos personagens e roupas alternativas já conseguiria facilmente substituir esses clones.

A arena sob os seus pés

Os estágios também não deixam a desejar. Temos ainda mais ringues do que na versão de 3DS, abusando de grande genialidade e visuais incríveis. Mais do que nunca, cada arena traz efeitos de luz e uma atmosfera únicas, como o aspecto escaldante de Pyrosphere e o formato arredondado de Mario Galaxy. Outras vieram de jogos incrivelmente recentes, como a nova Mario Circuit (de Mario Kart 8) e Yoshi’s Wolly World (do game homônimo de Yoshi ainda nem lançado). A lista de ringues inclui ainda fases gigantescas (como The Great Cave Offensive e Palutena’s Temple), ainda mais fases tour (a exemplo de Wuhu Island e Skyloft), estágios com chefões (como Gaur Plains e Willy’s Castle) e outros ringues bem divertidos. Quem não curte os obstáculos e inimigos presentes nas fases pode selecionar versões ômega das arenas, que são tão neutras e pequenas como a Final Destination.

A crítica, quanto aos estágios, fica para as fases retrô. Algumas séries (como Mother e F-Zero) foram resumidas apenas a cenários clássicos. Enquanto algumas fases retrô foram muito bem escolhidas (a exemplo de Norfair, Temple e Hallberd), outras parecem ter sido selecionadas completamente aleatoriamente. Smashville, por exemplo, parecia ter sido perfeitamente substituída por Town & City, enquanto que a nova Mario Circuit faz a versão parecer muito sem graça. Além do mais, a remasterização gráfica dessas fases também deixa a desejar, principalmente se comparamos à beleza visual das novas arenas.

Dobro de lutadores, dobro de diversão

Super Smash Bros. for Wii U traz não apenas inovações importantes estabelecidas desde a versão para 3DS, mas também traz uma série de novidades fresquinhas até para quem já tem horas de jogatina no portátil. A primeira grande mudança nessa versão HD sem dúvidas é o modo 8-Player Smash, que permite que até oito jogadores se diagladiem. A priori, a jogatina com oito pessoas parecerá a coisa mais caótica do universo, com golpes acertando três ou quatro lutadores de uma vez e chances muito grandes de perder seu personagem de vista. De fato, em estágios menores e com itens ativados, 8-Player Smash é bem caótico, mas é também absolutamente divertido. Claro que não substituiu as equilibradas partidas de quatro jogadores, mas é uma opcão muito boa para momentos em que há muita gente querendo jogar.
É ÓBVIO que é pra ser caótico!
Mesmo quem não curte jogar com mais sete pessoas pode experimentar a jogatina com cinco ou seis, que são mais moderadas em termos de confusão. Cinco jogadores, na verdade, parece uma progressão natural e tranquila, embora também esteja limitada apenas à jogatina local e a um número reduzido de estágios. Esse último ponto, na verdade, é o que afasta muitos jogadores do 8-Player Smash. E não se preocupe tanto com os controles, já que a Nintendo foi mais do que generosa permitindo que todos os aparelhos imagináveis possam ser usados como joysticks. Do 3DS aos controles do Wii, passando pelo GamePad e Wii U Pro Controller, o leque de opções agradará a gregos e troianos, especialmente com a opção de usar o louvável GameCube Controller. 

A brincadeira com itens pode ficar mais divertida... ou mais perigosa!
Com o modo online, o multiplayer pode ser feito sem precisar juntar a turma toda, e podendo inclusive enfrentar jogadores aleatórios. Essa última opção, embora infelizmente não permita utilizar os Miis e personagens customizados, é bem ágil e permite jogar em grupo a qualquer momento. A organização do modo online é feita basicamente pelo For Fun (partidas com itens e em cenários aleatórios) e For Glory (batalhas sem itens e nas versões ômega das fases), que são opções orientadas pelo tipo de experiência que você quer ter: diversão ou competição. Não se preocupe com o trauma com o modo online de Brawl, pois esse aqui verdadeiramente funciona!

Um novo Super Smash Bros.

Mas, se o 8-Player Smash brilha elevando a outro nível o aspecto multiplayer de Super Smash Bros. for Wii U, o novo modo Smash Tour é tão morno que não merece um destaque tão grande no menu principal do jogo. Há quem diga que é um misto de Mario Party com Super Smash Bros., mas, na verdade, trata-se de algo bem distinto de ambos. Três tamanhos de tabuleiros são os palcos para até quatro jogadores que andam pelas várias casas atrás de bônus para atributos, troféus para conceder efeitos especiais nas rodadas, personagens para adicionar à equipe e batalhas com condições especiais. O Smash Tour tem seu mérito por variar a jogatina, colocando um pouco mais de estratégia e sorte nos momentos anteriores às lutas, mas, no geral, parece algo mais aleatório e confuso do que qualquer outro modo… e não é algo caótico no bom sentido, como as partidas de oito jogadores.

Você vai passar um bom tempo tentando entender como isso funciona... e porque fizeram parecer tão legal
As customizações também estão presentes nessa versão. Elas oferecem mais versatilidade à lista de lutadores, pois há centenas de golpes e equipamentos para se coletar e utilizar em seus personagens. Esse aspecto é idêntico ao da versão de 3DS, podendo inclusive transferir personagens customizados da versão portátil para o Wii U. E, mais uma vez, os Lutadores Miis são o expoente máximo das customizações, pois, divididos em três grandes classes, são personagens construídos do zero, incluindo roupas e acessórios para a cabeça. Quem não se interessa por esses toques personalizados pode tranquilamente jogar Super Smash Bros. for Wii U sem nada disso também.

Porque é legal se fantasiar de Samus e Meta Knight mesmo que você possa jogar com Samus e Meta Knight 
Os amiibos finalmente chegaram com a versão de Wii U de Super Smash Bros. (e logo logo estarão no 3DS também). Ainda não temos todos os personagens como bonecos interativos, mas eles já demonstram ser uma adição bem interessante ao jogo. Os amiibo evoluem de maneira muito diferente dos personagens CPU, aprendendo técnicas específicas, a como lidar com itens e a como se comportar nos estágios a depender da maneira como você os enfrenta. É possível customizar seus amiibo e inclusive conectá-los em outros consoles. Infelizmente, não é possível juntar-se a eles nos modos cooperativos, o que com certeza seria um grande fator de compra.


Algumas funcionalidades extras estão presentes também, como a opção de desenhar nas screenshots, gravar replays, jogar alguns games clássicos por alguns poucos minutos, ouvir as canções do jogo e brincar com os troféus presentes no jogo. Esses modos são interessantes, embora não seja nada tão bem trabalhado assim. Porém, o editor de fases definitivamente deixou a desejar. É legal poder desenhar plataformas com a stylus, mas há tantas limitações no editor que fazem até a versão vista em Brawl parecer melhor em vários aspectos. Seja pelas opçoes genéricas de objetos e cenários de fundo, seja por não poder manipular livremente as plataformas criadas, o editor de fases é de longe a funcionalidade extra que mais decepciona.


Uma das coisas mais legais de se fazer nesse novo Super Smash Bros. é procurar por referências a jogos e memes. No estágio Palutena’s Temple, por exemplo, é possível ativar diálogos entre Pit, Palutena e Viridi, enquanto que em Orbital Gate o mesmo é feito pela equipe Star Fox. As descrição de alguns troféus do jogo também são bem cômicos e irônicos. Vale a pena caçar esses easter eggs!

Mais Smash!

Embora o aspecto grupal de Super Smash Bros.  tenha sido amplificado pelo 8-Player Smash e modo online funcional, Super Smash Bros. for Wii U tem um incrível leque de opções single-player e cooperativas. Os modos Classic, All-Stars e Stadium ganharam novas opções e suporte a jogatina em dupla, tornando-se muito mais convidativos do que antes. Os Event match estão de volta após seu sumiço no 3DS, oferecendo mais de 70 partidas cujas condições extras de jogo fazem referência aos jogos dos personagens ou são cenários cômicos e divertidos.

Sorte sua que as mortes em Smash não são permanentes, Ike!
O mais interessante, no entanto, é o Special Orders, que coloca o jogador em desafios de dois tipos: Master Orders, que são partidas independentes e com níveis de dificuldade variáveis, e Crazy Orders, batalhas consecutivas com dano acumulativo que culminam numa luta com a Crazy Hand. Enquanto Master Orders oferece desafios mais moderados e sem muito comprometimento, Crazy Orders é uma constante aposta consigo mesmo, uma vez que cada partida pode tanto oferecer mais prêmios quanto aumentar sua porcentagem de dano para o embate final. Falando em prêmios, eles permeiam todos os modos do jogo. Afinal, o conteúdo colecionável desse jogo é verdadeiramente gigantesco, o que faz com que especialmente os modos singleplayer e cooperativos sejam cada vez mais jogados.

Até os mini-games mais sem graça podem ser jogados em grupo agora

The winner is...

Como já dito, Super Smash Bros. for Wii U é incrível! O hype que conduziu os momentos pré-lançamento foi muito bem compensado por um produto final maravilhoso. Mesmo com as críticas feitas aos personagens clones, aos estágios retrô e ao Smash Tour, os pontos positivos do jogo compensam qualquer aspecto negativo. E, com as novidades incrementadas, espere passar horas em partidas com até oito jogadores, customizando lutadores, treinando seus amiibo ou nos novos singleplayer e cooperativos. Ah, e não deixe, em momento algum, de curtir a majestosa beleza dos gráficos do jogo e a fantástica seleção de músicas do jogo.

Preocupe-se apenas em aproveitar Super Smash Bros. for Wii U
Se Super Mario 3D World, Bayonetta 2 ou Mario Kart 8 não foram o suficiente para lhe convencer a comprar um Wii U, Super Smash Bros. com certeza cumpre muito bem esse papel. Nunca a mistura de personagens, itens e cenários dos maiores ícones da Nintendo funcionou tão bem. Super Smash Bros. for Wii U é belo em todos os aspectos, possui uma mecânica de jogo fácil de aprender e divertida de aperfeiçoar-se nela e conteúdo para mantê-lo preso ao Wii U por meses e anos!

Prós

  • Seleção de lutadores é vasta e traz grandes veteranos e ótimos novatos;
  • Estágios, itens, Pokémon e Assist Trophy são um banho de criatividade;
  • Customizações, 8-Player Smash e amiibo são boas adições;
  • Conteúdo colecionável é vasto e mantém o fator replay por meses;
  • Visuais estonteantes e músicas incríveis merecem destaque;
  • Modos singleplayer e cooperativos impressionam;
  • Modo online funcional permite enfrentar lutadores do mundo todo rapidamente.

Contras

  • Clones desnecessários poderiam ter sido melhor aproveitados;
  • Estágios retrô mal escolhidos e pouco remasterizados;
  • Golpes customizáveis não tão inspirados;
  • Smash Tour não é tão cativante e divertido;
Super Smash Bros. for Wii U - Wii U - Nota: 9.5
Revisão: Luigi Santana
Capa: Felipe Araujo 
Rafael Neves é estudante de psicologia na UFBA e planeja ingressar no mundo da literatura como escritor. A paixão por videogames e a vontade de escrever unem-se na experiência como jornalista do ramo. Também trabalha em sua HQ virtual. Encontre-o no Facebook.

Comentários

Fórum
Google+
Facebook


Últimas do Fórum

Ver mais

No Facebook

Ver mais