Blast from the Past

Fire Emblem: The Sacred Stones (GBA) e a guerra dos seis reinos

Em The Sacred Stones reúna seu exército e prepare para proteger o reino de uma horda de demônios.

O oitavo título da série Fire Emblem, lançado em 2004 para GBA, traz uma nova história envolvente com personagens bem trabalhados, uma bela trilha sonora, gráficos que mostram o potencial do console e algumas mudanças que chamaram a atenção dos fãs da franquia. Fire Emblem: The Sacred Stones (GBA) nos permite horas de diversão, com uma grande quantidade de táticas, sistemas de nível, mudança de classe e personagens bem trabalhados, algo que apenas um RPG estratégico de turnos poderia nos dar e acaba prendendo muitos à jogabilidade da franquia.

História nascida de uma guerra

Fire Emblem: Sacred Stones se passa no continente de Magvel, onde há muitos anos o mal dominava a terra, causando calamidades e quase destruindo a humanidade. As pessoas imploraram para os céus e de uma luz sagrada apareceram cinco jóias, as Sacred Stones, que possuíam o poder para selar o mal.


Cinco heróis embarcam em uma jornada para destruir esse mal usando as joias sagradas e, após derrotarem o rei dos demônios, dividiram sua alma em cinco e selaram cada parte em uma das Sacred Stones que foram divididas e entregues a cada um dos reinos que seriam criados. Logo, seis reinos começaram a existir em paz, e cinco deles possuíam essas pedras sagradas. Porém, após anos de paz o reino de Grado, comandado pelo imperador Vigarde, invadiu o reino de Renais, seu aliado de longa data.

Renais, sem conseguir se proteger, acaba sendo destruído e seu rei morto. Entretanto, a princesa Eirika consegue fugir carregando a Sacred Stone de Renais. Enquanto seu irmão gêmeo Ephraim causa um tumulto na capital de Grado, Eirika decide encontrá-lo e marcha para o reino inimigo. Durante sua jornada ela descobre os planos do imperador maligno. Destruir as Sacred Stones e libertar o rei demônio. Eirika então busca impedir Vigarde e salvar o continente.


O jogo possui três modos de dificuldade (fácil, médio e difícil) e cada um deles visa um determinado público, sendo o fácil para jogadores iniciantes e casuais, o médio para jogadores que já tem certo conhecimento em jogos estratégicos e o difícil para jogadores que gostam de um desafio. O título, porém, foi considerado fácil pelos fãs, já que ele permite ganhar experiência em combates fora da história e permite uma facilidade em comprar itens para fortalecer o personagem.

O Mundo de Magvel

O jogo traz novos conceitos e recicla alguns dos antigos usados na franquia. Uma dessas mudanças é o uso de um mapa navegável, que foi usado originalmente em outro título da série, Fire Emblem Gaiden (NES), jogo que foi lançado apenas no japão em 1992. Este mapa navegável permite que o jogador tenha mais controle sobre a campanha, já que ele pode comprar itens em pontos espalhados pelo mapa e também na caravana, além de obter itens que estiverem na caravana durante as batalhas, aproximando-se do personagem principal, já que a caravana fica sempre ligada a ele.

Outra característica que o jogo compartilha com Fire Emblem Gaiden são os monstros que aparecem como inimigos e que podem ser enfrentados durante capítulos da história ou em conflitos aleatórios pelo mapa. Isso permite ao jogador controlar a experiência ganha pelos personagens.

Algumas mecânicas como o triângulo de armas e magias são iguais às dos jogos anteriores, a morte de cada unidade é permanente, porém caso o personagem que morreu for necessário para a história ele irá aparecer até mesmo nos diálogos. A jogabilidade, em geral, se assemelha muito ao de seu antecessor Fire Emblem (GBA), tendo um pequeno grupo de unidades andando por um mapa quadriculado, com objetivo de derrotar ou sobreviver aos seus inimigos. O jogo também é dividido em 28 capítulos , dentre os quais 21 são da história principal, um capítulo secundário, e seis capítulos diferentes em cada uma das duas rotas do jogo.

Escolhendo unidades

Fire Emblem: Sacred Stones traz personagens marcantes e com grandes histórias. Cada unidade possui seus atributos e a cada nível eles se tornam mais fortes, sendo que a partir do nível 10 (nível máximo de cada unidade é 20), o personagem pode utilizar um item para mudar sua classe e ficar ainda mais forte, e eis que Sacred Stones introduz um sistema de classe ramificado; o jogador pode escolher entre duas novas classes para seu personagem quando realizar essa mudança.

Outra adição foi uma unidade em treinamento, essas unidades começam adquirindo mais experiência até chegar ao nível 10, onde ela não receberá mais experiência até mudar sua classe. Ao início do próximo capítulo, sem ter que utilizar o item que permite a mudança de classe, ela irá mudar, na tela aparecerá as duas opções para a primeira mudança daquela unidade. Após essa mudança, a mesma unidade poderá evoluir novamente quando atingir o nível mínimo (10), sendo assim essas unidades possuem duas mudanças de classe, lhes deixando muito forte.

Outra mecânica que retornou foi o sistema de habilidades, primeiramente introduzido em Fire Emblem: Genealogy of the Holy War (SNES) lançado em 1996 apenas no japão. Algumas unidades possuem habilidades que lhes dão uma vantagem em combate e ,diferentemente de Fire Emblem: Path of the Radiance (Wii), o jogador não pode mudar as habilidades que cada personagem possui.


Ao todo o jogo possui trinta e três personagens que podem conversar através do sistema de suporte. Esse sistema permite às unidades que estejam próximas durante um combate ambas receberem uma vantagem em suas ações. O suporte entre eles pode ser conseguido fazendo com que as unidades fiquem lado a lado por um determinado número de turnos durante o jogo, tanto no modo história como no pós-game.

Batalhas e mais batalhas

Utilizando da fórmula de seu antecessor, Fire Emblem: Sacred Stones possui um multiplayer idêntico via game link cable, o acessório da linha GBA que permite jogadores conectarem seus portáteis para jogarem juntos.  O jogador deverá escolher suas unidades e eliminar todas as unidades de seu amigo, em um combate estratégico bem semelhante a um jogo de xadrez, buscando a glória da vitória.


O jogo também oferece uma campanha de criaturas, na qual o jogador pode lutar contra monstros na Torre de Valni e nas Ruínas de Lagdou. Após completar um determinado número de estágios, nessa campanha, somos recompensados com personagens secretos que aparecem durante o modo história do jogo.

Um jogo para se divertir

O jogo que trouxe grandes mudanças para os títulos que se seguiram, pode nos entreter por um bom tempo, com sua incrível história,personagens carismáticos e excelente música. O jogo é bem interessante e, mesmo com seus defeitos como os sprites de armas serem genéricos, glitchs, e pouca mudança de seu antecessor, não atrapalha a diversão e acaba prendendo muitas pessoas na franquia, sendo um ponto inicial para novos fãs.


Fire Emblem: Sacred Stones é um excelente jogo para GBA que utilizou o melhor que o portátil tem a oferecer. Feito pela Intelligent Systems em 2004 e publicado pela Nintendo, é o oitavo jogo da franquia e o segundo jogo a vir para o ocidente no ano 2005. 

Jogou Sacred Stones? Comente quais são seus personagens preferidos com a gente.

Revisão: Pedro Vicente

Antonio Stark escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
0
Disqus
Facebook