Nintendo Chronicle

Nintendo Chronicle #5: A primeira geração do GameBoy e o sucesso dos monstrinhos de bolso

Na parte anterior da Nintendo Chronicle, vimos que o NES teve seu sucesso potencializado pela grande quantidade de franquias novas cria... (por Gustavo Assumpção em 26/01/2009, via Nintendo Blast)

Na parte anterior da Nintendo Chronicle, vimos que o NES teve seu sucesso potencializado pela grande quantidade de franquias novas criadas e pela qualidade das mesmas. Agora voltaremos um pouquinho no tempo e veremos como foi o processo de criação do GameBoy – primeiro videogame a ultrapassar os 100 milhões de unidades vendidas.

Com o sucesso do NES e a liderança fácil em praticamente todos os database-hardware-gameboy01  mercados globais, a Nintendo tinha se lançado com tudo na aventura de se tornar uma verdadeira ditadora de tendências no mercado. Depois do NES, o segundo passo para a consolidação desse mercado se deu com o Game Boy, isso já no fim da década de 80.

Foi no ano de 1987 que pela primeira vez o mundo conhecia o Game Boy. Idealizado pelo gênio Gunpei Yokoi, o portátil inovava ao permitir o uso de cartuchos, indo contra a corrente dos portáteis one game (como o próprio Game & Watch). Outro destaque do GB era a presença do sucesso da época: o direcional em cruz que possibilitava um controlegameboy_logo fácil e sem complicações.

Yokoi revelou que o projeto de criação do Game Boy precisava ser eficiente em três frentes para que vingasse. Primeiro ele precisava realmente ser portátil; ou seja, caber realmente no bolso. Em segundo lugar ele precisava ser simples; nada de processadores de última geração ou games muito complicados e em terceiro lugar ele precisava ser eficiente.

O grande desafio do projeto desde o início esteve nessa eficiência, na otimização do uso da bateria. Depois de diversos testes chegou-se ao uso de quatro pilhas tamanho AA que duravam consideráveis vinte horas de jogo. O preço de lançamento também foi bastante atrativo: algo em torno de 100 dólares que contribuiu de forma decisiva para o sucesso do console.

Outro fator importante do sucesso estava na capacidade de ligação entre os portáteis através do Cabo Link de maneira bem fácil e sem complicações. O lançamento do console juntamente com um game da série Tetris também foi decisivo, apesar de em 1995 o console passar a ser vendido sem o game.

 

Os outros modelos

90px-Game_Boy_PocketEm 1996 o GameBoy ganha seu primeiro modelo redesenhado. Menor e mais eficiente que o original, o Game Boy Pocket possuía um design mais enxuto, tela mais definida, acabamento em prata metálico e maior nitidez na formação das imagens.   

90px-Game_Boy_LightUm ano depois é a vez do Game Boy Light que supria uma das maiores deficiências do console: iluminação própria. Além de contar com um design mais bonito e arrojado o modelo não tinha a tela esverdeada que era a principal queixa dos jogadores já que cansava a vista depois de alguns momentos de jogatina.

79px-Game_Boy_ColorUm ano depois surge uma verdadeira revolução: o Game Boy Color. Usando uma tela em LCD com pouca reflexão de luz e completamente colorida, graças a uma tecnologia inédita na época, o console foi o desejo de consumo da maioria dos jogadores. O GBC também possibilitava a troca de dados em infra-vermelho – embora esse recurso não tenha sido muito utilizado pelas produtoras.

O fator Pokémon

O sucesso do GameBoy era grande desde o seu lançamento. Mas faltava um game que realmente valesse a compra do console. É então que Pokémon é lançado.ilu_pokemon

Pokémon foi uma criação da GameFreak, um subsidiária da Nintendo sem muita expressão. Pokémon foi desenvolvido de uma forma que fosse  um título que possibilitasse uma jogabilidade praticamente infinita e uma interação entre os jogadores nunca vista graças ao lançamento em duas versões diferentes: Red e Green (Blue no ocidente). Mesmo que o processo de desenvolvimento tenha sido tímido, logo no lançamento em fevereiro de 1996, Pokémon vendeu 256 mil unidades na primeira semana.

O lançamento americano da franquia só aconteceria em 30 de setembro de 1998. E curiosamente o game repetiu o mesmo sucesso sem precedentes no ocidente. Pokémon não só liderou os rankings de mais vendidos(com o absurdo número de 31 milhões de games vendidos) como conseguiu de forma decisiva ser o motivo que valia a compra do GB.

Emyellow 1999 a Nintendo lançou uma versão refeita do primeiro game  homenageando o monstrinho mais carismático de todos: Pikachu. Resultado: Pokémon Yellow: Pikachu´s Special Edition vendeu mais de 20 milhões de unidades em todo o mundo. O game chegou a ser lanç ado juntamente com o Game Boy Color em um versão especial amarela com desenhos do Pikachu na carcaça.

O GBC ainda ganharia outros games da franquia. O maior destaque ficou com as versões Gold e Silver que apresentaram um visual muito melhor, bugs corrigidos, um balanceamento mais visível da jogabilidade e uma variedade maior de monstrinhos (agora eram 251). G&S também receberam uma versão refeita: Pokémon Crystal lançada no ocidente em 2001. Somadas as três versões venderam mais de 30 milhões.

 

De Mario a Zelda a epopéia da Nintendo

Outro ponto em que o GB se destacou foi que a Nintendo não exitou em lançar versões de suas franquias de sucesso. Só o herói bigodudo Mario recebeu Mario Land, Mario Land 2: Six Golden Coins, Dr. Mario,Trilha_Super_Mario_Land Mario Picross e Super Mario Bros. Deluxe, games com grande qualidade.

Outras franquias como Metroid e Zelda também apareceram. Metroid 2 Return of the Samus e The Legend of Zelda Link´s Awakening foram games  de grande qualidade. Se somarmos os ports de Donkey  Kong Country (com o subtítulo Land), Wario Land, diversos games da série Kirby entre outros, fica claro que o sucesso do GameBoy não foi à toa.

Já na sua fase final de vida, o GBC ganhou alguns games que estão na história entre os melhores games portáteis já lançados: Zelda Oracle of Afes/ Seasons, Immagination, Shantae, Metal Gear Solid, Mario Tennis GB, Dragon Quest Monsteres, entre outros são games de qualidade ímpar.

 

Um console de sucesso irrepreensível

Com mais de 100 milhões de consoles vendidos, a Nintendo pode se orgulhar do sucesso do Game Boy. O console alcançou um sucesso absolutamente retumbante não só entre o público nintendista. Praticamente todo mundo já teve alguma versão do portátil ou deu aquela jogadinha. Outro fator importante é que o GB possuiu uma vida útil de 13 anos recorde absoluto.

Bom hoje paramos por aqui. Para a próxima semana é bom preparar o coração: chegou a hora de falar do Super Nintendo, o console com a maior legião de fãs de todos os tempos. Prepare-se!


Estudante de Jornalismo, apreciador de rock britânico, pouco cuidadoso com as palavras, rico de espírito, triste com as relações nesse mundo e esperançoso com o futuro.


  1. otimo Nintendo Chronicle!

    ResponderExcluir
  2. cade a sexta parte da nintedo Chronicle

    ResponderExcluir
  3. oisou maicon colecionador e fa d video games sou um pucovelho mais iso nao interessa

    ResponderExcluir
  4. Bom Review.Mas cadê o GBA? Ele faz parte...

    ResponderExcluir
  5. Acho mais adequado o GBC ser considerado um aparelho diferente, não apenas mais um modelo do GB, já que ele tinha uma CPU levemente superior à do GB original. Justamente por isso jogos "only for" GBC não rodavam no GB.

    ResponderExcluir
  6. Simplesmente perfeito!
    Um dos meus sonhos sempre foi ter um gameboy. Mas como não sou da época do GB/GBc fica difícil. Mas ainda terei todos os consoles da Nintendo.

    ResponderExcluir
  7. Ainda compro um GB Tijolão pra usar como peso para papéis... :P

    ResponderExcluir
  8. Não tenho GB mas tenho DS e acho a nintendo D+

    ResponderExcluir
  9. picolé é amarelo

    ResponderExcluir

Disqus
Facebook
Google