Jogamos

Análise: Professor Layton and the Curious Village (DS)

em 10/04/2009

A Level 5 tem sido uma desenvolvedora muito importante nos últimos tempos. Com trabalhos impecáveis e que fogem da mesmice habitual, el... (por Gustavo Assumpção em 10/04/2009, via Nintendo Blast)

Laytonban_3

A Level 5 tem sido uma desenvolvedora muito importante nos últimos tempos. Com trabalhos impecáveis e que fogem da mesmice habitual, eles conseguiram o respeito dos gamers do mundo todo, graças a verdadeiras obras-primas como Dragon Quest VIII, Dark Cloud, Rogue Galaxy e Jeanne D´Arc, todos inovadores e cheios de qualidades. Há três anos, o time resolveu investir em uma nova cartada. Professor Layton and the Curious Village surpreendeu e vendeu quase 1 milhão de cópias só no Japão, mostrando que nem só de RPGs o time sobrevive.

Professor Layton é um fabuloso point-and-click, estilo de game que fez fama no PC, mas que anda meio sumido atualmente. Sem forçar a barra, ele pode ser considerado um game a altura dos melhores do gênero que povoaram a década de 90. Em games desse estilo, o fator principal do sucesso é oferecer uma trama bem inteligente e personagens carismáticos. E isso, Layton possui de sobra.

À primeira vista, o que mais chama a atenção no game é seu fabuloso visual e sua direção de arte. Os gráficos são do jeito que eu agrada grande parte dos jogadores, um pseudo-anime com animações belíssimas. Tem um estilo europeu irresistível, que lembra em alguns pontos a animação francesa indicada ao Oscar há alguns anos “As bicicletas de Belleville”. Agradável aos olhos, o design dos personagens é não menos que brilhante. Todos são carismáticos, e cheios de vida, como em um verdadeiro anime.

Ao seguir a história de Layton, o professor e seu assistente Luke, você se surpreenderá com os mistérios de Curious Village, um local que esconde mistérios inimagináveis e oferece enigmas densos e divertidíssimos. O game possui dos momentos: o primeiro quando você apenas assiste o desenrolar da historia e o segundo quando o jogador resolve os enigmas para prosseguir.

Por mais que a primeira parte seja agradável, e realmente é, a segunda é que garante o show. Todos os enigmas são muito divertidos e cheios de inteligência, obrigando o jogador a pensar e realmente quebrar a cabeça para os resolver. O uso da interface da tela de toque também é não menos que fascinante e mais que isso é variada, fazendo que você não enjoe e não se frustre pela falta de diversidade. Seu grande destaque é juntar elementos típicos de games de aventura e puzzle num game tão proporcional, e que ao mesmo tempo testa as habilidades individuais do jogador.

O esquema é bem típico dos games do gênero. Os enigmas são propostos e o jogador só avança na história se resolver da maneira correta. Para resolver cada um deles há uma quantidade de chances. Se resolver de primeira, há um bônus para o jogador.

Vou parando por aqui. Acho que já deu pra perceber o quanto gostei de Professor Layton and the Curious Village. Me apaixonei por ele desde os primeiros momentos. Sua história simples mas carismática, sua atuação de voz, seu carisma... Tudo funciona perfeitamente. É um game inteligente, um pouco curto, mas muito caprichado. Imperdível!

Professor Layton and the Curious Village – DS – Nota Final: 9.0

Gráficos: 10.0 Som: 8.5 Jogabilidade: 9.0 Diversão: 9.0


Estudante de Jornalismo, apreciador de rock britânico, pouco cuidadoso com as palavras, rico de espírito, triste com as relações nesse mundo e esperançoso com o futuro.