O Fator N

Uma simples palavra para alguns, uma marca para outros e paixão para poucos. Isso é a Nintendo, sem dúvida alguma a empresa símbolo dos vide... (por Pedro Pellicano em 04/07/2009, via Nintendo Blast)

Uma simples palavra para alguns, uma marca para outros e paixão para poucos. Isso é a Nintendo, sem dúvida alguma a empresa símbolo dos videogames no mundo atual. Não interessa se você gosta ou não da Big N, se acha o Mario infantil demais e o Wii um console para bebês e vovós; a Nintendo é única no mercado de entretenimento, única até na história recente.

Aos que acham que estou exagerando, acalmem-se nas cadeiras. O que destaca a Nintendo tanto no setor de games como na economia em geral é a sua incrível capacidade de criar e inovar. Ao longo de toda a história, a empresa sempre buscou novos caminhos para divertir os consumidores, evitando cair na vala comum dos produtos similares.


Essa é uma filosofia que a Nintendo construiu ao longo de seus 120 anos, faz parte de sua cultura corporativa e reflete-se em praticamente tudo que é desenvolvido e lançado.

E esse é um pensamento com o qual não só concordo, mas que também aprecio demais. Claro que podemos defender marcas por simples gosto mas cada detalhe sobre o passado dessa empresa reforça mais ainda minha admiração pela Nintendo.

Com tanto tempo de bagagem fica impossível (mas muito tentador) viajar por todos os fatos interessantes dessa história mágica. Entretanto, alguns bons exemplos mostram esse lado corajoso e criativo da Nintendo na prática.

Quando o Japão ainda experimentava a febre dos primeiros computadores para jogos e os games em fliperama, a Big N apostou em uma máquina revolucionária. Não apenas seria mais potente que os outros, mas ofereceria uma interface nova e acesso a aplicações variadas usando apenas o televisor e uma linha telefônica. Já naquela época a Nintendo enxergava o mercado de forma ampla, entendendo que crianças queriam jogar, mas os pais poderiam ver contas bancárias ou apostar em cavalos usando o NES.

Mais curioso, aos que não sabem, é que o estoque inicial de NES no Japão tinha um chip defeituoso. Isso causou um recall de milhões de consoles. O eterno e autoritário presidente Yamauchi ficou furioso, mas sabia que os consumidores precisavam de uma solução rápida. O resultado alguns anos depois foi o console mais vendido no mundo, o estabelecimento da Big N no mercado de games e a invasão permanente dos EUA.

Alguns olham o NES apenas como um console antigo simplesmente porque não conhecem o lado japonês. A Nintendo investiu pesado para que ele fosse um novo centro de diversão para a família, transmitindo isso no nome e na aparência. Hoje parece simples, mas estamos falando de 1983.

Aliás, nessa época a Nintendo nos EUA precisava de um game de fliperama - a subsidiária corria o risco de fechar caso não gerasse algum lucro em breve, especialmente depois do fracassado RadarScope. Minoru Arakawa, responsável pela Nintendo EUA, implorou a Yamauchi por um bom título, mas Yamauchi não quis sacrificar um designer com isso já que os negócios na América representavam menos de 1% do faturamento da empresa.

Ele chamou um jovem aprendiz que pouco entendia de design ou engenharia da computação e gostava muito de artes e música. Seu nome era Shigeru Miyamoto. Sua criação, Donkey Kong. O resto é história.

Esse tipo de risco, de aposta em algo completamente novo e diferente simboliza a atitude Nintendo que tanto gosto. Donkey Kong não tinha nada a ver com jogos da época, era até bobo e simples para alguns. Mas tornou-se um dos fliperamas mais rentáveis e ainda serviu de berço para o próximo 'monstro' da Big N: o bigodudo Mario. O que seria dos dias de hoje caso Yamauchi tivesse concordado com os que criticavam DK?

Talvez mais curioso na época foi o GameBoy. Jogos portáteis começavam a aparecer, sendo que o aspecto tecnológico era o diferencial procurado. Cores, luz, tela, tudo valia na briga pelo consumidor. A Nintendo veio e apresentou um aparelho simples em gráficos, barato e com longa duração de bateria. A empresa ganhou o mercado e criou um novo segmento dominado por ela mesma.

A Nintendo não só acredita nas próprias ideias como é capaz de mudar conceitos muito amplos no mundo dos games. Podemos observar isso com o GameBoy ou com a introdução do N64. O console tinha um ponto muito fraco na armazenagem, usando cartuchos em vez de CDs. Foi uma decisão errada e que prejudicou demais sua performance.

Entretanto, o N64 estreou de vez o futuro dos jogos: os mundos em 3D. E ninguém melhor do que Mario para ensinar-nos a usar a tal alavanca analógica. Eu sei que Mario 64 não é o primeiro jogo em 3D de consoles e que o conceito do análogo não apareceu primeiro no N64. Porém, foi a Nintendo que estabeleceu a mecânica desse tipo de jogabilidade, que mostrou ao consumidor as possibilidades que um mundo aberto oferecia.

E quem acha que estou exagerando nesse ponto deve experimentar alguns games atuais de plataforma em 3D. Até hoje, quase 15 anos após seu lançamento, Mario 64 continua tendo um dos melhores e mais gostosos controles da história. Considerando que a Nintendo atrasou em 1 ano o lançamento do N64 porque o jogo ainda não estava como Miyamoto queria, sua importância torna-se ainda mais clara.

Vamos pular para os dias atuais e olhar o histórico recente que nos trouxe até aqui. Lembram de quando o DS foi apresentado? A Nintendo foi motivo de piada para alguns, com um portátil semelhante aos Game & Watch do passado, uma caneta estranha para escrever na tela sensível... e só UMA das tela era sensível, meu deus! Estaria a Big N louca? Bem, sim e não.

Louca por acreditar friamente em suas convicções e interpretações do que é divertido, prazeroso e atraente. Mas lúcida como nunca para perceber que o mercado de entretenimento mostrava sinais de mudança e uma nova demanda adormecida precisava de atenção. A Big N já sabia que os games podiam atingir mais do que simplesmente crianças; ela teve exemplos próprios com jogadores adultos que não largavam o GameBoy ou pais que ligavam frustrados na Hot-Line porque não conseguiam passar em fases de Zelda: A link to the past.

Acreditando nessa premissa, a Nintendo apostou tudo na acessibilidade. Com a briga tecnológica acirrada por Sony e Microsoft, a Big N já sabia que sua dependência exclusiva da receita com games a impedia de se aventurar em mais uma geração de máquinas de alta performance.

O DS é resultado dessa nova estratégia e o Wii veio como exemplo prático do que a Nintendo sempre perseguiu. A discussão sobre a qualidade ou não da maioria dos games de Wii é uma completa perda de tempo e sinal de desprezo aos reais fundamentos da atividade de jogar videogame. O pequeno console branco não apenas trouxe um enorme novo público e criou seu próprio mercado gigante; ele virou símbolo de entretenimento nessa geração.

Não importa se controles com movimento serão o padrão ou apenas opcionais no futuro próximo, mas sim que outra marca profunda da Nintendo fica na história dos games. De novo a Big N muda, arrisca, inova e surpreende.

Aos que acham que estou sendo leviano ao não citar mais erros da empresa, só posso dizer que eles existem e talvez mereçam um artigo próprio. Mas lembrá-los aqui não faria muito sentido porque a maioria das bobagens que a Nintendo cometeu em sua história estão justamente relacionadas a ideias malucas, à teimosia e ao excesso de confiança. Em outras palavras, a Big N tropeça em suas próprias qualidades - e como defeito, esse é um dos melhores que poderiam existir.

Nintendo vem do japonês, significa "Leave luck to heaven" (Deixe a sorte em mãos divinas). E realmente a única coisa que a Nintendo precisa é de um pouco de sorte porque do resto ela cuida e muito bem.

Escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.
Este texto não representa a opinião do Nintendo Blast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.


  1. SENSACIONAL!!! estou ate :(( de emoçao... bricaderas a parte, gostei muito do texto, vc dize com lindas palavras tudo o q penso da Nintendo...

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo texto!! Gostaria d+ que houvessem outros textos como o seu publicados aqui... Saber sobre o passado, preenche muitas lacunas de história e que poucos sabem esclarecer.

    ResponderExcluir
  3. Na finada N-Planet, escrevi um texto dizendo que, qualquer que fosse a inovação trazida pelo então chamado Revolution (hoje Wii), a concorrência copiaria sem dó em dois tempos. Lembro de gente me chamando de ista, por apenas apontar o que sempre aconteceu na indústria de jogos. Na E3 deste ano vimos o que aconteceu...

    Fato: para o bem ou para o mal, a maior parte das tendências do mercado de jogos sempre foi ditada pela Nintendo. E, a julgar pelo mercado atual, isso ainda será verdade por um bom tempo.

    ResponderExcluir
  4. kkkk, o post aí de cima é meu. Postei com a conta da minha namorada... =P

    ResponderExcluir
  5. A nintendo é uma marca que por suas inovações( tanto consoles,controles ou jogos)constróem padrões e isso já é o suficiente para no mínimo ela ser respeitada. Existem inúmeras pessoas que odeiam a nintendo,essas pessoas não são jogadores de verdade,pois não sabem que quase tudo o que jogam e da forma que jogam queira ou não foi estabelecido pela nintendo(principalmente em se tratando de 3D),e por isso eu vejo que quem gosta da nintendo realmente gosta do video-game em sua escência onde realmente o que importa é a diversão( algo que a concorrência tenha distorcido um pouco devido aos padrões tecnológicos alcançados).Isso prova ainda mais a importãncia do Wii no mercado de hoje,onde temos um ''simples'' jumpman (Mario Galaxy) se destacar entre os melhores na briga entre os marombeiros da alta definição.

    ResponderExcluir
  6. A Big N constrói, e as outras simplesmente copiam. A Nintendo hoje que é a grande "ditadora" de tendências. Wii-mote: Project Natal/sensor da Sony.
    Esses que odeiam a Nintendo, são aqueles que não sabem a história dessa grande empresa.
    Eu não sou ista, mas a nintendo é a minha preferida entre as três.

    ResponderExcluir
  7. Nintendo é foda o resto é moda , muito bom

    ResponderExcluir
  8. Artigo Muito Massa!!! Parabéns!

    ResponderExcluir
  9. Genial! Quase como a Nintendo! :D

    ResponderExcluir
  10. Olá Pellicano! Parabéns pelo texto, ESPETACULAAAARR!!!Sem palavras...adorei!
    Também gostaria que postasse mais textos como este. Abraços!

    ResponderExcluir
  11. Muito obrigado pelo apoio, galera! Às vezes acho que gosto demais da Nintendo e poder dizer tudo isso ajuda a provar a mim mesmo que não estou errado nessa opinião.

    Saber ainda que muitos compartilham desse pensamento é mais gratificante ainda - afinal, a Big N tem muita história e não pode ser resumida apenas a Mario ou ao Wii.

    Espero que possa trazer mais artigos do interesse de vocês aqui para o Nintendo Blast e de quebra saber o que vocês pensam sobre os assuntos abordados.

    Até a próxima! :)

    ResponderExcluir

Disqus
Facebook
Google