Blast from the Past

Blast from the Past: Mega Man (NES)

(por Alveni Lisboa em 26/07/2010, via Nintendo Blast)

É difícil de acreditar, mas em 2010 a série Mega Man chega aos 23 anos. O personagem, conhecido no japão como Rockman, foi criado em 1987 pelo designer Keiji Inafune – que hoje é um dos chefões da Capcom. E, nesse intervalo de tempo, os principais mecanismos dos jogos permaneceram praticamente inalterados sem que, no entanto, a franquia perdesse a popularidade. O retorno recente da série com um fascinante revival dos anos 80 abriu a mente dos jogadores para embarcar em uma nostálgica viagem. A partir dessa semana você conhecerá um pouco sobre cada jogo da franquia. Vamos lá? Apertem os cintos que a máquina do tempo vai decolar!

Sucesso Inesperado



O primeiro jogo da série é o mais impactante. Seguindo o estilo consagrado por Super Mario Bros., Mega Man trouxe novidades inéditas e interessantes – a dificuldade elevada e a possibilidade de escolher a ordem das fases, por exemplo.

A história é a seguinte: Dr. Albert W. Wily e Dr. Thomas Light trabalhavam juntos desenvolvendo robôs para facilitar a vida dos humanos. Inicialmente, as máquinas realizariam tarefas do cotidiano (e que ninguém gosta de fazer!), como cozinhar, limpar, passar. Após o sucesso das engenhocas, os doutores resolveram expandir a produção também para o ramo industrial. Porém, somente Light teve o trabalho reconhecido – ele recebeu o Prêmio Nobel pelas invenções– , o que causou revolta em Wily. Tomado pelo ódio, ele reprogramou seis dos dez protótipos para o mal. Light, desesperado, aposta todas as suas fichas em seu assistente, um robozinho azul e aparentemente fraco, o Mega Man. Ele o torna uma verdadeira máquina de combate incubida da “simples” missão de proteger a Terra.

Hardcore ao extremo



É um jogo simples, sem introdução e nem opções. O game tem uma dificuldade elevada, característica da série. São apenas seis chefes, além do temido Dr. Wily. Cada robô possui uma arma com poderes específicos, que é herdada ao protagonista caso o derrote. Os gráficos, apesar de modestos, agradavam pelas cores e definições dos personagens. Os sons exploravam bem o potencial do Nintendinho e ditavam o ritmo do jogo. Detalhe: ainda não existia o sistema de saves ou passwords. Para zerar o jogo, você deve jogar do início ao fim sem parar – o que pode ser frustante para os gamers novatos.

Destaque para a arte na capa da versão americana do game. Nas listas das piores capas, Mega Man sempre figura no top 10. Não é preciso comentários, veja a capa no início da matéria e tire suas próprias conclusões: Mega Man amarelo e com a cara do Seu Madruga. Continue lendo para saber por que essa bizarrice aconteceu.

Curiosidades

  • Esse é o único game da franquia que possui sistema de pontuação.
  • É o único que é possível “morrer” no corredor antes da sala do chefe. Falando nisso, é também o único em que o estágio não termina automaticamente após derrotar o chefe.
  •  Há rumores de que Mega Man tenha sido inspirado no famoso mangá japonês Astro Boy. A Capcom desenvolveria um game de Astro Boy, mas uma divergência contratual teria cancelado o projeto, que já estaria sendo produzido. Keiji Inafune teria, então, remodelado os personagens e a história.
  •  A capa tosca mencionada acima tem uma explicação. Com o sucesso inesperado de Mega Man, a Capcom tratou de trazê-lo rapidamente ao ocidente. A empresa achou que o visual “fofinho” de Rockman não faria sucesso na América, por isso pediu que um artista local redesenhasse o personagem para a capa da versão ocidental. A pressa foi tanta, que o desenhista não teve tempo de ver a outra capa ou jogar o game. O resultado vocês já sabem...
  •  O nome da irmã de Rockman é Roll. Rock and Roll: te lembra alguma coisa?
  •  A Nintendo of America, conservadora como sempre, mudou o nome de alguns personagens de Mega Man para não causar tanto impacto. O Yellow Devil (figura ao lado), por exemplo, virou Rock Monster.
  •  A cor azul não foi por acaso. A paleta de cores do NES não suportava muitas cores, mas era capaz de reproduzir vários tons de azul. Como a Capcom queria gráficos realistas e coloridos, optou-se por esta cor para evitar repetições de tons.

    Na próxima semana você vai conferir a sequência desse grande, quer dizer, mega sucesso: Mega Man 2. Não perca!

Escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.


  1. Bruno Mendes26/07/2010 14:08

    Caraca!! e Pensar q ate hoje passo tempo jogando esses megamans no nintendinho original q tenho aqui!! Adoro ouvir as musicas tb, minha esposa naum entende muito como posso gostar disso!!...rs

    ResponderExcluir
  2. Boas memórias (e que podem ser revividas no VC, hehe).

    Só faltou mencionar um pouco mais sobre a música, simplesmente genial, dessa série. Acho a do 2 ainda melhor, mas o 1º game 'assustou' com sua qualidade sonora.

    ResponderExcluir
  3. Megaman foi a unica serie que quase me fizeram desistir de zerar um jogo mais de uma vez... mas a gratificação compensava todas as frustrações.

    ResponderExcluir
  4. Legal a análise. Parabéns. Mais um para ajudar nos Blast from The Past para jogos NES. =D

    ResponderExcluir
  5. Olá, quando sai a continuação dessa matéria? T+

    ResponderExcluir

Disqus
Facebook
Google