Jogamos

Análise: Metroid: Other M (Wii)

Após o lançamento no SNES , Super Metroid tornou a série popular e deixou muitos fãs com vontade de ver a Samus nos gráficos do N64 , po... (por Pablo Pirata em 08/09/2010, via Nintendo Blast)

otherm%5B5%5D[1]
Após o lançamento no SNES, Super Metroid tornou a série popular e deixou muitos fãs com vontade de ver a Samus nos gráficos do N64, porem isso não aconteceu. A Nintendo continuou lançando ao decorrer dos anos mais dois títulos da série para o Game Boy Advance, até que finalmente no lançamento do Game Cube foi anunciado, Metroid Prime, mas para a surpresa de muitos, o jogo era em primeira pessoa. Em 2009, Metroid: Other M foi anunciado com a promessa de trazer o título de volta às origens, e foi exatamente isso que fizeram: depois de muita espera e expectativa, o jogo finalmente foi lançado e já deu muito que falar. Nessa análise mostraremos todos os aspectos bons e ruins de Metroid: Other M.

metroid_other_m_boxartO elo perdido

Metroid: Other M se encaixa, cronologicamente, entre Super Metroid (SNES) e Metroid Fusion (GBA) e explica melhor a história da relação entre Adam Malkovich e Samus. Logo na introdução do jogo, são mostrados os momentos finais de Super Metroid: Samus sendo salva pela larva Metroid e depois fugindo do planeta Zebes que estava prestes a explodir. Você começa a jogar quando a Samus acorda em uma sala de recuperação, devido a batalha com a Motherbrain, lá você entra em um tipo de training mode, onde aprende os comandos do jogo. Quando essa parte é finalizada, Samus vai para sua nave e capta um pedido de socorro de uma estação espacial, a Bottle Ship, e segue seu rumo até a estação. Chegando lá, encontra seus antigos companheiros de batalha da Galactic Federation – incluindo Adam Malkovich. A trama do jogo começa com Adam dando ordens para vasculharem a estação em busca de sobreviventes, e então a exploração começa.

Jogabilidade - De volta as origens

XhpUQ0Iki8Xr3tnc97NnEl4WWSr1AmWBO jogo é controlado com o WiiMote segurado de lado, seguindo o estilo de New Super Mario Bros. Wii. Com o direcional você controla a Samus, o botão 1 serve para atirar e o botão 2 para pular. Pronto, simples assim, bem como no NES. É realmente muito natural controlar a Samus em terceira pessoa, principalmente com controles que acompanharam a série desde o primeiro titulo. Existe também o modo em primeira pessoa, que é acionado apontando o WiiMote para a TV. A transição de terceira para primeira pessoa é bem suave e o que torna tudo mais lindo é o slow-motion effect. Assim que você alterna para a primeira pessoa, a velocidade do jogo diminui por alguns instantes, para que você possa se situar e mandar bala nos inimigos.

O modo em primeira pessoa serve para exploração do ambiente e para lançar mísseis, que só podem ser lançados neste modo, o que não é muito legal, mas com o tempo você acaba se acostumando. Outro mecanismo que mudou na jogabilidade e que torna as batalhas mais interessantes é a esquiva e o finishing move. A esquiva é bem simples, basta apenas apertar no momento certo o direcional para qualquer direção quando um inimigo esta prestes a te acertar. Já o finishing move é utilizado quando o inimigo esta debilitado e você tem a oportunidade de finalizá-lo – geralmente basta ir em direção ao inimigo com o Charge Beam no máximo e pular em cima do inimigo e assim desfrutar da animação kick-ass!

Pouca exploração mas muita informação!

metroidotherm_story2Em troca da volta da jogabilidade clássica da série e por um enfoque maior na caracterização da Samus, Other M possui um caminho bem mais linear do que os outros jogos da série, porém a história te prende tanto, que você pode jogar por horas sem se preocupar com itens ou cenário, apenas querendo acompanhar a trama do jogo. Apesar da linearidade enquanto o jogo desenvolve a história, quando você o termina e os créditos transcorrem, Samus volta para a estação e você pode explorar novas áreas da Bottle Ship, com o uso da Power Bomb (que só é adquirida no final do jogo) e também as áreas antigas. Então é um sacrifício exploratório válido em troca de uma trama excepcional.

Apesar da falta de exploração, o aspecto de progressão está como sempre presente nesse titulo, e dessa vez não inventaram nenhum desculpa esfarrapada para a Samus perder suas habilidades, ela possui todos os seus itens e upgrades do final de Super Metroid (SNES), apenas não tem autorização do Adam Malkovich de usa-los. Claro que novos upgrades também são introduzidos no jogo, como o Difusion Beam.

960554_20100615_screen001 960554_20100615_screen002 960554_20100615_screen003

Gráficos surpreendentes

A grande aposta de Other M foi o fato de trazer de volta fatores antigos da série, como a jogabilidade e até mesmo os gráficos, que se tornaram um pouco mais "vivos" e "coloridos" apesar de serem bem realistas. As animações gráficas em Other M são de tirar o fôlego!wii_metroidotherm_screenshot_1 O trabalho com o CGI ficou excepcional, inclusive na transição das cut-scenes para o gameplay - muitas vezes eu estava correndo com a Samus explorando a área e quando mal percebia já não estava mais jogando, e sim assistindo uma bela cut-scene. Os gráficos do jogo são bem realistas, chega até a ser difícil de acreditar que é um jogo de Wii. Apesar de gráficos bem trabalhados, uma coisa que me irritou um pouco foram às paredes invisíveis, coisa que era comum nos jogos de N64 e outros da época, mas que hoje em dia são algo bastante abominável. Houveram várias vezes em que eu via um item e tentava alcançar pulando e simplesmente não podia atravessar o local porque existia uma parede invisível entre onde eu estava e o item.

Fan Service infinito

phantoonPara quem joga Metroid desde sua primeira edição, Other M é uma obra de arte. É possível ver referencias aos jogos anteriores da série o tempo todo, desde personagens, itens, inimigos, trilha sonora. É tanta referencia que deixa Prime no chinelo. Durante o jogo você enfrenta chefões de outros títulos da série, e o que me deixou mais surpreso foi após terminar os créditos do jogo: na última missão da Samus, de resgatar o capacete do Adam Malkovich, você reencontra o Phantoon, chefão original de Super Metroid (SNES), e pode batalhar com ele novamente, para detoná-lo de uma vez por todas!

Metroid: Other M faz jus ao que foi prometido, incorporado todos os fatores clássicos da série 2D, juntamente com os pontos positivos dos Prime e ainda com muitas inovações – um ótimo trabalho realizado pela Team Ninja. É um jogo que definitivamente merece um espaço na sua coleção de jogos.

griptian

Metroid: Other M – Wii – Nota Final: 9.5
Gráficos: 9.0 | Som: 9.0 | Jogabilidade: 10 | Diversão: 10

Escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.
Este texto não representa a opinião do Nintendo Blast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.