A História dos Vídeo Games

A História dos Vídeo Games #19: a quinta geração e as novas tendências da indústria

A quarta geração dos vídeo games veio com o lançamento do PC-Engine e, apesar de historicamente ter continuado até 1999, se foi em 1991 com ... (por Sérgio Oliveira em 29/01/2011, via Nintendo Blast)

A quarta geração dos vídeo games veio com o lançamento do PC-Engine e, apesar de historicamente ter continuado até 1999, se foi em 1991 com o lançamento do Super Nintendo. Após o lançamento do SNES houve uma lacuna de dois anos até o lançamento do 3DO Interactive Multiplayer que marcou o início da quinta geração de consoles e de novas tendências na indústria dos vídeo games.
PlayStationConsole_bkg-transparentTambém conhecida como a era dos 32 bit, a quinta geração dos vídeo games teve início em 1993 e seguiu até o ano de 2002, quando o Nintendo 64 foi descontinuado. Se na geração passada vimos a guerra entre dois consoles específicos, na quinta geração se viu muito mais do que isso – não houve uma, mas várias guerras – e elas não foram entre consoles, mas entre conceitos e tendências.

Apesar do olho gordo de várias empresas na lucrativa indústria dos vídeo games – que resultou no lançamento do Amiga CD32, 3DO, PC-FX e Atari Jaguar –, essa geração foi dominada pelo Sega Saturn, Nintendo 64 e PlayStation. Mais do que isso, a quinta geração foi marcada pela evolução do console portátil da Nintendo, o Game Boy, que recebeu o Game Boy Light, Game Boy Pocket e o Game Boy Color.

O mais interessante é perceber que, pela primeira vez na história da indústria, houve uma lacuna de tempo entre o lançamento de um console da geração anterior e o da próxima geração. O que sempre ocorreu até então era a “conurbação” entre as gerações, sendo um console da geração passada sendo lançado dentro da geração atual.

Falar em bit vira moda


Uma das novidades que a indústria trouxe para os gamers nessa quinta geração foi a utilização da classificação dos consoles em bits. Apesar de ser utilizada há bastante tempo em terras gringas, classificar os consoles em 16 bit, 32 bit e 64 bit passou a ser moda por aqui no Brasil com o lançamento do Atari Jaguar – que, diga-se de passagem, enchia o saco com seus comerciais dizendo “esse console é 64 bit” – e do Nintendo 64 – que explicitava em seu nome tal classificação.


Apesar da guerrinha do “eu tenho um Nintendo 64, que é 64 bit, e você um PlayStation que é 32”, falar em bits não necessariamente significava ter um console mais poderoso. A partir desse ponto da história da indústria, ter um console mais poderoso significava analisar muito mais do que sua quantidade de bits – significava analisar seu poder de processamento, quantidade de memória e até mesmo placa de vídeo.


A tridimensionalização dos jogos


StarFoxNoUpresSe no Super Nintendo tivemos a criação de jogos pseudo-3D, como F-Zero, e até mesmo alguns em 3D, como Star Fox, na quinta geração tivemos a consolidação dessa técnica de desenvolvimento. Parece bobo nos dias de hoje, mas as empresas concentravam a produção e divulgação dos seus jogos nesse aspecto – arrisco-me a dizer que às vezes até se esqueciam do conteúdo ou até mesmo o que era o jogo, mas tinham que fazer algo em 3D.
12991912Super Mario 64, Crash Bandicoot e Tomb Raider foram os principais responsáveis pela mudança de foco da indústria. Rapidamente os títulos de plataforma side-scrolling e on-rails iam caindo no esquecimento e davam espaço a títulos graficamente mais complexos e com enredos mais maduros. A inclusão de mais cutscenes fez com que o termo “filme interativo” (que nunca deu certo) fosse desassociado dos jogos que utilizavam os vídeos full motion do 32X e passassem a ser associados a jogos com cenas de ação nos até hoje conhecidos CGs.

Crash_Bandicoot1tombraidersat-1

A tridimensionalização foi responsável não só pelo amadurecimento gráfico dos games, mas também pela troca da mídia de armazenamento dos jogos.

Cartucho vs. CD


o_rDmt6rOWXagtbiOPelos desentendimentos com a Sony durante o desenvolvimento do Super CD, e pelo acordo de fachada firmado com a Phillips para o desenvolvimento de um novo “Super CD”, a Nintendo decidiu que o Nintendo 64 seria um console baseado em cartuchos. Publicamente, a Nintendo defendeu que essa decisão foi tomada pensando nos gamers, que não sofreriam com os loads que os CDs tinham e que combateria a pirataria. Entretanto, sabe-se que com a adoção dos cartuchos a Nintendo pode cobrar mais taxas de licenciamento e faturar mais com a produção dos cartuchos, muito mais caros do que os CDs. Muitas third-parties viram a decisão da Big N como uma tentativa dissimulada de ganhar mais dinheiro e uma parte delas se tornaram relutantes em lançar jogos para o console 64 bit da empresa.

As declarações dos executivos da Nintendo e da Sony acerca da melhor mídia para a distribuição dos jogos contribuiram para o surgimento da chamada “Guerra das Mídias”. Em uma situação específica, uma publicação da Nintendo trazia um anúncio com um ônibus espacial (cartucho) ao lado de um caracol (CD) perguntando “qual é o melhor?”. À época, de fato os CDs sofriam com os longos períodos de carregamento e muitos deles até traziam minigames para serem jogados enquanto se esperava o carregamento.
disc3
Mesmo com a sagacidade das declarações da Nintendo, todos os consoles da quinta e das demais gerações utilizaram mídias ópticas para a distribuição dos seus jogos. Apesar da visível demora no carregamento dos jogos, os CDs se sobressairam pelo custo final para o consumidor, uma vez que sua produção é muito mais barata do que a de um cartucho.

A quinta geração foi o ponto em que as mídias de armazenamento baseadas em leitura óptica se sobressaíram e se firmaram. À medida que os jogos cresciam em complexidade, sons e gráficos, o CD se mostrou mais do que capaz de oferecer espaço para o armazenamento de dados extras. O cartucho, entretanto, foi forçado além das suas capacidades. Em algumas situações, como em Resident Evil 2, houve até o desenvolvimento de um algoritmo particular para compressão de texturas para que o jogo coubesse no cartucho.

A consequência de tudo isso foi a migração de third-parties do Nintendo 64 para o PlayStation.

Visão geral da geração


Muito se falava e muito se ouvia durante essa época, o que causava uma enorme confusão sobre qual console foi superior aos demais. Adicionando-se a incerteza havia o fato que a indústria nunca vira seu campo tão competitivo como nessa época. Era comum as publicações realizarem comparativos minuciosos e colocar lado a lado as especificações de hardware dos sistemas utilizando estatísticas para lá de duvidosas. Além disso, as empresas produtoras de consoles bombardeavam os consumidores com teorias malucas que tentavam explicar o limite de cada sistema sem levar em conta a performance no mundo real.

features-412-image10Apesar do apoio massivo das third-parties e um hype sem precedentes para uma empresa estreante na indústria, o 3DO Interactive Multiplayer pecava pelo valor cobrado por ele: 700 dólares.

cd32O Amiga CD32 foi vendido na Europa, Austrália e Canadá – fazendo enorme sucesso em todos esses países. Entretanto jamais chegou ao mercado norte-americano devido à falência da Commodore. Uma enorme quantidade de consoles NTSC permaneceram no estoque da fábrica das Filipinas e foram vendidos posteriormente pelos credores.

sega_saturn_2A Sega se encontrava numa situação desesperadora. O lançamento do 32X praticamente coincidiu com o lançamento do Sega Saturn, o primeiro console 32 bit da empresa do ouriço azul. Ele até que foi bem sucedido no começo, mas rapidamente foi ultrapassado pelo Nintendo 64 e PlayStation, amargando o terceiro lugar com 9 milhões de unidades vendidas. Para se ter uma noção do desespero e falta de estratégia da Sega, pensou-se em lançar uma versão standalone do 32X: o Sega Neptune – o que, claro, nunca aconteceu.

O Atari Jaguar foi lançado em 1993 como o primeiro vídeo game 64 bit do mundo. Entretanto, a pequena biblioteca de jogos disponíveis e a falta de apoio das third parties fizeram com que as vendas do console ficassem bem abaixo do esperado. Adicione a esses problemas a dúvida dos consumidores sobre as capacidades 64 bit do sistema, um periférico que fazia o console rodar CDs – o Jaguar CD – e uma empresa em dificuldades financeiras e você tem um console que não causou nenhum impacto à indústria.atari_jaguar_cd

O PlayStation foi o console mais bem sucedido dessa geração. Recebendo atenção especial tanto da first party (Sony) quanto das third parties, o console alcançou sem muita dificuldade a liderança do mercado, tornando-se o primeiro console de mesa a alcançar a marca de 100 milhões de unidades vendidas.

Por causa dos muitos atrasos para o lançamento do Nintendo 64, em 1995 a Nintendo anunciou o lançamento do Virtual Boy – um suposto portátil capaz de mostrar gráficos 3D de verdade (mesmo eles sendo apenas em vermelho e preto). Por causa das suas capacidades gráficas, o sistema causava constantes dores de cabeça e fadiga ocular. Foi descontinuado alguns meses após o seu lançamento, com menos de 25 jogos lançados para ele.
imagesO Nintendo 64 chegou atrasado e para conquistar seu público prometia jogos mais rápidos, sem carregamentos, mais imersão no jogo e diversão. Campanhas nesse estilo eram comuns e acabaram por garantir que muitos consumidores não adquirissem um 3DO, Saturn ou PlayStation. Entretanto, mesmo com os excelentes jogos, muitos se decepcionaram quando não tiveram a experiência prometida e descobriram o quão caros eram os cartuchos.
94_NEC_PC-FX_general
Por fim, a NEC – criadora do PC-Engine/TurboGrafx-16 – também aceitou o desafio da quinta geração e trouxe o PC-FX em 1994 para os consumidores. O console possuia processador 32 bit, som 16 bit stereo e paleta com 16.777.000 (sim, + de 16 milhões!). O console possuia design exótico, parecia mais uma torre, e tinha várias portas de expansão. Apesar das especificações que surpreendiam na época, o console foi taxado como o “side-scrolling de última geração” e não acompanhou o ritmo de vendas dos consoles 3D.

Apesar da quantidade de consoles lançados nessa geração, a presença da maioria deles no mercado era praticamente insignificante. Após o lançamento e consolidação do PlayStation, praticamente todos os consoles (com excessão do Nintendo 64) caíram no esquecimento. A Sega enfrentava problemas desde o lançamento do 32X e se afundou mais ainda com o Saturn – perdeu a confiança dos seus consumidores e cavou sua cova para se enterrar na próxima geração. A Atari, ainda tentando reaver os dias de glória do 2600, se afundou em dívidas e foi comprada pela JT Storage, encerrando para sempre a produção de consoles.

Emuladores_Nintendo64Devido aos seus inúmeros atrasos, o Nintendo 64 foi lançado quase dois anos após seus principais concorrentes. À época, em 1996, a Sony já havia estabelecido sua supremacia e a Sega começava a arquejar. Sua escolha pela utilização de cartuchos fez com que desenvolvedores olhassem torto para o console devido ao espaço limitado e aos altos custos de produção. Para se ter ideia, a produção de um cartucho para o Nintendo 64 custava US$3,50, enquanto um CD para PlayStation custava US$0,35. Além disso, o alto preço do console no lançamento talvez tenha assustado consumidores em potencial e a decisão da Nintendo de reduzi-lo poucos meses após o lançamento irritou os consumidores que o compraram pelo preço inicial.
Mesmo assim, o Nintendo 64 foi um sucesso e casa de grandes jogos como The Legend of Zelda: Ocarina of Time, Super Mario 64, GoldenEye 007e Super Smash Bros. No final, o Nintendo 64 vendeu mais unidades que o Saturn, mas falhou em superar o PlayStation, que dominou todo o mercado. Como tudo isso aconteceu? E qual a verdadeira importância dos demais consoles em toda essa história? Bem, isso é assunto para os nossos próximos encontros, na nossa viagem pela quinta geração dos vídeo games. Fique esperto e participe nos comentários. Até lá!
Que lembranças você tem dessa época? Que jogos você jogava? Qual console você tinha e porquê? Não deixe de participar, interaja nos comentários e participe!

Escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google
Disqus
Facebook


  1. eu tinha um snes e jogava muito muito muito super mario world

    ResponderExcluir
  2. E o Dreamcast??

    ResponderExcluir
  3. tinha o playstaion e o nintendo 64, jogava muito zelda ocarina of time no 64, e crash bandicot no psx. tornei fã de crash por causa dos seus primeiros jogos de psx, tambem tenho lembrança dos bons tempos de corridas malucas em mario kart 64 e crash team racing.

    ResponderExcluir
  4. por favor entrem e de a sua opiniao sobre o 3ds

    ResponderExcluir
  5. Dreamcast = 6ª geração. Fez muito sucesso no começo, mas quando lançou o PS2, ele caiu drásticamente. Ele é um videogame muito bom, aliás. Mas muito avançado para a época. Lançado em 1998 (ou 1999, não sei direito), ele tem uma potência próxima do Wii/Gamecube, apesar dos jogos não serem muitos bem feitos (hoje há mais dedicação na criação e programas mais fáceis para se desenvolver jogos 3D)

    ResponderExcluir
  6. Apesar de tudo, o Saturn tinha jogos bem legais:
    Daytona USA, Panzer Dragoon, Virtua Fighter, Street Fighter Alpha, Darkstalkers, X-men Vs Street Fighter (dizem as lendas que jogos 2D eram melhores no Saturn que no Playstation), Nights, Guardian Heroes, Virtua Cop...

    Sobre os jogos FMV, não acho que todos sejam ruins não. No 3DO a molecada curtia muito o Mad Dog e o Space Pirates.

    O Playstation tinha um dos melhores Castlevanias, o Symphony of the Night. Jogaço.

    No N64, fico com Ocarina of Time e Golden Eye.

    ResponderExcluir
  7. O PSX, pra mim só vale pelo FFT, de resto, fico com o N64 ...

    ResponderExcluir
  8. Como sempre eu jogava o 64 independente do preço ou demora no lançamento !!
    Nunca dei dinherio a sony e nunca irei da !!
    Nintendista para sempre Nintendista !!

    ResponderExcluir
  9. THE LEGEND OF ZELDA - OCARINA OF TIME
    NAO PRECISO DIZER MAIS NADA.

    ResponderExcluir
  10. Quando era criança tive apenas o Snes, era louco por um 64 (q era carissimo), meu primo tinha um, porem so teve tres cartuchos(o restante ele alugava). Por mais q dizem o numero de vendas do Psx, em diversão o N64 era absoluto-->partidas mutiplayer inesqueciveis... xD

    ResponderExcluir
  11. Muito bom, meu console dessa geração foi o sega saturn, lembro que na época eu tinha um Nes então meu pai me levou pra comprar um video game e ia escolher um super nintendo só pq vi o mario na caixa ainda bem que meu pai não deixou eu escolher kkk. Joguei muito Rockman e Virtual Fighter.

    ResponderExcluir
  12. Esse videogame era foda. Quase todo mundo que conhecia tinha um Playstation. Um monte de jogo, nem precisava desbloquear, CD custando 5 a 10 reais e um grafico legal ate.

    ResponderExcluir
  13. ô época boa, Saudades do meu Sega Saturn.
    Passava a tarde toda jogando Nights, Mega Man 8, Street Zero 2 e Shining Force III

    ResponderExcluir
  14. Eu cheguei um tanto atrasado nessa geração, e só tive contato com os 3 consoles principais.

    O PSX foi o 1º dos três q eu conheci, na época eu ainda não tinha preferência pela Nintendo, então eu jogava tudo o q colocavam na minha frente (é sério, se me dessem um Brick Game - chamado por alguns de Mini Game -, eu ficava a tarde toda jogando)

    Nessa época eu jogava bastante no SNES (numa casa de jogos) e no Mega Drive (na casa de um amigo). Vi o PSX pela 1ª vez no lugar q eu pagava pra jogar SNES, na época ele não me chamou muita atenção. Até testei a novidade, mas não gostei... Decidi continuar só com o SNES e o MD mesmo. Minha opinião sobre ele só mudou quando vi o Resident Evil pela primeira vez.

    Na época axei os gráficos incríveis!!! Lembro q até pensei:

    "Nossa!!! Parece um filme!!!"

    Eu era doido pra jogar RE mas o pessoal da loja não deixava por que eu ainda não tinha idade suficiente (sim, lá eles respeitavam o selo indicador de idade). Só fui jogar RE1 muito tempo depois (após zerar RE2 pela primeira vez - no N64 - e me apaixonar pela série), lembro q após revê-lo depois de tantos anos, não axei os gráficos tão bons assim... Na verdade, tive a impressão de q a mansão havia encolhido... Em minhas lembranças de infância ela parecia bem maior e bem mais mobiliada.

    O N64 eu conheci um tempo depois do PSX, esse primeiro contato não foi tão marcante porque a dona do N64 só tinha 2 jogos: Mortal Kombat 4 e Aero Fighters Assault. Não me entusiasmei muito com ele...

    Um tempo depois ele apareceu na loja onde eu jogava SNES, mas como eu não me lembrava do primeiro encontro q tive com ele (no primeiro encontro, reparei pouco no console) pensei q fosse um console novo. Na loja o pessoal q escolhia ele pra jogar só jogava o GoldenEye (na época cheguei a pensar q ele só tinha esse jogo). Só aderi ao N64 quando vi Pokémon Stadium pela 1ª vez (na época, eu era fanzaço de Pokémon). Dias depois de conhecer o Pkm Stadium fui apresentado ao Ocarina of Time (eu jah tinha jogado o Zelda do SNES, então jah conhecia a série), foi o suficiente pra me convencer a comprar o N64.

    O Saturn foi o último dessa geração q eu conheci, eu só O VI UMA VEZ, mas nunca joguei nele.

    Mas sobre isso do preço de produção do cartucho... Esse valor (US$3,50) é real ou foi só um exemplo q vc deu pra demonstrar a diferença entre o preço de produção de um cartucho e de um CD???

    Desculpa @NicolasCorradi mas dizer q o DC tinha potência próxima a do GC/Wii e exagero!!! GC é bem superior ao DC (graficamente falando), e o Wii tbm (jah q o Wii é umas 2X mais poderoso q o GC).

    ResponderExcluir
  15. Quem disse que o PC-FX tinha 16 milhões de cores? só tinha 512 ou talvez 4096 em um modo especial de programação

    É uma pena o erro de estratégia da NEC, para mim o PCEngine foi o melhor da 4ª geração (principalmente pelos jogos de CD, que eram muito bons, ao contrário do lixo da Sega)

    PSX dispensa comentários...

    Quanto ao Jaguar, apesar de muito criticado por sua infima biblioteca de jogos (e poucos bons é verdade), pode-se destacar:

    -Rayman (o melhor do console)
    -Alien x Predator


    E jogos da geração anterior feitos para ele
    -Bubsy
    -Flashback
    -Zool
    -Pitfall
    -Raiden
    -Pinball Dreams

    ResponderExcluir
  16. Muito bacana a participação de vocês nos comentários gente. A minha história para essa geração é parecida com a do Suicune - cheguei atrasado e só tive o PSX dessa geração, e comprei ele em 1998!

    Mas ainda lembro o dia que o conheci. Eu ia a uma casa de jogos (chamadas de games aqui) praticamente todos os dias depois que chegava da escola, só para ver o pessoal jogando e às vezes socializar uma jogatina, já que eu tinha o SNES em casa. Mas teve um dia que comentaram comigo que tinha um novo vídeo game lá e que o pessoal tava jogando um jogo de luta que parecia de verdade!

    Fui com o fardamento da escola e quando cheguei lá, estavam jogando um console cinza que era com CD! E o jogo, depois descobri, era o Tobal No.1 - espetacular hahaha. Gastei muita grana nessa game até que comprei o meu próprio em 1998 - o bundle dual shock com Resident Evil 2!

    Quanto ao N64, eu também joguei muito ele, mas não tive a oportunidade ($$) de comprar um para mim. Os cartuchos me assustavam pelo preço também e por isso acabei deixando de lado e jogando ele apenas nas locadoras - lembro até que era mais caro jogar N64 do que PlayStation na época.

    O Saturn não cheguei a ver na época, só depois de muito tempo e não tive oportunidade de jogá-lo.

    ResponderExcluir
  17. @Suicune, sim, esse era o valor do cartucho cobrado para as desenvolvedoras (a carcaça). Fora o custo do cartucho, a empresa ainda tinha que arcar com os custos da produção da placa (chip) que armazenava o jogo em si e tudo o mais. Quanto ao CD, as empresas só precisavam arcar com os custos da mídia, sendo o jogo prensado na própria desenvolvedora/publisher =)

    @Fernando, as especificações do PC-FX dizem que o máximo de cores que o console poderia exibir em tela eram esses 16 milhões. Mas, como você deve conhecer o console, os jogos não fizeram uso sequer de 1% disso, infelizmente.

    ResponderExcluir
  18. Falar sobre o 3DO, pra mim se reduz a um unico jogo Need For Speed, tenho ele guardado até hj, não do não vendo e não empresto

    ResponderExcluir
  19. Bom, dessa geração eu tive o N64, mais uma vez meus irmãos reuniram forças e o compraram. Compramos bem no lançamento mesmo cara, com o Killer Instict. O jogo era Show, apesar de parecido com o do SNES, mas bem mais rápido!

    O PSX e Saturn eu tinha muito contato pois alguns amigos tinham.

    Nessa época eu tinha também o 3DO, que jogava mais que o N64 pois tinha muitos jogos em casa, e o N64 só 1... E com a quebra do 3DO passamos a ter quase 30 jogos originais, pois os jogos nao saiam das lojas e estavam todas fazendo queima de estoque pra tirar o entulho.

    Todos os jogos bons imaginaveis para o 3DO a gente tinha, por isso foi o meu console preferido.

    Pouco tempo depois meu irmão adquiriu o segundo jogo do N64, Clayfighter. PQP, como jogamos aquele jogo. Passamos varios finais de semana dias e madrugada jogando... Em seguida veio Top Gear Rally. Na época foi um dos melhores do genero pra mim, mas a falta de variedade em tudo no jogo fez enjoar rapido.

    Em meu aniversário lembro de ter ganhado Banjo & Kazooie. Foi um dos melhores jogos que joguei em minha vida. O 3D do jogo era sensacional, os mundos eram enormes e tinha muita coisa pra se fazer. Depois disso veio muitos outros jogos... Turok 1 e 2, Legend of Zelda OoT, Star Fox, Quake 2, Hexen, Donkey Kong 64, Doom, Banjo Tooie, Mario Tenix, Perfect Dark... Eu tive muitos jogos de N64, Graças a Deus meus irmãos ganhavam bem nessa época, eu era pequeno e só estudava (Conseqüentemente, jogava). Ainda tenho esses jogos hoje, o 3DO o meu irmão vendeu (Partiu meu coração) e tenho um Cube ainda. Jogo mais no PC!

    Não tenho muitas boas lembranças do PSX, porque como era a faze das grandes amizades (Sobreviventes até hoje graças a Deus) e todos jogavam multiplayer só no N64!

    Como eu disse, anos 90 foram a melhor faze da historia dos consoles. Se reunisse todo mundo aqui teriamos muita historia pra contar! Rsrs

    ResponderExcluir
  20. Para de xingar a sega, porque nintendo 64 era um lixo total, perdia pro pst ,que era bem melhor que este lixo do 64. até o saturn era melhor ,tinha bem + jogos. para de puxar o saco da nintendo e fala a verdade

    ResponderExcluir
  21. O post é gigante, vou dividi-lo em algumas partes...

    Desde pequenino eu sempre fui fã de video-game, lembro da primeira vez que vi um funcionando e eu devia ter uns 4 anos. Era um SNES que uns filhos mais velhos de um amigo do meu pai tinham. Lembro até do jogo naquela hora(que descobri o nome depois de velho), era o biker mice from mars.
    Depois de vê-lo eu simplesmente me apaixonei xD, eu sonhava em ter um video-game e sempre que alguém me perguntava algo do tipo "o que voce queria ter?" eu imaginava um SNES flutuando no céu e respondia "ah, eu queria um video-game".

    Naquela época eu nem tinha noção da variedade de video-games, eu so tinha 4 ou 5 anos...

    Entao no glorioso dia de domingo, 12 de outubro de 1997, aconteceu o mais feliz dia das crianças para mim, que tinha 6 anos na época e meu pai me presenteou com o novíssimo N64 (que guardo até hj e de vez em quando ligo pra sentir nostalgia suprema).
    Tive sorte de meu pai esperar uns 2 anos pra comprar um video-game pra mim porque coincidiu logo com o lançamento do N64 e meu pai quis me dar o mais atualizado da época.

    Como os cartuchos eram caros, eu passei anos jogando apenas o magnífico Super Mario 64, eu nao me importava porque EU era mto ruim e nunca zerei o jogo (isso mesmo fiquei velho e nao zerei [ qualquer dia eu tomo vergonha na cara e derroto o bowser no ultimo estágio]).

    Depois de alguns anos meu pai comprou um cartucho novo na loja, Star Fox 64 e foram mais longos anos me divertindo com meus universos paralelos (esse eu consegui zerar depois de alguns anos =P).

    ResponderExcluir
  22. continuando...

    Tive sorte de ter uma das poucas locadoras de games da cidade bem pertinho da minha casa e sempre que meu pai me dava a grande mesada de 10 reais por mês eu quase sempre torrava tudo alugando algum jogo no sábado de manhã para devolver somente na segunda a noite xD.

    Eu sempre fui meio lerdinho e ainda nao entendia inglês (que hoje entendo bastante graças aos video-games), entao nunca zerava os games mas a diversão era inestimável.

    Com 9 anos meu pai me deu um GBC, mas nao vem ao caso aqui, e eu perdi ele na escola (esqueci ele embaixo da banca enquanto escondia ele da professora e jogava).

    No natal de 2002, ganhei um PSOne destravado e me diverti muito com jogos como Alundra 2, multiplayers de winning eleven, e o meu jogo preferido até hoje entre todos que ja joguei: Final Fantasy Tactics.(Zero acho que pelo menos 1 vez ao ano no meu velho PSone)

    Em 2007 ganhei meu PS2 tijoludo e destravei tb, jogo até hoje e tenho uma coleção com bem uns 70 jogos, mas isso nao vem ao caso aqui =P

    Na minha opinião, entre os consoles da quinta geração, é como a comparação entre esposa e amantes de um homem. Sendo o N64 a esposa, e os outros consoles as amantes. O homem vai dizer "eu amo minha esposa, vivi muitos momentos bons e especiais que só ela pôde me dar, e sou apaixonado por ela mas as amantes fazem minha vida muito mais gostosa e variada".

    Nota: Isso vale para os consoles de quinta geração apenas, já que na proxima geração acontecem mudanças nessa perspectiva, devido ao crescimento das franquias de jogos da sony e microsoft, tornando-as mais próximas das reconhecidas da nintendo.

    veja bem, a nintendo baseia seu peso (em relação a qualidade dos games) nos nomes das suas franquias, que são muitíssimo conhecidas tanto no mundo dos games quanto em outros setores, falo de nomes como MARIO(meu deus, quantos jogos de mario e seus amigos já foram lançados?), POKEMON, DONKEY KONG, ZELDA, nomes de jogos clássicos como: STAR FOX,METROID... e por ai vai...

    Já a sony,aproveitou o impulso e criou vários nomes para seu arsenal, que alavancaram o PSX e ajudaram depois a girar a engrenagem da futura geração(6ª) para a sony , vejam bem alguns nomes que pesaram no conceito do PSone e PS2 : Crash, Final Fantasy, Tekken, Castlevania, Winning Eleven e Pro Evolution Soccer, entre outros...

    ResponderExcluir
  23. FINALMENTE:
    -- N64 --- Pai de jogos altamente revolucionários como:

    *Super Mario 64 - sem comentários,apenas isso: esse jogo foi o primeiro do console e foi um dos jogos mais revolucionários da época.

    *The Legend of Zelda: Ocarina of Time - precursor revolucionário dos jogos de rpg aventura, as pessoas nem percebem, mas ao jogar algum jogo de aventura ou action-rpg em algum console super recente estão jogando, em parte, zelda ocarina of time...

    *Donkey Kong 64: o melhor jogo de donkey kong que tenho conhecimento, totalmente inovador em comparação aos outros jogos da franquia, esse jogo contem uma fonte quase inesgotável de diversão...(um dia acaba zerando, né =P)

    *Banjo Kazooie e Tooie - nossa eu nem preciso escrever nada =P

    *Super Smash Bros. - Se voce tiver pelo menos 2 controles esse jogo é totalmente anti-enjoativo.

    e mais nomes espetaculares da época:
    *Mario kart 64
    *Mario party 1,2, e 3
    *star fox 64
    *perfect dark
    *shadow man
    *Jet Force Gemini

    PSone -- Títulos e mais títulos, alguns jogos muito bem produzidos, mas também uma boa pilha de jogos ruins (n64 tb tem, o que pesa mais porque ele tem menos jogos).

    destaque para:
    * Franquia Final Fantasy

    * o JOGO, MELHOR DO UNIVERSO: Final Fantasy Tactics

    * Alundra 1 e 2

    * os jogos de futebol, WE e PES, que ganhavam de longe dos produzidos pela nintendo.

    * Franquia Crash

    * Legend of Mana

    * uma tonelada de RPGs de alta qualidade, o que nao falta no PSX é RPG, o que nao se vê em demasia no N64 (embora o N64 tenha o Zelda pra calar a boca dos sonyanos).

    Fim

    Hoje em dia:

    Nintendo = jogos voltados para pura diversão, imaginação e fantasia. Repare em como a maioria de seus jogos possuem boa jogabilidade e um mundo cheio de cores e figuras peculiares.

    Sony e Microsoft = Jogos que buscam o realismo, no sentido dos gráficos e jogabilidade. São jogos "cinematográficos", parecem mais um filme de ação em que o gamer controla o personagem principal (não importando a época ou lugar)
    É claro que a maioria dos jogos de RPG da sony são um caso especial.

    Nintendo = Sonho, diversão e fantasia.
    Sony e MS = Projeção da realidade, experiência cinematográfica.

    ResponderExcluir
  24. Ótimo post. Ótima série.

    Muita gente hoje me critica por esa opinião, mas prefiro, de longe, o N64 ao PS1.

    Ganhei um N64 de presente, escolhido porque um amigo tinha um e dizia ser o máximo (não lembro exatamente o ano, mas o video game já não era novidade).

    Realmente, quando joguei pela primeira vez, vi que era um SENHOR VIDEO GAME. O problema era que só veio com 1 controle e sem jogos, e qualquer item para o N64 custava uma fortuna (na época era uma fortuna). Acabei comprando mais 1 controle, porém nada de memory card, rumble pack e jogos. A diversão era quando alugava algum jogo. Logo, jogos como Zelda ou Mario 64 não fizeram parte da minha infância, já que em um final de semana não dava pra aproveitar nada do jogo.

    Pelos altos custos, acabei vendendo o N64 (com o coração na mão) e comprei um PSONE (versão "slim" do PS1), que tava bombando na época. De fato um bom console. O controle vibrava e o memory card era barato (lembro de na época ter comprado um por 15 reais).

    Os jogos eram baratos, já que a pirataria já estava mais do que difundida, e cada jogo saía por 10 reais apenas. Assim sendo, rapidinho tinha 2 controles analógicos oficiais, memory card e vários jogos. Mesmo assim, o PS1 nunca conseguiu me satisfazer como gamer como o N64 fazia.

    A começar pelo controle: até hoje não sou fã do design do controle da SONY, muito menos do analógico dele. Ao contrário, o controle do N64 até hoje é um dos meus preferidos, nada se compara ao botão Z logo embaixo do controle analógico. Muito bom!

    Quanto aos jogos: como sempre comprei jogos piratas para o PSONE, tive vários, mas, consequentemente, não dei valor à maioria deles (até hoje tenho e jogo Winning Eleven). No fator diversão, sempre achei os jogos do N64 melhores. Nada se compara, até hoje, a Mario Kart.

    Enfim, troquei um N64 por um PSONE porque não podia custear o console da NINTENDO, mas o console da SONY nunca me deu tanta diversão. Por isso, até hoje prefiro o console da NINTENDO, inclusive comprei um Wii, e os jogos com melhores gráficos jogo no PC, já que não consigo engolir o controle da SONY.

    ResponderExcluir
  25. Sei que o NIntendo 64 e PSX foram bons consoles,mas,pare de falar mal da SEGA!A SEGA só não teve um bom planejamento,mas o console em si era fantástico,só porque é Nintendo que vocês podem falar mal da SEGA,por essas e outras que eu prefiro a SEGA a Nintendo...


    P.S:não acho a Nintendo ruim,mas sim seus fãs(pelo jeito a maioria,e o que eu to fazendo num site Nintendista!?)

    ResponderExcluir