Jogamos

Análise: Bit. Trip Runner (WiiWare)

O que faz um game se destacar? São seus gráficos? Que tal sua jogabilidade? Será que sua trilha sonora é o que faz os jogadores o comprare... (por Anônimo em 31/03/2011, via Nintendo Blast)

230px-BitTripRunner

O que faz um game se destacar? São seus gráficos? Que tal sua jogabilidade? Será que sua trilha sonora é o que faz os jogadores o comprarem? Eu acredito que um dos fatores mais importantes para um game ser notado é o seu carisma, a sua personalidade. E se os produtores conseguirem juntar a isso todos os fatores acima lembrados, então temos um game com um grande potencial de se tornar memorável. Bit. Trip Runner consegue tudo isso para seu bem e para seu mal.

Chamando Commander Video

runnerBit. Trip Runner é o quarto game da aclamada série da Gaijin Games. De longe, é o mais parecido com o que jogávamos na boa época do Nes e Snes. Você joga com o herói Commander Video, um cara gente boa feito unicamente de pixels pretos com um simples destaque na região dos olhos. Seu único objetivo é desviar de obstáculos e chegar ao fim de cada estágio em perfeito estado. O herói está sempre seguindo em frente, você não controla a sua velocidade, apenas deve se utilizar de pulos, escorregadas, chutes, entre outros movimentos para se safar da possível derrota. Cometeu algum erro? Volte para o início do estágio sem choro e com muito pesar. São cerca de 50 estágios com muitos desafios e chefes tão criativos quanto difíceis.

Ouro, muito ouroimages

Além dos muitos desafios, há alguns bônus bacanas no meio de seu percurso. Barras de ouro estão espalhadas por todo o caminho, pegue todas e você libera um retro challenge após o estágio. Estes desafios são um show de pura nostalgia. Todos os estágios são idênticas ào famoso Pitfall de Atari, até mesmo o logo da Gaijin está no mesmo lugar que o antigo logo do game original estava. Conseguir pegar todas as barras de ouro nessas fases é uma verdadeira prova de destreza e reflexo. Este desafio é basicamente feito para você coletar mais barras de ouro e aumentar a sua pontuação, o que fará com que você tenha que se dedicar bastante para conseguir aquele “perfect” que tanto quer. Há, também, itens que aumentam a pontuação e as cores que perseguem o personagem também são localizados para você ter uma única chance para pegá-los. Passou batido? Ficou sem, meu amigo.

Pura arte

Os produtores da Gaijin sabem muito bem como juntar a arte ao fazer um game. Tudo em Bit. Trip Runner é pura personalidade. Os gráficos são nostalgicos, pixelados, coloridos, estilosos. A movimentação dos personagens é fluída, natural. A bittriprunner_000trilha sonora não apenas trabalha em conjunto ao game como faz parte inteiramente dele. Sempre que você dá um pulo com Commander Video, um som é ouvido. Pule nos momentos cruciais do estágio e você se verá fazendo a trilha sonora do game. É algo louvável e muito criativo. É como se estivessemos jogando um game da era 8 bits em sua plenitude. É para aplaudir.

Nem tudo são flores (ou pixels)

Bit. Trip Runner acaba se atrapalhando em si mesmo.
O grande destaque do game é a sua dificuldade crescente e a necessidade de reflexos apurados para passar ileso dos estágios mais complexos. O problema é que muitas vezes isso pode acabar sendo frustrante para o jogador, pois não há espaço algum para erros, e se algum for cometido, o jogador volta, instantaneamente, para o começo do estágio. Isso quer dizer que se você apertar o botão de pulo na hora errada bem no momento antes do fim do estágio, tudo será perdido e terá que ser refeito. Dessa forma fica difícil não desligar o Wii quando isso ocorrer e acabar desencanando do game por alguns dias.

wormface-620x

Devo lembrar que há uma enorme diferença entre alto desafio e frustração. Infelizmente, Bit. Trip Runner fica o tempo todo balançando entre ambos, o que deixa bastante difícil o trabalho de Commander Video em fazer com que o jogador fique retornando para ajudá-lo em sua missão que é – e não se esqueça – nos divertir.

Bit. Trip Runner (WiiWare) – Nota Final: 9

Gráficos: 10 | Som: 10 | Jogabilidade: 8 | Diversão: 7,5

 


Escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google
Disqus
Facebook


  1. Anakin Skywalker31/03/2011 22:20

    Eu me lembro de quando desisti deste ótimo jogo: No chefão do primeiro mundo.
    Fiquei o dia inteiro "decorando" o que devia clicar.

    ResponderExcluir
  2. Jogos assim é que são bacanas, quando você consegue passar chega a pular de felicidade, sente-se mais do que orgulhoso pelo belo trabalho, preciso de uma graninha pra comprar um teclado novo... só pra jogar Super Meat Boy... meu teclado está em estado deploravel.

    ResponderExcluir
  3. quanto custa? ._. parece interessantíssimo, gosto de gráficos alternativos (pouca resolução/bits). E sim, jogos quase impossíveis são legais pelo desafio infinito.

    ResponderExcluir
  4. Vixi... desisti do jogo na ultima fase antes do 3º Boss... IMPOSSIVEL... a fase demora quase 5 minutos e os comandos são bem misturados entre pulos, bloqueios, escorregadas e super pulos e ainda por cima são todos tão lincados que se vc demorar 0,0001 segundo para pular na hora certa, já era, morre no proximo obstaculo.

    ResponderExcluir