Jogamos

Análise: Tom Clancy's Splinter Cell 3D (3DS)

Em 1996, um certo Thomas “Tom” Leo Clancy Jr., escritor americano de livros de espionagem, foi co-fundador da Red Storm Entertainment, d... (por Paula Travancas em 11/06/2011, via Nintendo Blast)

Em 1996, um certo Thomas “Tom” Leo Clancy Jr., escritor americano de livros de espionagem, foi co-fundador da Red Storm Entertainment, desenvolvedora de games que estampou vários jogos de sucesso com o nome Clancy, mesmo que muitos dos títulos não fossem nem remotamente baseados em seus livros. Em 2000, a Ubisoft comprou a Red Storm, mas deu continuidade à franquia de jogos que carrega o nome de Tom Clancy. Splinter Cell, assim como Ghost Recon, é uma série à parte dentro da franquia Tom Clancy. Chegamos finalmente a Tom Clancy’s Splinter Cell 3D, que, além de ser um dos títulos de lançamento do Nintendo 3DS, é um remake do terceiro Splinter Cell, cujo subtítulo é Chaos Theory. O jogo, aclamado pela crítica, saiu originalmente para Xbox, PlayStation 2, Gamecube e PC, além das suas encarnações portáteis para Nintendo DS e N-Gage.

Sam Fisher, agente da Third Echelon, divisão de operações secretas da NSA (Agência de Segurança Nacional dos EUA), precisa apenas impedir a Terceira Guerra Mundial através de suas missões de infiltração. China, as Coréias e o Japão enfrentam um clima extremamente tenso, já que este último criou uma força de defesa, o que quebraria o acordo mundial feito após a Segunda Guerra. Além disso, Sam é incumbido da tarefa de impedir que os Mass Kernels, um tipo de algoritmo criado para enfraquecer eletronicamente as defesas dos Estados Unidos e facilitar ataques terroristas, caiam em mãos erradas. Fisher terá que encarar missões em dez locais espalhados pelo mundo, desde a Coréia até o Panamá, para reestabelecer a ordem no mundo.

Splinter Cell 3D tem seus méritos, mas empalidece bastante se comparado com a versão de Xbox. Os gráficos até são fiéis ao original, ainda que mais fracos: tem-se a impressão de que o hardware do portátil não foi usado em todo seu potencial. As CGs, por outro lado, são de impressionar e contam com uma ótima dublagem, mas não possuem legenda. Devido à trama complexa e cheia de termos técnicos, isso pode tornar bastante difícil a compreensão dos diálogos e, consequentemente, da história como um todo. Por ser um jogo de stealth, o aspecto geral é bastante escuro, já que se esconder nas sombras é parte crucial da jogabilidade. Para saber se está visível para os inimigos, na parte superior da tela há indicadores de iluminação sob a qual Fisher se encontra e de quanto barulho está fazendo. No entanto, como a tela do 3DS reflete muito a claridade ambiente, tornando difícil enxergar perfeitamente em lugares com iluminação um pouco mais forte, muitas vezes esses indicadores são o seu único parâmetro para identificar se está ou não fora da vista e dos ouvidos dos inimigos. O efeito 3D é sutil e até bem empregado, mas infelizmente é bem frequente “perder” o 3D de vista e às vezes os objetos muito “à frente” dão um certo ruído visual.

Os controles, de maneira geral, foram bem adaptados para o mais novo portátil da Nintendo, tendo em vista que foram originalmente pensados para o Xbox e seu controle repleto de botões. O circle pad responde muito bem, dando ao jogador o controle total sobre a direção e a velocidade das caminhadas de Sam Fisher. Selecionar armas é bastante prático, bastando tocar na opção desejada na tela inferior. Já o menu de ação é bem pouco prático, tornando até a atividade de abrir uma porta complicada. A câmera, por sua vez, pode deixar muita gente frustrada, já que é bem complicado “domesticá-la”. Para movê-la ou mirar com qualquer arma, são usados os botões A, B, Y e X, que não dão conta da tarefa. A câmera pode ser o maior dos seus contratempos nesse jogo, já que a inteligência artificial dos inimigos, uma das marcas tão fortes da série Splinter Cell, parece ter perdido dezenas de pontos de QI. Seus adversários são tão burros que quase dispensam a criação de qualquer estratégia ou o uso de aparelhos mais interessantes que a visão noturna.

Algumas pequenas, porém interessantes adições, são os puzzles para arrombar fechaduras e hackear computadores, em que o jogador terá que utilizar sua inteligência espacial para descobrir qual das peças disponíveis se encaixa no pedaço de cubo cortado de maneira cada vez mais complexa. Para usar o Optic Cable, basta mover o 3DS que o giroscópio do portátil fará o resto, mostrando o que há do outro lado da porta como se ela estivesse realmente à sua frente. O novo polimento de Splinter Cell 3D, infelizmente, não é o suficiente para suprir a falta de fases adicionais ou dos modos multiplayer e co-op, que existiam na versão original. No geral, é um bom jogo de stealth, mas não vale nem um pouco a pena para quem já viu o que Chaos Theory podia fazer. Fãs da série provavelmente se decepcionarão, mas para aqueles que mal podem esperar para se esgueirar pelo escuro em 3D, Tom Clancy’s Splinter Cell 3D é uma boa pedida que proporcionará várias horas de missões de espionagem.

Prós

  • Belas CGs
  • Uso inteligente da tela de toque
  • Bom aproveitamento do efeito 3D e do giroscópio
  • Trama complexa e interessante, com direito a plot twists!
  • Design de níveis competente

Contras

  • As CGs não tem legenda
  • A câmera é dificíl de controlar (leva um tempo até que se pegue o jeito)
  • Ausência de modos Multiplayer e Co-op
  • Gráficos in-game não acompanham o potencial do 3DS
  • Menus de ação pouco práticos

Tom Clancy’s Splinter Cell 3D – Nintendo 3DS – Nota Final: 7.0
Gráficos: 7.5 | Som: 7.5 | Jogabilidade: 7.0 | Diversão: 8.0

Iguana Mall

Tom Clancy's Splinter Cell 3D nos foi gentilmente cedido para análise pela Iguana Mall. www.iguanamall.com.br


Escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google
Disqus
Facebook


  1. Senti tudo isso q vc falou no jogo,so fã dos jogos da série e como não poderia deixar passar esse acabei pegando (tbm pelo fato de estarmos com uma escassez de jogos nesse inicio de vida do 3DS).
    Quanto a jogar esse jogo em um ambiente claro,male male com a visão noturna ligada!
    A A.I é bem como vc falou,mesmo no hard os inimigos continuam umas antas de primeiro escalão!

    No mais ótima análise moça! :)

    ResponderExcluir
  2. Como a grande maioria dos donos de 3DS espera por Zelda e RE, nao se da ao trabalho de procurar outros titulos ja lançados e reclamam da falta de jogos, é bom incentivar este tipo de game como Splinter Cell.

    Exelente análise

    ResponderExcluir
  3. Eu achei esse Splinter Cell para 3DS um ótimo jogo. Claro que ele tem seus problemas (como os citados na análise), mas foi um jogo que me prendeu por horas e horas até chegar ao final. Curti muito e recomendo.

    ResponderExcluir
  4. Vou comprar pelo Iguana Mall, mas estou meio com medo da entrega... Posso confiar?

    ResponderExcluir
  5. Isso aí foi lançado para o DS também, e era muito ruim por sinal, travado, complexo e pouco original. (salvar um cientista nuclear em uma ilha tomada por terroristas?, esconde melhor suas referências, Ubisoft!)

    ResponderExcluir
  6. Isso aí foi lançado para o DS também, e era muito ruim por sinal, travado, complexo e pouco original. (salvar um cientista nuclear em uma ilha tomada por terroristas?, esconde melhor suas referências, Ubisoft!)

    ResponderExcluir