Jogamos

Análise: Little Inferno (eShop/Wii U)

em 03/01/2013

Comprar coisas é uma das diversões da vida moderna. Quem não fica feliz quando o caminhão dos Correios buzina na porta de casa, anunciando... (por Farley Santos em 03/01/2013, via Nintendo Blast)

Comprar coisas é uma das diversões da vida moderna. Quem não fica feliz quando o caminhão dos Correios buzina na porta de casa, anunciando a chegada de um novo item? Mas acredite, existe algo mais divertido que comprar: queimar objetos. Pensando nisso, a companhia Tomorrow Corporation desenvolveu uma lareira. Nela você pode queimar suas coisas com segurança, enquanto ajuda a aquecer o mundo. Essa é a melhor maneira de descrever Little Inferno, um dos títulos de lançamento do eShop de Wii U.

Despertando o instinto piromaníaco

Um game cujo o objetivo é inflamar e destruir objetos não parece interessante, correto? Eu pensava assim, mas aos poucos Little Inferno foi me conquistando. É tudo muito simples: você tem dinheiro, que é utilizado para comprar curiosos itens de um catálogo. Após alguns segundos o objeto é entregue e você pode queimá-lo na lareira. Das cinzas sobra somente dinheiro, um incentivo para comprar mais e mais coisas. Novos itens são disponibilizados a todo momento, uma coisa mais maluca que a outra. A interação é feita através da tela de toque no GamePad e o game pode ser jogado sem a TV.


Confesso que fiquei confuso nos primeiros minutos, tudo parecia tão bobo. Entretanto, aos poucos foi surgindo uma vontade estranha de queimar coisas. O motivo é simples: cada objeto definha de uma maneira diferente, com reações curiosas. Uma espiga de milho explode em uma chuva flamejante de pipoca. Uma lua altera a gravidade da lareira, fazendo com que os outros objetos e restos flutuem em volta do pequeno satélite.  Ao ser incendiado, um cartão de crédito faz um barulho de saque, com dinheiro voando em seguida. Mas um dos meus preferidos é uma miniatura de ônibus: ao ser queimado, os passageiros gritam e sacodem seus braços histericamente, enquanto o veículo anda desgovernado, batendo nas paredes. Macabro, mas divertido.


Quando parei para pensar, eu já estava viciado em queimar coisas e várias horas já tinham passado. Natural, era tudo tão divertido. E a música feliz do catálogo? Impossível não querer comprar tudo ouvindo aquela canção. As descrições divertidas dos itens, com referências à cultura pop e mundo dos games só reforçavam a necessidade de comprá-los. Tantos detalhes fizeram que fosse impossível largar Little Inferno.

Experimentar é a chave

Não satisfeito em queimar somente um item, passei a comprar várias coisas e incendiá-las simultaneamente. Me diverti com as inúmeras reações conjuntas, afinal os objetos se afetam entre si. Mas a maior surpresa foi quando queimei uma espiga de milho e uma tv ao mesmo tempo: um aviso me informou que fiz um combo, convenientemente chamado “Movie Night”. Como recompensa ganhei um ticket, que me permitia diminuir a ansiedade e receber imediatamente os itens comprados. Extremamente necessário, já que alguns objetos demoram até cinco minutos para chegar. Uma lista de combos apareceu, consistindo somente de um nome e da quantidade de itens necessários para fazê-lo.


Não dei tanta atenção aos combos, até o momento que comprei todos os itens do meu catálogo de vendas. Para desbloquear o próximo, era necessário executar uma quantidade mínima de combinações. Após esse momento Little Inferno tornou-se um pouco mais complexo. Com os combos na jogada, passou ser necessário planejar as compras. Que itens são necessários para fazer o combo “LOL Cat”? E para “Dino-mite”? Experimentação foi a solução que eu encontrei. Fui testando alguns conjuntos que pareciam fazer sentido, sempre atento à divertida descrição de cada item. Uma pena que a única dica para realizar os combos é o nome dele. Conforme a quantidade de itens disponíveis para compra aumentavam, mais difícil era conseguir fazer as combinações.

Hora das compras!

Cartas e um mundo gelado

Durante minhas atividades incendiárias, recebi uma carta. Uma garota falava sobre a felicidade de se ter a lareira Little Inferno. Não dei muita atenção e queimei a carta. Entretanto mais e mais cartas chegaram e fui conhecendo mais sobre a remetente. Descobri que a menina chamava-se Sugar Plumps e era bem parecida comigo: passava o tempo todo queimando coisas em sua lareira. Simpatizei com a garota, mesmo não sendo possível responder suas mensagens.

Uma simpática carta da Sugar Plumps
Mas a carta mais perturbadora veio da própria Tomorrow Corporation. O principal conteúdo dela era um vídeo publicitário da incrível lareira. Foi naquele momento que percebi que o mundo estava congelando e fazia anos que não parava de nevar. Além de entretenimento, Little Inferno era também uma maneira de tentar aquecer o planeta. Mas a que custo? Todas as pessoas viviam isoladas em suas casas, queimando coisas o dia inteiro. E aos poucos as cartas de Sugar Plum foram ficando estranhas, questionando a realidade e outros valores.


Foi aos poucos que percebi que existia uma história sombria e triste por trás de uma simples lareira. Presas em casa, as crianças tornaram-se pessoas consumistas e anti-sociais, que não são capazes nem de olhar para o entregador de encomendas. Conformadas, as pessoas não questionam mais nada, passando somente a comprar, comprar e comprar. É fácil fazer um paralelo entre o game e a nossa própria vida: estamos em uma era que compramos coisas que não precisamos, nutrindo relacionamentos cada vez mais vazios. Estes e vários outros temas podem ser observados em Little Inferno, principalmente nas cenas finais.

Queimando tudo

Little Inferno é uma experiência curiosa e não tradicional. Pode parecer bobo passar horas e horas queimando coisas, mas basta alguns minutos para se viciar. A ambientação sombria e misteriosa, aliada ao humor macabro, só contribui para que a experiência seja única. A jogabilidade é simples, mas os temas abordados são bem mais sérios do que parece. O único defeito fica por conta do preço e da quantidade reduzida de extras, que podem afastar vários jogadores. Se procura algo diferente e inusitado, Little Inferno é uma excelente escolha.


Prós

  • Jogabilidade descomplicada e viciante;
  • Ambientação macabra e divertida;
  • Humor afiado, com sátiras e temas recentes;
  • Trama interessante.

Contras

  • Preço elevado;
  • Poucos extras.
Little Inferno - Wii U - Nota Final: 8.0
Visual: 8.0 | Som: 8.0 | Jogabilidade: 8.0 | Diversão: 9.0
Revisão: Marcos Silveira

é brasiliense e gosta de explorar games indie e títulos obscuros. Fã de Yoko Shimomura, Yuzo Koshiro e Masashi Hamauzu, é apreciador de roguelikes, game music, fotografia e livros. Pode ser encontrado no seu blog pessoal e nas redes sociais por meio do nick FaruSantos.
Este texto não representa a opinião do Nintendo Blast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.