Blast from the Past

Blast from the Past: Super Mario Bros.: The Lost Levels (NES)

Eu tenho um desafio para você: imagine que a Nintendo lançou um jogo novo do Mario, mas resolveu que não valia a pena levá-lo para fora do... (por Unknown em 03/01/2013, via Nintendo Blast)

Eu tenho um desafio para você: imagine que a Nintendo lançou um jogo novo do Mario, mas resolveu que não valia a pena levá-lo para fora do Japão. Difícil conceber esse quadro hoje, não é mesmo? Mas foi isso que aconteceu em 1986, quando Super Mario Bros. 2 foi lançado exclusivamente para o Famicom Disk System. Depois de ficar um bom tempo no ostracismo e ter até mesmo seu título original usurpado, o jogo acabou sendo rebatizado como Super Mario Bros.: The Lost Levels. Agora que o título foi disponibilizado no eShop do 3DS, parece um bom momento para relembrar esta que possivelmente é a aventura mais obscura do maior personagem dos videogames. Então let’s-a-go!

A aventura perdida

Super Mario é minha franquia favorita de todos os tempos, como imagino que também seja o caso de boa parte dos leitores do Nintendo Blast. Tudo bem que The Legend of Zelda é uma aventura empolgante, Metroid tem toda aquela atmosfera sci-fi tão única, Donkey Kong é pura adrenalina (e nem vou começar a falar de Star Fox, Smash Bros., Kirby, Pikmin e tantas outras séries maravilhosas da Nintendo), mas o fato é que Mario se tornou o principal mascote da indústria dos videogames graças a seus jogos impecáveis. Ao longo de mais de duas décadas o rotundo encanador italiano protagonizou muitas aventuras memoráveis, e eu tive o prazer de terminar todas elas. Quer dizer, exceto por alguns níveis perdidos.

A primeira aparição de The Lost
Levels no ocidente.
Como uma boa criança dos anos 1980, cresci num mundo sem Internet, em que a informação era escassa e muitos jogos acabavam passando batidos. Só cheguei a conhecer Super Mario Bros.: The Lost Levels em sua versão atualizada, parte da coletânea Super Mario All-Stars, lá no Super Nintendo. Mas acabei não dando muita bola na época porque estava ocupado demais terminando Super Mario Bros. 3, meu jogo favorito de todos os tempos, pela milésima vez. Foi só muitos anos depois, num mundo já devidamente conectado pela Internet, que descobri a verdadeira razão pela qual The Lost Levels não marcou presença no meu Nintendinho, e foi quando finalmente resolvi dar uma chance de verdade ao jogo.

Um Mario para cada nação

A versão americana de
"Doki Doki Panic".
Super Mario Bros.: The Lost Levels é possivelmente a aventura menos conhecida de toda a série principal do mascote da Big N, e o motivo é muito simples: por muitos anos o título não apareceu no ocidente. Lançado originalmente para o Famicom Disk System, em 1986, os níveis perdidos do Mario só foram encontrados pelos americanos em 1993, quando o jogo apareceu em Super Mario All-Stars. Com um novo visual e som atualizado, o jogo chocou a todos com seu altíssimo grau de dificuldade, muito acima da média da série.

E foi justamente essa dificuldade que serviu de desculpa oficial para não lançar o jogo no ocidente. O então CEO da Nintendo na época, Howard Lincoln, achou que o jogo era traiçoeiro demais, contando com muitos truques baratos que acabavam constituindo mais apelação do que diversão para os jogadores. Howard acreditava que isso atrapalharia as vendas do título no ocidente, e então foi decidido que, nas Américas e na Europa, Super Mario Bros. 2 precisaria ser algo diferente.

Desse modo, a sequência direta de Super Mario Bros. varia dependendo da parte do globo em que você se encontra. Para os japoneses, Super Mario Bros. 2 é quase como um pacote de expansão do primeiro jogo, foi um produto feito para quem já havia explorado todos os recursos da aventura original poder testar suas habilidades, enquanto no resto do mundo Super Mario Bros. 2 é uma mera adaptação do jogo Doki Doki Panic. Toda a confusão de nomenclatura só foi sanada quando Super Mario All-Stars batizou o Super Mario Bros. 2 oriental como Super Mario Bros.: The Lost Levels.
À esquerda, o título original do jogo em sua versão oriental.
À direita, a nomenclatura oficial do ocidente, revelada em Super Mario All-Stars.

“New” Super Mario Bros.

Cogumelos simpáticos para um
jogo nada amigável.
Embora tecnicamente muito parecido com o primeiro Super Mario Bros., contando com o mesmo objetivo e a mesma premissa de jogabilidade em plataforma bidimensional, fazendo inclusive uso da mesma engine, há algumas diferenças e inovações significativas em The Lost Levels que um jogador menos atento poderia deixar passar batido.

Para começar, não existe mais um modo para dois jogadores alternados, mas sim a opção de jogar como Mario ou como Luigi. Por sinal, essa é a primeira vez em que Luigi aparece com habilidades diferentes de seu irmão, podendo pular mais alto, mas sofrendo com uma "tração" pior, que torna sua corrida mais desajeitada, uma característica que se manteve até mesmo em jogos mais recentes como Super Mario Galaxy.

A estreia das Piranha Plants
de cor vermelha.
Outra grande mudança, e que também acabou se tornando parte do cânone, é que os cogumelos de power-up passaram a contar com pequenos olhos, o que conferiu uma dose extra de carisma aos mesmos. Falando em cogumelos, pela primeira vez na série temos cogumelos venenosos. Eles são diferentes dos demais por serem da cor roxa e causarem basicamente o mesmo efeito de um contato com um inimigo comum. The Lost Levels marca também a estreia das Piranha Plants de cor vermelha, que acabaria se tornando a cor padrão desse inimigo tão querido. E como não dá para falar de Piranha Plants sem falar de canos, aqui é também a primeira vez que encontramos canos de cabeça para baixo, algo que também se mostraria constante na série dali para frente.

Por outro lado, algumas mudanças não fizeram tanto sucesso e acabaram sendo deixadas de lado no futuro, como Lakitus que conseguem respirar debaixo d’água, as fortes rajadas de vento que influenciam os pulos de Mario e Luigi, e as “warp zones” do mal, que levam o jogador a um mundo já visitado ao invés de uma fase mais adiantada.

Um desafio para Super Jogadores

Para chegar aos mundos secretos,
é preciso suar muito!
Só adulto, muitos anos depois do primeiro contato com o jogo, e a muito custo, consegui finalmente terminar o oitavo mundo de The Lost Levels e poder me gabar de ter fechado todas as histórias do encanador. Afinal, como todo bom jogador de Mario sabe, vencer Bowser no castelo 8-4 e resgatar a princesa Peach representa o fim da jornada, certo? Normalmente sim, mas aqui não! Na versão original para o Famicom, terminando o jogo oito (!) vezes consecutivas é possível acessar os mundos A a D, enquanto que terminando o jogo sem o auxílio de “warp zones” chegamos ao mundo 9, um território aquático insano que tem até um castelo submerso!

Quando Howard Lincoln falou da dificuldade extrema de Super Mario Bros.: The Lost Levels, ele não estava brincando. Esse é o único jogo da série Super Mario que exige memorização e muita tentativa e erro, no melhor estilo dos clássicos hardcore de plataforma 2D, como Megaman e Contra. Mas não acredito que todo esse desafio pudesse afastar os jogadores na época, afinal o título conta com os mesmos controles perfeitos de seu antecessor, a mesma trilha sonora cativante e a mesma magia que só os jogos do Mario conseguem ter. Tudo bem, talvez o Howard tenha um pouco de razão sobre a dificuldade exagerada, mas nada apaga o fato de que esse título é mais um jogo absolutamente obrigatório da Nintendo e parte importantíssima de sua história. Quem sabe daqui a alguns anos não tomo coragem e encaro os tais mundos A a D? Um dia, quando eu for um Super Jogador.
Revisão: Rafael Becker

Escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google
Disqus
Facebook


  1. Ptz esse jogo eeh muito loko!

    Infelizmente nunca pude jogá-lo, mas adoraria ter essa oportunidade, deve ser foda pacas zerar esse game... :)

    Ouvi dizer que poderia sair uma versão pro e-shop do 3DS, isso é fato? Por falar nisso há tempos eu não acesso o e-shop... :/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hmmm a muito tempo tambem não mexo no meu 3ds :/....mas isso é a falta de jogos(não tenho muitos só 3)e,ah sei la,depois que saiu o 3ds xl fiquei com uma puta vontade de troca-lo por ele

      Excluir
    2. Sim,eu comprei ele faz pouco tempo no meu 3ds e vale a pena!

      Excluir
  2. Eu tbem fiquei com mooh vontade de comprar o XL, quero ver se faço isso até o meio desse ano, agora de games pra 3DS eu tenho uma quantidade razoável mas metade não são especificamente de zerar (tipo Street fighter IV, Ridge Racer, Mario Kart, e há alguns meses não ponho as mãos nesses games...) e os outros (tipo RE Revelations, Zelda OoT, entre outros) já fechei.

    O único que ainda não fechei e quero fazer isso esse fds eh Kid Icarus que pra mim eh um dos melhores games do 3DS até agora (apesar de eu ser canhoto e não ter o cicle Pad auxiliar, kkkkk)

    Comprei ontem new super Mário Bros 2, que achei legal mas não tava motivado a comprar, e no inicio de dezembro tinha comprado Metroid 2 e Zelda 2 do GB.

    Agora, se sair mesmo esse Mário Bros, nossa vou querer, certeza!

    ResponderExcluir
  3. Então,na verdade eu não me motivei com varios jogos do 3ds que saiu,só peguei mesmo o RE revelations,Zelda OOT(lógico né),e o RE the mercenaries,o resto não me motivei a compra-los,mas agora que vai sair castlevania,MH3U concerteza vou voltar a jogar meu querido 3ds =D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Castlevania e monstro hunter esse ano vão ser artilharia pesadona! Hahaha

      O 3DS tem vendido muito bem, e com esses games e mais anúncios prováveis De boas novidades ao longo desse ano pros próximos períodos (sempre esperamos por isso neh) vão consolidar de uma vez por todas o sucesso do portátil!

      Eu também estou esperando esses games, e gostaria muito de ver um anuncio de Um novo Zelda pro 3DS ainda esse ano, ou ao menos o remake de Majora's... Agora pra mim sonho mesmo é se fizessem um DK nos moldes do Returns pro 3DS... Mas acho que isso é meio difícil no momento...

      Excluir
    2. *** monstro não... Monster... (êêê laiá)

      Excluir
    3. Aaaaahhhhhh se fizessem o anuncio do remake de majora's mask......bom,ja falei tanto que eu quero esse remake acho q nem preciso falar mais nada......hmmmm um DK nos moldes de DKC Returns pro 3ds tambem ia ser massa demais,gostei do jogo pro Wii mas acho que se fosse pra um portatil ia ser perfeito

      Excluir
    4. Monstro???kkkkkk achei que vc tinha falado e propósito kkkkk aiai mooh* vc e seu celular hein

      Excluir
  4. Eu mal consigo passar da fase 8-3 do primeiro, imagina esse kkkkk

    ResponderExcluir
  5. Realmente esse jogo é muito díficil, mais díficil do que o Super Mario Sunshine! o.O

    Mas eu não acho que esse seja o jogo mais raro da série, ainda tem o Super Mario Bros Special, feito pela Hudson e lançado para o NEC-PC8801, um vídeogame muito raro e desconhecido, chega a ser menos conhecido que o Virtual Boy =)

    Esse jogo não é "Minha nossa! Que jogo foda!", mas é um jogo super-divertido que possúi vários elementos de outros jogos da série, como Donkey Kong, Mario Bros e óbviamente Super Mario Bros 1 e The Lost Levels =D

    ResponderExcluir