Os mitos e polêmicas sobre o design do Pokémon Jynx

Jynx é um dos designs de Pokémon mais clássicos e com uma origem um tanto obscura.


Uma das coisas que, provavelmente, deixou todos nós, quando mais jovens, tão fascinados por Pokémon foi a construção de sua mitologia, isto é, seus designs, tão apelativos para a mente imaginativa de uma criança, por suas cores e formatos tão diversos. Algumas das ideias dos personagens são baseadas em animais, outras em conceitos mais abstratos, e todos podemos concordar que os monstrinhos são uma explosão de criatividade.


Há um grande porém. Existem certos designs que mostram uma origem um tanto obscura, muito abstratas para a mente em formação de uma criança entender seu conceito. Um desses Pokémon faz parte dos originais, os 151 tão familiares para a infância de muitos: Jynx. O Pokémon do tipo gelo e psíquico voltou a figurar em uma certa onda de memes comparativos com a cantora de Trinidad e Tobago, Nicki Minaj.

Essa onda de piadas se dava pelo estilo de cabelo e pela maquiagem exagerada que a cantora usava no início de sua subida ao sucesso internacional. No entanto, quando o assunto é o design desse clássico monstrinho, o buraco é muito mais profundo — e escuro.
Uma das clássicas imagens comparativas que circulava pela Internet.

Entendendo Jim Crow

Entender Jim Crow e tudo que ele representa é entender a mentalidade cultural que ditava o entretenimento nos Estados Unidos ao final do século XIX. Inicialmente um personagem, a ideia de Jim Crow evoluiu (ou involuiu?) até se tornar um símbolo de intolerância racial, figurando em uma série de leis que costumavam reforçar a segregação racial no sul do país. Evoluímos, ainda bem, mas a sombra do personagem deixou uma triste marca na indústria do entretenimento.

Jim Crow foi, a princípio, um personagem de teatro criado por Thomas D. Rice, que reforçava os estereótipos raciais que reinavam na época, mostrando claramente a forma como a mentalidade caucasiana percebia as etnias. Ele popularizou o blackface, um artifício de palco onde o ator pinta a própria cara com tinta escura para interpretar personagens étnicos, sejam latinos ou afro-descendentes. Jim Crow foi baseado num mito popular de mesmo nome, muito famoso entre os escravos.

O que devemos tirar daqui é a forma como o personagem se portava, não só fisicamente, mas também em suas nuances comportamentais. O blackface, como é de se imaginar, consiste em escurecer a pele, muitas vezes, exageradamente. Com isso, os lábios redondos geralmente são destacados. Ele era descrito como um personagem preguiçoso, estúpido, menos humano.
Blackface: um artifício de palco infeliz

Jynx vs Jim Crow

Pois então, qual seria a relação entre o Pokémon e Jim Crow, ou blackface, no geral? As especulações que correm na Internet vão do mais óbvio ao mais implícito. A similaridade física está lá. O primeiro design de Jynx é justamente isso: o rosto extremamente escuro com os lábios em evidência, redondos e chamativos.

Para comparações abaixo da camada mais superficial do personagem, tomemos em consideração tudo aquilo que a Pokédex nos traz a respeito do Pokémon na primeira geração:
  • Pokémon Red/Blue (GameBoy): It seductively wiggles its hips as it walks. It can cause people to dance in unison with it. (Ela balança seus quadris de forma sedutora enquanto anda. Ela faz com que as pessoas dancem em uníssono de acordo com tal movimento).
  • Pokémon Yellow (GameBoy): Appears to move to a rhythm of its own, as if it were dancing. It wiggles its hips as it walks. (Parece se mover em um ritmo próprio, como se estivesse dançando. Ela balança os quadris enquanto anda).
  • Pokémon Stadium (Nintendo 64): Talks in a strange, incomprehensible language. It is known for its weird wiggling that causes people to dance. (Fala numa língua estranha e incompreensível. É conhecida pelo seu balanço esquisito que faz com que as pessoas dancem).
Jynx e Jim Crow, de Thomas D. Rice: coincidência ou influência infeliz?
Jim Crow era uma peça teatral que envolvia dança e, também, música. Jynx é um Pokémon que, coincidentemente, é conhecido pela sua dança envolvente e, muitas vezes, descrito como esquisito. O personagem de Rice também tinha certas peculiaridades nesse aspecto: sua dança era desnivelada e os movimentos de Jim Crow serviam para dar a impressão de como o personagem era preguiçoso e estúpido.

Ao cantar, Thomas D. Rice também costumava se utilizar de outro artifício para incorporar o personagem infame. O jeito que o personagem se comunicava com a plateia era através de gírias e coloquialismos exagerados, tornando o personagem extremamente caricato, novamente coincidindo com uma das descrições de Jynx.

O outro lado da moeda

Mas, afinal, qual é a verdade por trás de tudo isso? As empresas responsáveis pelo jogo — tanto a Game Freak quanto a Nintendo — nunca tiveram um posicionamento oficial sobre o assunto. Quando o assunto causou rebuliço, a empresa silenciosamente mudou o design do personagem, começando pela cor de sua pele, agora roxa, até o jeito que se comportava, não deixando de lado o caricato, mas não tão coincidentemente similar ao Jim Crow.

Existe uma forte teoria a respeito da origem da personagem que faz muito sentido também — e, certamente, é uma origem muito mais inocente. A influência não pode ser provada, já que não há pronunciamento oficial, mas parece ser largamente aceita pela base de fãs, principalmente no Japão que, curiosamente, não parece confortável com a ideia de que o Pokémon pode ter sido baseado numa caricatura racista.

Ao final dos anos 1990, no Japão, uma tendência surgiu entre os adolescentes, chamada Ganguro (ガングロ), um estilo de blackface, mas que nada tinha a ver com as origens racistas do termo inglês. A ideia principal desse estilo, de onde tiraram o nome, é o escurecimento proposital da pele através de sessões de bronzeamento, seja artificial ou não, complementando com maquiagens extremamente contrastantes, distanciando-se o máximo possível de qualquer tipo de ideia relacionada ao entretenimento étnico.

O clareamento dos cabelos também é muito comum: tons claros, coloridos, muitas vezes, simplesmente loiros. Há então uma forte disparidade de fatos, aproximando o Ganguro, tanto quanto Jim Crow, das influências no estilo de Jynx: os lábios contrastantes, devido à maquiagem, o rosto escuro, devido ao bronzeamento, e até mesmo os cabelos claros.

Muitas vezes, o Ganguro também exigia o uso de sapatos plataforma e outros acessórios que influenciavam diretamente a forma como as jovens mulheres andavam, também coincidindo com a descrição de Jynx.

Como nenhuma das duas teorias é, de fato, comprovada pela Big N ou pelos responsáveis pela criação da Jynx, não há como dizer se o Pokémon é de fato um símbolo racista. O que é fato, no entanto, foi a ação da empresa de mudar um conceito ultrapassado e possivelmente ofensivo do personagem, mesmo se o propósito do mesmo não era este. Tudo o que podemos fazer é tomar cuidado com nossas acusações e evitar qualquer opinião precipitada baseada em desinformações.

Revisão: Eurico S. Santos.
Yorran Rosa Bergamaschi escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook