Stage Select

Dark Souls (Switch): desbravando Anor Londo, a cidade do sol

A capital de Lordran, lar dos antigos deuses, onde se encontram os maiores desafios do jogo da FromSoftware.


Depois de muito sofrimento em áreas como Blighttown e Sen's Fortress, Dark Souls lhe apresenta a brilhante cidade de Anor Londo, um dos lugares mais elegantes da franquia, sem dúvidas. Porém, não se engane, mesmo com tanta beleza, essa cidade carrega ainda mais dificuldades do que as regiões anteriores.

A lendária cidade dos deuses

Depois da guerra contra os dragões na Era dos Antigos, os humanos saíram vitoriosos e puderam dar vida à Lordran, as terras exploráveis em Dark Souls. Anor Londo é tida como capital de Lordran, criada pelo Lord Gwyn. A cidade servia como trono para os deuses como Gwyn e seus fiéis quatro cavaleiros: Ornstein, Artorias, Ciaran e Gough. Anor Londo também é muito conhecida por ser lar dos filhos de Gwyn e seu exército, os Silver Knights.

Estátuas de Gwyn (centro), seus Silver Knights (aos lados dele) e de sua filha, Gwynevere (canto direito).
Durante a Era do Fogo, onde se passa os eventos do jogo, a Primeira Chama — que mantém os seres protegidos da escuridão completa — começou a se esvair, ameaçando o fim das chamas. Depois de muitas tentativas em vão para prevenir que ela se apagasse, Gwyn abandona Anor Londo e segue para o abrigo da Primeira Chama com intuito de fazê-la durar mais tempo, oferecendo sua alma ao fogo. O corpo sem alma de Gwyn pode ser encontrado junto à Primeira Chama, protegendo-a.

Os habitantes de Anor Londo

Mil anos depois de Gwyn abandonar Anor Londo, a cidade encontra-se quase deserta. Os quatro cavaleiros de Gwyn partiram da cidade com seus propósitos, com exceção de um: Ornstein, o caçador de dragões. Juntamente com Smough, ele protege a sala de Gwynevere, a princesa do sol.

Os dois são um dos bosses mais difíceis que o jogador encara em Dark Souls, que como Chosen Undead, recebe a missão da serpente primordial Frampt para ir buscar o Lordvessel com Gwynevere, justificando a passagem pela cidade do sol.

Arte conceitual de Gwynevere, a princesa do sol e filha de Gwyn. 

Apesar de parecer deserta após a partida dos deuses, Anor Londo ainda abriga alguns guardiões além da dupla de bosses. Existem alguns sentinelas gigantes que irão despertar caso você passe perto deles. Além de, claro, os famosos Silver Knights que ainda habitam Anor Londo, para a tristeza do jogador, pois incomodam bastante a jornada. Munidos de arcos caça-dragões, é certo que eles vão derrubar os jogadores dos trajetos inusitados percorridos durante a exploração da cidade. Além disso, eles sempre estão em corredores apertados, prontos para derrubar.

Silver Knight Archer e sua famosa flecha guarda-sol.

Peculiar Doll
Adentro da catedral de Anor Londo, onde encontra-se o trono de Gwyn, o salão com Ornstein e Smough, também é possível encontrar algumas pinturas. Muitas delas contêm concept arts de Dark Souls, mas uma em especial, protegida por vários guardiões em trajes brancos, é a porta de entrada para o Painted World of Ariamis, acessível apenas se o jogador possuir o item Peculiar Doll, encontrado na cela do personagem em Undead Asylum. O mundo pintado é a única área que possui neve em Dark Souls. Lá o jogador encontra a Crossbreed Priscilla, banida no mundo pintado por ser considerada uma aberração.


O quadro do Painted World of Ariamis, em Anor Londo.

Os filhos de Gwyn

Depois de muito sofrimento com os Silver Knights atirando flechas, perseguições de sentinelas gigantes, quedas em caminhos estreitos ao redor do lustre da catedral, o jogador passa muita raiva com a dupla de bosses Ornstein e Smough. Muito famosos por serem considerados os mais difíceis do jogo base, os dois cavaleiros de Gwyn ainda habitam Anor Londo com o objetivo de proteger a sala em que se encontra Gwynevere.

Da esquerda para a direita: Smough e Ornstein
Lordvessel
Depois de vencer a dupla de bosses, o jogador irá encontrar a bela filha de Gwyn, Gwynevere, a qual entrega o Lordvessel. Então, surgem algumas opções, como seguir para os Duke’s Archives, onde se encontra Seath, o dragão sem escamas, ou continuar explorando Anor Londo. A cidade ainda possui alguns segredos a serem descobertos, envolvendo o outro filho de Gwyn: Gwyndolin. Cabe ao jogador descobrir quais são os motivos pelo qual Anor Londo é conhecida como a cidade do sol.

Gwyndolin, o sol obscuro.


Inspiração arquitetônica

Anor Londo é inteiramente inspirada na arquitetura da Era da Renascença. As estruturas presentes na cidade têm como base lugares reais da Europa, como a Catedral de Milão, na Itália, e o Castelo de Chambord, na França.

O diretor do jogo, Hidetaka Miyazaki mencionou em uma entrevista que queria representar uma época mais avançada da Idade Média com Anor Londo, diferente do seu título anterior, Demon's Souls, que é todo baseado no começo dessa era. Um dos artistas do jogo, Masanori Waragai, visitou a Catedral de Milão, e andou nos contrafortes da construção, o que lhe inspirou a fazer os percursos exploráveis de Anor Londo.

Acima, da esquerda para a direita: Catedral de Milão e Anor Londo externa. Abaixo, da esquerda para direita: Castelo de Chambord e Anor Londo interna

Indo para o remaster

Agora que já se conhece tudo sobre Anor Londo, basta ver como ela ficou ainda mais bonita com os gráficos atualizados em Dark Souls Remastered, que deve chegar ao Nintendo Switch ainda em 2018.

Revisão: Gabriel Bonafé
Tristan Lima escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook