Blast from the Past

Conker's Bad Fur Day (N64): Extrapolando todos os limites

Conker, o esquilo vermelho mais desbocado existente, parece pouco se importar em caminhar sobre a linha tênue entre o correto e o incorreto. Ainda bem!

Conker’s Bad Fur Day existe tanto para o mal quanto para o bem, mas muito mais para o bem. Através de suas inúmeras piadas de humor negro, conteúdo graficamente violento, diálogo vulgar, entre outras características adultas, o jogo definitivamente representou em grande estilo o novo rumo que a Nintendo levaria no século 21, quando a Big N abriu espaço de forma definitiva para jogos considerados maduros, mas sem abrir mão de sua imagem familiar.


Com comerciais exibidos apenas durante a madrugada, devido ao seu conteúdo sexual, além de campanhas publicitárias em revistas como Playboy e Maxim, para atrair jogadores mais velhos, a Rare, produtora do título, chegou ao ponto de também distribuir camisinhas com o rosto de Conker em festas selecionadas durante o popular período de Spring Break. Entretanto, a Nintendo, para preservar a sua imagem, vetou todo e qualquer material promocional do jogo em sua popular revista Nintendo Power por um longo período. Afinal, ter autorizado esse tipo de game para ser lançado em uma de suas plataformas já parece ter sido o suficiente para a época, não é mesmo?

Apesar disso, curiosamente Conker’s foi inicialmente anunciado como um jogo infantil na E3 de 1997, intitulado Twelve Tales: Conker 64. Essa fase mais “contida” do personagem desbocado também pode ser vista em Diddy Kong Racing, onde o mesmo faz parte do elenco de pilotos disponíveis para o game. Porém, conforme os anos foram passando e a biblioteca do Nintendo 64 foi se tornando saturada de títulos no estilo plataforma estrelados por personagens infantis, alguns deles lançados pela própria Rare, a equipe por trás de Conker’s resolveu oxigenar o projeto e mudar drasticamente as suas ideias.

Lançado em 2001, sendo o último game da Rare produzido para o Nintendo 64, o jogo é um dos últimos a fecharem com chave de ouro a melhor época que a produtora inglesa já vivenciou em termos de sucesso. Em 2002, a empresa foi vendida para a Microsoft para se tornar uma mera sombra do que um dia já foi, surpreendendo a todos aqueles que acreditavam que a Nintendo, pela sua relação próxima, além de também ser proprietária de boa parte das suas ações, é quem estaria mais próxima de concluir uma possível compra.

Sendo aclamado por crítica e público especialmente pela sua história fantástica em termos de originalidade e pelo seu modo multiplayer repleto de opções, o título também conta com um excelente desempenho técnico graças aos seus gráficos exuberantes, diálogo 100% dublado, cutscenes muito bem planejadas, cenários amplos e cheios de vida, entre outras características que exibem com perfeição todas as qualidades que o Nintendo 64 é capaz de proporcionar.

Uma história que faz sentido justamente por não fazer sentido

Conker's Bad Fur Day possui um elenco imenso de personagens únicos e carismáticos.
Estrelando um elenco de personagens super carismáticos, diversas referências à cultura pop espalhadas pelo universo do jogo, além de muitos momentos completamente sem noção, logo se torna claro que a história do game é definitivamente uma de suas maiores qualidades. Não há exagero algum em afirmar que em vários momentos o jogador poderá gargalhar com o que estiver na tela, ou ao menos se sentir surpreso ao capturar uma nova referência incluída no enredo.

A odisséia de Conker, The Squirrel, um típico esquilo vermelho, inicia-se quando o mesmo acaba se embebedando além da conta em uma festa ao lado de seus amigos. Após acordar no dia seguinte sentindo uma terrível ressaca, Conker tenta, aos trancos e barrancos, voltar para a sua casa onde a sua namorada Berri impacientemente lhe espera. Porém, no caminho de volta, Conker se depara com alguns maços de dinheiro, o que acaba lhe distraindo e fazendo com que se distancie ainda mais de sua casa.

Enquanto isso, King Panther, o soberano do reino em que Conker se encontra, está extremamente frustrado, pois a mesa ao lado do seu trono está quebrada em um de seus pés de apoio, fazendo com que a cada vez que ele tente pôr algo sobre a mesa, ela caia devido ao problema. Professor Von Kriplespac, o típico cientista maluco e servo de King Panther, sugere ao rei que a solução para o problema seja a colocação de um esquilo vermelho exatamente onde se encontra o pé defeituoso da mesa. King Panther então ordena que seus subordinados saiam pelo reino à procura de um esquilo vermelho, para que o problema seja rapidamente resolvido.

Em pouco tempo, Conker começa a se envolver em diversas confusões pelo reino, como ajudar uma abelha depressiva a polinizar uma girassol com grandes atributos, confrontar um monstro de fezes que canta ópera, urinar em pequenos demônios, domesticar um dinossauro carnívoro, eliminar uma horda de zumbis, participar por engano em uma guerra entre esquilos e um grupo de ursos de pelúcia nazistas criados pelo Professor Von Kriplespac, além de constantemente fugir da vista dos subordinados de King Panther, entre muitas outras situações caóticas.

A história do título se mantém altamente relevante, do ínicio ao fim, pois está frequentemente se modificando com novas situações igualmente absurdas, fazendo com que a cada novo momento o jogador esteja experienciando algo completamente surpreendente. A Rare dedicou um cuidado mais do que especial em criar um roteiro capaz de prender o jogador por horas devido à sua incrível originalidade, criando aquela sensação ótima de questionamento: “O que irá acontecer em seguida?”

Diversos jogos dentro do mesmo jogo

As diversas formas que Conker assume durante a sua odisséia de volta para a sua casa.
Outro ponto chamativo do jogo é a sua jogabilidade descomplicada e responsiva. É muito simples fazer com que Conker voe através de sua longa cauda, acerte golpes com a sua frigideira de bolso, se agache furtivamente, manuseie armas, pilote veículos, consiga domar animais pré-históricos, etc. Muitas ações também são simplificadas através do “Context Sensitive“, que são plataformas que proporcionam ações exclusivas apenas nestes locais.

Apesar de que na primeira parte do game o jogador possa ficar com a impressão de que está jogando outro título de plataforma comum do Nintendo 64, é através da inclusão de missões com diferentes objetivos que essa impressão acaba caindo por terra. Seja ao controlar um dinossauro em uma arena medieval, participar de corridas de hoverboard na lava, voar por uma mansão mal-assombrada ao ser transformado em um morcego, pilotar um tanque de guerra em terreno altamente irregular, entre outras situações que adicionam novas mecânicas de gameplay, a sensação que fica é que você não está mais jogando um típico jogo de plataforma.

Mas a principal mudança se dá a partir da metade do game, quando o estilo de gameplay muda consideravelmente se transformando em um Third Person Shooter de muita qualidade. Para muitos fãs, é neste momento em que Conker’s realmente brilha, ao mesclar elementos de plataforma com funções de shooters, o jogo assume um novo estilo não somente muito divertido e extremamente bem feito, como também muito inovador para a época pela sua execução.

Além dessas muitas mecânicas de jogo que constantemente surpreendem o jogador, os diversos cenários amplos e repletos de vida, as cutscenes que de tão bem executadas dão a interessante impressão de se tratar de uma série de humor, o elenco de personagens que esbanjam simpatia, trilha sonora imersiva, entre outras muitas características fascinantes que a equipe de programadores por trás do projeto conseguiu implementar, é seguro dizer que em meio a tantas piadas, Conker’s Bad Fur Day é o perfeito exemplo de que antes da brincadeira é preciso uma boa dose de responsabilidade.

Rare, a escola dos multiplayer imersivos

Dom Weaso e a gangue dos Wise Guys no modo Heist.
A Rare, mantendo a sua tradição de explorar muito bem o suporte do Nintendo 64 para quatro controles simultâneos, novamente entregou um multiplayer imersivo para aqueles que também se interessam por se divertir ao lado dos amigos. O título conta com diversos modos, cada um com as suas próprias peculiaridades, além de muitas opções para personalizar cada partida, fazendo com que os jogadores se sintam livres para se divertirem da maneira como quiserem.

Os modos multiplayer de Conker's consistem em Deathmatch, mata-mata, Total War, mata-mata por equipe, Beach, peculiar mata-mata por equipe baseado na invasão da praia de Normandia, Race, uma corrida maluca no melhor estilo Road Rash, Raptor, mata-mata entre homens da caverna e dinossauros, Tank, confronto entre tanques no estilo Vehicular Combat e Heist, o modo Capture The Flag travestido de assalto a banco.

É possível escolher entre uma gama de mapas únicos, cada um com as suas características especiais, sendo que alguns mudam completamente conforme o modo multiplayer escolhido. Também é possível jogar com um elenco diversificado de personagens que conta com quase todos aqueles que surgem durante a história do game, além de outros exclusivos ao modo multiplayer escolhido. Na falta de amigos, é possível adicionar bots para treinar as suas habilidades ou somente para passar o tempo efetivamente.

Em pelo menos um dos diversos modos que o título oferece, a diversão é mais do que garantida seja na companhia de amigos ou apenas entre você e a máquina. A Rare, mais uma vez, acertou a mão em produzir outro clássico para aqueles que se consideram fãs de jogos com modos multiplayer ricos em conteúdo.

Referências em uma época em que referências ainda não era algo popular

Conker e sua namorada Berri parodiando uma cena clássica do longa-metragem Matrix.
A lista de paródias cinematográficas presente no jogo é tão absurda ao ponto do jogador se questionar como a Rare não obteve problemas legais como consequência disso. Algumas paródias podem passar despercebidas, enquanto outras estão deliberadamente escancaradas para que o jogador perceba. 

A lista consiste de títulos como Laranja Mecânica, Nascido para Matar, Veludo Azul, Monty Python, O Exterminador do Futuro, Tubarão, Mágico de Oz, Indiana Jones, Os Intocáveis, Gladiador, Coração Valente, Alice no País das Maravilhas, Guerra nas Estrelas, Jurassic Park, Drácula de Bram Stoker, A Bruxa de Blair, O Resgate do Soldado Ryan, O Exorcista, Apocalypse Now, De Volta Para o Futuro, Matrix, Alien, Pulp Fiction, Conan, Beleza Americana, Cães de Aluguel, A Fantástica Fábrica de Chocolate, Um Drink no Inferno, entre muitos outros filmes populares.

Fazendo piadas com grandes nomes do cinema como David Lynch, Stanley Kubrick, Steven Spielberg, James Cameron, Brian De Palma, Tim Burton, George Lucas, Francis Ford Coppola, Irmãs Wachowski, Ridley Scott, Quentin Tarantino, entre diversos outros diretores renomados, você consegue se lembrar de algum outro jogo que tenha conseguido realizar tal façanha tão perfeitamente quanto Conker’s?

O sinuoso legado do esquilo vermelho

Artwork presente em Conker’s Little Black Book. O livreto, que ilustra o curioso lifestyle do esquilo vermelho, foi distribuído promocionalmente em algumas festas durante o período festivo de Spring Break.
Após a compra da Rare por parte da Microsoft, a produtora se viu obrigada a cancelar diversos novos projetos a mando de sua nova proprietária, entre eles a sequência direta de Conker’s chamada Conker’s Other Bad Day. 

Em 2005, Conker’s Live and Reloaded foi lançado para o Xbox, sendo um remake do original lançado apenas quatro anos antes. Apesar de contar com gráficos excelentes, qualidade sonora que trouxe nova vida para a sua soundtrack, entre outras características técnicas superiores, como o uso extensivo dos recursos online da Xbox Live para o seu multiplayer, esta versão acabou pecando por curiosamente ser ainda mais censurada do que a versão de Nintendo 64.

Após novos planos frustrados de reviver a série, Conker’s acabou recebendo uma pequena campanha intitulada “Conker’s Big Reunion”, centrada 10 anos após os eventos da história original, como parte do Project Spark, lançado em 2014 para Windows e Xbox One. A campanha seria baseada em novos capítulos lançados pela Rare com o tempo, porém a ideia foi cancelada logo após o lançamento do primeiro capítulo.

Quem ri por último, ri melhor

O conjunto completo do game, caixa + cartucho + manual de instruções + guia de jogo, está custando cada vez mais caro conforme os anos vão passando!
Apesar de ter vendido menos unidades do que o esperado, pelo seu lançamento já tardio no ciclo de vida do Nintendo 64, ainda assim Conker’s Bad Fur Day marcou época ao se tornar um clássico cult para todos aqueles que tiveram o imenso prazer de joga-lo.

É realmente uma pena que o título continue sem receber uma sequência digna após tantos anos desde o seu lançamento original. Apesar de reconhecidas as dificuldades por se tratar de um jogo de natureza polêmica, o universo dos games muito mudou através dos anos, tornando-se muito mais receptivo com temáticas adultas. Sendo que muitas dessas mudanças foram impulsionadas pelo próprio sucesso de Conker’s.

Alguns fãs acreditam que o futuro do título talvez esteja melhor assim, pois em um mercado já saturado de jogos que tentam ser “ousados”, o impacto de uma possível sequência seria muito menor do que aquele inicialmente causado em seu lançamento original. Porém, também é válido afirmar que Conker’s trouxe muito mais para a mesa do que apenas humor negro.

As inovações foram tantas que o enorme impacto do título pode ser sentido em diversas áreas, indo desde a harmoniosa combinação entre os gêneros de plataforma e Third Person Shooter, inspirando outros jogos a serem lançados no mercado, chegando até mesmo à forma que grandes empresas como a Nintendo passaram a se comunicar com jogadores mais velhos, uma parcela do mercado gamer que até então nem sempre era vista pelas empresas.

Seja pelas suas inovações, pela ousadia à frente de seu tempo, pelas piadas muito bem contadas, pela história fantástica, pela campanha singleplayer cativante e relativamente longa, pelo multiplayer imersivo, pelos outros milhares de ótimos motivos espalhados pelo jogo, Conker’s Bad Fur Day é escolha certa até mesmo para aqueles que apenas possuem curiosidade pelo título.

E você? quais são as suas lembranças com as peripécias caóticas do esquilo vermelho mais famoso do universo gamer?

Revisão: João Paulo Benevides
Leonardo Castro escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook