Jogamos

Análise: No Heroes Here (Switch) — junte a galera para proteger o castelo ou morra tentando

Jogo brasileiro traz uma abordagem ao tower defense perfeita para juntar os amigos, mas que falha em entregar uma experiência solo consistente.


Aos poucos, os jogos brasileiros estão conquistando cada vez mais seu espaço no mercado internacional. Já tivemos, só neste ano, dois jogos incríveis estreando no Nintendo Switch: o mineiro Dandara (Multi) e o canadense-brasileiro Celeste (Multi). No Heroes Here (Multi) chega para agregar a biblioteca nacional com um excelente multiplayer local, mas que acaba falhando em seu modo solo e online.

Gente como a gente

A premissa de No Heroes Here é muito boa. O jogo se passa em um mundo de fantasia como muitos outros: tem uma guerra, tem uns heróis e você está do lado dos mocinhos. O problema é que o último herói que lutava pelo seu reino morreu, e agora as pessoas normais vão ter que dar um jeito para virar essa guerra.

Como você não controla nenhum guerreiro, não vai para o fronte de batalha empalar inimigos com sua espada. Nada disso! Neste jogo, você espera a guerra vir até você. Ao longo de dezenas de fases espalhadas por três mundos, o jogador  deve defender o castelo de guerreiros — que o invadem de ambos os lados — construindo diferentes munições para lançar com seu canhão. Parece uma tarefa simples, mas não se engane: No Heroes Here não demora muito para se tornar brutal e caótico.

Tiro, porrada e bomba

As primeiras fases do jogo são bastante simples. O design dos castelos deixa os ingredientes das munições em locais convenientes e as hordas de inimigos não são tão longas. É bom aproveitar essa calmaria inicial para você e seus amigos aprenderem bem os comandos, pois não demora muito para o caos se instaurar. O jogo tem suporte para até quatro jogadores no modo local ou online. Quanto mais amigos, mais fácil fica conciliar as tarefas.

Logo pela metade do primeiro mundo, o jogo começa a mostrar sua verdadeira cara. Os castelos são cada vez mais irregulares, exigindo saltos precisos para alcançar forjas e oficinas. Os ingredientes para as munições ficam em locais gradativamente mais isolados, forçando os jogadores a assumirem papéis bem específicos para otimizar seu tempo. Os inimigos vão ficando mais variados, especialmente nos outros mundos, e é necessário estratégias sempre mais complexas para derrotá-los.
Para quem não consegue gerenciar nem a vida, imagine a névoa no terceiro mundo

Amizade é a sua maior arma

Quando você vê, o jogo já se tornou virtualmente impossível de se gerenciar e é aí que o modo multiplayer local mostra todo o seu potencial. Com amigos bem do seu lado, No Heroes Here se torna uma frenética e divertida zona para garantir que todos os itens estejam no lugar certo e na hora certa.

Gritar ordens e discutir as estratégias pessoalmente é uma experiência única e o melhor jeito de vivenciar o jogo, mas também é possível jogar com seus amigos online. Seja qual for a sua escolha, preparem-se para trabalhar em perfeita harmonia com a precisão tão afiada quanto a de um relógio. Só assim, talvez, vocês completem as fases, com alguma sorte.

Com muitos amigos, nem mesmo os chefes poderão te impedir

Antes mal acompanhado do que só

Se você não tiver amigos disponíveis para te acompanhar nessa aventura, aí temos um problema. Ao tentar jogar com estranhos no modo online, prepare-se para encontrar servidores fantasmas sem nenhuma alma viva. Além de não haver salas disponíveis nas semanas que testei o jogo, criar minha própria sala resultou apenas em frustração.

Quando eu tentei, deixei o Switch de lado e fui assistir um vídeo relativamente longo enquanto esperava. O vídeo acabou e nada de achar alguém. Esperei mais um pouco e o portátil até entrou em modo de repouso devido à inatividade. Conclusão: sem amigos, o único jeito é jogar sozinho.
Sem amigos, até enfrentar hordas iniciais se prova um pé no saco

Pense bem antes de aceitar o seu triste destino de enfrentar este game sozinho. Se o jogo é bastante vivo e divertido com alguns amigos, sozinho ele se mostra consideravelmente mais lento e sem graça.

A quantidade de atividades simultâneas para se fazer se mostra massacrante e opressiva. Se estiver pensando em comprar esse jogo para curtir sozinho, é inevitável se frustrar em algum nível. Mas para jogar com os amigos, No Heroes Here é diversão e tensão na dose certa.

Prós

  • Diversão multiplayer garantida para até quatro jogadores;
  • Cada mapa adiciona inimigos e munições próprios;
  • Designs de castelo estimulam cooperação.

Contras

  • Jogar sozinho é estressante e monótono;
  • Servidores online já estão vazios.
No Heroes Here (Switch/PS4/PC) — Nota: 7.0
Versão utilizada para análise: Switch

Revisão: Gabriel Bonafé
Análise produzida com cópia digital cedida pela Mad Mimic.
Gabriel Mattos faz joguinhos na UFRJ, quando deveria estar estudando Computação. Estuda computação, quando deveria estar escrevendo. Escreve, quando deveria estar dormindo e não dorme, porque fica sempre no Twitter. Também pode ser encontrado noInstagram.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook