Shining Resonance Refrain (Switch) é lançado hoje; confira o trailer

JRPG com temática musical chega pela primeira vez ao ocidente.


A mais nova entrada na franquia clássica da SEGA, Shining Resonance Refrain (Switch) já está disponível para aquisição na eShop do console, pelo preço de US$ 49,99, e também em versão física, que tem como preço sugerido o mesmo valor. Para os que optarem pela mídia física, uma boa pedida é procurar pela edição limitada de lançamento Draconic Launch Edition, que conta com uma slipcase de metal magnetizada.



Confira uma breve apresentação do jogo  (via SEGA):
Jogue como Yuma Ilvern e impeça o Império de explorar o poder dos antigos dragões, incluindo a alma do Shining Dragon dentro de você. Com a ajuda de seus amigos, realize seu destino, salve Astoria e liberte a força que sempre manteve trancada.

Os dragões foram considerados como extintos, e como Yuma possui a capacidade de se transformar no Shining Dragon, ele foi levado como prisioneiro do Império. Com a ajuda dos dragoneers, Sonia, princesa de Astoria, convoca Yuma para auxiliá-los em sua luta para salvar suas terras do domínio do Império. Normalmente tímido, Yuma vai encontrar coragem para perceber a força que tem dentro de si?
Shining Resonance Refrain é o port para a geração atual de consoles de Shining Resonance (PS3), lançado em 2014 e produzido pelo estúdio Media.Vision (Wild ArmsDigimon Story: Cyber Sleuth). Além de contar com a adição do modo Refrain, um New Game Plus onde dois antagonistas da história tornam-se personagens jogáveis, a versão marca a primeira vez em que o título é lançado fora do Japão. Confira o trailer de lançamento:


Fonte: Nintendo
Giba Hoffmann é gamer pra todo jogo, mas tem predileção por títulos retrô e um bom e velho JRPG. Sonic, Donkey Kong Country, Ratchet & Clank, Final Fantasy e Disgaea são algumas das séries que formaram a paixão pelos games, desde que ganhou seu Mega Drive, muitos (nem tantos!) anos atrás. Além de escrever para o Nintendo Blast, pode ser encontrado tagarelando no Plano Crítico e no Aventurine Brasil.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook