Jogamos

Análise: Pikuniku (Switch) é uma colorida mistura de puzzles e exploração

Controlando um monstro desajeitado, o jogador deve ajudar os habitantes resolvendo os mais variados e esquisitos pedidos em um mundo colorido e agradável.



A corporação Sunshine Inc. está suspeitosamente dando dinheiro de graça para os habitantes do mundo de Pikuniku. Mas é claro que há outras intenções e consequências por trás disso. Para resolver a situação e deixar tudo mais caótico e divertido, um monstro adormecido (e nem tão monstruoso assim) despertou nas montanhas.

Disponível na eShop do Nintendo Switch, Pikuniku mistura elementos de puzzle e exploração, mas o jogo se desenrola basicamente com diálogos. Controlando Piku, um monstro vermelho que possui apenas cabeça e duas pernas, o jogador precisa ajudar os peculiares habitantes sem braços a resolver os mais variados e inusitados problemas.


Conversa pra nenhum monstro dormir

A simplicidade fala alto em Pikuniku, mas essa é sua principal característica. O mundo do jogo parece desenhado no Paint, pois os cenários são praticamente formados de objetos geométricos. Ainda assim, as cores deixam tudo mais agradável e é quase impossível não se encantar com a trilha sonora leve e engraçada, encaixando muito bem com a proposta do game.

O protagonista possui poucas, mas interessantes habilidades. Além de pular e rolar, Piku pode usar suas pernas para chutar tudo o que vê pela frente. Isso inclui bolas, nozes, pedras e até mesmo os habitantes do local! Pelo menos eles não ficam ofendidos com esse tratamento… As pernas do monstro não servem apenas para pontapés, elas também podem ser utilizadas para balançar ao enroscá-las em ganchos.



O mundo de Pikuniku é bastante linear e o jogo sempre exibe o seu próximo objetivo. A aventura consiste, basicamente, de ir a um determinado local, conversar com algum personagem e ajudá-lo a resolver seu problema. Isso envolve consertar uma ponte, afastar pássaros de plantações, encontrar filhotes perdidos de uma ave, restaurar a energia de um local subterrâneo e muitas outras atividades. Pikuniku não foge dessa proposta, mas ela não se torna cansativa pela variedade de objetivos, que podem ser completados no seu ritmo, e devido ao bom humor dos diálogos.

Cada personagem de Pikuniku é único e peculiar. Expressivos, espontâneos e cheios de opiniões, eles tornam os diálogos um dos charmes da aventura e conseguem arrancar risos do jogador. As conversas são todas competentemente legendadas em português brasileiro, tornando o jogo bastante acessível, e logo o jogador se vê diante de uma trama que envolve ser a resistência contra um governo que está acabando com os recursos naturais. Piku precisa mostrar quem é o verdadeiro monstro do lugar.


É chute pra todos os lados!

Conforme o jogador resolve os problemas dos habitantes, vai ganhando acesso a mais áreas do jogo e itens para explorar os cenários. Com isso, é possível descobrir caminhos secretos e opcionais que oferecem um bom nível de desafio, já que Piku morre ao sofrer qualquer dano. Superá-los rende, além da satisfação pessoal, colecionáveis, mas certamente o maior problema destes desafios está na física do jogo. Muitas vezes os puzzles exigem que o jogador chute algum objeto para uma passagem específica ou sobre um botão e a imprecisão da ação torna os enigmas frustrantes. É comum passar mais tempo tentando chutar o objeto para o lugar desejado do que completando os caminhos secretos.

Infelizmente a campanha principal de Pikuniku é bem curta e pode ser finalizada em aproximadamente cinco horas, mas os desafios opcionais proporcionam algum tempo a mais de jogatina. Caso você tenha outra pessoa para jogar, pode aproveitar o divertido modo cooperativo com nove fases de puzzles. Um dos pontos positivos desse modo é a divisão de tela, que vai inclinando conforme a movimentação dos jogadores e permite que cada um explore um caminho de forma independente.


No geral, Pikuniku é um jogo extremamente carismático e divertido, mas por pouco tempo devido a sua curta duração. Jogadores que procuram algo descompromissado ou um passatempo, vão encontrar uma aventura agradável e acessível, que combina muito bem com a portabilidade do Nintendo Switch.

Prós

  • Visual e trilha sonora são simples, mas bastante agradáveis;
  • Presença de desafios opcionais e de modo cooperativo;
  • Diálogos bem humorados e legendados em português brasileiro.

Contras

  • A campanha principal é bastante curta;
  • Os puzzles que envolvem chutar objetos podem ser bem irritantes.
Pikuniku — Switch/PC — Nota: 7.5
Versão utilizada para análise: Switch
Revisão: Vinícius Fernandes
Análise produzida com cópia digital cedida pela Devolver Digital

Alex Sandro de Mattos é formado em Gestão de TI. Entre se aventurar por Hyrule e se perder em Silent Hill, gosta de publicar fatos interessantes e bobagens no Nintendo Blast. Pode ser encontrado jogando games 2D e também no Facebook.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook