Cinco jogos em consoles da Nintendo que envelheceram bem

Confira uma lista com cinco jogos que quebraram a barreira das gerações com um tipo de diversão atemporal.


Desde que os consoles, e eventualmente os videogames portáteis, chegaram às casas dos consumidores há mais de 30 anos, cada geração de aparelhos de videogame dispõe de um ciclo de vida de alguns anos até ser substituída por uma geração nova que apresenta maior poder de processamento. Com o constante avanço tecnológico, dificilmente uma tecnologia não se torna obsoleta dentro de uma década ou menos.


Com a chegada de cada geração tecnológica, as empresas buscam explorar todo o potencial dos novos consoles, produzindo jogos cada vez mais ambiciosos. O Super Nintendo trouxe como inovação, diante de seu predecessor, o NES, gráficos mais vibrantes e possibilidade de jogos maiores e mais complexos. O mesmo foi então sucedido pelo Nintendo 64, que agora trazia gráficos 3D e com isso uma gama de possibilidades que até então seriam impossíveis.

Mas mesmo em vista desse ciclo de constante obsolescência, alguns jogos quebram a barreira das gerações e trazem uma experiência sensacional para o jogador independentemente de quanto tempo passe. Nessa lista vamos conferir cinco jogos que possuem essa rara qualidade:

1 - Super Mario 64 (N64)

Mesmo após mais de duas décadas e várias gerações de consoles mais poderosos que vieram desde então, Super Mario 64 permanece estranhamente intocado no topo da lista de melhores jogos de plataforma 3D. Mesmo estando em um gênero que trouxe ótimos jogos muito mais tecnológicos nos últimos anos, essa primeira aventura do nosso querido encanador em três dimensões continua sendo uma das melhores aventuras em videogame já feitas.

O jogo começava com Mario solto em um castelo, que por si só já trazia muitos segredos e salas especiais para tornar a exploração divertida. Mas o que realmente dava foco ao jogo eram as grandes pinturas encontradas em praticamente cada sala do castelo. Ao pular de cabeça no quadro, Mario era transportado para um outro mundo baseado na pintura em questão, onde era necessário realizar uma série de objetivos diferentes, incluindo matar chefões, chegar a lugares praticamente inacessíveis através de acrobacias e até uma corrida de escorregador. Cada objetivo dava ao jogador uma estrela, e, após acumular uma determinada quantia, era possível liberar novas partes do castelo.

A ambientação do jogo é muito atmosférica, com muita variedade nas fases e uma trilha sonora simplesmente sensacional. Junto de uma movimentação e jogabilidade surpreendentemente sólidas, Super Mario 64 é uma experiência que vale a pena mesmo depois de tantos anos.


2 - Super Mario World (SNES)

Se Super Mario 64 é um marco de qualidade no gênero de plataforma 3D, Super Mario World é seu equivalente 2D. Lançado em 1990, o jogo trazia notáveis diferenças em relação aos seus antecessores. Os gráficos eram vibrantes e alegres, com cores vivas e uma maior expressividade dos personagens, os designs de fases agora estão mais ambiciosos do que nunca.

Seguindo uma progressão semilinear, Mario tinha que se aventurar em diferentes tipos de mundos, fazendo com que o jogador se adaptasse constantemente a novos desafios e recursos. A jogabilidade e nível de dificuldade são tão bem estruturados que o jogo se mantém relevante mesmo nos dias de hoje, como evidencia o sucesso recente da franquia Mario Maker, que segue os mesmos moldes.



Super Mario World também trouxe coisas boas para o mundo dos games além de gameplay de qualidade: foi a estreia do dinossauro Yoshi, que eventualmente protagonizaria seu próprio jogo de plataforma (também muito bom diga-se de passagem).

3 - Chrono Trigger (SNES)

Com uma história absolutamente profunda e lotada de reviravoltas, Chrono Trigger foi um marco na história dos videogames. Começando com um garoto que vai a um festival de seu vilarejo prestigiar a invenção nova de sua melhor amiga cientista, a história logo fica intrigante quando uma menina se candidata como cobaia para a tal invenção. Teleportada para o passado, cabe a Chrono e a sua amiga Lucca pularem na máquina e irem atrás da garota desaparecida. Isso desencadeia uma série de paradoxos e viagens no tempo que formam uma trama simplesmente intrigante.



O jogo funciona no esquema de RPG de turno, e o combate é surpreendentemente característico. Cada personagem tem seu próprio estilo de lutar, e dois personagens podem combinar suas habilidades natas para criar golpes e magias ainda mais avassaladoras. O jogo contou com a participação de Akira Toriyama, criador de Dragon Ball, na criação. Como consequência, o design dos personagens é cheio de personalidade.

Trazendo variedade o suficiente para prender o jogador até o final da sua campanha, com múltiplas viagens a várias eras diferentes, Chrono Trigger é uma experiência que não precisa de remakes pois a forma que veio ao mundo já é praticamente impecável, e é uma parada praticamente obrigatória para todo fã de RPGs. 

4 - Mario Party 2 (N64)

É conhecido que Mario Kart pode criar inimizades, mas a franquia de jogos de tabuleiro Mario Party traz à tona talvez até mais competição entre os jogadores. O jogo consiste em uma partida de vários turnos num tabuleiro, no qual cada jogador tem o objetivo de coletar o maior número de estrelas antes do final.



Repleto de minigames diferentes, tanto de uma pessoa só quanto de equipes, as partidas de Mario Party são divertidíssimas, com alianças se formando e se rompendo repentinamente, tudo para impedir quem está na frente de conseguir mais estrelas ainda. Mario Party 1 já era um bom jogo, porém um pouco limitado. Isso foi corrigido pela Nintendo no sucessor, que trazia uma variedade maior de mapas e minigames.

Independentemente da década, colocar um Nintendo 64 com Mario Party em uma roda de amigos é diversão (e competição) garantida.

5 - Pokémon Ruby/Sapphire (GBA)

Desde seu lançamento inicial em 2002, os dois jogos foram muito bem recebidos. Compondo a terceira geração de Pokémon trazia uma experiência equilibrada que agradava não só os fãs que já vinham de gerações passadas, mas também novos entrantes.

Os jogos receberam um remake no 3DS intitulados Alpha Sapphire e Omega Ruby. Apesar de ser um remake muito bem feito, o original não sai perdendo e pode ser até mais cativante para algumas pessoas. Os gráficos da versão original eram mais vibrantes que seus antecessores e se aproveitavam bem dos recursos disponíveis na época, marcando a infância de muitos.



Com uma variedade tão grande de lançamentos nos tempos atuais, é admirável um jogo que se mantenha divertido mesmo após vários anos. Estes foram cinco jogos disponíveis em plataformas da Nintendo que acredito terem envelhecido bem. E vocês, o que acham?

Revisão: Luigi Santana

Escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google
Disqus
Facebook