Vem aí

Prévia: Astral Chain — mais um exclusivo de peso a caminho do Switch

O mais novo jogo da Platinum Games, estúdio por trás de títulos como Bayonetta e Nier: Automata, será lançado no dia 30 de Agosto de 2019.



Se você curte aquela ação frenética com múltiplos combos, diversos inimigos e uma pegada altamente japonesa, você provavelmente já ouviu falar da Platinum Games. Fundada por ex-membros do Clover Studio (subsidiária da Capcom), as mentes por trás da desenvolvedora trabalharam em títulos grandes como Devil May Cry, Resident Evil e Okami antes de começarem a criar os seus próprios clássicos do gênero de ação nos videogames. Alguns exemplos são a série Bayonetta, Madworld, Metal Gear Rising, Vanquish, e, mais recentemente, Nier: Automata — jogo que na minha opinião é uma verdadeira obra prima e um dos melhores triplo A da última década.

A relação próxima do estúdio com a Nintendo se mostra cada vez mais expressiva. Bayonetta 2, por exemplo, foi um dos poucos exclusivos realmente relevantes para o Wii U (quando falamos de third-parties, claro). E Hideki Kamiya, diretor da série Bayonetta, também criou o divertido e inovador Wonderful 101 ainda no início da vida do console anterior da Nintendo. Talvez muita gente nem lembre disso, mas o estúdio desenvolveu até mesmo um novo Star Fox para a Big N, o polêmico Star Fox Zero, último título da série a ser lançado.

Seguindo a tradição, Bayonetta 3 já foi anunciado e permanece como exclusivo do híbrido da Nintendo, só que infelizmente ainda sem data de lançamento. A boa notícia é que, por enquanto, donos do Switch fãs do gênero de ação e/ou do trabalho da Platinum Games poderão matar a saudades das mecânicas de combate incrivelmente satisfatórias do estúdio por meio de um exclusivo totalmente inédito: Astral Chain.

Policiais, aliens e muita ação

Astral Chain é uma nova IP da Platinum exclusiva para o Switch (pelo menos por enquanto). O jogo marca a estréia de Takahisa Taura na direção, que trabalhou como designer em Nier: Automata, e conta com o character design do mangaka Masakazu Katsura, famoso pela série Video Girl Ai. A supervisão do projeto ficou por conta de um dos maiores nomes da Platinum, o membro fundador Hideki Kamiya, então pode ter certeza que vem coisa boa por aí.

Em uma cidade futurista, próspera e multicultural conhecida como The Ark (A Arca), misteriosos portais dimensionais apareceram de um dia para o outro, trazendo perigosos alienígenas dispostos a destruir tudo que estiver pela frente. Esses seres são chamados de Chimeras (ou quimeras), e as únicas pessoas que podem detê-los são os membros da força policial especial da cidade, a agência Neuron. Por sua vez, a arma mais efetiva que os oficiais da Neuron encontraram para derrotar os perigosos aliens são criaturas vivas criadas especificamente para isso, os Legions


Parece confuso, mas basicamente é o seguinte: você assume o papel de um policial novato na corporação e recebe seu próprio legion para ajudá-lo a derrotar os monstros e salvar não só a cidade, mas toda a raça humana. No melhor estilo anime, todos os policiais (homens e mulheres) são bonitos, estilosos e vão um pouco além da clássica combinação de bastão e pistola já esperada pela farda, abusando de movimentos esdrúxulos e artes marciais durante o combate.

No entanto, o foco do combate é o uso correto do legion. Uma barrinha determina se você consegue chamá-lo ou não, e essa mesma barra diminui durante o tempo que a criatura está presente na batalha. Quando o legion está ativo, o outrora frenético combate, fica um pouco mais simples: seu companheiro ataca sozinho ao seu lado e pode segurar a atenção do inimigo enquanto você planeja seu próximo movimento, cura seus pontos de vida, ou simplesmente ataca de longe, por exemplo. 



Um aparato chamado Legatus fica sempre no braço do policial, que usa uma corrente etérea (a famosa astral chain) para prender o legion a você. A própria corrente possui várias utilidades, como prender as quimeras, mandá-las para longe ou surpreendê-las com um contra-ataque. Adicionalmente, é importante ficar atento a um flash azul durante a batalha para realizar sync attacks (ataques sincronizados) com o seu legion. É possível ativar um sync attack tanto durante os ataques básicos quanto no meio de uma esquiva ou até mesmo ao invocar o legion, então são várias as oportunidades para se criar combos fantásticos entre o policial e a criatura.

Ao que parece, o gameplay dos confrontos é bastante fluido e intuitivo, mesmo quando se controla a criatura separadamente (segurando o ZL e usando a alavanca da direita), o que é de se esperar de um título da Platinum. Complementando a mecânica, diferentes tipos de legion possuem habilidades distintas que podem ser usadas tanto durante a batalha quanto em momentos de exploração pela cidade. O primeiro tipo apresentado, o sword legion, serve para cortar ondas de energia e atordoar inimigos. Já o arrow legion permite que você mire um ataque a distância com precisão. Com um foco maior na defesa, o arm legion pode ser literalmente vestido como uma armadura, e o axe legion também funciona como um escudo. Por fim, o beast legion proporciona mais mobilidade. Basicamente você pode montar em cima dele para se mover bem mais rápido, seja explorando o mapa ou mesmo no meio de alguma batalha.


Embora os confrontos sejam claramente o principal do que Astral Chain tem a oferecer, ainda há muito a ser explorado. Antes de começar o bom e velho hack n' slash desmedido, por exemplo, o jogo pede por um minucioso trabalho de detetive durante vários e prolongados momentos de investigação. É preciso analisar evidências ao longo de todo o mapa, resolver diferentes puzzles e interrogar testemunhas (assim como outros policiais) para se coletar palavras-chave em forma de pistas, que servem como respostas para perguntas relacionadas ao caso. Espere por longos períodos de exploração antes da porradaria, mas pelo menos você não estará sozinho. Seu legion ajuda não só com a movimentação, acessando lugares altos e difíceis de se alcançar, como também consegue ativar botões e descobrir passagens secretas com ataques e habilidades de curta e longa distância. Certos segredos só são desvendados com o uso da habilidade de algum legion específico, então prepare-se para uma boa dose de backtracking caso você queria coletar e encontrar tudo.

Como provavelmente é esperado pela maioria dos jogadores, existe sim um elemento meio tamagotchi e RPG no qual é possível evoluir e cuidar de cada classe de legion, além de várias roupas disponíveis para que você customize o seu personagem como bem entender. Opções como essas são encontradas no QG da força policial Neuron, onde você ainda pode passar um tempo entre as missões se informando sobre o mundo do jogo e interagindo com um grande número de personagens carismáticos. 



Astral Chain promete ser um exclusivo muito divertido e cheio de conteúdo para o nosso console híbrido preferido. Se você já conhece o trabalho da Platinum, não perca tempo. E se não conhece, talvez essa seja a hora perfeita para conhecer. Astral Chain será lançado oficialmente para o Switch no dia 30 de Agosto, fique ligado! 
Revisão: Davi Sousa

Escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google
Disqus
Facebook