Pokémon Blast

O processo de evolução no Universo Pokémon

Abordamos um dos temas mais importantes que envolvem os monstrinhos de bolso, a evolução. Seria ela um privilégio para muitos ou um “castigo” para poucos?



O universo Pokémon possui diversos mistérios que mantêm a magia da franquia por nos fazer pensar o que está por trás de tudo isso. Um deles é o processo conhecido como Evolução, capaz de mudar a forma do monstrinho, tornando-o mais forte e aumentando suas capacidades de batalha. Agora, como podemos saber se um Pokémon pode evoluir? Quais são os fatores que influenciam nesse processo e que são críticos para esse acontecimento? Ficaram curiosos? É exatamente isso que veremos agora. Boa leitura a todos!

O que é a evolução?

O processo de evolução dos Pokémon não é uma mudança meramente estética, uma vez que os Pokémon em seus estágios finais, como o Metagross por exemplo, possuem bases de stats maiores do que a forma anterior, embora isso não seja um padrão.

Um segundo ponto a ser levado em consideração é que a evolução dos monstrinhos de bolso se aproxima mais da metamorfose do que da evolução em si. Se levarmos em consideração que o Wingull (uma gaivota marinha) evolui para o Pelipper (um pelicano), há uma clara mudança na forma, não mantendo o padrão de uma gaivota ou de espécies similares, como o Albatroz. Entenderam a diferença? Se o Wingull evoluísse para um Pokémon com características de um Albatroz, seu nome provavelmente estaria relacionado à essa espécie, algo como “Wintroz”. Em suma, podemos dizer que a evolução é equivalente ao processo de amadurecimento — ou até mesmo de “envelhecimento” dos Pokémon — e que ocorre após o acúmulo de experiência, assim como para nós, seres humanos.
Linha evolutiva do Wingull
 Outra característica desse processo é a capacidade de suprimi-la através do item chamado Everstone — que em uma tradução literal seria algo próximo de “a pedra eterna”, fazendo alusão à forma do Pokémon, que não irá mudar enquanto o item estiver equipado, ainda que as condições para tal estejam completas. Há também uma outra opção que é exclusiva dos jogos da franquia, no caso, apertar o botão B durante o processo, que não funciona caso tenha sido utilizado algum item para iniciar a evolução, como a Water Stone por exemplo.

O fenômeno da evolução é uma das cenas que mais fazem parte dos treinadores e dos Pokémon. Com a chegada de Pokémon Diamond e Pearl (DS), o Professor Rowan divulgou os dados de sua pesquisa em Sinnoh, constatando que cerca de 27% dos Pokémon daquela região eram capazes de evoluir. Com o passar das gerações, o número de registros da Pokédex foi aumentando, e com isso, naturalmente, o número de Pokémon que são capazes de evoluir também se elevou. Atualmente, cerca de 82% (81,95 para ser mais exato) dos Pokémon são capazes de evoluir para uma outra espécie. Em termos de quantidade, 663 dos 809 Pokémon existentes (Meltan e Melmetal inclusos) passam pelo processo evolucionário, excluindo desse montante os Pokémon lendários/míticos. É muita coisa.

Com isso, podemos dizer que, assim como os Pokémon, a franquia evoluiu junto, isso porque alguns Pokémon como Tangela e Misdreavus ganharam uma evolução em gerações que vieram após a sua própria. Outro clássico exemplo disso fica por conta de um Pokémon que representa a evolução, o famoso Eevee. Seu nome se pronuncia igual às duas primeiras letras da palavra Evolution. Ainda, o sufixo Eon de todas as suas evoluções se aproxima (e muito) do final dessa mesma palavra. Quem sabe não ganhamos mais uma Eeveelution para o Eevee em Pokémon Sword e Shield?
Não custa sonhar com mais uma não é?

Formas de evolução

Antes de começarmos a falar sobre como, onde e quando os Pokémon evoluem, primeiro precisamos classificar cada Pokémon de uma família, por assim dizer, para sabermos onde é o início da linha evolutiva e onde ela termina. Sendo assim, temos quatro categorias, são elas:

Pokémon Bebê - É o menor nível de uma cadeia evolutiva e possui uma característica única que é a não elegibilidade para o processo de breeding. Ou seja, Pokémon que são classificados como bebê precisam evoluir para passar a gerar ovos, e em alguns casos, há certas condições para isso. Para exemplificar esse conceito, temos a Roselia. A forma “bebê” da rosa é o Budew. Para que um ovo contendo um Budew seja gerado, não basta simplesmente termos Roselia e/ou um Ditto: precisamos ainda equipar o item Rose Incense na Roselia para que o processo de breeding gere um Budew.


Pokémon Base - Com a mesma definição do TCG (Trading Card Game), os Pokémon básicos são as primeiras formas de uma linha evolutiva e estão praticamente no mesmo nível dos Pokémon Bebês, com uma pequena diferença: enquanto que um Magby não pode participar do processo de breeding com outro Magby ou Ditto, os Pokémon básicos podem. Logo, um Dratini pode gerar um ovo ao realizar o breeding, uma vez que o dragãozinho azul é a “forma base” do Dragonite e não a sua forma bebê.



Pokémon em Estágio 1 - Outra definição derivada do TCG e que pode nos ajudar nesse caso. Os Pokémon no primeiro estágio evolutivo podem ser tanto a última forma como a forma do meio, logo, podemos dizer que o Magneton é um Pokémon no estágio 1, que sucede o Magnemite (Pokémon base). Os Pokémon presentes nesse estágio também são capazes de gerar ovos, assim como os Pokémon base.


Pokémon em Estágio 2 - Até parece que os jogos conversam entre si, pois este também é um termo utilizado pelo jogo de cartas da franquia e, coincidentemente, da mesma forma se aplica para os jogos eletrônicos. Os Pokémon em seu segundo estágio evolutivo nada mais são do que a forma final de um Pokémon, como o Hydreigon, que lá trás era apenas um Deino (base), que virou Zweilous (estágio 1) e, por fim, se transformou no dragão noturno mais brutal de toda a região de Unova.


Várias são as possibilidades que ativam o processo de evolução dos Pokémon, que podem ser únicas ou coletivas, assim como os monstrinhos, tendo como o método mais comum alcançar um certo nível através do treinamento. A seguir, separamos todos os outros métodos de evolução, totalizando 14 formas diferentes:
  • Utilização de itens específicos, como as pedras evolucionárias;
  • Troca com outro treinador;
  • Troca com outro treinador e equipado com um determinado item;
  • Troca com outro treinador utilizando um Pokémon específico;
  • Passar de nível com um determinado item equipado;
  • Passar de nível com um  determinado item equipado e em um período do dia;
  • Passar de nível com 220 ou mais de felicidade (happiness);
  • Passar de nível com 220 ou mais de felicidade e em um período do dia;
  • Passar de nível sabendo um determinado golpe;
  • Passar de nível em um determinado local;
  • Passar de nível com uma determinada condição climática;
  • Passar de nível com um Pokémon de um determinado tipo no time;
  • Passar de nível com o console ao contrário;
  • Possuir 400 doces do Meltan ( Exclusivo do Pokémon GO);
Vale lembrar que um Pokémon pode evoluir somente um estágio quando atinge a condição necessária para evoluir, ou seja, assim que um Bulbasaur atinge o nível 32 evoluirá apenas para Ivysaur, e não Ivysaur e em seguida para Venusaur. Contudo, não pensem que o processo da evolução só se resume aos métodos acima. Além de podermos evoluir os Pokémon, cada família possui uma característica única que permite um número específico de evoluções, divididos em quatro grupos, são eles:

Não Evoluídos - Este grupo é o que possui a menor quantidade de representantes,  aqueles que não fazem parte de nenhuma cadeia evolutiva, como o Tropius.


Evolução Única - Ao contrário dos não evoluídos, os Pokémon contidos nesse grupo são a maioria, ou seja, suas famílias são compostas por duas espécies, como o Mienfoo e o Mienshao.


Evolução Dupla - Os Pokémon contidos nessa categoria superam os poderes da anterior por terem não uma, mas duas evoluções, logo, suas famílias são compostas por três espécies, como o Piplup, Prinplup e Empoleon.



Evolução Ramificada - Uma das mais criativas, os Pokémon que possuem evoluções ramificadas podem, a partir de uma certa espécie de sua linha evolutiva, ter mais de uma possibilidade para chegar em sua forma final, como, por exemplo, Oddish, Gloom, Vileplume ou Bellossom.

Por que nem todo Pokémon evolui?

De todos os Pokémon criados até o momento, 146 deles não evoluem. É quase uma geração inteira. Se retirarmos os 71 Pokémon lendários/míticos, que compreendem 8.3% do total, restam ainda 75 Pokémon que não são capazes de evoluir, o que equivale a 9.3% do total de existentes. De acordo com a pesquisa do Professor Rowan, os Pokémon só evoluem quando se tornam mais maduros. Em outras palavras, passar por experiências que o ajudarão a crescer e ficar mais forte, até que o gatilho para o próximo estágio seja ativado. Seguindo essa linha de pensamento, realizamos a seguinte comparação:

Arbok x Seviper

As duas serpentes venenosas são perfeitas para essa demonstração. Vejam as bases dos stas totais de cada uma, tendo Arbok à esquerda e Seviper à direita:

Mesmo com a diferença de 10 pontos entre as duas, percebam que enquanto uma delas não evolui, a outra já está em sua forma final. Com isso, se a Seviper pudesse evoluir para uma outra espécie mais forte, suas bases totais teriam um aumento significativo. Dessa forma, para ”equilibrar” a balança, teríamos uma pré-evolução para a Seviper com bases menores, mantendo uma relação com sua evolução para que uma melhora seja notada durante o processo, assim como acontece com a Ekans e Arbok*.

*Esta comparação foi realizada a título explicativo e não é a posição dos desenvolvedores.

Com base na demonstração acima, quando falamos em evolução, não significa apenas para cima, ou seja, o próximo estágio ser mais forte do que o anterior. Há casos em que houve o inverso, como a Chansey. Criada originalmente em Kanto, a bola rosa não teve que esperar muito por uma evolução, que chegou logo em seguida na região de Johto. Se levássemos à risca o conceito de que evoluir é melhorar, amadurecer, a Blissey não seria a forma final e sim, um terceiro Pokémon que sabe-se lá como seria e/ou em qual geração estaria incluída. Em vez disso, tivemos a criação da Happiny em Sinnoh, uma pré-evolução que, com certeza, é mais “fraca” que suas formas evoluídas. Sendo assim, para completar seu crescimento, um Happiny precisa passar por duas evoluções até sua forma final, Blissey.
Que família feliz!

Pokémon que poderiam ganhar uma (ou mais) evoluções

Com todos esses conceitos à mesa, como seria se alguns dos Pokémon que hoje não podem evoluir fizessem parte de uma cadeia evolutiva? Separamos alguns exemplos, seguindo o modelo de pré-evolução, evolução e até mesmo com ambos.

Tauros e Miltank: Para ser sincero, a cada nova geração cresce uma expectativa de que um deles ganhe uma evolução ou pré-evolução. Não precisa ser os dois. Um deles já basta. O casal de mamíferos mais famoso do universo Pokémon se encaixa perfeitamente em ambos. Não entenderam? A gente explica: Para quem não sabe, o Tauros só pode ser macho, enquanto que a Miltank pode ser somente fêmea. A partir daí, poderíamos ter uma pré-evolução onde o macho evolui para Tauros e a fêmea para Miltank. Dessa forma, além de agregar uma forma anterior teríamos uma cadeia evolutiva parecida com a do Burmy, onde o macho vira Mothim (Moth + Him = Mariposa + o pronome Ele) e a fêmea vira Wormadam (Worm + Madam = Minhoca + o título Madame). Indo além, poderíamos ter uma evolução para ambos, aumentando suas bases e tornando-os ainda mais ferozes. Imaginem se a Whitney tivesse uma Miltank evoluída? Seria praticamente impossível vencê-la!

Tauros e Miltank na Pokédex de Alola

Jynx: Não tínhamos como deixá-la de fora. Imaginem-se durante a divisão de um time em uma partida de futsal na aula de educação física: sempre os melhores são escolhidos primeiros, até que o último, geralmente, fica no gol. Porém, nem todos são escolhidos e ficam esperando para jogar a próxima partida. Nem isso aconteceu para a Jinx, que teve que ver seus colegas Magmar e Electabuzz ganharem uma evolução. De fato, os três possuem uma pré-evolução, porém, ganhar uma evolução lhe renderia um destaque maior, não somente por ser forte, e sim por acompanhar seus amigos, sem ser deixada para trás. Pensem com ela deve ter ficado chateada ao ver o Linoone ganhar não só uma segunda forma como uma evolução totalmente nova?

Sai da frente!

Druddigon: São poucos os dragões que não podem evoluir na franquia Pokémon e o Druddigon é um deles. Com bases elevadas para uma forma única, temos aqui mais um exemplo de Pokémon que poderia não só transcender como ter uma pré-evolução. Quem sabe até um segundo tipo para aumentar ainda mais suas capacidades?
É, parece que ele não precisa tanto assim de uma evolução...
Ufa! Complexo esse processo de evolução, não? Dá para dar uns bons nós no cérebro. E vocês, o que acham do processo de evolução? Seria legal se todos os Pokémon pudessem evoluir? O seu Pokémon favorito pode evoluir? Se sim, está em qual estágio? Tem outra sugestão de evolução para algum Pokémon específico? Deixe sua opinião nos comentários e vamos conversar sobre assunto!
Revisão: Jorge Neto
Referências: Bulbapedia

Formado em Sistemas de Informação e atualmente trabalhando com Integração entre Sistemas, Victor Carreta é fã de Pokémon desde os oito anos de idade, quando teve o primeiro contato com a franquia em seu Game Boy Color e desde então, são mais de 20 anos de alegria. Fanático por vídeo-games, gostaria de poder jogar mais tempo do que trabalha. Começou a tomar gosto por escrever quando estava caçando notícias sobre jogos da Nintendo e por acaso, acessou um tal de Nintendo Blast. Enquanto não está escrevendo, pode ser encontrado pela região de Sinnoh, torcendo por um remake dessa geração, que é a melhor de todas.

Comentários

Google
Disqus
Facebook