Jogamos

Análise: Aldred: Knight of Honor (Switch) é divertido e desafiador, mas tem suas limitações

Jogo apresenta a saga de um herói solitário que deve salvar seu reino contra forças do mal.


Aldred: Knight of Honor é um jogo no estilo plataforma bidimensional, com progressão por fases e diferentes mundos, estágios cheios de inimigos, colecionáveis para procurar e cidadãos sequestrados para salvar. Nele, assumimos o papel de Aldred, um corajoso cavaleiro da Irmandade da Chama Divina, um honrado guerreiro que irá pôr um fim à toda a destruição causada por Lord Gugor, o vilão que já aniquilou vários reinos e quer destruir o mundo por completo. Com sua espada em punho e o poder da Armadura Dourada, Aldred parte em busca de salvação para seu povo.

A jornada solitária e desafiadora de um guerreiro honrado

Após uma breve introdução à história do protagonista e sua grande missão, já estamos no controle do personagem, que deve passar uma primeira fase que é, na verdade, um tutorial para familiarizar o jogador com os comandos do jogo, bem ao estilo Kirby, com grandes placas mostrando os botões e ações a serem realizadas. Aldred: Knight of Honor possui uma proposta bastante simples e pode ser aproveitada de forma mais despreocupada ou com maior comprometimento, vai depender se queremos completar as fases e mundos com todo o conteúdo que elas oferecem, mesmo os colecionáveis não oferecendo nenhuma recompensa fora o sentimento de conquista em ter obtido todos.

Como dito lá no início, a progressão neste jogo se dá ao passar fases e avançar para os próximos mundos. Todos os estágio contam com alguns extras para colecionar: são artefatos para montar, pedestais de adoração à Lord Gugor para destruir e aldeões sequestrados para salvar. Todas essas atividades são opcionais e não impedem o progresso na aventura caso sejam ignoradas, mas certamente adicionam mais desafios aos jogadores que gostam de completar jogos e alcançar todas as conquistas possíveis.

O jogo ainda conta um sistema simples de upgrade das habilidades e dos status de Aldred. Ao matar os vários inimigos, obtemos moedas de ouro que podem ser trocadas por melhorias na loja de um vendedor encapuzado que fica em algum ponto em todas as fases. Entre essas melhorias estão o aumento da vida de Aldred, dos pontos de magia, limite de invencibilidade, aumento da taxa de drop de itens pelo inimigos e por aí vai. Portanto, não é recomendado fugir do combate, mate os inimigos e junte bastante ouro para se fortalecer.

Capitalismo com força total na idade média.

As armas e magias certas fazem a diferença

Ao longo da jornada, Aldred ganhará outras armas além de sua fiel espada e aprenderá magias elementais também. A variedade de itens a serem equipados não é grande: contamos com a espada inicial que é rápida mas não oferece muito poder ofensivo, temos um machado grande que é forte mas bastante lento e por fim um arco e flecha que possibilita ataques à distância mas é ainda menos poderoso. Quanto as magias temos apenas três delas: bolas de fogo que são bastante úteis para ataques à distância, oferecendo uma boa opção de dano considerável à uma distância segura do inimigo, uma magia de gelo que é de curta distância mas que pode congelar os inimigos e abrir uma brecha para ataques ou para se manter a salvo contra um golpe iminente e por fim uma magia de eletricidade, com a qual podemos criar um campo elétrico ao redor do protagonista e acertar vários inimigos ao mesmo tempo, sendo esta a mais poderosa entre as três.


Aldred: Knight of Honor não possui um menu de equipamentos e status, temos apenas a função ‘pausa’ com o botão +, onde também podemos acessar as opções do jogo. Portanto, a troca entre armas e magias é feita com os botões L e R respectivamente, e pode ser feita a qualquer momento durante o combate, dependendo de sua necessidade.

Quanto ao combate e inimigos não há muito mistério, a variação de monstros é pouquíssima e a partir do momento em que gravamos o padrão de ação deles fica bastante fácil esquivar dos ataque e desferir um golpe certeiro. Esses monstro ficam localizados em pontos fixos na grande maioria e se movimentam de forma lenta, fazendo com que seja simples atacá-los à distância ou apenas evitá-los quando não estão bloqueando uma passagens.

Ambientação agradável, muitas armadilhas e bastante repetição

Os cenários em Aldred: Knight of Honor são ‘ajeitadinhos’, isso porque possuem muitos detalhes e contam com inimigos e chefes desenhados à mão (nosso protagonista incluso, claro), mas sofrem com a repetição: os mesmos elementos da primeira fase de um mundo serão encontrados até a última fase daquele mundo. Inimigos, decorações e mecânicas em geral não sofrem quase nenhuma modificação o que pode cansar bem rápido a maioria das pessoas.


Mas o que é extremamente cansativo é a trilha sonora: a sensação que fica é de o jogo possui apenas duas ou três músicas, pois elas são extremamente parecidas e são reproduzidas em looping até o fim do estágio. Pessoalmente falando, joguei o jogo até o fim mas com o volume mudo ou ouvindo outra coisa nos fones. Os sons emitidos pelos inimigos quando derrotados também são bizarros, isso porque quase o mesmo se repete para todos eles. A trilha sonora, definitivamente, não é um dos atrativos deste título.

O nível de desafio oferecido pelas fases, em geral, é bastante alto. Apesar da facilidade de combater os inimigos, eles existem em grande quantidade pelo cenário, o que pode acabar minando a vida do herói aos poucos, fora a grande quantidade de armadilhas, que na maioria das vezes requerem boa precisão de pulos e esquivas no tempo certo. Confesso que morri bastante no início por conta desses fatores e pelo baixo nível inicial de HP. 


Os chefes, em geral, têm dificuldade baixa e seu padrão de ataque é pouco variado, bastando atacar à distância com magias e golpes de machado (maior dano). Mas, tudo isso pode ser simplesmente ignorado (armadilhas, inimigos e golpes dos chefes) com o simples apertar do botão X que ativa a Armadura Dourada de Aldred, tornando-o imune a qualquer tipo de dano. Inicialmente esse efeito tem curtíssima duração, mas pode ser melhorado através da loja de upgrades, sendo possível atravessar qualquer dificuldade imposta pelo próprio jogo.

Bugs aqui e ali

Tive a percepção de que os pontos baixos desse jogo podem ser devido ao baixo orçamento da produção e muito menos por falta de capricho por parte dos criadores. Testar todas as possibilidades de problemas em um jogo requer bastante tempo e é mais um peso no orçamento. Em Aldred: knight of Honor, me deparei com alguns problemas, como golpes que simplesmente atravessavam o inimigo e não causava dano algum, a barra de vida deles que não baixava e mesmo assim morriam, atravessar elementos do cenário como portas abertas quando deveriam estar fechadas e pular para uma queda sem fim.


Esses foram algumas das falhas que encontrei, que não foram muito recorrentes, mas que certamente afetaram negativamente a experiência, me forçando a reiniciar a fase ou fechar o jogo e abri-lo novamente em casos mais graves. Não se sabe se os produtores pretende lançar correções para esses bugs, mas eles não impossibilitam a diversão durante a jogatina ou impedem a finalização da aventura.

Nostalgia e desafios numa aventura objetiva

Aldred: Knight of Honor cumpre bem seu papel de oferecer diversão com dificuldade moderada em fases bem estruturadas e com objetivos extras para aumentar o desafio. Apesar da pouca variação das canções da trilha sonora do jogo, a pouca variedade de inimigos, alguns probleminhas aqui ou ali e movimentação meio travada, o jogo oferece nostalgia com seu visual 16-bits e permite que o jogador escolha o quanto irá se comprometer com a aventura. O capricho dedicado é condizente com o preço cobrado pelo título na eShop e certamente irá prender os jogadores mais competitivos. Mesmo não apresentando novos elementos ou mecânicas inovadoras, Aldred: knight of Honor é uma boa adição às opções de jogos de plataforma e o melhor: por um precinho justo.

Prós:

  • Desafio elevado;
  • Comandos simples;
  • Objetivos secundários;
  • Cenários bem trabalhados.

Contras:

  • Pouca variação de cenários;
  • Trilha sonora enjoativa e pouco variada;
  • Bugs e imprecisão de mecânicas.
Aldred: Knight of Honor — Switch —Nota: 7.0
Versão utilizada para análise: Switch
Revisão: Vinícius Veloso
Análise produzida com cópia digital cedida pela QUByte Interactive

Estudante de Letras, apaixonado por vídeo-games e música. Gosta de conversar sobre hobbies em comum, receber dicas e recomendações e de capturar monstrinhos de bolso enquanto explora Hyrule.

Comentários

Google
Disqus
Facebook