Mais 10 Pokémon baseados na mitologia e folclore japonês

Venha conhecer algumas das lendas que podem ter servido como base para criar alguns dos nossos amados monstrinhos de bolso.




Há pouco mais de um ano fiz uma matéria falando de algumas lendas e contos que serviram de inspiração para 10 Pokémon. É uma lista bem bacana, que mostra diversos mitos e histórias da cultura japonesa que refletiram em como alguns monstrinhos aparecem no jogo.


Como temos mais de 800 monstrinhos na literatura do jogo, pensei em trazer mais algumas lendas que possuem fortes semelhanças com a descrição e aparências de alguns dos Pokémon que podemos capturar nos jogos.

Dusclops

O assustador Pokémon fantasma com a pele de listras laterais lembra uma luminária japonesa com olhos. Bem, há um yōkai chamado Chōchin-obake 提灯お化け, o “fantasma da luminária de papel” que se parece bastante com esse Pokémon de bolso.

Acredita-se que as luminárias de papel, depois que atingem uma certa idade avançada, acabam transformando-se em um Chōchin-obake. O papel da lanterna rasga-se horizontalmente em uma de suas bases de madeira, formando uma boca por onde uma enorme língua aparece. Em sua parte superior, um ou dois olhos aparecem. É possível que braços e pernas aparecem também, mas é um feito raro.


Apesar da aparência assustadora, Chōchin-obake não costumam causar nenhum mal físico às pessoas, eles preferem assustar as pessoas quando fazem barulhos e viram as suas enormes línguas e olhos para as visitas das casas que habitam. Também é possível que entidades mais poderosas se disfarçem dessas inofensivas aparições.

A maioria das Pokédex dizem que o interior de Dusclops é vazio, mas a de Pokémon X (NDS) diz algo interessante: qualquer um que ouse olhar dentro de seu corpo para ver a bola de fogo espectral terá seu espírito roubado.

Celebi

A relação de Celebi com o folclore japonês é direta e clara. Os Kodama 木霊, nome que se traduz como “espíritos das árvores”, são as almas das florestas que vagueiam como bolas de luz e, há boatos que se parecem com seres de formato humanóide.

Assim como Celebi, os espíritos estão diretamente conectados com as florestas, são raramente vistos, mas comumente ouvidos como ecos. Celebi também é reconhecido como “a voz das florestas”.

Os Kodama são fixos em apenas uma única árvore e são diretamente ligados ao hospedeiro, se a planta ou o espírito morrer, um não sobreviverá sem o outro. Seu papel é manter o equilíbrio da natureza e abençoam as terras que cercam as florestas onde habitam.


Eles têm como dever proteger a natureza. Quando uma árvore mais velha é cortada, ocasionalmente ela sangra, isso é um sinal que um Kodama a habitava, e cortar uma árvore velha é um grande pecado, que resulta em uma maldição capaz de levar a ruínas a mais próspera das comunidades.

Celebi é creditado nas Pokédex por ser um Pokémon que além de atravessar o tempo, está ligado à paz e bons presságios, uma deidade das florestas que só está ligado ao bem.

Sneasel

A origem do Pokémon é creditada à lenda do yōkai Kama-itachi 鎌鼬, que poderia ser chamado de “doninha-foice”. São doninhas com garras afiadíssimas e longas. capazes de montar no vento gelado das regiões montanhosas de Yamanashi, Nagano, e Niigata, no Japão.


Usualmente atacam em trios, aparecendo do nada. A primeira ataca diretamente nas pernas, para que a vítima caia enquanto a segunda faz diversos cortes com suas garras dianteiras e traseiras. A terceira aplica uma erva mágica que cura a maioria das feridas instantaneamente, assim nenhuma se torna fatal. Isso tudo ocorre de forma rápida, sem que a pessoa perceba, dessa forma a vítima só nota que caiu e se cortou levemente.

É dito que essas doninhas são tão precisas que conseguem escavar pedaços de carne sem derramar uma única gota de sangue. Uma das origens da lenda é dita como uma brincadeira com o nome de uma das poses de luta com espadas, kamae tachi. Muitas lendas de animais invisíveis que montam nos ventos frios e atacam humanos estão espalhadas por todo Japão e as doninhas-foices seguem como as causadoras.

As entradas na Pokédex de Sneasel mostram algumas das semelhanças com as Kama-itachi “Um Pokémon inteligente e sorrateiro. Uma dupla pode trabalhar em conjunto para roubar ovos, fazendo com que um atraia os pais para longe.”

Lombre

Esse Pokémon tem aparência de uma criança, com bicos de tartaruga e um prato de planta na cabeça. Sabe um ser que possui características muito similares? O Kappa 河童, seu nome significa “criança do rio”, e são yōkai que habitam qualquer corpo d’água.

Além da estatura de uma criança, os Kappa possuem corpos feitos para nadar e sua característica principal é a presença de uma depressão no topo da cabeça, no formato de um prato que deve estar sempre cheio de água, esse “prato” é tido como a fonte de poder de um Kappa. Se a água de sua cabeça derramar e acabar secando por inteira, o ser não será capaz de se mexer e pode até mesmo morrer.

Os Kappa são seres extremamente inteligentes, um dos poucos yōkai com inteligência o suficiente para aprender as línguas humanas. Também possuem profundo conhecimento em medicina e curar ossos quebrados. Reza a lenda que os Kappa mais amigáveis ensinaram essas técnicas aos humanos.

No xintoísmo os seres são reconhecidos como deuses da água, tanto que não é raro encontrar oferendas de pepinos - um dos alimentos favoritos deles - em às margens de rios. Os Kappa, em retorno, irrigam as plantações, são amigáveis com crianças perdidas e chegam até a praticar esportes e jogar com humanos.

Mas não se engane, os Kappa não são seres amigáveis, eles podem ser bastante perigosos. Um Kappa pode ser pequeno como uma criança, mas são mais fortes que homens. Não estranhamente. os lagos e rios que habitam costumam ter avisos de perigo. Os seres têm desgosto particular com vacas e cavalos, atacando esses animais sem motivo.

Por brincadeira, alguns podem soltar gases em público ou puxar quimonos de mulheres, mas algumas de suas brincadeiras podem se tornar violentas: podem raptar e abusar de mulheres que nadam em seus lagos, além de matar pessoas. Seus métodos favoritos são por afogamento ou morder os corpos das pessoas até morrerem dentro da água, e ainda devoram pessoas vivas. Além do pepino, seu alimento favorito são as entranhas de pessoas.

Na água, não há meios de fugir de um Kappa. Mas em terra eles são mais desajeitados, e há uma forma de vencê-los; o Kappa é um ser honrável, nunca recusa uma reverência, se você o fizer curvar até derramar a água de sua cabeça, o terá vencido. Sempre que for superado, o Kappa irá jurar eterna lealdade e amizade ao vencedor.

Lombre, assim como o Kappa, é tido pela Pokédex por possuir “um espírito travesso, sempre que encontra um anzol, puxa a linha para atrapalhar”. Sem contar que ele usa a habilidade Rain Dish para recuperar HP, pois a água da chuva enche o chapéu em sua cabeça.

Misdreavus

Outro Pokémon fantasma, esse adora assustar as pessoas à noite. Sua aparência de cabeça flutuante lembra muito a lenda da Nukekubi 抜け首, que se traduz como “pescoço removível”, de mulheres cuja cabeça sai do corpo, buscando pessoas para sugar o sangue, como um vampiro. É considerada uma maldição que aflige mulheres comuns.

No período Edo (1603 - 1868), os cientistas acreditavam que ser uma Nukekubi era uma condição similar ao sonambulismo. Ao invés da mulher, quando dorme, andar pela noite, sua cabeça e alma deixam o corpo e vagam pelas ruas, buscando sangue. Ter uma mulher na família com essa condição era um problema, não somente pela natureza violenta da maldição, mas porque é um mal hereditário, que as filhas dessas mulheres poderiam herdar.

Não estranhamente, a cura para essa maldição era buscada. Quando as jovens mulheres da família apresentavam sinais que possuíam a maldição, eram vendidas para viver em bordéis ou circos humanos, ou até mesmo forçadas a se matarem para preservar a honra da família.


De acordo com Ide de Hitachi, um homem casado com uma Nukekubi ouviu de um ambulante que o fígado de cães de pelo branco poderia remover a maldição da mulher. O homem que possuía um cachorro branco e o matou, deu o fígado para a mulher comer e a maldição foi curada. Porém a filha do casal herdou a maldição e sua cabeça flutuante mordia cachorros brancos até a morte.

Há também relatos que dizem ser possível curar a mulher colocando seu corpo adormecido em um local seguro durante a noite. A cabeça flutuante não conseguirá voltar ao corpo de dia e, eventualmente, morrerá.

Misdreavus tem hábitos noturnos e, de acordo com a Pokédex, “gosta de morder e arrancar o cabelo das pessoas por trás sem avisar, apenas para ver suas reações assustadas” e “gosta de assustar as pessoas com seus gritos de noite”.

Magmar

Magmar pode ter mais de uma origem, mas a sua aparência de ave lembra a Basan 波山, pássaros raros encontrados apenas na ilha de Shikoku, nas montanhas de Ehime. Seu nome é apenas a onomatopéia de suas asas batendo. São seres com a estatura de um peru, mas com a aparência de uma galinha.

A parte mais chamativa deles é a pelagem, que se parece muito com labaredas, seu hálito é visível e parece muito com um dragão cuspidor de fogo. Entretanto as chamas que produz não esquentam, nem causam combustão em nada inflamável.

Basan são seres noturnos cujo comportamento é pouco conhecido. Eles fazem seus ninhos em bosques de bambu remotos, longe de qualquer atividade humana. Se alimentam de madeira carbonizada e brasa. É sabido que vagueiam por vilas remotas durante a noite para comer os restos das fogueiras e carvão deixados para apagar. Pessoas que testemunharam suas atividades disseram que esses pássaros desaparecem quando percebem que são vistos.


A semelhança com Magmar vem da fisionomia de ave e seu corpo que mais parece fogo, além da natureza de cuspir fogo. A única questão é que se as chamas de Magmar não fossem quentes, como as de Basan, o Pokémon não sobreviveria a muitas batalhas.

Zigzagoon

Bem, a inspiração para esse Pokémon é bem clara, os guaxinins ou cães-guaxinins, cujo nome em japonês é Tanuki 狸. Os Tanuki, assim como suas maiores rivais: as raposas japonesas, kitsunes, eram reconhecidos como os principais animais yōkai no Japão.

São seres muito poderosos e, assim como as raposas, são capazes de mudar a forma de seus corpos, se transformando em qualquer coisa, desde objetos, seres vivos e até outros yōkai. Assim como vários yōkai descritos acima, eles adoram usar seus poderes para surpreender e assustar os humanos.

Além da habilidade de mudarem seus corpos, os Tanuki possuem uma característica única que são os seus testículos mágicos. Sim, eles podem usá-los para qualquer necessidade; seja como uma arma, um tambor, leques para refrescar em dias quentes, redes de pesca e até como guarda-chuvas. E eles também usam os testículos em suas transformações, por exemplo: se um Tanuki se disfarçar de vendedor, pode usar os testículos para imitar a loja.

Antes da inserção do Budismo na cultura japonesa, os Tanuki eram como deuses para os japoneses. Ao passo que a religião budista foi ganhando predominância, o status dos animais foi perdendo força e eles se tornaram apenas mensageiros de deuses e guardiões da natureza.

É dito que alguns Tanuki mais espertos adotaram identidades e formas humanas para assumir práticas de gente como dirigir, apostar em jogos de azar, beber e até comandar negócios e atividades religiosas. Sabe-se que eles podem ser corrompidos em sua forma humana, assim como os humanos que imitam, ganhando fama de mentirosos, trapaceiros e bêbados.

Uma forma de ver a história dos Tanuki mágicos é assistindo ao filme Pom Poko (1994), dir. Isao Takahata, animação do Studio Ghibli que está hoje disponível na Netflix. O filme conta a história dos últimos cães-guaxinins mágicos no Japão e como a civilização e o desmatamento destruíram o habitat natural destes e outros animais, mágicos ou não.

Mesmo não possuindo a capacidade de se transformar em outros Pokémon - senão ele seria um Ditto - Zigzagoon é um Pokémon que pode receber diversos TM e aprender golpes muito além do seu tipo Normal.

Shiftry

Esse Pokémon costuma se isolar em regiões montanhosas, em florestas virgens que nenhum humano ousa pôr os pés, igualzinho os Daitengu 大天狗, nome semelhante ao “grande Tengu”. Tengu é a raça desse ser, que pode se dividir em outros yōkai, como o Kotengu 小天狗, um “Tengu menor”.

Tengu são cães divinos, seres com aparência monstruosa e com o poder de conseguirem ler mentes e, em suas formas mais simples, costumam se alimentar de carne humana, além de adorarem atacar e assassinarem pessoas por pura diversão. Ou sequestrar pessoas e jogá-las de alturas enormes no meio de florestas, ou pendurar crianças no topo de árvores, para que elas gritem por ajuda, mas ninguém consiga socorrê-las.

Mas, como foi dito acima, essas são as características dos Kotengu. Os Daitengu são versões mais elevadas da raça, seres que se isolam nas florestas em regiões montanhosas, longe dos humanos. Eles têm mais sabedoria, orgulho e conhecimento do que seus primos Kotengu, mas isso não os impede de serem poderosos ou imprevisíveis. Eles são mais perigosos, pois ´possuem a sabedoria aliada aos seus poderes. Desastres naturais eram comumente associados à ira de Daitengu.

Mas eles são reconhecidos por possuírem maior autocontrole. Há diversas histórias de Daitengu que ajudaram pessoas honradas. Diferente dos Kotengu, eles são vistos como sábios divinos que habitam as montanhas e pouco como inimigos. Há até mesmo a religião Shugendō que os vê como uma referência de sabedoria, e muitos se aventuraram pelas montanhas buscando conseguir parte de seus conhecimentos.

E, ocasionalmente, alguns Tengu chegaram a passar parte dessa sabedoria aos homens mais honrados. É dito que, um dos guerreiros mais famosos do Japão, Minamoto no Yoshitsune, aprendeu a esgrima com o rei dos Tengu, Sōjōbō.

Assim como o Daitengu, Shiftry possui habilidades de ler mentes. Com um longo nariz e a aparência de um ancestral que vive nas montanhas, sua pelagem branca pode ser uma relação com as longas asas brancas que os Daitengu possuem. Na Pokédex é dito que Shiftry “escolhe viver quietamente nos corações das florestas”. A sua pré-evolução, Nuzleaf, também se inspirou na lenda dos Tengu.

Snorunt

Podemos dar algumas lendas e contos para as inspirações de Snorunt. O Pokémon de gelo tem aparência diminuta e um tanto fofa, coberto com o que parece um casaco de palha, roupa usada no Japão para proteger da neve.


Uma das lendas seria o Yuki-Warashi 雪童子, a criança de neve, que conta a história de um casal que sempre quis ter um filho, mas nunca conseguiu. Em um dia de neve eles fizeram um pequeno boneco de neve em formato de criança, como uma forma de representar o filho que nunca teriam. No dia seguinte, uma nevasca intensa tomou conta da região, e eles ouviram uma mão bater na porta: uma criança estava lá. O casal prontamente adotou aquela criança sem pestanejar e juraram criá-la com muito amor.

A felicidade deles durou por todo o inverno, mas ao passo que a primavera se aproximava, seu filho ia definhando. Um dia eles acordaram e seu filho já não estava mais lá, foi-se embora junto do inverno. O casal ficou desolado.

O tempo se passou, novamente o inverno chegou e junto dele, o filho do casal reapareceu em uma noite de nevasca, parecendo mais saudável e alegre do que antes. Eles notaram que o espírito do boneco de neve que esculpiram só poderia estar com eles durante o inverno.

Por vários invernos o casal esteve com seu filho de neve, mas depois de muitos anos, a criança nunca mais apareceu e eles nunca mais a viram. O casal aceitou o destino e agradeceu pela felicidade que tiveram ao partilhar momentos com o espírito.


Mesmo com o tema de neve se parecer com a origem de Snorunt, nas entradas da Pokédex é dito que “os folclores antigos afirmam que as casas visitadas pelo Pokémon estão fadadas a prosperar por gerações” e isso faz grande referência ao yōkai Zashiki-warashi 座敷童子, as “crianças da sala de tatame“.

Zashiki-warashi são espíritos de casas, geralmente aparecem nas casas das pessoas para pregar peças nas pessoas, têm aparências de crianças fantasmagóricas e se divertem como tais. É comum que elas façam amizades com as crianças vivas da casa e ensinem a elas jogos, músicas e brincadeiras, além de fazerem companhias a casais inférteis.

Os moradores das casas costumam deixar comidas para eles nas zashiki - salas com tatame, onde as pessoas se sentam - lugar onde esses espíritos costumam habitar. A comida serve para atrair e manter os espíritos na casa.

E a presença desses espíritos é tida como um bom presságio, pois eles são como protetores da casa e atraem sorte, prosperidade e riquezas à família. Caso os moradores expulsem esses espíritos, toda a riqueza e sorte da família irá para o ralo. É dito que uma família viu um desses espíritos deixar a casa e, logo em seguida, eles morreram envenenados pela comida.

Parece que o Snorunt é a mistura dessas histórias. O pequeno Pokémon de gelo traz boa sorte às casas que visita. Sem contar que a sua evolução Frosslass tem origem em um yōkai também, a Yuki-Onna.

Absol

Por fim, Absol é um Pokémon quadrúpede branco, raramente visto pelos humanos. Sua aparência se assemelha ao Hakutaku ou Bai Ze 白澤, o boi branco - os nomes são as leituras em japonês e chinês, respectivamente, dos mesmos ideogramas - a lenda de origem chinesa que se trata de uma sábia quimera. que mais parece um boi de pelagem branca.

É dito que ele possui nove olhos e seis chifres e só pode ser visto em eras e países cujos governantes são líderes sábios e virtuosos. Hakutaku é tido como uma entidade que traz boa sorte e com muito conhecimento, além de conseguir falar as línguas humanas.

Um dos relatos mais famosos sobre o yōkai vem do lendário Imperador Amarelo (2697-2597 aC) da China. O imperador estava realizando um passeio imperial por suas terras e, no leste, perto do mar, escalou uma montanha e encontrou um Hakutaku. Os dois conversaram e o Hakutaku disse ao imperador que em toda a criação havia 11.520 tipos diferentes de yōkai.

O imperador fez com que seus subordinados registrassem tudo o que a entidade dizia, e foi preservado em um volume conhecido como Hakutaku-zu. Este volume registrou cada tipo de yōkai, juntamente com os males que causam, ou desastres que trazem, bem como como lidar com eles - uma espécie de manual de desastre demoníaco. Infelizmente, o Hakutaku-zu foi perdido há muito tempo e não existem cópias sobreviventes.

Uma lenda da prefeitura de Toyama, no Japão, fala de um japonês que avistou um Hakutaku. O ser apareceu no Monte Tateyama, uma das montanhas mais altas e sagradas do Japão. Essa criatura alertou para uma praga mortal que logo varreria as terras. Ele contou aos aldeões como criar talismãs mágicos que os protegiam da praga, e eles foram todos salvos. Desde então, o Hakutaku tem sido reverenciado como um símbolo da medicina.

Durante o período Edo, o Hakutaku ganhou diversas pinturas por ser muito popular, e sua imagem era vendida como amuletos de sorte e formas de afugentar tudo o que era ruim das casas.

Na Pokédex, Absol é descrito por “sentir quando um desastre está a caminho, e aparece para as pessoas apenas como uma forma de avisar do perigo iminente”. Em outras entradas é dito que, por sempre aparecer antes de um desastre, ficou conhecido como o “Pokémon dos desastres”.

Ufa, foi bastante história para contar, esperamos que vocês tenham gostado de todas essas lendas que podem ter auxiliado na criação dos Pokémon. Você sabia de algumas dessas lendas? Comente aqui embaixo o que você achou!

Revisão:
Felipe Fina Franco

Fontes: 

Arte da capa: @Avitteblimer 
Ilustrações dos yōkai: Matthew Meyer (via yokai.com

Estudante de Sistemas da Informação que gostaria de aprender todas as línguas existentes, mal sabendo lidar com as duas que já fala. Descobriu seu amor pela Nintendo ao conhecer Super Mario 64 e desde então nunca mais largou os cogumelos, karts e rúpias que encontrou em seu caminho.


Disqus
Facebook
Google