Jogamos

Análise: Ego Protocol: Remastered (Switch) — desvende puzzles e enfrente inimigos em busca de um lugar seguro

Seja inteligente e solucione puzzles para terminar o nível o mais rápido possível.





Ego Protocol: Remastered é um jogo desenvolvido pela Static Dreams e publicado pela No Gravity Games que mistura elementos clássicos de plataforma com lógica e estratégia, trazendo gráficos feitos a mão no estilo dos jogos de Super Nintendo, como Super Metroid. A proposta do jogo se baseia na solução de puzzles e em evitar armadilhas, resumindo em guiar o seu robô ao destino final de forma segura.

Lançado em 21 de de fevereiro de 2020, Ego Protocol: Remastered possui uma proposta até que interessante, mas falha miseravelmente quando tenta beber da fonte sagrada de outros jogos do mesmo estilo, sendo uma cópia chata de Metroid.

Por dentro do mundo Sci-Fi

O jogo deixa claro que seu gênero é de ficção científica devido aos cenários futurísticos. Percebe-se que não há um desenvolvimento profundo da história do personagem. Quando você inicia o jogo, já está disponível uma tela em que é possível visualizar todas as fases que serão exploradas, possuindo ainda níveis extras. 

Podemos resumir o jogo em: guiar um personagem humanoide, criando passagens por uma estação orbital abandonada, construindo estratégias para desviar de obstáculos e matar inimigos. 

Jogabilidade fácil de ser compreendida


O jogo possui uma jogabilidade muito simples, se resumindo basicamente a quatro comandos básicos, sendo eles: andar (B), correr (L/R), as ações que podem ser realizadas, como parar, pular ou atirar (Y) e a movimentação das plataformas para criar caminhos para o seu robô (direcional analógico). O conceito do jogo é fácil de entender, possibilitando que pessoas de qualquer idade possam jogar.


Os níveis sempre são baseados no mesmo objetivo: chegar até o ponto de luz de forma segura, usando estratégias como mover as colunas, matar inimigos ou desviar de bombas que podem explodir. Se você morrer no meio do caminho ou o jogo bugar, você pode reiniciar o nível do início. Essas falhas no jogo impossibilitam que você progrida; caso mova uma plataforma enquanto o robô está andando em direção a ela, o personagem pode entrar dentro da parede e ficar preso, sendo impossível mover a coluna ou o personagem.

Ponto de luz que finaliza o nível.


Quando você termina algum nível é possível ver o seu score. Essa pontuação é baseada no tempo que você levou para finalizar e se pegou todos os itens disponíveis no cenário.


Conforme você vai evoluindo, aparecem novos desafios de estratégia, porém, muito embora as estratégias exijam um pouco de habilidade lógica, o objetivo é sempre o mesmo, chegar no ponto de luz que faz com que você seja teletransportado para o próximo nível. Chega uma hora que o jogo acaba ficando repetitivo e os jogadores ansiosos por novidade se decepcionarão com isso. Apesar do jogo ter 60 níveis, são sempre mais do mesmo, fazendo com que você não fique grudado por horas ansiando pelas próximas fases.


Apesar das fortes críticas, é um jogo que merece uma chance pelos seus visuais muito bem trabalhados e feitos a mão e pela boa adaptação para a tela de toque do Switch. É o famoso jogo feito para ser jogado naquelas horas de espera em algum lugar, como uma fila do banco, dos Correios ou no consultório médico. O jogo não é tão chato, só se torna chato quando você quer ficar por horas nele, por isso recomendo que jogue de pouco em pouco para a experiência ficar menos tediosa e repetitiva.

Prós

  • Visuais feitos a mão;
  • Grande quantidade de fases;
  • Estimula o raciocínio.

Contras

  • Repetitivo demais;
  • Não possui um enredo. 
Ego Protocol: Remastered – Switch/PC – Nota: 5.0   
Versão utilizada para análise: Switch
Revisor: José Carlos Alves
Análise produzida com cópia digital cedida pela No Gravity Games

Sou fã de videogames desde pequena, adoro Zelda, Tomb Raider, Resident Evil e Bayonetta. Sou colecionadora de videogames e a Nintendo é a minha paixão, desde o Super Famicom. Exponho estas e outras paixões em meu Instagram (@jess_saturn).


Disqus
Facebook
Google