Jogamos

Análise: Deadly Premonition 2: A Blessing in Disguise (Switch) é uma experiência difícil de descrever

Novo jogo de Swery65 apresenta uma experiência única, mas é afligido por graves problemas técnicos.


Deadly Premonition é um título cult que foi lançado originalmente para PS3 e Xbox 360. Criação da mente bizarra de Swery65, o jogo mistura investigação criminal com pitadas de survival horror em um mundo aberto. Deadly Premonition 2: A Blessing in Disguise segue pela mesma linha, apresentando uma experiência única e instigante que infelizmente sofre com vários problemas técnicos.


Explorando Le Carré


A história de Deadly Premonition 2 intercala entre dois períodos de tempo, funcionando tanto como prequel quanto como sequência do original ao mesmo tempo. No entanto, a maior parte da experiência está no passado, quando Francis York Morgan investiga uma série de assassinatos bizarros na cidadezinha de Le Carré, situada no sul dos Estados Unidos.

Le Carré conta com um grande mapa para explorar enquanto procuramos por pistas do que está acontecendo. Ao contrário de outros jogos de investigação, Deadly Premonition 2 dá ao jogador liberdade para explorar a cidade livremente. Um oráculo te oferece as marcações de para onde ir, mas áreas não-relacionadas podem ser exploradas para obter itens e materiais, além de cumprir sidequests como derrotar jacarés ou procurar ingredientes para uma especialidade local.

Outro incentivo para explorar está nos achievements internos, já que andar bastante rende dinheiro para o jogador. Seu principal veículo de locomoção é um skate, mas também é possível gastar dinheiro para usar os serviços da Y-Vern (uma espécie de Uber) para viajar instantaneamente entre pontos importantes do mapa.

A exploração também depende de um sistema de horários e dias da semana. Primeiramente, cada lugar da cidade tem horas específicas de funcionamento e seus menus podem variar de acordo com o dia da semana. Além disso, a noite faz com que criaturas do submundo rondem as ruas de Le Carré, perseguindo o jogador que decide fazer passeios por horários inapropriados — usar uma pistola ou os próprios punhos são formas de derrotá-los.

Apesar desses trechos seguirem um modelo bem similar a um survival horror, balas para a pistola, kits de primeiros socorros (que restauram vida) e outros recursos importantes são bastante comuns. Além desses momentos noturnos, o contato com o submundo também acontece durante determinados pontos da investigação que são obrigatórios para avançar a história.

De forma geral, existe uma boa variedade de coisas para fazer, o que também é favorecido pelos minigames como boliche e a pista de skate. Mas o principal ponto de interesse no jogo é a sua história. O desenvolvimento da trama é bastante interessante, oferecendo um excelente exemplo do que se espera de uma história de suspense ao mesmo tempo em que o bom humor e os personagens exóticos oferecem um tom bastante peculiar. É uma história sólida e envolvente, cheia de excessos que a fortalecem.

Tecnicamente falho demais


Os problemas de Deadly Premonition 2 estão nos aspectos técnicos. Francamente falando, o jogo é uma falha descomunal nesse quesito. A primeira coisa perceptível é que a performance é deplorável, tanto no aspecto de frames por segundo, quanto nas texturas dos objetos. O título se parece com uma apresentação de slides e é perceptível que tudo ao seu redor ainda está carregando enquanto você anda. As árvores são um dos melhores exemplos disso com suas folhagens borradas.

Se fosse somente isso, o jogo ainda seria fenomenal. Porém, esse é o menor dos problemas. Enquanto se anda de skate pela cidade, é perceptível que o título simplesmente trava enquanto carrega alguns assets, algo que acontece com bastante frequência.

Durante meu tempo com o game, também passei por várias situações em que fui obrigado a sair da aplicação e enfrentei alguns crashes. Isso foi especialmente comum após algumas cutscenes. Com a interface falhando em carregar mesmo após vários minutos, eu me forçava a fechá-lo. Uma vez, até mesmo um boss simplesmente desapareceu e fiquei preso, esperando a sua reaparição até decidir restaurar o meu último save.


Com isso, o que podia ser uma experiência absolutamente fantástica se torna um completo desperdício. Particularmente, ainda considero Deadly Premonition 2 espetacular, mas é necessário que o jogador tenha muita paciência para lidar com seus aspectos falhos. Fico profundamente perplexo que não houve esse cuidado, porque o produto poderia ter sido uma obra-prima. Ainda assim, recomendo para aqueles que, como eu, não tem medo de arriscar por obras que, mesmo pouco polidas, ainda oferecem bastante diversão.

Prós

  • História envolvente com personagens interessantes;
  • Quests, minigames e mecânicas trazem variedade para o jogo;
  • Funcionamento de mundo aberto que incentiva o jogador a explorar bastante a cidade;

Contras

  • Crashes e bugs que impedem o jogador de continuar são comuns;
  • Performance deplorável com momentos de trava total.
Deadly Premonition 2: A Blessing in Disguise - Switch - Nota: 7.0
Revisão: João Pedro Boaventura
Análise produzida com cópia digital cedida pela Nintendo
Deadly Premonition 2: A Blessing in Disguise está disponível na Loja Nintendo

é formado em Comunicação Social pela UFMG e costumava trabalhar numa equipe de desenvolvimento de jogos. Obcecado por jogos japoneses, é raro que ele não tenha em mãos um videogame portátil, sua principal paixão desde a infância.


Disqus
Facebook
Google