Street Fighter II (SNES) completa 30 anos — Listamos 30 curiosidades sobre a franquia

Em comemoração a mais um aniversário da franquia, resolvemos relembrar alguns fatos sobre o clássico do gênero luta.



No dia 6 de fevereiro, Street Fighter II (SNES) completou 30 anos de seu lançamento. O clássico game de luta marcou gerações, ditou tendências, e é tão aclamado que serviu de inspiração para diversos outros jogos de luta. Assim sendo, nada melhor que poder dar parabéns ao segundo jogo da franquia, que trouxe personagens memoráveis, golpes marcantes e, pela primeira vez, um grande conjunto de lutadores jogáveis.

Em clima de comemoração, selecionamos então 30 curiosidades sobre o game. Confira abaixo e tente se lembrar se já soube, ainda conhece, ou se nunca nem ouviu falar de algumas peças que tornam esse jogo ainda mais especial.

1. Vários personagens são casados





É de se admirar como a Capcom aprofunda a backstory de seus personagens bem mais do que outros jogos do mesmo gênero. O nipo-americano Ken, por exemplo, após participar do campeonato World Warriors, conheceu Eliza, que viria a ser sua esposa mais para frente, adotando o seu sobrenome, Masters.

2. O Blanka não é necessariamente brasileiro





A nacionalidade de Blanka divide opiniões e é motivo de debates entre fãs, pela falta de evidências que demonstrem se ele é ou não é mesmo brasileiro. Os únicos fatos certamente conhecidos são ainda de sua infância, quando o lutador de choque sofreu um acidente de avião, caindo na Floresta Amazônica e sendo daí para frente criado por uma alcateia (ainda que na realidade não existam lobos por lá).

3. Dhalsim teria originalmente 3 pares de braços





Na arte conceitual original de Dhalsim, era possível observar a existência de 6 braços no lutador hindu, como inspiração clara no deus hindu Ganesha, que ainda teria uma cabeça de elefante. 

4. Zangief quase se chamou Vodka Gobalsky





Em uma entrevista com Akira Yasuda, responsável pela criação do lutador Zangief, ele revelou que o nome original do personagem deveria ser Vodka Gobalsky, e que em sua história original o lutador russo teria sido banido da organização de luta livre do país por quebrar as regras do torneio e apresentar altos índices de alcoolismo em seu sangue.

5. Chun-Li seria uma lutadora bem mais fraca





Yoshiki Okamoto, o criador de Street Fighter, revelou em uma entrevista para o site Polygon que queria que Chun-Li fosse bem mais fraca "porque as mulheres não eram tão fortes" segundo o pensamento frequente cultural da época. Foi aí que o designer do game, Akira Nishitani, não concordou e eles decidiram deixar a lutadora tão forte quanto os homens presentes no jogo, se tornando mais um importante ícone feminino dos games.

6. Vega seria um cavaleiro medieval





Em seus primeiros rascunhos, Vega se apresentava como um cavaleiro medieval, equipado com armadura, espada e escudo. No entanto, a ideia foi descartada porque o conceito de Street Fighter se alterou, passando a ser um jogo com participantes de vários cantos do mundo, e não de todas as épocas da história. Ainda assim, é possível observar que alguns detalhes, como sua máscara e as lâminas, foram mantidos do design original.

7. Zangief era amigo íntimo do presidente soviético

Em Street Fighter II, o ex-presidente soviético Mikhail Gorbachev faz uma visita a Zangief. O ex-presidente e o musculoso lutador praticavam uma tradicional dança russa para comemorar as vitórias de Zangief.

8. Qual é a das caveiras de Dhalsim?





O icônico acessório do monge hindu é composto de crânios de crianças que moravam na mesma vila que ele e morreram por alguma adversidade. Mesmo sem um veredito final para as mortes, Dhalsim decidiu homenageá-las utilizando seus crânios como uma lembrança de suas vidas e da honra carregada até o fim.

9. Guile não possui sobrancelhas





Apesar de possuí-las em algumas versões, como no clássico de Van Damme, as artes oficiais de Guile o mostram como um americano tão durão ao ponto de não possuir sobrancelhas para ressaltar suas expressões e sua cara de mau.

10. O Hadouken como conhecemos





Em Street Fighter II foi introduzido o golpe mais clássico dos videogames, o hadouken. Comparando com o primeiro game da série, não apenas Ryu não dizia “hadouken” como não ficava clara a maneira de se expelir o poder de suas mãos.

11. A faixa de Ryu





No primeiro game, Ryu usava uma faixa branca na cabeça, mas logo no segundo jogo ela já foi substituída pela famosa faixa vermelha. Essa mudança foi feita como homenagem da Capcom ao anime da franquia. Na animação, Ken dá ao protagonista do game a faixa vermelha que ele mesmo usa para prender seu cabelo. A partir daí, Ryu mantém a faixa em quase todas as demais sequências.

12. Dragon Ball tem mais a ver do que você imagina...





Hironobu Kageyama, cantor japonês também responsável pela voz dos temas de Dragon Ball, cantou o tema de Ken em um álbum tributo. Apesar dessa coincidência, nunca foi declarado nada a respeito das duas franquias enquanto semelhantes, apesar de muitos Mugen de crossovers já terem sido produzidos.

13. Designers do game deixaram rastros pelo jogo





Akira Nishitani, um dos designers de Street Fighter II, utilizava o apelido "Nin-Nin". Esse nome aparece no cenário em que você luta contra Balrog e também na tabela de recordes do jogo. Segundo os rumores, um outro designer chamado Buppo também deixou seu nome escrito ao lado de um barco na arena de Ken.

14. Oi, eu sou o Ken. Quem? Ken Masters!





Segundo rumores, os criadores do game ficaram com medo de ser processados pela Mattel, que tinha os direitos do nome Ken, namorado loiro da Barbie. Então, a Capcom alterou o nome do lutador para Ken Masters, visando evitar quaisquer atritos com a marca da boneca.

15. Troca de nomes entre os vilões





Muito conhecida pelos fãs do game, a mudança dos nomes quando Street Fighter II chegou ao Ocidente é ainda assim desconhecida por muitos. A Capcom trocou o nome do personagem M. Bison (que se pronuncia "Baisom"), por soar muito próximo do nome do lutador Mike Tyson, oferecendo o risco de um processo por parte da estrela dos ringues. A desenvolvedora então alterou o nome de quase todos os vilões, trocando-os de personagens. A exceção foi o vilão Sagat, que manteve seu nome em todas as versões.

16. Mas afinal, quem é Sheng Long?





Em um certo momento de Street Fighter II, você se deparava com a frase "você precisa derrotar Sheng Long para ter uma chance", mas era impossível encontrar (ou derrotar) o personagem. Na realidade, foi tudo um erro de tradução, que queria dizer que você precisava usar o famoso "golpe do dragão" , o “Shoryuken”, para ter uma chance.
Em uma brincadeira de 1º de Abril, a revista EGM, à época uma publicação super renomada de games dos EUA, publicou uma matéria confirmando a existência de Sheng Long e indicando que era possível jogar com ele, caso o jogador sobrevivesse por 10 rounds contra M. Bison sem causar ou tomar nenhum dano. O caso então repercutiu tanto que a Capcom decidiu lançar oficialmente um personagem inspirado na publicação chamado de Gouken, o mestre de Ryu e Ken, em Super Street Fighter IV.

17. Quem são os lutadores na abertura de Street Fighter II?





Os lutadores que aparecem na abertura oficial de Street Fighter II eram Joe e Mike, ou Matt e Scott, personagens não-jogáveis que em determinado ponto do desenvolvimento seriam utilizáveis no game, mas que não chegaram até a versão final, permanecendo na abertura como easter eggs da cultura do jogo. A própria cena foi retirada de várias versões por retratar um branco socando um negro, podendo ser considerada racista em certas situações.

18. A homenagem em Super Smash Bros.





Akiman, ilustrador de Street Fighter, homenageou a capa de Street Fighter II em uma ilustração oficial do anúncio de Ryu como lutador jogável em Super Smash Bros. for Wii U/3DS. A semelhança é nítida e ficou bem curiosa a escolha da adaptação dos lutadores do game de Super Nintendo para os personagens clássicos de Smash Bros.

19. A curiosa versão de Master System





A versão de Street Fighter II que chegou ao console de 8 bits foi feita pela empresa brasileira Tectoy, que começou a programar sem o apoio da Sega, mas conseguiu a aprovação da Capcom e lançou o jogo em 1997. O projeto sofreu com as limitações do videogame antigo, mas conseguiu manter o charme das versões anteriores.

20. Combos existiram por acidente

Uma vez lançado, a Capcom observou que hackers começaram a modificar o jogo para torná-lo mais fácil. Em uma dessas modificações, reduzir o tempo entre os ataques e os movimentos era possível ao apertar uma determinada sequência de botões. Os desenvolvedores então perceberam isso como uma oportunidade e integraram o sistema de combos na versão seguinte, Super Street Fighter II.

21. Os apelidos dos golpes especiais





No jogo da Capcom, todos os personagens possuem golpes especiais. Eles até falam o nome dos ataques durante as partidas – mas, como a qualidade das vozes é baixa, os brasileiros acabaram criando apelidos engraçados para várias técnicas. A cabeçada “Super Zutsuki”, do japonês E. Honda, ficou conhecida como “cuscuz” por aqui, por exemplo.

22. Os hackers e suas modificações





Os jogadores começaram rapidamente a usar códigos e outros métodos de trapaça para melhorar ou alterar suas experiências com o game, sendo o mais famoso deles o Street Fighter II Rainbow Set. Ele adicionava movimentos alternativos, bolas de fogo controláveis e várias outras novidades. A desenvolvedora usou várias das melhores ideias e as inseriu em Street Fighter II Turbo: Hyper Fighting.

23. A música-tema de Ken é uma cópia?

Tratado apenas como um rumor, a música-tema de Ken parece ter sido inspirada em Mighty Wings, da banda Cheap Trick. Ambas as versões são tão próximas que é quase inegável admitir; os desenvolvedores, no entanto, nunca confirmaram a autenticidade do rumor.

24. Street Fighter II presente no livro dos recordes

Street Fighter II já participou de vários recordes do Guinness World Records, sendo alguns deles: "primeiro jogo de luta usando combos", "jogo de luta mais clonado de todos os tempos" e "jogo arcade de luta -- ou operado por moedas -- mais vendido de todos os tempos".

25. Ken e Guile tem um grau de parentesco





Apesar de não se orgulharem muito disso, Guile e Ken são concunhados, já que suas esposas, Eliza e Julia, são irmãs. Como representantes americanos no game, nada mais justo que existir algum tipo de laço familiar entre dois lutadores tão habilidosos.

26. O "Guile's Theme" se encaixa em qualquer situação

O meme "Guile's Theme goes with everything", ou "o tema do Guile combina com tudo", em tradução livre, é apresentado como uma série de vídeos que mostram várias montagens usando a música-tema do lutador em diversas situações possíveis. De fato, isso só comprova a genialidade dos compositores do game, que eternizaram uma faixa da trilha sonora presente agora em mais um momento de fama na internet.

27. Os vários relançamentos




A primeira versão fora dos arcades do game foi lançada no Super Nintendo em 1992, sendo o oitavo título mais vendido do console. Após o sucesso, o jogo chegou ao Mega Drive em 1993 junto com o controle de seis botões da máquina da Sega. Em 1994, a edição para Game Boy foi lançada e em 1997, a versão do Master System foi publicada no Brasil.

28. A existência de Street Fighter 2010: The Final Fight





Poucos conhecem, mas o Street Fighter original gerou um derivado inusitado. Lançado em 1990 para NES, Street Fighter 2010: The Final Fight foi desenvolvido em paralelo com a versão de Street Fighter II dos arcades. O spin-off é um jogo de plataforma com elementos de ficção científica que trazia o personagem Ken como protagonista.

O jogo ficou famoso por trazer uma dificuldade acima do normal e uma representação inusitada de Ken. Hoje, a Capcom considera o game como parte do universo do jogo de plataforma Bionic Commando, excluindo-o totalmente da cronologia de Street Fighter.

29. O Violent Ken em Ultra Street Fighter II: The Final Challengers



Quando anunciado, o Nintendo Switch teve entre seus destaques no lançamento o game Ultra Street Fighter II: The Final Challengers. Uma versão atualizada do Super Street Fighter II Turbo, o game trazia alguns modos extras de jogo e duas novidades entre os personagens jogáveis: Evil Ryu e Violent Ken.
O primeiro foi apresentado pela primeira vez em 1996, no game Street Fighter Alpha 2 (Multi), tratando-se de uma versão corrompida do lutador pela energia Hadou. Já Violent Ken estreou no crossover SNK vs. Capcom: SVC Chaos (Multi), de 2003. Apesar disso, muitos acreditam que esta variante do Ken na verdade surgiu inicialmente no filme Street Fighter II: The Animated Movie de 1994, onde o personagem foi dominado e convertido em um lacaio de M. Bison.

30. Ken tinge o cabelo





Apesar de ser um clássico personagem loiro da saga, Ken na verdade possui cabelos castanhos, conforme denuncia a cor de suas sobrancelhas. Apesar de algumas pessoas possuírem as sobrancelhas de coloração diferentes dos demais pelos do corpo, o mais certo é mesmo de que Ken gasta algumas horas de sua semana para manter a cabeleira loira.

E você, já sabia de alguma dessas curiosidades? Tem alguma memória especial jogando Street Fighter II? Compartilhe conosco nos comentários! 

Revisão: Davi Sousa

Curioso, empolgado e positivo: os ingredientes ideais para criar o Felipe perfeito...ou quase! Estudante de Engenharia no crachá, programador aos fins de semana e designer às quintas-feiras. Na dúvida, viajar pelos mundos de Kingdom Hearts ou caçar monstros em Hyrule são sem dúvidas uma boa aposta! Conheçam-me!


Disqus
Facebook
Google