Tales of Kenzera: ZAU é anunciado para Switch

Título do selo EA Originals utiliza elementos de uma cultura africana que chegou até o Brasil.

Tales of Kenzera: ZAU
, novo projeto da EA e do Surgent Studios, será lançado para Switch no dia 23 de abril de 2024. O anúncio ocorreu durante a cerimônia do The Game Awards 2023 na noite de ontem (7).


O título de ação e aventura custará R$ 98,10 na eShop e aborda os mitos e tradições da cultura bantu, originária da África e que chegou até o Brasil na época da escravidão. Confira a descrição do jogo:
Um garoto em luto começa a ler um conto bantu escrito por seu falecido pai. Aventure-se nas belas e perigosas terras de Kenzera como Zau, um jovem xamã que faz uma barganha com o Deus da Morte para trazer seu Baba de volta das trevas. Com seus poderes cósmicos e uma coragem a ser testada, você explora terras mitológicas desconhecidas. Outrora cheia de vida, Kenzera agora está infestada de espíritos ancestrais perdidos. Conforme Zau avança em direção ao seu objetivo, três seres poderosos aguardam, temíveis em força, mas também estranhamente familiares. Você aceitará a dança do xamã?

Embarque em uma jornada emocionante individual moldada pela própria experiência do ator Abubakar Salim com o luto, descobrindo como o amor nos dá coragem de seguir em frente após uma perda devastadora. Use poderes do Sol e da Lua para derrotar espíritos inquietos em combate rítmico e se torne um verdadeiro Nganga: um curandeiro espiritual. Descubra um universo rico com histórias inexploradas sobre caos e ordem e viaje por domínios místicos em 2.5D cheios de cor e profundidade, realçados pela trilha sonora encantadora e original da premiadíssima compositora Nainita Desai.

Criado pelo Surgent Studios, o estúdio de entretenimento criado pelo ator Abubakar Salim (Assassin's Creed: Origins, Raised by Wolves) e publicado por EA Originals, Tales of Kenzera™: ZAU leva você em uma jornada emocionante inspirada pelos mitos ricos das culturas bantu.

Nascido no mesmo dia que Manoel Bandeira (mas com alguns anos de distância), perdido em Angra dos Reis (dos pobres e dos bobos da corte também), sob a influência da MPB, do rock e de coisas esquisitas como a Björk. Professor de história, acostumado a estar à margem de tudo e de todos por ser fora de moda. Gamer velho de guerra, comecei no Atari e até hoje não largo os mascotes - antes rivais - Mario e Sonic.


Disqus
Facebook
Google