Sonic: 20 anos de história, inovação e muita velocidade

Em 1990, a Nintendo dominava 90% do mercado de vídeo games, parecia impossível que alguma outra empresa pudesse assumir a liderança ou que a... (por Jardeson Barbosa em 08/04/2012, via Nintendo Blast)

Sonic the HedgehogEm 1990, a Nintendo dominava 90% do mercado de vídeo games, parecia impossível que alguma outra empresa pudesse assumir a liderança ou que ao menos conseguisse sobreviver nessas circunstâncias. O que faz a Nintendo ser tão popular? Um dos principais fatores atendia pelo nome de Mario. Mas, um belo dia surgiu um personagem veloz, carismático e que rapidamente se tornou tão popular quanto Mario. É hora de conhecermos a trajetória do ouriço mais famoso do mundo e entendermos a razão de tanto sucesso.

Aproveite o especial ao som do medley produzido por Jun Senoue, do Sonic Team, contendo algumas das melhores músicas dos últimos 20 anos.

Sega Does what NintenDon’t!

O ano é Conceitos iniciais1990. Cansada de vender bem menos que a Nintendo e de ver o nome Mario em todos os lugares, a Sega pôs em prática a estratégia de lançar no mercado um mascote que substituiria Alex Kidd e que deveria ser tão bom, ou melhor, quanto Super Mario. Criar um bom mascote não significava apenas ter uma nova franquia para explorar, mas também aproximar as empresas de seus clientes e transmitir uma imagem amigável e familiar. Enquanto a Nintendo criou o seu quase sem querer, as outras empresas foram forçadas a colocarem funcionários para trabalharem dia e noite no desenvolvimento de personagens que as representariam, como foi o caso da Sega.

Até chegar a um ouriço, a Sega passou por alguns outros bichos fofinhos, como: tatu, cão, coelho e até um ser humano (alguém disse fofinho?) baseado em Theodore Roosevelt, que mais tarde serviu de base para a criação do Dr. Eggman (novamente, alguém disse fofinho?). A escolha de Sonic não foi por acaso, a ideia surgiu da mente brilhante de Naoto Ōshima, e sem dúvida foi a mais genial de todas, porque foi feita sobre medida para o hardware em que ele atuaria, para a empresa que ele representaria e para o público que compraria seus jogos. Os sapatos vermelhos vieram de Michael Jackson, mais especificamente da maravilhosa arte do álbum Bad e representa o estilo bad boy do ouriço (Who’s bad?); a cor azul de seu pelo, que foge bastante da realidade, veio diretamente do logo da Sega (essa característica é também associada ao porsche azul de Yuji Naka) e é o elo entre a empresa e o mascote, e por fim a velocidade, que foi ideia do mesmo Yuji Naka, que é apaixonado por alta velocidade, e serviu para diversos propósitos, como demonstrar superioridade em relação ao Super NES no processamento.

Conceitos iniciais

Prazer, Sonic!

A força da amizadeQuem é Sonic? Um cara marrento, cheio de atitude, moderno, veloz e o mais importante, super do bem. Segundo a Sega, Sonic tem 15 anos de idade (desde 1991) e é tudo aquilo que ele aparenta ser, um cara bonzinho, mas com atitude bad boy. O visual se assemelha ao público que Sonic deveria atingir: os adolescentes do início dos anos 1990, a famosa geração X. Seja pelo cabelo espetado ou pelos sapatos (que viraram tênis) descolados, dá para ver que Sonic foi concebido bem ao gosto ocidental, mas ao mesmo tempo agradava os orientais. Como todo herói que se preze, Sonic também anda acompanhado de seu parceiro, quase irmão, Miles “Tails” Prower, o Tails, além de fãs, como Amy Rose, que se autoproclamou namorada dele, e rivais, como Knuckles, Shadow, Silver e, mais recentemente com a série Mario & Sonic, Mario. A grande diferença entre Sonic e os demais heróis dos videogames está em seus objetivos, enquanto a maioria dos heróis parte em jornadas, de certa forma, pessoais, Sonic representa o bem e luta contra o mal e toda forma de injustiça, em especial contra Dr. Eggman, e acaba comprando briga de todos os animais, inclusive a dos humanos por tentar fazer do mundo um lugar melhor. Apesar de sua personalidade bastante heroica, Sonic acaba passando uma imagem mais próxima do que conhecemos como anti-herói, principalmente por causa do seu estilo.

“Sonic's the name, speed's my game”

Sonic em Pixels

Primeiro modelo de SonicOs jogos de Sonic para o Mega Drive seguem o mesmo padrão, sendo que um é apenas uma melhoria do outro. Em Sonic the Hedgehog (jogo), por exemplo, Sonic se virava apenas correndo, pulando, rolando e seguia sozinho por diversas zonas derrotando Dr. Eggman e recuperando as 6 Esmeraldas do Caos. Já em Sonic the Hedgehog 2 ele aprende uma nova técnica, o Spin Dash, que seria a marca registrada do ouriço a partir de então, além de ganhar um parceiro, Tails, mais um trunfo da Sega contra a Nintendo, já que a Sega conseguiu em tempo recorde aquilo que a Nintendo já tentara, sem sucesso: colocar dois personagens na tela ao mesmo tempo sem criar confusão, algo próximo do que vemos em New Super Mario Bros. Outra inovação super criativa que surgiu em Sonic the Hedgehog 2 foi o Super Sonic. Inspirado nos Super Sayajins, ele surgia quando o jogador coletava as sete Esmeraldas do Caos e 50 ou mais aneis, garantindo a invencibilidade e dando mais imponência ao já imponente Sonic.

Sonic vs. Metal SonicSeguindo as inovações do ouriço chegamos ao Sonic CD, aqui o ouriço pode viajar no tempo utilizando-se de um clichê hollywoodiano que consiste em correr a uma velocidade tão grande que a barreira do tempo é quebrada, podendo alternar entre presente, passado, futuro bom e futuro ruim. Nesse jogo também rola a primeira corrida entre Sonic e um rival, que mais tarde seria um elemento constante na franquia. Sonic 3 & Knuckles fechou a geração 16-bit com chave de ouro, na verdade Sonic 3 e Sonic & Knuckles são dois jogos diferentes, mas que podem ser acoplados e se tornarem um único jogo. Em Sonic 3, foram introduzidos os escudos elementares de fogo, elétrico e a bolha, além de ser, este, o primeiro jogo de Sonic com a opção de gravar a partida.

Sonic em polígonos

Modelo de Sonic a partir de Sonic AdventureA chegada de Sonic Adventure em 1998 marca o início “real” do universo 3D ao universo de Sonic. No geral, não houve grandes mudanças entre os jogos em 2D e os jogos em 3D: a velocidade continuou insana, Sonic continuou bad boy e Dr. Eggman continuou o vilão. Fisicamente, Sonic ficou mais alto e mais magro e seus cabelos menos espetados e mais compridos. O grande problema de jogar o Sonic em 3D sempre foram os controles, os loops não poderiam mais ser executados com tanta facilidade e acertar os inimigos se tornaria uma tarefa para profissionais. Pensando nisso a Sega introduziu o Homing Attack, que se tornou outra marca registrada do ouriço. Em 3D, Sonic ficou ainda mais radical, isso é demonstrado em diversos momentos, como o snowboard da Ice Cap (Sonic Adventure), o surf nas ruas de Central City, em City Escape (Sonic Adventure 2) ou as corridas de hoverboard em Sonic Riders. Apesar de diversas inovações e melhorias, os jogos em 3D de Sonic sempre foram alvos de críticas constantes e não venderam tanto quanto a Sega esperava, o que de certa forma reduzia o investimento em jogos futuros e acabava piorando cada vez mais a imagem do nosso querido ouriço.

Sonic, Tails e os WispsMas houve muita inovação no período pós-Dreamcast. Em Sonic Unleashed, por exemplo, Sonic se transforma em Sonic the Werehog, uma espécie de lobisomem bizarro, porém interessante. A última tentativa do Sonic Team em criar inovações na jogabilidade de Sonic foi em Sonic Colors, que ao mesmo tempo era a tentativa de trazer de volta os antigos fãs do ouriço, que por algum motivo haviam o abandonado, e os potenciais novos fãs. Sonic Colors é tudo aquilo que um jogo do Sonic tem que ser, colorido, rápido e cheio de cenários variados. A novidade fica por conta dos Wisps, que garantem a Sonic poderes diferentes, como o Drill, Spikes, Laser, Hover ou o Boost, por exemplo. Sonic também apareceu nos portáteis, nas séries Sonic Advance e Sonic Rush, com jogabilidade muito próxima ao estilo Mega Drive, porém com animações, estilo e gráficos se assemelhando aos jogos modernos.

Por fim, tivemos duas ótimas tentativas de ligação entre o presente e o passado do ouriço, em Sonic the Hedgehog 4, que é sequência direta de Sonic & Knuckles e retorna ao estilo scroll lateral e Sonic Generations, que reúne os melhores momentos dos 20 anos de Sonic de uma forma super agradável.

Um Sonic, mil utilidades

Além de estrelar jogos de plataforma, Sonic também se desdobra para aparecer em diversos jogos de outros gêneros e aproveitar todo o seu sucesso. O primeiro deles foi Sonic Eraser, um puzzle para Mega Drive, mas logo vieram diversos outros.

Já vimos Sonic como bolinha de pinball (Sonic Spinball e Sonic Pinball Party), corredor de kart (Sonic Drift, Sonic Drift 2 e SEGA All-Stars Racing), lutador (Sonic the Fighters e Sonic Battle), velocista (Sonic R), praticante de hoverboard (Sonic Riders e Sonic Riders: Zero Gravity), atleta olímpico (em Mario & Sonic), joguinhos “party” (Sonic Shuffle), RPG (Sonic Chronicles: The Dark Brotherhood), jogos educacionais, entre outros.

Sonic, Princesa Sally e Antoine em Sonic the HedgehogAlém dos diversos spin-offs nos videogames, Sonic também apareceu em outras mídias. Na TV, ele estrelou as séries animadas Adventures of Sonic the Hedgehog e Sonic the Hedgehog, ambos de 1993 e apresentados pela ABC, sendo que o último deles veio ao Brasil pela Rede Globo (1994-1995) e pelo SBT (1999-2002). Também foi produzido o bizarro Sonic Underground, criado pela DiC (que havia produzido as duas séries anteriores), que traz um Sonic mais rebelde e foi apresentado no Brasil pela Rede Globo e pelo SBT. Por fim, tivemos Sonic X de 2003 que, baseado em Sonic Adventure e Sonic Adventure 2, trazia um Sonic mais moderno e foi produzido pela japonesa TMS Entertainment em parceira com a Sega e com o Sonic Team, chegando ao Ocidente através da 4Kids. No Brasil, essa série foi apresentada pelo Jetix. Sonic ainda estrelou um OVA, com visual muito parecido com o das animações de Sonic CD.

Em relação a quadrinhos e livros, muitos foram feitos e alguns são publicados até hoje.  Fica difícil enumerar todos, mas entre os mais notáveis temos a série Sonic the Hedgehog, publicada pela Archie, que somam mais de 235 revistas produzidas de 1993 até hoje, e temos também Sonic the Comic, publicado pela Fleetway Editions do Reino Unido.

Legado

O legado de Sonic é maior do que se pode imaginar. Entre as diversas homenagens ao ouriço podemos enumerar as mais notáveis:

  • Há um gene com o nome de Sonic the Hedgehog, que inclusive possui um macrociclo que se liga ao gene chamado Robotnikinin, ambos os nomes foram dados em homenagem a Sonic e Dr. Robotinik;
  • Sonic foi o primeiro personagem dos videogames a aparecer na Macy’s Thanksgiving Day Parade em 1993. Pikachu, o segundo, só apareceu por lá em 2001;
  • No jogo LittleBigPlanet da Sony, Sackboy pode se vestir de Sonic, além dos visuais de Knuckles, Tails, Eggman e Werehog, estarem, também, disponíveis;
  • Sonic ficou em 10º lugar no ranking “Top 50 Video Game Characters of all time” do Guinness;
  • No jogo Project Diva Extend, Hatsune Miku pode se vestir como Sonic;
  • Sem Sonic provavelmente a Sega nem existiria mais. Quando o personagem foi criado, a Nintendo dominava todo o ramo de videogames, mantendo para si praticamente todas as third-parties, estas só passaram a se interessar pela Sega quando Sonic se tornou popular e os Mega Drives passaram a ser vendidos em bundles. Se pensarmos por esse lado é provável que a guerra dos 16-bits nunca tivesse ocorrido;
  • Ao fim do Sega European GP, em 1993, um troféu com o formato do ouriço foi entregue a Ayrton Senna, primeiro colocado na corrida. Além disso, diversos produtos licenciados foram produzidos durante esses 20 anos.

Até hoje, mesmo estando em uma situação bem diferente daquela no início dos anos 1990, Sonic ainda é um personagem muito querido e amado por muita gente e recentemente surgiram rumores de que Sonic seria perfeito para o Wii U e de que a Sega pretende dar um reboot na série . A gente só consegue ficar ansioso para saber que rumos o personagem tomará daqui em diante.

Jogos de Sonic nos consoles Nintendo: Sonic the Hedgehog (VC), Sonic the Hegehog 2 (VC), Sonic Chaos (VC), Sonic Spinball (VC), Sonic CD (GC), Sonic the Hedgehog 3 (VC), Sonic & Knuckles (VC), Sonic Drift 2 (eShop), Sonic Triple Trouble (eShop), Sonic Blast (eShop), Sonic Labyrinth (eShop), Sonic 3D Blast (VC), Sonic the Fighters (GC), Sonic Adventure DX (GC), Sonic Adventure 2 Battle (GC), Sonic Advance (GBA), Sonic Advance 2 (GBA), Sonic Battle (GBA), Sonic Advance 3 (GBA), Sonic Pinball Party (GBA), Sonic Heroes (GC), Shadow the Hedgehog (GC), Sonic Rush (NDS), Sonic Riders (GC), Sonic and the Secret Rings (Wii), Sonic Rush Adventure (NDS), Mario & Sonic at the Olympic Games (Wii/NDS), Sonic Riders: Zero Gravity (Wii), Super Smash Bros. Brawl (Wii), Sega Superstars Tennis (Wii/NDS), Sonic Chronicles: The Dark Brotherhood (NDS), Sonic Unleashed (Wii), Sonic and the Black Knight (Wii), Mario & Sonic at the Olympic Winter Games (Wii/NDS), Sonic & Sega All-Stars Racing (Wii/NDS), Sonic the Hedgehog 4: Episode I (Wii), Sonic Colors (Wii/NDS), Sonic Generations (3DS), Mario & Sonic at the London 2012 Olympic Games (Wii/3DS).

Revisão: Catarine Pereira

Jardeson Barbosa escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.
Este texto não representa a opinião do Nintendo Blast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook