Pokémon Blast

Hora do teste: como são feitos os banimentos da Smogon em Pokémon?

Entenda como funciona o sistema de banimentos da Smogon, desmistificando e compreendendo que a tirania é, na verdade, uma democracia.

Apesar de comentar pouco no grupo Pokémon Blast, sou um membro bem ativo quando o assunto é observação. Por este motivo, eu sei muito bem da tensa situação entre as pessoas que defendem e as que atacam a Smogon University. O problema dessas discussões é que, em grande maioria, nenhum dos lados compreende de verdade como funciona o sistema da comunidade para definir suas Tiers e, principalmente, seus banimentos. Para quebrar o paradigma de “a Smogon bane tudo”, escrevi esse artigo com a ajuda do moderador do grupo Jhonn Willian para mostrar como funciona do outro lado do júri.

Suspeito em teste

Alguns Pokémon são
fáceis de deduzir
porque são banidos.
Como já explicado em outro artigo, o objetivo da Smogon University é criar um metagame balanceado e justo, além de reduzir ao máximo o fator sorte dos confrontos. Essa metodologia levou a criação das Tiers, subdivisões dos Pokémon baseadas no seu uso e potencial de combate, algo que permite o uso de Pokémon menos privilegiados em valores numéricos (como Base Stats) ou em arsenal de movimentos (Movepool), já que é difícil sua competição com alguns dos mais usados do metagame atual, o famigerado OverUsed.

Entretanto, enquanto a base da divisão de Tiers tem como primórdio a porcentagem de uso dos monstrinhos, às vezes um determinado Pokémon atrapalha o equilíbrio do metagame. Com isso, é necessário a aplicação de um teste para verificar se ele realmente está sendo uma ameaça para o balanço do jogo. Esse é o princípio do Suspect Test, o sistema de controle elaborado pela Smogon para garantir que algum Pokémon não seja forte demais para o metagame vigente.

Diggersby era o rei do UU.
O Suspect Test nada mais é que uma examinação democrática do Pokémon eleito como suspeito de desequilibrar o jogo, sendo usado das mais diversas formas para averiguar se ele realmente é um problema ao nível de exigir o seu banimento para uma Tier acima. Um exemplo disso foi quando Diggersby foi retirado da Tier UnderUsed, pois seus stats eram fortes demais para o padrão do UU. A questão que fica é: e se um Pokémon já está no metagame padrão, OU, e está apresentando indícios de desequilibrar o jogo?

Neste caso, ele pode acabar caindo nos Ubers.

Exército de um Pokémon só

Salamence já foi Uber.
E pode voltar a ser.
Antes de passar para a parte prática do Suspect Test, é preciso explicar o que torna um Pokémon passível ao teste de poder efetuado pela comunidade. Gostaria de deixar claro que usaremos de referência a Tier OU, então o banimento dela elevaria o Pokémon para Ubers, que é o tipo de caso que mais causa revolta nos jogadores por ser o metagame padrão em que a maioria joga. Também é preciso levar em conta que, como já explicado, as Tiers são baseadas em usagem dos Pokémon, e não em seu nível de poder (salvo Borderlines e Ubers, para onde os monstrinhos fortes demais para suas Tiers vão). Qualquer alteração considerando as capacidades combativas do monstrinho costumam ser consequência de um Suspect Test.
Ranking de Perigo: quando se vai jogar no metagame vigente, algo mais importante até mesmo do que as Tiers é o Índice de Viabilidade dos Pokémon. Muito menos conhecido do que a classificação de metagames, esse índice categoriza quais monstrinhos conseguem maior facilidade para exercer uma ou mais funções em OU e o quão fácil eles são capazes de agir sozinhos ou em encontrar sinergia com o resto do time. A classificação desce de S para D, e é possível encontrar até mesmo monstrinhos de Tiers mais baixas, como UU, sendo classificados como B ou A. É algo que vale a pena checar, seja para considerar membros para o seu time, seja para saber com o que você pode lidar em times oponentes.
Agora, o que torna um Pokémon um suspeito em potencial para o teste? Basicamente, é preciso verificar se ele é ou não forte demais para o ambiente que se está analisando. Em outras palavras, o que define um banimento em potencial é se ele se enquadra em uma das seguintes classificações:

Potencial Ofensivo: um Pokémon que, em condições padrões de combate, é capaz de derrubar a grande maioria dos times do metagame com pouco esforço.

Potencial Defensivo: um Pokémon que, em condições padrões de combate, é capaz de resistir com folga aos ataques da grande maioria dos oponentes do metagame.

Potencial de Suporte: um Pokémon que, em condições padrões de combate, é capaz de preparar o campo e facilitar que outros de seu time consigam atacar ou defender sem dificuldades.

Até hoje Excadrill faz a festa.
É perceptível o momento em que um destes começa a emergir em um ambiente quando começa a acontecer o que chamam de “centralizar o metagame”. Basicamente, aquele Pokémon em questão começa a aparecer na grande maioria dos times e, por consequência, uma outra maioria começa a usar Pokémon especificamente para enfrentar estas ameaças. Temos como exemplo Excadrill que, na geração anterior, começou a surgir em todos os times devido a combinação de Sandstorm e sua habilidade Sand Rush. Com isso, Gliscor (que resiste aos dois STABs de Excadrill) se tornou um dos mais usados, sempre se encaixando no Top 5 de usagem. Contudo, após o banimento de Excadrill para Ubers, Gliscor caiu para bem abaixo do Top 10. O mesmo aconteceu na quarta geração com Garchomp e Mamoswine, respectivamente.
Alerta Vermelho: não somente os Ubers centralizam o metagame, como também outros Pokémon muito usados por suas exímias habilidades combativas. Por este motivo, todas as Tiers possuem um Threat List, uma lista dos Pokémon mais perigosos e que se deve estar sempre pronto para enfrentar num time adversário. Estes também causam uma centralização, porém em escala muito menor e, muitas vezes, não existe somente um Pokémon que é capaz de lidar com aquela ameaça. Por exemplo, Talonflame é temido por muitos, mas a maioria das Walls e Tanks físicos conseguem pará-lo, enquanto Stealth Rock já reduz gravemente sua estabilidade em campo. Para saber qual a Threat List da Tier em que está jogando, verifique o índice de usagem dela, como exemplificamos uma vez no Competitivo 101!
Olhando para o atual estado dos Ubers, é fácil encontrar monstrinhos que se encaixem nessas classificações dentre os lendários, como é o caso de Xerneas, Lugia e Deoxys-D, respectivamente aos três potenciais. Contudo, todos estes casos possuem Base Stats e um arsenal de movimentos condizentes com sua categoria. Quando é um Pokémon supostamente mais fraco, é levantada uma grande discussão sobre serem ou não perigosos para o metagame.

É aí que o Suspect Test se mostra necessário.
E o reinado da Dama de Ferro pode estar no seu fim.

Democracia meritocrática

Foi assim até com
Mega Lucario.
Se um Pokémon está causando a centralização do metagame e se classifica como uma das categorias de Ubers, é o caso de se iniciar um Suspect Test. A primeira etapa é justamente selecionar este Pokémon e apresentar a causa dele estar sendo o suspeito da vez. Em seguida, a Smogon University abre um novo formato para participar das batalhas no simulador Pokémon Showdown com o título “Tier (suspect test)”. É aí que a democracia começa.
Elite 5: quem costuma tomar as decisões sobre qual Pokémon deve entrar em Suspect Test é o OverUsed Tiering Council, um conselho formado por membros antigos e experientes da comunidade que estão constantemente observando e analisando o metagame. Estes cinco jogadores podem propor o início do teste ou, em casos mais graves, aplicar o chamado quickban, que nada mais é banir imediatamente determinado Pokémon ou item por ele ser declaradamente desequilibrado para o ambiente, poupando assim tempo e trabalho de se fazer o teste completo. O quickban, contudo, pode ser contra-argumentado antes de entrar em vigor, mas apenas por jogadores experientes e com autorização para aquela determinada área do fórum.
Neste novo formato, qualquer jogador pode formar um time e competir. Todos os participantes são estimulados a usar e abusar do monstrinho suspeito para poder verificar a real capacidade dele de centralizar um jogo, de ser uma ameaça para a maioria dos times e se enquadrar naquelas classificações de banimentos em potencial. Em outros casos, o suspeito é banido do formato de testes para analisar como o metagame se comporta sem ele. As batalhas rolarão soltas nesse formato por um período pré-determinado e, simultaneamente, temos a discussão.

Todos podem cooperar.
Enquanto a rodada de combates vai acontecendo, todos podem entrar na discussão  para argumentar sobre o que viram no período de batalhas. É aqui que uma mesa redonda é formada, na qual jogadores tentam convencer uns aos outros de que aquele banimento deve ou não ocorrer, ou sob quais condições ele deveria ser efetuado. É uma maneira saudável de poder observar lados daquele Pokémon que você não conhece e a forma mais eficaz de compreender se aquela ação é ou não justa. Vale ressaltar que os moderadores estão constantemente observando o tópico de maneira a evitar comentários que não agreguem nada à discussão, eliminando todo e qualquer tipo de desvio do tópico ou opinião infundada.
Nem sempre tão simples: existem muitos casos em que um problema vai além de simplesmente banir um Pokémon, pois as condições abrangem mais do que um único monstrinho. Nesses casos, acontece o chamado Complex Ban, que geralmente acarreta na criação de novas regras gerais para todos os metas, e não somente em um único (as chamadas Clauses). Foi este o caso do banimento do movimento Swagger em todo o competitivo (incluso Ubers) por agregar muito ao fator sorte, o mesmo motivo pelo qual a habilidade Moody é banida. Outro caso é a restrição para apenas um Pokémon por time carregar o movimento Baton Pass.
Dos treinadores que jogaram na fase acima, os que atingiram uma determinada marca de pontuação nos combates, estabelecida antes do Suspect Test ter seu início, ganham o direito de participar da última etapa do sistema: a votação. Após passarem por uma identificação, provando que atingiram a meta e associando o resultado à sua conta do fórum, eles estão preparados. Em um tópico exclusivo, estes jogadores usam o conhecimento adquirido na fase de testes para votar se o banimento deve ou não ser feito. Após um pequeno período para dar chance a todos de votarem, é feita a apuração e então é decidido o resultado do Suspect Test, colocando por terra a suposta “tirania” das ações da Smogon University em relação aos banimentos.
E não, dificilmente Mega Altaria será banido.
Mega Salamence talvez.

Rebeldes com causa

Ainda assim, há uma certa controvérsia sobre esse banimentos  Muitas pessoas costumam dizer que algumas das ações da Smogon são erradas, pois “nunca tiveram problemas para enfrentar determinados Pokémon”. Para esses casos, resolvi reunir três exemplos de monstrinhos e a causa pela qual eles foram banidos:

Mega Gengar: olhem bem para essa face, este parece um rosto de misericórdia? Mega Gengar é uma máquina mortífera, mas não pelos motivos que você pensa. Ele não é um potencial ofensivo, apesar dos seus stats altíssimos de Speed e Special Attack apontarem isso, mas sim de suporte. Sua habilidade prende qualquer oponente no campo, ele tem acesso a golpes como Perish Song e impedir que o adversário escape até a conclusão do efeito, consegue prender em campo qualquer counter de um outro Pokémon do seu time (como seu Sweeper) e só sair quando este for abatido, deixando caminho livre para seu atacante. Na pior das hipóteses, sua velocidade e habilidade prendem o oponente e Destiny Bond vai levar ao menos um monstrinho do adversário. Jogar contra um Mega Gengar experiente é jogar com um Pokémon a menos no time, e isso é tão aterrador que até mesmo em Ubers ele está ameaçado de ser banido.

Mega Lucario: enquanto Mega Gengar foi removido por suas capacidades de suporte, Mega Lucario é apenas muito forte. Se fosse apenas ter um Attack ou Special Attack muito alto, tudo bem, qualquer Wall física ou especial poderia segurá-lo, mas não é tão simples assim. Ele tem acesso a um movepool que cobre tanto estratégias físicas como especiais, Set Up Moves para tanto Attack como Special Attack (Swords Dance e Nasty Plot), diversos ataques de prioridade (inclusive o temível Extreme Speed) e uma habilidade perigosíssima em Adaptability, que faz o multiplicador do STAB subir para 2.0x ao invés de 1.5x. Para terem noção, um Close Combat de Mega Lucario Adamant é mais poderoso que o de um Terrakion Jolly com a habilidade do Mega Kangaskhan, Parental Bond. É sério, façam o cálculo. É insano.

Aegislash: escrevo esse trecho como terapia pessoal, pois Aegislash era uma peça chave do meu próprio time e tive de refazê-lo do zero com o seu banimento. A espada e escudo possui BST de 520, o que não parece muito impressionante. Contudo, ao mudar de forma, esses pontos são rearranjados, migrando das defesas para ataques ou vice-versa. Dessa forma, um Aegislash experiente possui, em tese e assumindo o valor mais alto na mudança, BST de 720 (façanha repetida apenas por Arceus). Além disso, suas defesas conseguem aguentar a maioria dos golpes do Tier e sobreviver, tem um movepool versátil que pode ir tanto físico como especial, ou mesmo mixed. Pode ainda dar suporte com outros golpes como Toxic e vencer por dano residual. Aegislash é tão versátil que só possuía dois counters reais em OU, Mandibuzz e Bisharp, e este segundo não poderia entrar em campo se o Aegislash oponente tivesse Sacred Sword. Essa centralização foi o motivo da espada ter ido dar um passeio na terra dos Pokémon lendários.
E isso conclui esse artigo, explicando como realmente acontecem os processos da Smogon para banir as supostas ameaças do metagame. Você pode não concordar com certas atitudes, mas sua opinião só valerá de algo quando ela tiver embasamento. Se discorda de um determinado teste, sua chance de mostrar isso é indo nos fóruns, participando das discussões e partidas e fazendo sua argumentação prevalecer. Até lá, evitem discussões sem sentido e tentem entender os dois lados da situação antes de atacar um determinado sistema; isso vai ser bom não somente para você, mas para o competitivo em si também. É uma democracia, e todos podemos ajudar a fazer um jogo melhor.
Revisão: Luigi Santana
Capa: Vitor Nascimento
Fellipe Camarossi é graduando em Ciências Contábeis e amante de uma boa discussão sobre videogames. Além de escrever para o Nintendo Blast, também é redator nas revistas Nintendo World e EGW. Para elogios e críticas, pode encontrá-lo no Facebook ou Twitter.

Comentários

Fórum
Google+
Facebook


Últimas do Fórum

Ver mais

No Facebook

Ver mais