#Kirby25th: Kirby: Right Back at Ya!, o anime do Kirby

O guerreiro estelar mais fofo da galáxia contra o mal.

A bolotinha rosa mais querida da Nintendo não arrasa apenas nos jogos, Kirby também ganhou um anime, intitulado Kirby: Right Back at Ya!, lançado entre 2001 e 2003. Produzido pela Warpstar, companhia que foi uma junção entre as desenvolvedoras HAL Laboratory e Nintendo, o anime precedeu a comemoração de dez anos de lançamento de Kirby's Dream Land (GB), de 1992.

Masahiro Sakurai e Os Moomins

O anime Kirby: Right Back at Ya! narra a história de como Kirby dormiu em sua nave espacial e acaba caindo em Dream Land, no planeta de Pop Star. Lá ele conhece os protagonistas Tiff, Tuff, Lololo, Lalala e o antigo guerreiro estelar Meta Knight. Juntos, eles decidem ajudar os moradores do vilarejo Cappy Town a lutar contra as maldades do pinguim monarca Rei Dedede e a Nightmare Enterprises.


O anime foi supervisionado e acompanhado pela mesma equipe de produção dos jogos eletrônicos, inclusive pelo criador do personagem, o game designer japonês Masahiro Sakurai. O principal desafio enfrentado pela Warpstar foi realizar uma adaptação do jogo para o anime sem perder a essência dos jogos e do herói Kirby.

As duas principais exigências de Masahiro Sakurai foram que o anime não deveria conter humanos e de que Kirby não falaria. Tais requisitos tornaram a tarefa mais difícil, contudo o diretor e produtor Soji Yoshikawa encontrou a solução se inspirando na animação finlandesa Os Moomins. O desenho, muito popular no Japão, foi inspirado nos livros e quadrinhos criados pela ilustradora e escritora Tove Jansson e conta histórias de aventuras de várias criaturinhas dentro de um universo ausente de seres humanos.


3D e censura norte-americana

Em um contexto em que o mundo vivenciava a explosão de sucesso do anime Pokémon (Kunihiko Yuyama, 1997), a animação Kirby: Right Back at Ya! foi bem recebida pelos jogadores e fãs do gênero. O anime do Kirby não apresentava unicamente sequências em 2D, mas também algumas cenas em 3D, resultado do aprimoramento da mecânica vista em Kirby 64: The Crystal Shards (N64/VC), de 2000, considerado o primeiro jogo de Kirby com a tecnologia tridimensional.

Apesar da premissa de ser um anime passível de ser assistido por toda família e pessoas de todas as idades, Kirby: Right Back at Ya! sofreu censura quando foi transmitido no EUA. A adaptação do estúdio 4Kids Productions para o público estadunidense e canadense cortou cenas que possuíam armas, omitiram imagens que sugerissem violência, editaram a trilha sonora, fizeram uma dublagem que não seguia os diálogos e ideias originais do anime e até mesmo adaptaram vários costumes e tradições japonesas para o formato ocidental.


100 episódios nota 100

Apesar das turbulências ao longo do caminho, Kirby: Right Back at Ya! teve quatro temporadas com 100 episódios. Transmitido integralmente pelo canal CBC no Japão, o anime se tornou um conteúdo extra para os fãs de Kirby e traz a bolotinha rosa em uma aventura fora dos jogos eletrônicos, mas sem jamais deixar de lado sua herança da Nintendo.

Revisão: Bruno Alves
Karen K. Kremer é mestre jedi em história pela UEPG e game designer pela Universidade Positivo. Viajante do tempo e cinéfila, considera Quantum Break uma obra-prima. Cresceu fazendo Meteoro de Pégasos e jogando videogame. Apaixonada por literatura, ilustração e dinossauros. Diz a lenda que com um bat-sinal no DeviantArt, Wattpad ou Twitter ela aparece.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook