Jogamos

Análise: Resident Evil Revelations 2 (Switch) equilibra o survival horror com uma pitada de modernidade

Mais lugares claustrofóbicos, mais tensão e horror na sequência de Resident Evil Revelations.



A Capcom resolveu nos presentear com dois Resident Evil, e se você leu a análise de Resident Evil Revelations (Switch) já sabe que a qualidade dessa coleção está impressionante no Switch. Dito isso, é hora de analisar o segundo título: será que Resident Evil Revelations 2 (switch) é tão bom quanto o seu antecessor? É o que nós vamos ver agora.

Horror, ação e paranormalidade

Assim como o Revelation, Revelations 2 é separado por capítulos, mas diferentemente, ele segue em duas fases. Na primeira fase, que corresponde aos dois primeiros capítulos, você controlará Claire Redfield — irmã de Chris Redfield — e Moira Burton — filha de Barry Burton de Resident Evil (PS1) —, que são raptadas e jogadas em uma prisão situada em uma ilha bem singular. As duas unem forças para sobreviver ao terror intenso,que se mistura à ação dos jogos mais modernos. Acredite, a união ficou boa, não é nada do que vimos em Resident Evil 5 (Multi) e Resident Evil 6 (Multi), ele segue realmente o survival horror, porém utiliza bem as ferramentas de RE5 e RE6 no quesito ação.


Uma das coisas mais interessantes que encontrei aqui, — que me levou a recordar Resident Evil 4 (Multi) — foram as diferenças entre as habilidades de cada protagonista. Clarie é rápida e utiliza armas de fogo com bastante experiência, enquanto Moira não utiliza armas de fogo — por conta de alguns traumas adquiridos em seu relacionamento com seu pai —, trazendo um gameplay totalmente diferente, já que ela está ali mais como um suporte.

Já na segunda fase, Barry Burton vem para ilha para resgatar sua filha e Claire. Lá, ele encontra Natalia Korda, uma garotinha com talentos especiais que o ajudará nessa jornada. A segunda fase pega o restante dos capítulos, com mais puzzles, ação, coletas de itens e não precisa se preocupar, pois o terror continua. Assim como na primeira fase, o gameplay tem sua diferença por conta das habilidades da dupla, enquanto Barry é bom com armas de fogo e usa seu porte físico para derrubar seus inimigos. Natalia o ajuda com seus poderes especiais, como sentir a presença através de paredes e identificar seus pontos fracos. A missão de Burton é chegar até a torre de rádio, de onde Moira enviou o seu pedido de socorro e último contato com seu pai.


Alerta — Pode conter alguns spoilers, leia o próximo parágrafo por sua conta em risco. 

O jogo lhe permite fazer uma escolha que pode mudar o resultado do final do game, o que poderia ser utilizado mais vezes, já que isso resulta em uma imersão maior. Aqui temos uma variedade de inimigos maior que em Revelations. Além dos zumbis, temos os Revenants, que são aparições, inimigos “espirituais”, e é aí que Natalia entra com seus poderes mentais e revela seus pontos fracos. Prepare-se para mais sustos.


Terror em HD

Visualmente, Resident Evil Revelations 2 (Switch) é bonito, rodando em modo portátil a 720p e 60 quadros por segundo, não totalmente estáveis por conta do seu processamento gráfico pesado. No dock roda em 1080p e 60 quadros por segundo da mesma forma que o modo portátil. O que mais incomodou são os carregamentos, que são um pouco demorados, então é bom utilizar um cartão micro SDHC Extreme, já que são os mais rápidos, diminuindo o tempo de espera. O visual gráfico é igual ao Revelations (Switch), tão bonitos quanto as versões de PS4 e XBO, incomodando um pouco apenas por sua falta de equilíbrio em determinados cenários, ficando às vezes muito escuro e outras muito claro, coisa que não acontece no primeiro jogo. Porém é possível fazer “reparos” utilizando as opções e alterando o brilho.



Revelations 2 tem uma trilha muito envolvente e imersiva, sua dublagem também segue um padrão muito bom, nada muito maravilhoso, mas também não deixa a desejar. A trilha é muito bem utilizada e ajudará a lhe trazer muita tensão e sustos à jogatina. Por ser um jogo criado para consoles de mesa, percebemos texturas melhores que seu antecessor, porém tudo isso tem um custo, já que ele utilizará quase 24 GBs de sua memória interna, sendo necessário um cartão micro SD, caso sua memória esteja com outros jogos.

Diversão e sustos onde quiser

Sim, Resident Evil Revelations 2 (Switch) é muito bem executado no modo portátil do console híbrido da Big N. Isso quer dizer que você terá um ótimo desempenho e qualidade gráfica em um dos melhores jogos da franquia. Além deste ponto positivo, a versão traz algumas melhorias para ajudar na imersão com os controles de movimento. Aqui também é possível utilizar os Joy-Cons separados e mirar com o direto enquanto se movimenta com o esquerdo. Recarregar suas armas de fogo é funcional e rápido, bastando simular uma troca de pente de balas para sua arma — basta pôr o Joy-Con direito em cima do Joy-Con esquerdo — e tudo isso somado ao HD Rumble — sensores de vibração extremamente precisos — que lhe dará o feedback dos seus tiros e carregamento de armas, como também para diversas outras coisas que deixaram mais imersivo o gameplay.


Como se isso já não fosse o bastante, é possível separar os Joy-Cons e jogar em modo cooperativo com seu amigo, em tela dividida. Recomendo jogar no dock, pois jogar na telinha de 6,2 polegadas do Switch dará trabalho, já que os ambientes muito escuros te farão enfrentar dificuldades para enxergar o que está acontecendo. O uso dos Joy-Cons separados também pode trazer outra dificuldade, por serem bem pequenos e cansar seus dedos rapidamente. O Pro Controller do Switch é uma ótima opção.


O modo RAID — modo no qual você é colocado em diversas missões, podendo utilizar outros personagens da série com o objetivo de derrotar os inimigos rapidamente e com o menor número de tiros e levando o menor dano possível — está presente nesta versão, trazendo diversas missões e roupas alternativas bastante hilárias aos personagens. Alguns deles, além dos quatro protagonistas, farão presença neste modo. Todas DLCs também fazem parte do pacote sem custo adicional, e o valor é justo: US$ 19,90 na eShop americana, algo em torno de R$ 70,00. O site residentevil.net dará recompensas e traz um overview de tudo o que você fez nos modos disponíveis, além de trazer informações sobre os eventos online, tudo isso de graça, sendo necessário apenas linkar seu game à conta do site.




Presente de Natal

Assim como Revelations (Switch), este game é obrigatório a todos os fãs da franquia. A mistura de terror, puzzles, coleta de armas e itens e uma boa história trazendo antigos e novos nomes à franquia trazem uma pitada de nostalgia e satisfação ao ver um trabalho bem feito e digno do nome que trouxe o survival horror há 21 anos. Agora vamos esperar que esta “parceria” entre a Capcom e a Nintendo renda bons frutos e nos tragam mais jogos com essa qualidade, quem sabe um Resident Evil 7 (Multi)?



Prós

  • Ótimo desempenho gráfico;
  • Opções de escolha ao estilo shooter e clássico;
  • Trilha sonora envolvente;
  • Integração com o site residentevil.net;
  • Presença da legenda em nosso idioma;
  • Preço justo e pack de DLCs inclusos;
  • HD Rumble bem executado;
  • Personagens com habilidades específicas.

Contras

  • Desequilíbrio na iluminação dos ambientes;
  • Carregamentos pesados;
  • Não existe em mídia física.
  • Resident Evil Revelations 2 — Switch — Nota: 9.5
Revisão: Vitor Tibério
Capa: Leandro Alves
Leandro Alves é designer pós-graduado pela Unicarioca. Diretor editorial e diretor de artes das revistas GameBlast e Nintendo Blast, iniciou a sua paixão em The Legend of Zelda A Link to the past, fã da Nintendo, porém não esconde a sua satisfação pelo PlayStation e as series Kinhgdom Hearts, Pokémon, Final Fantasy, Uncharted e Naruto Storm. Está no Facebook, Twitter e Instagram.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook