A História dos Vídeo Games

A História dos Vídeo Games #18: a maior guerra de todos os tempos

O final da década de 1980 e o início da década de 1990 foi marcada pelo lançamento de dois grandes consoles que para sempre ficarão marcados... (por Jones Oliveira em 15/01/2011, via Nintendo Blast)

O final da década de 1980 e o início da década de 1990 foi marcada pelo lançamento de dois grandes consoles que para sempre ficarão marcados na memória dos old gamers: o Mega Drive e o Super Nintendo. Palmo a palmo, Sega e Nintendo disputavam o gosto do público, lançavam jogos, ousavam nas estratégias de marketing e publicidade e acusavam-se umas as outras. A outrora tímida indústria dos vídeo games agora se tornara um verdadeiro campo de guerra.

rivalries

Falar de Mega Drive e Super Nintendo e não falar da guerra travada pelos dois consoles e suas duas empresas é não contar um dos momentos mais excitantes e emocionantes de toda a história da indústria. Apesar de terem sido lançados com pouco mais de dois anos de diferença um do outro, esses dois consoles travaram uma épica e histórica batalha em busca da preferência popular.
mega_drive_ja11
Lançado outubro de 1988 no Japão, o Mega Drive recebia esse nome para representar sua superioridade (Mega) e velocidade (Drive). A cor preta do console dava a ele um visual arrojado e moderno; seu controle chamava atenção por ser ergonômico e confortável. O Mega Drive ainda contava com hardware semelhante aos dos arcades da época, com um processador 68000 da Motorola e um co-processador Z-80 que faziam o console rodar a incríveis 7,67Mhz e não engasgar em  jogos que exigissem mais processamento de imagem em menor quantidade de tempo (ou você acha que Sonic surgiu porque é bonitinho? Não mesmo, foi também para demonstrar isso).

Enquanto o Mega Drive crescia e recebia excelentes conversões do arcade, a Nintendo continuou achando que poderia liderar o mercado com o ofegante Nintendinho. Isso realmente seria possível caso o Mega Drive ficasse apenas no Japão. A falta de RPGs no console da Sega fez com que sua popularidade não passasse da empolgação de lançamento do console. A biblioteca de jogos não atraia muito o público japonês que deixou o console se empilhar nas prateleiras. Com planos de levar o console para América do Norte, agora sim a Sega dava motivos para a Nintendo se preocupar.

Ciente de que a concorrência oferecia uma plataforma mais robusta e mais indicada para o desenvolvimento dos tipos de jogos que os norte-americanos gostam (ação e esportes), em 1988 a Nintendo anunciou um plano emergencial para iniciar o desenvolvimento do seu novo console. Muitos pensam que a guerra travada entre as duas empresas só começou depois que o Super Nintendo chegou ao mercado, mas não. Com esse plano emergencial a Nintendo desejava colocar seu mais novo console em circulação o mais rapidamente possível.

video-game-super-nintendoApesar do genial Masayuki Uemura estar por trás do projeto do console, o Super Nintendo só chegou ao mercado em novembro de 1990 no Japão e quase um ano mais tarde nos Estados Unidos, ou seja, exatos dois anos após o lançamento do Mega Drive. A rapidez com que o console foi desenvolvido surpreende – até para a realidade de hoje. Surpreende também a qualidade dos seus componentes. O SNES vinha com um poderoso chip gráfico capaz de exibir até 256 cores simultâneas na tela, tinha uma paleta de 32.000 cores e movimentava sprites com efeitos de rotação, zoom e transparência. Sua placa de som também chamava a atenção pelo sintetizador FM da Yamaha e chip Sony.

Um dos fatos interessantes de toda essa história é que esse chip foi desenvolvido em segredo por Ken Kutagari e pela Nintendo, uma vez que a Sony simplesmente não se interessava por vídeo games na época. Quando o projeto estava sendo finalizando, Kutagari foi descoberto e quase perdeu seu emprego – o que não aconteceu porque a Nintendo ofereceu um acordo lucrativo pelo chip e a Sony entrou no mercado de vídeo games.

Apesar da sua superioridade técnica, o Super Nintendo tinha um processador com praticamente a metade da velocidade do Mega Drive: apenas 3,57Mhz. Mesmo com alguns jogos apresentando constantes slowdowns, a Nintendo utilizou essa condição a seu favor e investiu no que faltava no Mega Drive: jogos de RPG. Por isso no Japão o console se tornou mais popular do que seu concorrente.

A batalha pela mercado norte-americano


É fato que a Nintendo cometeu um grande erro estratégico ao pensar que seu console de 8-bits sobreviveria à nova realidade dos consoles 16-bits. Sua arrogância fez com que o Super Nintendo demorasse e chegasse dois anos após a concorrência. O Mega Drive continuava vendendo feito água em deserto mesmo quando houve o lançamento do rival. Nessa época a Sega tinha uma carta na manga, uma carta azul. O mascote da empresa finalmente estreiaria no console.

sonic-the-hedgehog-2Sonic: The Hedgehog foi lançado em 1991 poucos meses antes do lançamento do Super Nintendo. Além do carisma do personagem, a Sega explorava a velocidade do jogo e a capacidade do seu console. Nessa época a empresa intensificou suas campanhas publicitários que diziam “Genesis does what Nintendon’t” (em português, Genesis faz o que o Nintendo não faz), inserindo o ouriço nas campanhas e lançando vários artigos com a sua marca, como roupas, bonés e chaveiros. O marketing era tão agressivo que a Sega patrocinava até mesmo corridas de Fórmula 1 na época. Parecia que a Nintendo não teria chances.

Aquele ano, o de 1991, foi um ano difícil para a Nintendo, mesmo com o lançamento do seu console. Em 1992, contudo, começou a reviravolta. A Capcom viu no console da Big N a plataforma ideal para portar dos arcades o seu jogo mais popular: Street Fighter II. O jogo foi trabalhado ao extremo e lançado com maestria no SNES e, finalmente, o console começou a decolar nas terras do Tio Sam. Mas a Sega não ficou parada e imediatamente revidou com o lançamento de Sonic 2 e Streets of Rages 2. Somente 1 ano depois do lançamento de SFII no SNES foi que o jogo chegou ao Mega Drive.


Comerciais do Sega Genesis

Após o lançamento de Street Fighter II o Super Nintendo cresceu e o mercado ficou completamente dividido. Há quem diga que 56% do bolo era da Sega e 44% da Nintendo, outros dizem que estava meio a meio. Ciente da ameaça que a Nintendo já representava, a Sega começou desenvolver periféricos que aumentassem o poder de processamento do console e o diferenciassem do SNES. Mas o caminho não era bem por aí.

snes sf2Enquanto a Sega investia em acessórios e periféricos, a Nintendo investia pesado na Silicon Graphics e em uma nova tecnologia chamada ACM (Advanced Computer Modeling), que permitia desenvolver gráficos de qualidade jamais vistas para um console 2D. Com o projeto finalizado, a Nintendo escolheu a Rare para desenvolver um novo jogo de um personagem da empresa utilizando a nova tecnologia. O escolhido: Donkey Kong.

donkey-kong-country-3Lançado em novembro de 1994, Donkey Kong Country foi um tapa na cara dos empresários da Sega e uma resposta digna da Nintendo. O jogo trazia gráficos 3D pré-renderizados em uma plataforma totalmente 2D. Sem a necessidade de nenhum periférico, sem nenhum custo a mais, a Nintendo entregava a seu público um resultado tão bom quanto a Sega esperava entregar com o lançamento do Mega CD. Foi então que a Sega se desesperou e perdeu toda e qualquer razão que tivera até ali. Não bastasse o lançamento do Mega CD, a empresa ainda lançou outro periférico, o 32X, que em conjunto com o Mega CD deixava o console parecendo uma nave espacial, um verdadeiro trambolho. A promessa de processar até 50.000 polígonos e exibir 32.000 cores simultâneas em tela ficou só na promessa e o projeto não passou de um gigantesco fiasco com apenas 90 jogos lançados. A fórmula não dava mais certo e a Sega tomou a sua decisão mais precipitada de todos os tempos.

segacd32xCom o lançamento do Sega Saturn ainda em novembro de 1994, já em 1995 a Sega decidiu parar de produzir o Mega Drive e se concentrar apenas no seu novo console de 32-bits. Com isso a empresa também demitiu Tom Kalinske, CEO da Sega of America e um dos principais responsáveis pelo sucesso do Mega Drive em solo norte-americano.

Com o fracasso do Mega CD, o fiasco do 32X, a mudança de foco da Sega para o Saturn e a demissão de Tom Kalinske, as portas ficaram completamente abertas para a Nintendo, mais uma vez, reaver sua supremacia e fazer do Super Nintendo o 16-bits mais vendido da história e um dos consoles mais queridos de todos os tempos.

Que fim tomou a guerra


Pode-se dizer que o Mega Drive dominou o mercado por um bom tempo. A desorganização da Nintendo no final dos anos 1980 e o lançamento tardio do Super Nintendo contribuiram para que o Mega Drive avançasse no mercado norte-americano e conquistasse o público com jogos de ação e esportes.

snes_cd-romO desembarque do SNES em solo norte-americano em 1991 deu início a uma batalha épica que durou até o descontrole da Sega em 1994. Ironicamente, foi o descontrole e megalomania da Sega que fez com que a Nintendo se desentendesse com a Sony. Quando do desenvolvimento do Mega CD, a Nintendo iniciou o desenvolvimento de um leitor de CDs para o Super Nintendo em parceria com a Sony. O Super Disc, como foi batizado o periférico, foi motivo de desavenças entre as empresas. A Sony queria uma porcentagem das vendas sobre o aparelho e os jogos, além da renomeação do acessório para PlayStation. A Nintendo, claro, não aceitou.

A Sony tomou a liberdade de anunciar os direitos de distribuição do novo aparelho, despertando a ira da Big N. Um dia após esse anúncio, a Nintendo foi à público e ao invés de anunciar o aparelho, anunciou que este estava sendo desenvolvido em parceria com a Phillips e não com a Sony. Não preciso dizer que isso fez com que as duas empresas deixassem de se falar e que isso levou a Sony a entrar no mercado de consoles com o seu PlayStation.

playstation1Mesmo com o lançamento do Sega Saturn a Sega não conseguiu reaver a glória que outrora alcançara com o Mega Drive nos 4 primeiros anos do console. A Nintendo se manteve forte e mostrou a todos como se faz um console de sucesso. Não fosse a desavença com a Sony, é provavél que o SNES tivesse continuado popular até o lançamento do N64 e talvez hoje não existisse PlayStations.
E você? Que lembranças tem dessa época? Você gostava do Mega Drive ou do Super Nintendo? Por que? Não deixe de participar nos comentários!
O grande vencedor disso tudo? Nós, consumidores. Toda essa guerra nos trouxe não só bons jogos e mais horas de divertimento, mas mais uma empresa para a indústria e mais um console que, como todos nós sabemos, foi um verdadeiro sucesso. Mas isso é assunto para o nosso próximo encontro. Nos vemos lá!

Escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.
Este texto não representa a opinião do Nintendo Blast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.


  1. Essa história do NES em relação ao Mega Drive, esta muito parecida com o Wii e PS3. Assim como veio o SNES irá vir o sucessor do Wii para dominar um mercado que já pertence a ele...A Megalomania da Sega em 94 esta parecendo com a Sony hoje, e no final todos sabem quem é a melhor...

    ResponderExcluir
  2. SerginhoGrecco15/01/2011 14:52

    Antes mesmo de jogar o Super Nintendo, eu já era louco pelo Mega drive, Streets of Rage 2 e Sonic 2 eram os maiores motivos. Eu jogava os dois consoles na casa de amigos, e depois de algum tempo, meu pai me presenteou com o Super Nes.
    A jogatina não tinha limites, virava madrugadas jogando os mais variados clássico da época.

    Era hilário a molecada na rua discutindo qual era o melhor console, e mesmo com o Super Nes em casa, eu não conseguia deixar de jogar Mega Drive. Nunca defini um preferido, na minha opinião os dois se completavam.

    E foi sem dúvida a maior guerra travada entre consoles, a mais emocionante e mais disputada. Quem viveu a época sabe muito bem do que estou falando!

    ResponderExcluir
  3. NOSSA !!!
    Como tenho saudades dessa epoca !!
    Eu tinha os 2 consoles era maravilhoso !!
    Todo fim de semana alugava fitas !!
    Epocas q nao voltam mais !!

    ResponderExcluir
  4. Fato,mas só tive o SNES!

    ResponderExcluir
  5. Eu nasci na época do N64 só que nunca tive nenhum console domestico, o único console que eu tive foi Game Boy e GameBoy Advance SP. Agora estou com planos para comprar um Wii/3DS.

    >,A,<,>,A,< (Song of Time)

    ResponderExcluir
  6. Pelo que sei, o SNES foi desenvolvido e lançado tão rápido porque ele já estava desenvolvido parcialmente ou totalmente. Algo assim. Só que não se preocuparam muito com ele porque o NES vendia muito bem, queriam aproveitar mais recursos no NES e, claro, só eles atuando... Para que se preocupar. Quando surgiu o Mega Drive eles acordarem e reavivaram este projeto (SNES).

    Parabéns, Sérgio. Sempre gosto desta coluna. =)

    ResponderExcluir
  7. O mega drive tinha os jogos que mais me agradavam na época. em 94 eu tinha oito anos e não tinha paciencia para jogar todos esses RPGs. Só passei a gostar de RPG com shinning force e o grandioso Beyond of Oasis, que na minha opinião batia zelda facil, pena que só deu origem a dois jogos.

    mais tarde joguei muitos RPGs do SNES no PSone e em emuladores. Ótimos jogos como terranigma e lufia :D

    não dá pra escolher um console. Hoje em dia a disputa se resume em qual consele tem o melhor gráfico. Pouca gente escolhe o console pelos jogos ou por fidelidade à empresa como foi meu caso ao comprar o Saturn.

    não dá vontade de parar de lembrar nunca. melhor fase de todos os tempos :D

    ResponderExcluir
  8. sem dúvida essa foi a melhor época, quando para jogar videogame era só espetar o cartucho e apertar o power, eu tive (e tenho até hoje *-*) o snes e meu primo que mora perto da minha casa tinha o MD, resumindo, a gente jogava de tudo nos dois *-*.

    legal saber que tem gente que se lembra do legend of thor, sem dúvida um jogaço e eu tambem acho que pode compará-lo com o zelda, menos na trilha sonora.

    ResponderExcluir
  9. Thor é absurdamente bom. ainda procuro um emulador bom de Saturn pra jogar thor 2 outra vez. Acho que vou ficar na vontade. muito titulo bom naquele videogame.

    A sega tinha que lançar a série shining na psn e live pra fazer a alegria do povo

    ResponderExcluir
  10. Tive um SNES, mas como isso foi tardiamente, nem acompanhei isso. Nem tinha nascido, na verdade. lol

    Bom, eu sempre compro meus consoles observando as bibliotecas de jogos de cada plataforma. Não compraria um videogame só por ele ter sido feito por uma empresa.

    ResponderExcluir
  11. Eu nasci em 1985 e vivenciei bem essa fase.
    Meu primeiro video game foi um Master System. Minha tia comprou em Manaus por achar o Mega Drive um video game muito complexo para crianças. Passei anos e anos extremamente frustrado.
    Em 1993 ganhei um Super Nintendo. Lembro que comprei na mão de um dono de locadora e eu podia escolher um jogo. Peguei Mortal Kombat I. Uns 2 meses depois me arrependi bastante. Era pra ter pego Street Figthter (aquele com a capa da chunli chutando o blanka).
    .
    Engraçado que eu sempre passava minhas ferias na casa de um primo que tinha Mega Drive. Nós jogavamos Mortal Kombat com sangue, Castle Of Ilusion, os jogos de Shinobi, Super Street Fighter Plus, Street of Rage, entre tantos e tantos outros...
    .
    Resultado: Fui na mesma locadora e troquei meu Snes em um Mega Drive. So que o modelo era diferente do meu primo. Nao rodava todos os jogos. Nao sei se vcs conheceram. Foi a maior merda que fiz na vida. Um tempo depois vendi e peguei o Snes de volta.
    .
    Depois disso tive um Nintendo 64... Parei de jogar em 2000. Apos isso comecei a beber e procurar mulher. kkkkk...
    Abraços a todos!

    ResponderExcluir
  12. puxa q saudade!!!
    eu ja tive os dois, joguei muito os dois, amei os dois, mas apenas pelo super mario world, super mario kart e zelda, SNES pra mim é mais especial.
    obs.: queria tanto q a Sega voltasse à "guerra" dos consoles...

    ResponderExcluir
  13. - Pelo que sei, o Super NES não tem sintetizador FM, mas uma placa para carregar curtas amostras de som ("samples; wavetable"). Quem tem FM é o Mega Drive.

    ResponderExcluir
  14. Vejo que essa época marcou a vida de muita gente mesmo. Era muito gostoso chegar o fim de semana e ir nas locadoras alugar 2 ou 3 cartuchos para virar noites e mais noites jogando.

    Melhor ainda era ficar discutindo com a molecada qual o melhor console, qual melhor jogo, qual a melhor versão de Street Fighter e porai vai.

    Tempos bons que não voltam mais, não é mesmo?

    ResponderExcluir
  15. @Fabiano

    O SNES tinha o melhor processador de áudio da época, como ele não teria sintetizador FM? O único problema da placa do Snes era a falta de memória para a reprodução dos sons, o que só possibilitava curtas amostras de áudio no console.

    ResponderExcluir
  16. É galera, como vemos nessa história que nosso amigo Sergio Oliveira mostrou, realmente, eu diria que essa não foi uma guerra e sim uma rivalidade muito forte entre as grandes Sega e Nintendo, tudo o que um console tinha, na verdade era para completar o que o outro não tinha, digamos que era a briga entre irmãos, e não uma guerra como vemos hoje, e isso também serve pra mostrar aos sonystas e caixistas(principamente sonystas) que tudo que temos sobre video games é graças a essas duas empresas, não aos sux's xbox e playstation.
    Vive muito essa época, morria e matava por uma Mega Drive, mas com o SNES que debutei, joguei muitas e muitas horas, com meus irmãos e amigos, tambem apreciava muito o Mega na casa de um amigo. Hoje vejo essas duas empresas juntas, era um sonho que tinha, que a Nintendo ia dar uma rasteira na Sega, compra-la e termos jogos de Mario e Sonic juntos, hoje isso é realidade, tirando o fato da Nintendo não ter comprado a Sega, mas ainda gosto muito dessas empresas, e ainda verei essa situação que sonhava quando pequeno, realizado, e como muitos disseram, época que não volta mais, abração pra todos!!!

    Sergio, parabens, essa matéria me causou nostalgia ao lê-la, continue assim, coloquem sempre esses tipos de assunto, garanto que muito marmanjo de 30 e poucos, ou quem sabe mais, vão ficar emocionados ao lê-las, parabens a todos da equipe Nintendo Blast, continuem assim e que DEUS ABENÇOE A TODOS, para continuarem com essa qualidade que a Nintendo Blast tem, valeu e obrigadão pelo seus trabalhos!!!

    ResponderExcluir
  17. Serginho Grecco16/01/2011 11:57

    Sem falar que além da diversão sem limites, essa época vivenciamos as melhores trilhas sonoras da história dos video games. Não em termos de poder sonoro, mas sim na criatividade das melodias. Quem não delirava com as músicas de Top Gear, Streets of Rage, Sonic, Castlevania, Rock'in rol Racing, Chrono Trigger, a série Donkey Kong Country, entre muitos outros!
    Nossos ouvidos também agardecem por essa época!

    ResponderExcluir
  18. Ambos os sistemas apresentavam o que era melhor em diversão, tive os dois e me diverti muito com eles.

    Ai vai algumas notas pessoais:

    -PC Engine era MELHOR que o Megadrive e SNES em termos de diversão (este sim é o verdadeiro sucessor do NES)

    -O Sega CD é o maior lixo que já vi, pura enganação de 512 cores

    -As conversões de arcade eram sempre melhores para jogar no Megadrive, e sempre deslumbrantemente lindas no SNES

    -A diferença no clock dos processadores nunca foi perceptível: quem jogou Space Megaforce no SNES percebe bem isto, quero dizer, com programadores talentosos a limitação do hardware fica para trás

    -Alguns jogos da Zirynx feitos para Megadrive, foram feitos pela turma do Amiga, alcaçando verdadeiros milagres em termos de animação, fazendo o MD parecer ter uma GPU decente (não tinha), ultrapassando de longe os "chips" do SuperNES

    -O SuperNES era muuuito superior ao Mega em termos de som, porém não houve jogo com som tão lindo como Streets of Rage

    -Donkey Kong Country para mim é o melhor jogo feito para um console 16bits

    -Sonic foi a maior inovação da era 16bits, e fez o MD parecer ter muito mais que apenas 512 cores

    ResponderExcluir
  19. Claro que a Nintendo mostrou a todos como se faz consoles de sucesso, após N64 e GameCube (o primeiro lançado apenas um ano depois do fim do Mega Drive).

    Por pouco a Nintendo não perdeu o título de sinônimo de videogames...

    ResponderExcluir
  20. Anoyminus,Alexandre Magno alguma vez deixou de ser sinônimo de gênio estrategista ou Mario de ser a primeira personagem que vêm à mente quando se fala de jogos eletrônicos?Não,pois se tornaram LENDÁRIOS,e uma lenda nunca morre,pois bem,a Big N,nunca deixou der a Big N,e é até hoje imbatível,tanto na popularidade quanto nas vendas...

    ResponderExcluir
  21. isso é o que eu chamo de volta no tempo lendo essa materia me fez lembra de como era bom juntar amigos mãe pai primos todo mundo pra jogar jogos que realmente valecem a pena ser jogados.Eu nasci no final dessa "guerra" mas ainda pude tirar bons momentos na frente da tv atualmente nÃO temos esse gosto de se reunir e jogar,ate o tempo que eu tinha snes agente jogava ai depois veio o playstation que acabou com essa diverção mas um dia eu sei que esse tempo vai voltar com tudo e vai ser pelas mãos da nintendo

    ResponderExcluir
  22. "Essa história do NES em relação ao Mega Drive, esta muito parecida com o Wii e PS3. Assim como veio o SNES irá vir o sucessor do Wii para dominar um mercado que já pertence a ele...A Megalomania da Sega em 94 esta parecendo com a Sony hoje, e no final todos sabem quem é a melhor..."

    Essa foi a comparação mais estúpida que já lí.

    No milênio passado, tudo era repassado de uma forma diferente, onde cada um queria ser melhor que o outro, não necessariamente pelo dinheiro, mas pelo prazer de dar e receber o que sabe fazer de melhor. E a Sega dos anos 90 era totalmente diferente da Sega que é hoje, e muito menos parecida com a Sony, a Sega liderou por uns anos com o Mega-Drive, e Sonic ajudou sem dúvida XD

    Não tenho uma preferência, porque existem jogos muito bons de Mega-Driver, mas existem muito jogos bons também no Super Nintendo, acho que esse lance de ver quem é o melhor não vai levar a nada, é só encarar os fatos.

    ResponderExcluir
  23. Meu deus, como esse cara (Sergio Oliveira) escreve bem! Oo

    Eu já li vários artigos sobre "Histórias dos video games" de vários sites diferentes, e digo que nenhuma delas contou a realidade e os detalhes tão bem como você. Tem muita coisa ai que eu não sabia. Hoje eu li do 1 ao 18 e foi umas das leituras mais gostosas que eu já tive!

    Vlw mesmo Sérgio...

    ResponderExcluir
  24. Bom, eu tenho 23 anos, faço 23 anos e 12 meses em Julho... Ná época que eu jogava SNES eu deveria ter meus 5~6 anos. E foram anos dourados sem dúvida!

    Assim como muitos leitores aqui eu tinha um SNES e tinha amigos que tinham o MD. Era muito legal porque jogávamos de tudo juntos e a rivalidade não era a mesma de hoje. Como já disseram antes, SEGA e Nintendo se completavam e isso era o que fazia daqueles anos os melhores de nossas vidas!

    Não só o fato das duas empresas terem suas especialidades, mas as desenvolvedoras de jogos trabalhavam 10x melhor e dedicava mais as suas franquias comparado a atualidade.

    Series como Donkey Kong Country, Metroid, Zelda, Street Fighter e varias outras "nunca" mais foram as mesmas pós decada de 90.

    Realmente, quando a gente pega um SNES ou MD pra jogar, jogavamos pelo prazer de jogar video-game... Não porque jogo X ou jogo Y tem os melhores gráficos do ano!

    Mas, é a vida né gente... Fica só a saudade mesmo!

    ResponderExcluir
  25. Como gamer eu gosto de todos os consoles não importa quem é melhor mais sim os jogos que te deram bons tempos de diversão que hoje já não dão

    ResponderExcluir
  26. Supersonic93307/05/2011 13:43

    Mega Drive SEMPRE!

    Apesar dos gráficos e sons piores que o SNES, seu processamento é muito bom. Claro que pra hoje o processador do Mega é nada, mas rodar Gunstar Heroes no SNES sem slowdowns é impossível. Mas pro Mega, isso era possível.

    Ele fez provar que processamento é mais importante que gráficos e som. PS3 tem uns dos melhores processadores já existentes, mas a placa é inferior ao X360. Isso fez vários jogos com Mass Effect ir melhor pro do Sony.

    ResponderExcluir
  27. Bem meu favorito é o SUPER NINTENDO SEMPREEEEEE!sempre vai ser ele n tem outro igual,tenho ele até hoje,o super mario world e outros jogos de sucesso e ele é demais!passou de irmão pra irmão,meus irmão na epoca tinham ele,adoravam,era um dos melhores consoles e ta na familia até hoje!Nintendo é foda!ninguem supera

    ResponderExcluir
  28. @Ricardo Albertoni

    Discordo de você.

    Também não sou fã da Sony, mas eles não são burros como a SEGA. Sabem administrar bem e competir, prova disso é que todos os seus consoles venderam muito.

    O erro da Sony hoje em dia com o PS3 é em nõa investir em jogatina online de qualidade e não buscar diminuir os preços nem de seus jogos nem de seu colsnole, algo que Microsoft e Nintendo já fizeram.

    ResponderExcluir
  29. Essa epoca foi muito boa, eu tinha 11 anos, o pessoal da minha rua tinha master system, e outros mega drive e eu era discriminado porque tinha um atari, foi quando passei pra 4ª série e meu pai me deu o Super Nintendo, é incrivel como todo mundo virou meu amigo do dia pra noite.

    Tinha uma locadora perto de casa que tinha centenas de cartuchos quase todo final de semana eu alugava um pra jogar, os preferidos eram Street Figther, Super Metroid, Double Dragon, Mortal Kombat, International Super Star Soccer e o melhor de todos Killer Stint. Pena que meu console era dos EUA e não rodava algumas fitas japonesas.

    Boa epoca que não volta mais

    Depois a Sony veio com o Playstation então não tive mais interesse em games, até surgir o Wii que pra mim é o melhor de todos. tambem gosto de Xbox..

    ResponderExcluir
  30. Vivenciei esta época com muito afinco!

    Horas e horas jogando em meu Snes, Nintendinho, Master System, Mega Drive na casa dos amigos, indo a locadoras, alugando cartuchos, pegando emprestado, trocando...
    ...que Saudade!

    Depois que o Dreamcast e a Sega caíram, para mim, o prazer da Boa disputa também acabou.

    Um sonho seria novamente ver Sega e Nintendo disputando saudavelmente na industria dos consoles como em outrora!

    Bela Materia!

    Parabéms Sérgio Oliveira e Nintendo Blast pela Qualidade e Nostalgia!

    ResponderExcluir
  31. Aquela época era uma maravilha! Jogos ótimos de plataforma, séries incrivelmente fantásticas! Do NES até o N64 era tudo uma maravilha! Hoje em dia os vídeos games só se focam nos gráficos ¬¬

    ResponderExcluir

Disqus
Facebook
Google