Jogamos

Análise: Crashmo (eShop/3DS)

em 28/11/2012

Pushmo foi uma das grandes surpresas para o eShop de 3DS em 2011. O simpático puzzle tinha como destaque uma mecânica simples e interessante... (por Farley Santos em 28/11/2012, via Nintendo Blast)

Pushmo foi uma das grandes surpresas para o eShop de 3DS em 2011. O simpático puzzle tinha como destaque uma mecânica simples e interessante, aliada ao excelente custo benefício do pacote. Quase um ano depois a Nintendo surpreende e anuncia uma sequência intitulada Crashmo. Ao invés de simplesmente adicionar conteúdo, a desenvolvedora Intelligent Systems reformulou boa parte da mecânica de jogo. Confira o resultado destas mudanças a seguir.

Os pássaros perdidos

Mallo estava passeando feliz quando avistou uma estranha situação: uma garota estava sendo carregada em um cesto por dezenas de pássaros. A menina pousa e é recebida por Papa Blox. O senhor revela que a garota se chama Poppy e que ela é sua sobrinha-neta. Ela veio de muito longe especialmente para visitar seu tio-avô. Ao se apresentar, Mallo bate com o pé no chão, em uma típica saudação de sumô, fazendo o chão tremer. Os pássaros não esperavam isso e fogem assustados para estruturas chamadas Crashmo. Sem os pássaros Poppy não tem como voltar para casa, sendo assim Mallo parte para o Crashmo Park a fim de recuperá-los.

Derrubando tudo

O objetivo em Crashmo é bem simples: chegue ao topo da estrutura e capture o pássaro. Isso é feito movendo os vários blocos, criando um caminho que possibilita a escalada. A novidade em relação a Pushmo é que agora os blocos não ficam presos e caem se não tiverem onde se apoiar, podendo ser movidos para qualquer lugar dentro da área de jogo. Por conta dessa nova mecânica é necessário levar em consideração também a profundidade, já que agora os puzzles são estruturas tridimensionais. O ângulo da câmera pode ser alterado, possibilitando uma visão completa de toda a situação.

Começando de novo e de novo

Não se deixe enganar pelas estruturas simplórias: Crashmo é muito difícil. O fato de os blocos serem soltos deixou os puzzles muito mais complexos. Tudo tem que ser analisado de todos os ângulos possíveis. Qualquer movimento errado pode impossibilitar a solução do enigma. Apetrechos especiais como blocos flutuantes e escadas são introduzidos aos poucos, mantendo a sensação de novidade por mais tempo. Se prepare para usar extensivamente a função de desfazer os últimos movimentos e o botão de recomeçar.


É aqui que a experiência de Crashmo se difere de seu antecessor. Pushmo era um game no qual você precisava estudar com cuidado a estrutura e aos poucos ir montando o caminho, enquanto em Crashmo o jogador tem que experimentar muito para conseguir sucesso. As vezes é fácil visualizar a solução, mas boa parte dos puzzles são um monte de blocos amontoados, o que torna bem difícil imaginar o que deve ser feito. O ruim disso é que é muito comum travar em um estágio qualquer, já que o jogo não dá nenhuma dica. Nem o extenso tutorial consegue preparar o jogador.


A graça do jogo está justamente na dificuldade em solucionar os enigmas. Tudo bem que na maioria das vezes a vontade é de jogar o 3DS na parede diante de tanta frustração, entretanto é impossível não se sentir realizado depois de resolver um puzzle. Ficou tempo demais travado em um enigma? Selecione a opção para pular e resolva depois.

Um pouco menos de carisma

Enquanto as regras do jogo sofreram várias mudanças, o mesmo não pode ser afirmado do visual e do som. Os gráficos estão idênticos e até a disposição dos menus é parecida. Já a música continua desinteressante e repetitiva, mas ao menos agora existe uma opção para desligá-la. Contudo estes detalhes não atrapalham a experiência de jogo, já que o maior destaque do game é justamente a jogabilidade.


Além do modo principal, existe uma opção chamada de Extras. Lá é possível rever a abertura e interagir com cada um dos pássaros já recuperados, além de outras várias opções que são desbloqueadas aos poucos. Outra novidade bem-vinda é a possibilidade de tirar fotos do jogo, basta pausar e apertar X. Agora ficou bem mais fácil provar para aquele seu amigo chato que você conseguiu resolver algum estágio difícil.


Infelizmente os puzzles que representam objetos como frutas, animais e até personagens da Nintendo estão em menor quantidade em Crashmo. A maior parte dos enigmas são blocos coloridos amontoados, o que tirou um pouco do carisma do título. O fato dessa troca é até justificável, já que os puzzles de objetos são bem desafiadores. Ainda bem que é possível adicionar novos desafios por QR Code, que pode ser lido pela câmera do 3DS ou através de uma foto gravada no cartão SD. Existe uma opção para receber novos crashmo direto da Nintendo, mas ao invés de receber diretamente o enigma é necessário acessar o site do game através do navegador do 3DS.


Uma sequência diferente

Crashmo pega a ideia básica de Pushmo e transforma em algo praticamente novo, com uma experiência única e desafiante. Os gráficos e parte sonora são bem simples, mas a jogabilidade viciante é o real destaque. O único ponto problemático e a acentuada curva de aprendizado. Mesmo quem resolveu os enigmas mais difíceis de Pushmo vai ter muita dor de cabeça em Crashmo. Se você é fã de games de puzzle e procura um bom desafio, Crashmo é uma excelente escolha.

Prós

  • Grande quantidade de puzzles para resolver;
  • Mecânica de jogo simples de entender, mas difícil de dominar;
  • Criador de enigmas completo e fácil de usar.

Contras

  • Curva de aprendizado acentuada;
  • Música desinteressante;
  • Compartilhamento de criações ainda ignora recursos como StreetPass e SpotPass.
Crashmo - 3DS - Nota Final: 8,0
Visual: 7,5 | Som: 7,0 | Jogabilidade: 9,0 | Diversão: 9,0
Revisão: José Carlos Alves

é brasiliense e gosta de explorar games indie e títulos obscuros. Fã de Yoko Shimomura, Yuzo Koshiro e Masashi Hamauzu, é apreciador de roguelikes, game music, fotografia e livros. Pode ser encontrado no seu blog pessoal e nas redes sociais por meio do nick FaruSantos.
Este texto não representa a opinião do Nintendo Blast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.