Jogamos

Análise: Gunman Clive (eShop/3DS)

em 17/01/2013

Cansado de games com inúmeras e complexas mecânicas de jogo, que não adicionam muito à experiência e diversão? Gosta de jogos de plataform... (por Farley Santos em 17/01/2013, via Nintendo Blast)

Cansado de games com inúmeras e complexas mecânicas de jogo, que não adicionam muito à experiência e diversão? Gosta de jogos de plataforma? Gunman Clive é a resposta para os seus problemas. O simpático game indie, que foi desenvolvido por somente duas pessoas, pega o que tem de melhor dos títulos old school de tiro e plataforma. Contando com gráficos inusitados e mecânicas simples de jogo, o game revisita conceitos da geração 8-bit com toques de modernidade.

Confusões no velho oeste

Em uma cidade qualquer do velho oeste tudo estava tranquilo, até uma gangue de ladrões aparecer. O grupo de vilões invade a cidade e as regiões próximas, saqueando e destruindo tudo. Mas a pior ação da gangue foi o rapto da filha do prefeito Johnson. A população estava aflita e sem esperanças, somente esperando o seu fim. Então eis que surge um pistoleiro misterioso chamado Clive, que promete dar um jeito na gangue e resgatar a bela donzela.

Ms. Johnson pede ajuda

A pistola é a justiça

Assim como muitos games clássicos de NES, o protagonista de Gunman Clive tem à disposição somente dois movimentos: pular e atirar. Contudo, não pense que resgatar a filha do prefeito será uma tarefa fácil. As fases estão repletas de armadilhas e inimigos, estrategicamente posicionados para que o personagem seja abatido inúmeras vezes. Alguns poucos power-ups estão espalhados pelas fases, o que deixa a aventura um pouco mais fácil em alguns momentos, por mais que seja um pouco difícil não levar dano e perder os tiros especiais. Ms. Johnson, a garota raptada, também é uma personagem jogável e oferece um pouco de variedade ao título. Ela pode flutuar durante alguns segundos no ar, porém, conta com menos energia e é mais lenta que Clive.


Os estágios são curtos e levam por volta de dois minutos para serem terminados. Um dos destaques do game é a variedade de desafios. As primeiras fases são bem simples, com alguns pulos aqui e ali, nada muito difícil. Depois do primeiro chefe os estágios passam a contar com sessões de plataforma bem mais complexas e inimigos posicionados em locais irritantes. Prepare-se para morrer várias e várias vezes. Algumas fases são bem únicas também, como em uma sessão na qual o personagem controla um carrinho de mina, vide Donkey Kong Country Returns (Wii). A aventura leva por volta de uma hora para ser concluída, mas o game conta com três dificuldades e um modo extra que muda consideravelmente a jogabilidade.

Um faroeste rabiscado

O que mais se destaca em Gunman Clive são seus gráficos. O game tem um visual único: tudo parece ser feito de rabiscos, que ficam o tempo todo se mexendo. Tons pastéis predominam, remetendo regiões desérticas, com poucos elementos coloridos. O resultado é bem inusitado e agradável, por mais que possivelmente você vá querer jogar algo bem colorido depois. A música acompanha o tema do jogo, com canções que remetem aos clássicos filmes de bang-bang, salvo algumas estranhas composições meio eletrônicas, que soam completamente deslocadas.


Bang-bang estiloso

Com uma jogabilidade simples e funcional, aliada a uma bela direção de arte, Gunman Clive é mais uma excelente adição indie ao eShop. O único defeito fica por conta da brevidade da aventura, já que o game pode ser completado em poucos minutos. Entretanto, o game custa somente R$2,99, tornando excelente o custo x benefício. Se procura algo simples, divertido e barato, Gunman Clive é uma ótima escolha.


Prós

  • Jogabilidade simples e precisa;
  • Bela direção de arte;
  • Barato, somente R$2,99.

Contras

  • Campanha curta.
Gunman Clive - 3DS - Nota Final: 8.0
Revisão: Jaime Ninice

é brasiliense e gosta de explorar games indie e títulos obscuros. Fã de Yoko Shimomura, Yuzo Koshiro e Masashi Hamauzu, é apreciador de roguelikes, game music, fotografia e livros. Pode ser encontrado no seu blog pessoal e nas redes sociais por meio do nick FaruSantos.
Este texto não representa a opinião do Nintendo Blast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.