Jogamos

Análise: Entre no ritmo de HarmoKnight, a nova aventura da Game Freak para o 3DS!

Apesar de ser responsável por jogos como o excelente Pulseman (Mega Drive), a Game Freak é conhecida quase que unicamente pelos jogos ... (por Unknown em 14/04/2013, via Nintendo Blast)



Apesar de ser responsável por jogos como o excelente Pulseman (Mega Drive), a Game Freak é conhecida quase que unicamente pelos jogos portáteis da série Pokémon. E não é para menos! Fenômeno mundial de vendas e responsável pela liderança absoluta da Nintendo no ramo dos consoles de mão, a série de RPG se renova a cada novo lançamento e mesmo assim consegue manter toda a qualidade de seus antecessores. Contudo, o que aconteceria se a desenvolvedora decidisse criar algo novo, sem relação com a consagrada franquia dos monstrinhos de bolso? A resposta é HarmoKnight, jogo meio plataforma, meio musical lançado na semana passada para o eShop do 3DS. Será que a empresa acertou a mão ou é melhor voltar para o universo de Pikachu e seus amigos? Descubra agora!

Perigo em Melodia

HarmoKnight se passa em Melodia, um pacato reino cercado de natureza e permeado por elementos que remetem à música, como montanhas em forma de violões e plantas cujas flores são pratos. Infelizmente, a paz desse lugar começa a ser abalada quando os Noizoids, cruéis e barulhentos monstros, decidem acabar com toda a harmonia do reino e criar um império próprio. Nesse momento entra Tempo, um simpático e inocente garoto que é encontrado por Tappy, um coelho falante que buscava incessantemente alguém capaz de trazer de volta a paz para Melodia.



Apesar de muito simples e sem trazer muitas novidades, a história é cativante graças aos personagens carismáticos e às belíssimas animações apresentadas entre as fases, que contam um pouco mais sobre a jornada e as motivações dos personagens.  Falando em personagens, se não fosse pela parte musical, eles seriam facilmente as grandes estrelas do título. Cada uma das pessoas ou animais encontrados pelo caminho possui suas próprias motivações, trejeitos e estilos, sendo todos extremamente únicos e cativantes. Durante sua jornada, Tempo encontra outras pessoas que desejam salvar Melodia das garras dos Noizoids, de forma que o garoto não é o único personagem controlado na aventura. Mesmo com a jogabilidade de todos sendo muito parecida, há pequenas diferenças que tornam única a experiência com cada um deles. Tempo, por exemplo, pode desferir ataques com seu “cajado” e saltar, enquanto que Lyra, a primeira pessoa encontrada, pode atirar flechas de fogo e desviar dos projéteis dos inimigos, de maneira que todas as suas fases possuem uma dinâmica diferente das vivenciadas pelo protagonista.

Jornada musical

O jogo é dividido em fases que, por sua vez, são divididas em mundos temáticos como montanhas, campos etc. O mapa é bastante influenciado pelos criados na era 16-bit para jogos de plataforma, principalmente pelo icônico Super Mario World, o que por si só já é excelente, já que traz um sentimento de nostalgia em conjunto com todas as novidades criadas pelas mentes da Game Freak.  São sete mundos que, juntos, contabilizam mais de cinquenta fases, além de alguns níveis extras com temas de Pokémon, que vão deixar os fãs encantados com o esmero da produtora ao desenvolvê-los.

O game possui vários personagens controláveis
Durante os estágios, os personagens se movimentam automaticamente, deixando o jogador responsável apenas por utilizar as habilidades de cada um deles. A música da fase dita o ritmo em que essas habilidades devem ser usadas, de maneira que o sucesso depende apenas da capacidade dos jogadores em absorver e acompanhar o ritmo das composições apertando os comandos certos com um timing perfeito. Na maior parte do tempo o sistema funciona perfeitamente, contudo, há certos momentos em que a janela para se obter sucesso no movimento não parece estar completamente em sintonia com as músicas, causando certa frustração nos jogadores. Vale ressaltar que isso acontece muito raramente, não atrapalhando completamente a experiência do título.

Certamente um destaque do jogo, as batalhas contra chefes são extremamente divertidas e bem construídas, sendo completamente roteirizadas e cinematográficas. Não pense que apenas os mocinhos são carismáticos nesse jogo, pois os vilões são tão adoráveis quanto, chegando a dar dó ter que derrotar alguns deles. Mais uma vez é notável o empenho da desenvolvedora em criar uma experiência rica e divertida.

Música para seus ouvidos

A trilha sonora do jogo, como não poderia deixar de ser – já que se trata de um jogo musical –, é excelente. Cada mundo possui um estilo diferente de composição, sendo todas elas empolgantes e deliciosamente cativantes. Por várias vezes, flagrei-me retornando a alguns dos estágios apenas para conseguir pontuações maiores enquanto aproveitava as músicas que compunham sua trilha sonora, e que meu personagem ajudava a construir com seus movimentos milimetricamente calculados. Os efeitos sonoros também são bastante divertidos, principalmente os sons emitidos pelos personagens, que acaba por torná-los ainda mais adoráveis.

Os estágios que homenageiam Pokémon são incríveis!

Graficamente o jogo é muito belo, e as fases possuem diversos detalhes que ficam ainda mais evidentes com o efeito 3D ligado. Contudo, o ponto alto nesse quesito são as já mencionadas cutscenes. Vibrantes, divertidas e bem dirigidas, elas arrancarão sorrisos de qualquer jogador que estiver no clima da aventura e contribuirão ainda mais para a imersão da experiência, que é facilmente a mais longa e divertida lançada para o eShop até agora.

Adeus, zona de conforto

HarmoKnight prova que as desenvolvedoras devem se arriscar mais para criar novas e incríveis experiências. A GameFreak ficou tanto tempo presa a Pokémon (e na verdade ainda está), que esquecemos que lá há muita gente talentosa capaz de criar experiências inovadoras que saiam completamente de seu estilo convencional. Afinal, quem não se lembra do quão aclamadas foram as primeiras versões dos jogos dos monstrinhos de bolso e quanta inovação elas trouxeram à indústria? É admirável uma empresa que, mesmo tendo encontrado sua mina de ouro, se arrisca a novos horizontes e apesar de tal risco, o resultado pode ser surpreendente!

Prós

  • Extremamente carismático;
  • Jogabilidade empolgante;
  • Trilha sonora cativante;
  • Animações incríveis;
  • Pacote cheio de conteúdo.

Contras

  • Às vezes não fica clara a janela de tempo para se pressionar os botões.


HarmoKnight – Nintendo 3DS – Nota: 8.5

Revisão: Bruno Nominato 
Capa: Diego Migueis

Escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google
Disqus
Facebook