Game Music

Sinta toda a emoção das melodias e canções épicas que ecoam pelo tempo em Ocarina of Time

Há 15 anos, um jogo épico chegava no Nintendo 64 para conquistar os corações e ouvidos de muitas crianças e adultos. The Legend of Zelda:... (por Unknown em 06/09/2013, via Nintendo Blast)


Há 15 anos, um jogo épico chegava no Nintendo 64 para conquistar os corações e ouvidos de muitas crianças e adultos. The Legend of Zelda: Ocarina of Time foi um marco na história dos games que trouxe inúmeras inovações para a franquia de Link com novos modos de jogabilidade aliados a um visual incrível junto de um enredo cativante e envolvente. Mas talvez o elemento mais importante que o jogo tenha adicionado ao mundo dos games tenha sido a música e, em Ocarina of Time, ela desempenha um papel muito importante. É através de canções e melodias que a trama do jogo se desenrola e o jogador participa intensivamente do desenvolvimento do personagem e de uma história fantástica.

Uma história guiada pela música

Composta pelo grande mestre musical do mundo dos games, Koji Kondo, a trilha sonora original de Ocarina of Time contém 82 faixas editadas em dois CDs (um deles tendo as músicas presentes no jogo e outro com versões orquestradas das mesmas). Em 2011, após o lançamento do remake do jogo para o 3DS, o Club Nintendo ofereceu a trilha sonora remasterizada do jogo, contendo 51 faixas, aos clientes que registrassem o jogo e o aparelho no site, como incentivo para compra do portátil. Com tantas versões disponíveis das melodias, nessa matéria focaremos em apresentar as músicas da clássica versão para o Nintendo 64, com todas as nuances e aspectos dessa grande obra musical eletrônica.

Pare, toque e ouça
O espetáculo musical dessa obra virtual tão épica começa logo que o menu do jogo aparece na tela. “Title Theme”, como o próprio nome diz, é a música tema do título do jogo e consegue transmitir toda a sensação de glória, tensão e aventura que o jogo promete ao usuário. Com um tema suave, a música dá a introdução perfeita para a aventura incrível que o pequeno Link e o jogador estão prestes a começar.

As diversas localidades do universo de Zelda nesse jogo apresentam temas musicais distintos e únicos. As músicas de locais como o lar de Link, a Floresta Kokiri e o mercado do Castelo de Hyrule possuem uma temática animada e divertida, refletindo muito bem a época da infância do personagem. Já outras canções, como a clássica melodia grave que pode ser ouvida ao adentrar o Temple of Time ou a sinfonia de ritmo vibrante e intenso que ressoa através de Gerudo Valley mostram uma época mais obscura na vida do personagem, onde o destino de toda sua terra está depositado sobre seus ombros e os desafios parecem apenas aumentar em número pela sua frente.




Outras melodias marcantes estão presentes na aventura, como a sinfonia com ares heroicos que toca quando Link adentra no grande campo aberto de Hyrule ou a simpática e divertida melodia ressoando pelo confuso labirinto de Lost Woods. Ambas são canções com uma variedade de ritmos e nuances muito grande, que conseguem criar uma atmosfera própria ao redor do personagem e quase transportar o jogador diretamente para o fantástico universo de Link.

As músicas presentes nas dungeons também fazem parte das melhores composições presentes na trilha sonora do jogo. Canções inesquecíveis como a sinfonia inusitada e um pouco tensa ouvida em todas as câmaras do Forest Temple ou o tema com ar árabe que reverbera nas paredes e espelhos do Spirit Temple, marcaram a passagem do herói do gorro verde por esses lugares perigosos, cheios de enigmas mas ao mesmo tempo fantásticos. Uma história cerca a melodia simples do Fire Temple, pois a primeira versão do jogo continha um cântico islâmico sendo reproduzido na sinfonia, como pode ser visto no vídeo abaixo. Sem saber que essa trilha religiosa havia sido inadvertidamente adicionada à composição da música, a Nintendo tratou de retirá-la nas versões posteriores do jogo (outras edições para o N64, GameCube e 3DS), respeitando uma política de "sem referências religiosas" nos jogos da empresa, como podemos ver na música a seguir. Importante notar também que cada batalha contra os principais chefões do jogo também foi acompanhada de uma sinfonia especial que talvez tenha sido a música mais tensa e dramática de toda a aventura, fazendo com que a cada batida o jogador ficasse presso à tela para vencer uma batalha mortal.





Pouco antes do confronto final entre o corajoso herói e o terrível Ganon, os jogadores são contemplados com uma das composições musicais mais tenebrosas e intensas do jogo, "Inside Ganon's Castle", a assustadora música de órgão que começa a tocar durante o percurso de Link pelo castelo do vilão e gela a alma até dos mais bravos. Encerrando as aventuras de Link e Zelda, depois de a Master Sword finalmente ser selada novamente no pedestal do Temple of Time, uma singela melodia começa a tocar enquanto as principais paisagens do jogo começam a ser dispostas na tela, logo atrás dos créditos do jogo. “Staff Credits Theme” é a última música a ser reproduzida no jogo e, misturando outras sinfonias presentes na obra, ela consegue finalizar de um forma divertida essa aventura fantástica através do tempo.


Muito mais que uma simples Ocarina

Ao longo da trama da aventura, o jovem guerreiro aprende 12 canções pare serem tocadas na ocarina (além da "Scarecrow’s Song", que pode ser composta da maneira que o jogador desejar). Cada canção possui características únicas e seus efeitos sobre o tempo e o espaço são diferentes. Em apenas um faixa, algumas das melodias do instrumento mágico são reproduzidas na seguinte ordem: "Zelda’s Lullaby", "Epona's Song", "Sun’s Song", "Saria’s Song", "Song of Time" e "Song of Storms". Essas canções em especial são sinfonias simples, que possuem um ar calmo e transmitem uma sensação de esperança e otimismo ao jogador, mesmo tendo que enfrentar perigos tão terríveis em algumas circunstâncias.

Já as outras seis canções especiais da ocarina são reproduzidas em faixas separadas. Cada uma delas possui um estilo musical muito diferente que reflete principalmente as características dos locais próximos às dungeons das quais a específica melodia se refere. Por exemplo, "Minuet of Forest" tem um tom suave e alegre que lembra muito alguma melodia infantil sobre contos de fada. "Serenade of Water" e "Requiem of Spirit" se mostram composições nem muito delicadas e tampouco vibrantes, mas que transmitem uma sensação mais tensa, quase de expectativa e calma ao mesmo tempo. Já, canções como "Bolero of Fire" ou "Nocturne of Shadow" são composições com ares mais intensos e dramáticos, mostrando sua relação com dungeons que guardam muitos perigos e desafios ao intrépido herói do gorro verde. Interessante perceber o tom mais simples e até animado que "Prelude of Light" possui, se diferenciando do tom mais épico e grandioso das canções mais complexas reproduzidas pela ocarina.


Algumas músicas que podem ser tocadas na Ocarina tem histórias interessantes, como Zelda’s Lullaby, uma melodia tão especial que ganhou um versão diferente e mais ritmada que toca em outros momentos mais dramáticos do jogo, chamada apenas de "Ocarina Of Time". A canção é tão importante que se tornou uma das marcas musicais da franquia, aparecendo com uma versão bem mais moderna até no título mais recente da franquia, Skyward Sword. Outra canção com uma história inusitada é a Song of Storms que gera uma dor de cabeça à Link e ao jogador se tentarem compreender afinal de contas quando o herói aprendeu essa melodia do estranho tocador que vive no moinho d’água, que pode ser ouvida quando se adentra na construção e é intitulada “Windmill Hut”.


Curioso perceber que meses após o lançamento do jogo, em 1998, a procura e venda por ocarinas aumentou drasticamente em diversos locais do mundo. Fãs entusiasmados desejavam avidamente aprender e praticar as músicas do jogo com uma ocarina de verdade (que para os leigos, nada mais é do que uma flauta simples feita de porcelana e reconhecida com um dos instrumentos musicais mais antigos do mundo, datando de mais de 12 mil anos atrás) .Um deles, Spencer Register, se empolgou tanto que, influenciado pelo jogo, começou a produzir ocarinas artesanais e a vendê-las, em um esforço para reviver esse antigo instrumento, tão esquecido pelo mundo ocidental. O artista e artesão divulga seus produtos e obras musicais em um site especial. É incrível ver que cada ocarina produzida por Spencer é mais bela que a outra e o rapaz tem um talento nato para a música, algo que ele demonstra nessa montagem com uma das melodias mais belas do jogo e a primeira canção que o misterioso Sheik ensina a Link, “Minuet of Forest”.


Uma das composições mais belas de Ocarina of Time ficou por conta da música dos créditos realizada especialmente para o remake do título para o 3DS, e que merece uma menção honrosa nessa matéria. O “Staff Roll” é uma melodia épica que, apesar de começar suave, toma proporções gigantescas com o passar do tempo, passando ao ouvinte toda a sensação de aventura e ação presentes na obra de uma forma emocionante e que deixa o jogador repleto de vontade de reviver a história de Link e Zelda através do tempo, mais uma vez. É, sem dúvidas, a melodia que fecha esse épico jogo com chave de ouro e faz com que a lenda do Herói do Tempo e seus feitos viva para sempre nas mentes de seus fãs e mesmo daqueles que jogaram o jogo apenas uma vez e conseguiram se encantar e comover com uma história tão incrível.



Revisâo: José Carlos Alves
Capa: Stefano Genachi

Escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google
Disqus
Facebook